Fertilidade

Subscrever feed Fertilidade
Clinica de Reprodução Humana em São Paulo, SP. Tratamento de Infertilidade. Técnicas modernas de fertilização in vitro. Dicas para manter sua fertilidade.
Atualizado: 1 hora 55 minutos atrás

Miomas uterinos. Leiomiomas no útero. Mal muito frequente.

sex, 07/19/2019 - 15:34
TRatamento: embolização

Mioma uterino

Dra. Juliana Amato explica sobre esse problema tão comum que atinge tantas mulheres e ainda pode dificultar a gestação.

 

--transcrição-- Olá meu nome é Juliana Amato e hoje nós vamos conversar um pouquinho sobre mioma. Existe muita dúvida se o mioma pode causar infertilidade. Então vamos tirar algumas dúvidas. O que é o mioma? Ele é um tumor benigno muito comum no útero cerca de 70% das mulheres vão ter mioma em alguma época da sua vida mas isso não quer dizer que vai causar infertilidade. Cerca de 50% dessas pacientes não vão ter nenhum problema relacionado à doença durante a sua vida. A gente tem alguns tipos de mioma eles são bem diferenciados e eu vou comentar um pouquinho sobre eles com vocês. A gente tem um mioma subseroso: esse mioma subseroso ele fica na camada externa do útero. E ele não tem repercussão nenhuma para fertilidade da mulher. O que pode ocorrer ele pode aumentar o seu volume durante a vida da mulher e pode causar sangramentos aumentados durante a menstruação. Mas da parte de fertilidade ele não tem alteração. Os miomas submucosos eles ficam na parede dentro do útero muito próximo do endométrio e esse sim se crescerem muito, podem ter alteração na fertilidade porque eles vão competir com o espaço do feto crescer e pode ter casos de abortamento, de trabalhos de parto prematuro. Então esses merecem ser tratados. Existem os miomas intramurais. Esses miomas intramurais eles ficam na camada de dentro do útero na parede uterina. Esses se crescerem muito podem abaular a cavidade do endométrio e pode dar algum problema de infertilidade sim. Mioma não dá sintoma nenhum, a não ser que ele esteja numa dimensão um pouquinho maior que começa dar irregularidade menstrual. Com o aumento do fluxo menstrual. Mas, normalmente, se eles são pequenos, eles não causam nenhum sintoma. E o tratamento para esse tipo de mioma. Depende muito da localização desse mioma. Hoje em dia a cirurgia que a gente usa pra mioma chama embolização uterina. Essa embolização uterina consiste em uma cirurgia endovascular onde se coloca um cateter no vaso. Esse cateter chega até os vasos de nutrição do útero e lá se colocam microembolos que fecham essa circulação e com isso esses miomas param de receber essa nutrição e eles necrosam. Eles morrem. Eles não saem dali mas eles vão diminuindo de volume com o tempo. Porque é que é mais interessante fazer uma embolização de mioma no aspecto reprodutivo do que uma cirurgia para retirar esse mioma como uma laparoscopia como o histeroscopia porque no caso da embolização não vão ter cicatrizes uterinas então não vão ter áreas de fragilidade e não vão ter cortes. Isso é importante para uma futura gravidez.

miomavídeoamatotvembolização
Categorias: Medicina

Ovário policístico e infertilidade. Causa de dificuldade para engravidar

sex, 07/12/2019 - 09:42
Ovário policístico e infertilidade

Ovário policístico e infertilidade

Dra Juliana Amato, ginecologista e obstetra do Instituto Amato fala sobre um problem muito comum, o ovário policístico e sua associação com a infertilidade, ou seja, a dificuldade de engravidar e ter bebês.

-- transtrição --

Hoje nós vamos conversar um pouquinho sobre ovário policístico infertilidade e o que é o ovário policístico. Ela é uma síndrome e essa síndrome ela é causada por alterações hormonais e caracterizada por alterações no ciclo menstrual. Então ou pára-se de menstruar (não tem a menstruação) ou essa mensuração é bem regular: a cada 50 dias a cada dois meses está associado também com alterações de pele como acne e aumenta muito o risco cardiovascular, aumenta o risco de diabetes e hipertensão. Mais para frente na sua vida. Então é uma síndrome que deve ser tratada, causa infertilidade porque não tendo esse ciclo regulares não tem ovulação então fica muito difícil de engravidar. A prevalência é de 10 a 15% na população. A gente faz o diagnóstico mais nas adolescentes mas ocorre muito de fazer o diagnóstico já com 20-30 anos de idade. O importante é tratar antes de querer engravidar porque existe o tratamento que diminui essa resistência à insulina e com isso, com a perda de peso, com essa diminuição da resistência da insulina a pessoa  começa a menstruar novamente e ela começa a ovular e pode ter até uma gravidez natural. Mas se não tratada fica mais difícil como é feito o diagnóstico da síndrome da síndrome do ovário policístico? Ela é feita através do ultrassom transvaginal onde vai ver a presença de vários folículos característica de anel de conta na periferia desses ovários e também por alterações hormonais e de insulina. O tratamento do ovário policístico ele consiste em tratamento hormonal através de anticoncepcionais ou através de tratamentos que diminuem essa resistência à insulina. Porém a melhor pessoa que vai indicar esse tratamento é o seu médico, de acordo com o grau dos seus sintomas no caso de pacientes que estão tentando engravidar como se faz o tratamento desse ovário policístico? Normalmente a gente tenta se tratar um pouco antes mas dependendo da idade da paciente a gente já parte para uma tentativa de gravidez que pode ser: Se a causa fosse somente o ovário policístico não tiver nenhuma causa associada tanto a masculina quanto outra causa feminina de infertilidade. Podemos fazer uma indução da ovulação com coito programado ou uma inseminação intrauterina. Se você gostou desse vídeo e se inscreva no nosso canal dê o seu lá e deixe seu comentário e ative esse sininho de notificação para ver mais videos. Obrigada. 

amatotvvídeoovário poliocísticoinfertilidade
Categorias: Medicina

Endometriose e infertilidade. Dificuldade de engravidar.

sex, 07/12/2019 - 09:37
Endometriose e infertilidade

Endometriose e infertilidade

Dra Juliana Amato, ginecologista e obstetra do Instituto Amato fala sobre a doença comum endometriose e como ela afeta a reprodução humana com infertilidade e dificuldade de engravidar.

--transcrição--

Meu nome é Juliana Amato eu sou ginecologista e obstetra e hoje nós vamos conversar um pouquinho sobre a endometriose e infertilidade. Como nós estamos em  junho, junho é o mês da conscientização da endometriose e o que é endometriose. A endometriose é uma doença caracterizada pela presença do tecido do endométrio tecido que reveste o útero por dentro fora da cavidade. O que ocorre é que esse tecido ele passa pela trompa. Ele tem uma regurgitação pelas trompas e ele vai se fixando em locais fora do útero como cavidade abdominal como intestino bexiga. Isso vai causando uma série de processos inflamatórios contínuos dentro dessa cavidade abdominal e esse processo inflamatório  pode causar aderência. Essas aderência podem comprometer a trompa e com isso a dificuldade para engravidar.  A endometriose tem uma prevalência de 10 a 15% na população em geral. Como que a gente sabe que a gente tem endometriose? O principal sintoma da endometriose é a dor! Como é caracterizada essa dor? É uma dor intensa uma dor contínua e uma dor que parece uma cólica. Ela pode estar localizada em baixo ventre. Ela pode ser uma dor mais peri-anal. Pode acontecer após relação sexual e após a evacuação. É muito importante lembrar que a endometriose em uma porcentagem pequena das mulheres pode não causar nenhum sintoma de dor. Mas isso não quer dizer que ela não possa ter a doença. Então é importante passar no seu ginecologista e falar sobre esses sintomas e fazer seus exames de rotina. O diagnóstico da endometriose  é realizado através do exame físico do médico, da história da paciente e de exames laboratoriais. Tem que ser exames bem específicos e realizados por radiologistas experientes em endometriose. Porque muitas vezes numa ressonância magnética ou um transvaginal normal. Essa endometriose não é detectada tem que haver um preparo especial para a realização desses exames e tem que ser avaliado com uma pessoa experiente em endometriose. Qual é o tratamento da endometriose? A endometriose pode ser tratada através de hormônios que impedem a evolução da doença ou por cirurgia mas muitas vezes essa cirurgia não é indicada ela é muito controversa depende muito do grau dessa endometriose. Essa endometriose profunda vai precisar realmente de uma cirurgia mas se é uma endometriose leve a medicação já mantém estável essa evolução da endometriose. Importante lembrar que não tem cura é uma doença evolutiva mas que tem um tratamento que mantém essa doença estável. Se você gostou do nosso vídeo se inscreva no canal de seu like, deixa seu comentário e ative a Sininho de notificação para receber mais videos. 

endometrioseamatotvvídeoinfertilidade
Categorias: Medicina

Abortamento recorrente

ter, 07/02/2019 - 14:17
Abortamento e infertilidade

Aborto recorrente

Dra Juliana Amato, ginecologista do Instituto Amato fala sobre abortamento recorrente.

-- transcrição --

Meu nome é dra Juliana Amato sou ginecologista obstetra e hoje nós vamos conversar um pouquinho sobre abortamento recorrente.  O que é o abortamento recorrente e a perda gestacional precoce no primeiro trimestre da gravidez que ocorre por mais de duas vezes. O abortamento é muito comum se acontecer uma em cada cinco gestações normais acabam em abortamento. Porém quando essas perdas começam a ficar frequentes é necessário investigação. E Porque essas abortamentos ocorrem: o abortamento é causa de uma seleção natural. Ou seja são alterações cromossômicas que ocorrem nesse feto e que a natureza por si própria dá um jeito de eliminar. A prevalência de abortamento recorrente é menos de 5% na população. E as causas principais desse abortamento como eu já falei são as alterações cromossômicas então aqui a gente pode citar as  monossomias, as   trissomias,  a síndrome de Down,  Síndrome de Turner, as anomalias incompatíveis com a vida. A gente pode citar também alterações uterinas ou alterações na formação do útero como presença de septos no útero presença de alguma malformação uterina incompatível com a evolução dessa gravidez. As alterações hormonais também ocorrem muito como causa de abortamento. Aqui a gente pode citar o hipotireoidismo o hipertireoidismo quando eles estão descompensados. Eles podem levar abortamento assim como um aumento de um hormônio produzido na lactação, que se produzido fora dela, fora do período de amamentação, também pode levar a abortamento. Por isso o importante nos casos de pacientes que já fazem um acompanhamento de hipo ou  hipertireoidismo antes de engravidar passar no seu médico e ver se essas alterações hormonais  estão compensadas com a medicação. Se é necessário aumentar ou diminuir a sua dose. 

Além disso uma causa muito frequente que a gente tem visto hoje em dia dos abortos recorrentes é a trombofilia. E o que é a trombofilia? A trombofilia é a pré disposição que o paciente tem que a pessoa tem a formar trombos NA VEIA. E essa trombofilia, causando essa trombose. Ela altera a circulação da gravidez para esse útero e causam as perdas gestacionais. Hoje em dia se fala muito em trombofilia. Existem exames de sangue que fazem o diagnóstico e pode ser realizado um tratamento durante a gravidez toda que previne essa formação desses trombos e a gravidez se completa naturalmente chegando até o nascimento do neném. Se você gostou do nosso vídeo deixe seu like que comente ative o sininho de notificação. Inscreva-se no nosso canal.

amatotvvídeoabortamento
Categorias: Medicina

Determinação do período fértil

seg, 06/17/2019 - 09:22
Determinação

Periodo fertil

Dra Juliana Amato explica como é feito a determinação do período fertil. Como fazer o seu calendário da fertilidade próprio e quais sintomas para determinar o período fertil, melhor época para engravidar. Em nosso site temos uma calculadora online. Veja: https://fertilidade.org/fertility

 

 

---transcrição---

 

05 - determinacao do periodo fertil Video #5.mp4

 [00:00:00] Olá meu nome Juliana Amato. Hoje nós vamos conversar um pouquinho sobre a determinação do período fértil. Muitas pacientes escrevem perguntando como que determina o seu período fértil. Não é uma coisa muito simples de se fazer. Se você tem um ciclo menstrual com dias pré determinados, por exemplo, regulares de 28 dias. Assim é fácil, mas você sabe porque o seu período fértil vai estar no meio do seu ciclo entre o 10 e o 14 dia do ciclo. Então o ideal no seu período fértil você tem relação entre o 10-14 um dia sim um dia. Se você tem um ciclo mais curto de 20-25 dias aí começa a mudar um pouquinho porque o seu período fértil não vai ser mais naquele período do 10-14. 

 [00:00:56] Então o que é necessário fazer puxar essa contagem de dias um pouco mais para trás. Então pra quem tem um ciclo mais curto vai sem ferir o 8 e o 10 dia. Então vai manter relações sexuais nesse período. E para quem tem ciclos de 30 a 35 dias a gente tem que puxar esses dias mais para frente. Ou seja se seria normalmente no 10-14 em relação ao 15-18 um Dia sim e um dia nao . Algumas mulheres mas não a regra, apresentam alguns sinais em seu ponto que prediz em ovulação quais sinais são esses? Por exemplo uma dor no meio do ciclo para dor pélvica mais baixa parecendo uma pontada que as  vezes dura um dia um dia e meio. A gente chama de dor é a dor da ovulação

 [00:01:51] Muitas mulheres sentem, mas muitas não sentem. Para aquelas que sentem essa dor é um indício de ovulação. No período ovulatório existe um aumento do muco vaginal. Então a gente tem a percepção de que a vagina fica mais úmida e com uma secreção mais grudenta mais ___ parece uma gelatina. Isso é indício também do período fértil. Quando tiver essa sensação também manter relação. 

 [00:02:24] Que muito é dito na internet é que o aumento da temperatura também prediz a ovulação. Porém esse aumento da temperatura ele é difícil de ser mensurado. Para fazer essa medida a mulher tem que antes de levantar da cama de colocar o pé no chão colocar o termômetro e é uma alteração muito pequena de meio centígrado. Então se ela tiver alguma infecção se ela tiver gripada na época se tiver dormido com muito cobertor vai ser muito difícil a gente mensurar essa diferença de 0,5 centigrado então indico uma outra maneira de saber se está no período fértil e fazer os testes de LH que existem na farmácia. 

 [00:03:10] Eles são testes fidedignos e eles diminuem a ansiedade de saber em que período está ovulando. Esses sinais ajudam a gente. Esses sinais ajudam. A direcionar para saber qual a melhor época para ter relação e devemos usá los a nosso favor. 

 [00:03:33] Se você gostou do nosso vídeo se inscreva na nossa página. Dê o seu like. 

 [00:03:38] Deixe seu comentário aqui abaixo e ative o sininho notificação para receber mais vídeos. 

amatotvvídeofertilidade
Categorias: Medicina

Como preservar a fertilidade?

ter, 06/04/2019 - 17:59
Fertilidade

Como preservar a fertilidade?

A Dra Juliana Amato explica como preservar sua fertilidade para ter filhos quando quiser. Dá dicas de ouro para sua saúde!

---transcrição---

Olá meu nome é Juliana Amato e hoje nós vamos conversar um pouco sobre medidas de como preservar a fertilidade. Eu sei que recebo muitas mensagens perguntando "Dra como que eu posso preservar a minha fertilidade". Não quero ser mãe agora mas, quero ser mãe daqui uns 10 anos... mais velha, mas eu quero fazer algumas coisas que preservem a minha fertilidade. O que é o ideal para você? O ideal é pensar que se até 35 anos  você engravidar você já está preservando sua fertilidade. Abaixo dessa idade. As mulheres têm uma chance maior de engravidar. Depois dos 35 anos essa chance decai porque a reserva ovariana abaixa e abaixa consideravelmente. Então engravidar antes dos 35 anos é uma medida de preservar a sua fertilidade. Pensar na sua alimentação. Alimentação é muito importante não só para fertilidade mas sim para sua vida toda. Para você ter uma qualidade de vida boa, uma fertilidade boa e ter uma longevidade. O que é comer bem? Evitar os industrializados evitar os enlatados evitar farinha para evitar o açucar.  dê preferência aos alimentos: as farinhas orgânicas, aos carboidratos complexos, as proteínas tanto animal quanto vegetal; não importa se você é vegetariano ou se você não é, mas comer o mais natural possível. Evitar o uso abusivo de bebidas alcoólicas. Quem não gosta de tomar um vinho de final de semana uma cerveja com os amigos. Mas que não se torne um hábito de todos os dias. 
Proibido não é, mas com moderação ao evitar a ingestão de muito café. Evitar o cigarro. O tabagismo sim: existem estudos mostrando que a nicotina diminui a motilidade dos espermatozoides além de diminuir a motilidade de cílios das tubas uterinas das mulheres. Evitar o máximo possível. A prática de exercícios diários é muito importante também. Além de você manter o seu corpo ativo.. A sua atividade cardiovascular você mantenha o seu bem estar e evita doenças. A prática de sexo seguro de se proteger durante as relações sexuais. Principalmente contra as doenças sexualmente transmissíveis porque a gente sabe muito bem que pode gerar uma infertilidade. Doenças infecções como a gonorreia têm voltado na atualidade e é comprovado a causa de infertilidade em mulheres. O ideal é sempre o uso da camisinha. Sempre manter seus exames em dia e a cada sintoma  diferente procurar o seu médico. Para a mulher a ginecologista e o homem urologista. Se você curtiu o nosso vídeo e se inscreva no canal. Deixe seu like. Deixe seu comentário aqui abaixo. Ae ative Sininho de notificação para receber novos videos.

-~-~~-~~~-~~-~-
Video novo! não perca! "Diferença entre fertilização in vitro e inseminação intra uterina. FIV vs IIU." 
https://www.youtube.com/watch?v=DJn4YvcUnco
-~-~~-~~~-~~-~-

amatotvvídeofertilidadepreservação
Categorias: Medicina

Diferença entre fertilização in vitro e inseminação intra uterina. FIV vs IIU.

qui, 05/30/2019 - 10:40
Diferença entre tratamentos de fertilidade

FIV vs IUU

Dra Juliana Amato (CRM 106072) explica a diferença entre fertilização in vitro e inseminação intra uterina. FIV vs IIU. Alta vs baixa complexidade. O que é a fertilização in vitro (FIV)? Em quais situações o método é aplicável? A FIV pode ajudar a engravidar? A fertilização “in vitro”, também conhecida como bebê de proveta, é a união do espermatozóide com o óvulo no laboratório, formando o embrião que posteriormente será transferido para a cavidade uterina. Intrauterine Insemination (IUI), Inseminação Intra Uterina (IIU), Inseminação in vitro O procedimento consiste na introdução do esperma capacitado dentro da cavidade uterina da mulher quando ocorre a ovulação. É utilizada quando o volume ou a concentração dos espermatozóides não são suficientes ou quando a mobilidade dos gametas decresce. Esta técnica também pode ser usada quando o muco cervical apresenta problemas. Em geral, neste procedimento, recomenda-se também o estímulo da ovulação na mulher como forma de potencializar os resultados. A taxa de sucesso da inseminação artificial depende muito das causas de infertilidade diagnosticadas. É essencial a permeabilidade em pelo menos uma das trompas, assim como um número mínimo de espermatozoides, para que a técnica funcione.

---transcrição --- Olá meu nome é Juliana Amato. Sou ginecologista e obstetra e hoje nós vamos falar da diferença dos tratamentos entre fertilização in vitro e inseminação intrauterina. Eu recebo muitas mensagens perguntando; e existe muita dúvida sobre o que é um tratamento ou outro. Então vamos lá. A inseminação intrauterina é um tratamento de baixa complexidade em reprodução assistida. Ele consiste em indução da ovulação controle ultrassonografico para monitorar o crescimento dos folículos. Os folículos: existem dentro do nosso ovário e o crescimento deles. é que ocorre a nossa ovulação dentro de cada folículo existe um óvulo. Então ele vai estimular a ovulação. A partir do momento que a gente vê no ultrassom que está para ovular com o marido o parceiro ele vai a um laboratório a gente faz um preparo de sêmen. Um processado seminal com os espermatozoides mais capacitados e coloca, por meio de uma sonda, esses espermatozoides dentro da cavidade uterina da mulher quando ela estiver ovulando. É de baixa complexidade; não é necessário anestesia e é feito em consultório. A gente utiliza mais a inseminação artificial em pacientes abaixo de 35 anos. Que não tenham nenhum fator de risco ou nenhum problema de saúde que impeça a inseminação artificial como uma obstrução tubárea como algum problema masculino com baixa de espermatozoides. É um tratamento mais tranquilo mas que tem as suas indicações não é para ser feito em todos os casais. Já a fertilização in vitro: a fertilização in vitro é tida como um tratamento de alta complexidade. Onde a gente induz a ovulação da mulher por meio de medicações. Essa ovulação é monitorada através de ultrassom transvaginal. Esses folículos crescem e a intenção na fertilização in vitro é que mais de um folículo cresça e que vários folículos cresçam para a gente conseguir um número maior de óvulos para fazer o tratamento dessa paciente. A partir do momento que essa paciente está para ovular nós vamos ao Laboratório de Reprodução Assistida que é um espaço específico. É onde a gente manipula o material biológico. Essa paciente toma uma anestesia enorme de 20 a 30 minutos e por meio de ultrassom transvaginal guiado; por uma agulha a gente aspira esses óvulos. Nesse mesmo momento o parceiro colhe o espermatozoide. A bióloga seleciona os melhores e faz fertilização in vitro em laboratório. O famoso bebê de proveta. Esse processo ele dura mais ou menos 15 a 20 dias. O processo todo entre a estimulação da ovulação e a fertilização in vitro. Ele é usado para Casais acima de 35 anos que tenham algum problema de saúde que cause infertilidade como uma obstrução tubárea; como uma azoospermia no homem ou quando tem um fator associado entre o homem e a mulher ou simplesmente quando já está há muito tempo tentando e não conseguindo engravidar. Essas são basicamente as diferenças entre inseminação artificial e fertilização in vitro. Se você gostou do nosso vídeo se inscreva no canal. Deixe seu like, comente abaixo e ative o sininho de notificação para receber mais vídeos.

vídeoamatotvfiviuu
Categorias: Medicina

Idade e Fertilidade Feminina

ter, 05/21/2019 - 20:12
Idade e fertilidade

Idade máxima para ter bebê

Nem todas as mulheres estão cientes do quanto sua fertilidade declina com a idade. Devido aos casos de celebridades dando à luz na faixa dos 40 anos, as mulheres são, às vezes, erroneamente levadas a acreditar que a concepção nesta idade é bastante possível. O que muito frequentemente não é revelado é que estas celebridades usaram um óvulo ou embrião doados.

As mulheres nascem com todos os óvulos que elas irão ter por toda vida. Dos 1.000.000 de óvulos que uma recém-nascida tem ao nascimento, apenas 300.000 restam no momento que ela alcança a puberdade. Deste número, apenas em torno de 300 óvulos serão ovulados durante os anos reprodutivos da mulher... na taxa de um óvulo por mês.
Geralmente, as mulheres são mais férteis na casa dos 20 anos, então a fertilidade começa a declinar à medida que ela vai atingindo o final de seus 20 anos. É importante saber que após os 35 anos de idade, as chances de uma mulher ter um bebê naturalmente declinam em média em 50%. Após os 40 anos, as chances diminuem em torno dos 90%.
Assim que a menopausa se aproxima, as capacidades reprodutivas da mulher vão diminuindo e se tornam menos efetivas em produzir óvulos maduros e saudáveis. À medida que a mulher envelhece e chega próximo à menopausa, seus ovários já não respondem bem aos hormônios que são responsáveis por ajudar na ovulação.
 

Com o passar do tempo, os riscos para o bebê e para a mãe também aumentam.

idadefertilidadeO que você achou deste conteúdo?:  5 Average: 5 (1 vote)
Categorias: Medicina

Relação entre idade e fertilidade. Gerando bebês na hora certa.

ter, 05/21/2019 - 20:11
Idade e fertilidade

idade da mulher

Conforme a mulher ultrapassa os 30 anos, e especialmente os 35 anos, a fertilidade diminui de forma importante. Existem também riscos relacionados à gestação, como aborto espontâneo, complicações da gravidez e doenças como a síndrome de Down aumentam de forma significativa. Nesse vídeo Dra. Juliana Amato (CRM 106072 RTE 082356) explica em detalhes, como a idade afeta negativamente a fertilidade da mulher.

idadevídeoamatotv
Categorias: Medicina

A Contracepção com Base na Percepção da Fertilidade é a Ideal para Você?

sex, 05/10/2019 - 11:41
Percepção da Fertilidade

Contracepção e Fertilidade

Se você enviou uma mensagem de texto, uma mensagem direta ou pronunciou em voz alta as palavras "controle de natalidade", ou "evitar gravidez" para seus amigos em algum momento nos últimos anos, provavelmente já viu anúncios proclamando que há um aplicativo para isso. Várias empresas prometem acompanhar seu ciclo menstrual com seu aplicativo e seu algoritmo que pode ajudar a evitar a gravidez - sem necessidade de hormônios, implantes ou inserções de DIU.

Todos os aplicativos de controle de natalidade dependem de uma técnica contraceptiva que existirá para sempre, chamada Percepção da Fertilidade (Tabelinha): Basicamente, você registra certas condições físicas todos os dias para rastrear seu ciclo menstrual até que você possa prever a ovulação como um relógio. Evite sexo desprotegido nos dias durante e ao redor da ovulação, e será improvável que você engravide. Quando feito corretamente, este método é relativamente efetivo - mas precisamente quão eficaz é, é uma questão que gera algum debate. Agora, se fiz o contrário, fazer sexo desprotegido nos dias durante e ao redor da ovulação pode aumentar a probabilidade de gestação. Para isso temos nossa calculadora de fertilidade online.

Esta é a raiz das recentes controvérsias em torno de aplicativos de controle de natalidade como Daysy e Natural Cycles. Como acontece com qualquer método de controle de natalidade, a eficácia da Percepção da Fertilidade depende de quão correta e consistentemente você está usando. Mas, ao contrário dos preservativos ou da pílula, não temos uma imagem clara do uso da percepção “média” da fertilidade - e há pouco consenso científico sobre a qualidade dos estudos por trás daqueles “93% de eficácia!”, afirma. Aprovado pela FDA, o aplicativo Natural Cycles teve suas alegações de eficácia investigadas e autorizadas pelas autoridades médicas suecas, mas o Reino Unido as considerou enganosas e baniu alguns dos seus anúncios. Apesar das alegações sérias de coleta e análise imprópria de dados, a Daysy ainda está no mercado hoje. Tudo isso torna complicado para as usuárias em potencial enxergarem além do hype e tomarem uma decisão contraceptiva informada.

Além disso, há muita desinformação por aí sobre contracepção com base na percepção da fertilidade em geral. Os maiores defensores frequentemente exageram sobre sua eficácia, enquanto os céticos são muito rápidos em descartá-la - fazendo algumas suposições bastante grosseiras ao longo do caminho sobre as pessoas que usam. Se você está intrigada com a ideia de um aplicativo para controle de natalidade, ou se você quer apenas saber mais sobre a Percepção da Fertilidade, aqui está (quase) tudo o que você precisa saber para decidir se é ideal para você.

O que é contracepção baseada na percepção da fertilidade?

Os métodos baseados na percepção de fertilidade, ou FABMs, visam evitar a gravidez, dividindo o ciclo menstrual em dias “férteis” e “não-férteis”. Em dias férteis, a probabilidade de engravidar por sexo desprotegido é mais alta; em dias não férteis, é mais baixa. Descobrir quais são os dias é feito por um rastreio cuidadoso dos biomarcadores ou indicadores físicos de há quanto tempo você está em seu ciclo.

Existem alguns biomarcadores relevantes que você pode acompanhar, o que significa que há vários FABMs para escolher. Estes são os tipos mais comuns:

Métodos de calendário, como o tradicional “método da tabelinha”, acompanha a fertilidade nos dias do calendário em um ciclo menstrual. Uma vez que você esteja familiarizada com a duração e a regularidade de seus ciclos, você pode usar o cronograma padrão do ciclo menstrual para identificar seus dias mais e menos férteis. No método de Dias Padrão, por exemplo, os dias do ciclo 8-19 são considerados férteis.

Métodos de muco cervical (ou ovulação) rastreie a ovulação observando as alterações no muco cervical, que é exatamente o que parece: muco que sai do colo do útero. Sua consistência e aparência mudam em resposta às flutuações hormonais do ciclo menstrual, tornando-se caracteristicamente elástico e escorregadio logo antes da ovulação. O método mais simples de muco é o método dos dois dias: qualquer dia que você observe, esse muco conta como fértil, como no dia anterior.

Métodos de temperatura corporal basal (BBT) também rastreia a ovulação, o que causa um ligeiro mas mensurável aumento na temperatura corporal. Todas as manhãs, antes de sair da cama, você mede a temperatura e grava a leitura em um aplicativo ou manualmente em papel milimetrado. No entanto, você registra as leituras e o objetivo é o mesmo: identificar os picos de temperatura que acompanham a ovulação. O popular e um pouco controverso aplicativo Natural Cycles é um exemplo de um método somente de BBT.

Métodos baseados em hormônios urinários usam um dispositivo chamado monitor de contracepção para testar os níveis de estrogênio e outros hormônios na sua urina. Essas medidas são inseridas em um algoritmo que calcula o período fértil.

Qualquer um desses métodos de biomarcador único pode prevenir a gravidez quando usado adequadamente, mas você também pode combiná-los para obter informações extras. Usar o método BBT em conjunto com métodos de calendário e/ou muco é um método sintotérmico; trocar BBT por hormônio urinário torna-se um método sintomatológico.

Isso parece muito com o Planejamento Familiar Natural (NFP). São a mesma coisa?

Sim e não. Cientificamente, não há diferença real - os NFP e os FABM usam as mesmas técnicas - mas muitas vezes há uma diferença significativa em suas estruturas sociais e morais. Como a Associação de Profissionais de Sensibilização em Fertilidade (AFAP) explica, O NFP é tradicionalmente ensinado em um contexto católico:

“A maioria dos métodos NFP defende abstinência pura (abstendo-se de toda atividade sexual) durante a fase fértil do ciclo, se um casal deseja evitar a gravidez. O NFP não tolera atividade sexual fora do casamento e frequentemente restringe a instrução a casais heterossexuais, noivos ou casados​​”.

Por outro lado, a Percepção da Fertilidade é deliberadamente inclusiva. A AFAP dá as boas-vindas a todas as pessoas, independentemente de sexo, orientação sexual, religião ou estado civil, e apoia explicitamente “toda a gama de opções reprodutivas” - incluindo preservativos, tratamentos de fertilidade e aborto.

Quais são os profissionais?

A coisa mais importante a lembrar sobre os FABMs é que eles são nada mais e nada menos que outra opção de controle de natalidade. Assim como qualquer outro método, você tem que pesar os prós e contras.

Nada de hormônio significa nada de efeitos colaterais

O controle de natalidade hormonal vem com efeitos colaterais; não há como evitar isso. Embora alguns possam ser positivos - fluxos mais leves, menos acne, TPM mais leve - encontrar o coquetel certo de hormônios pode literalmente levar anos de tentativa e erro. Por essa e outras razões, métodos não-hormonais como os FABMs têm suas vantagens: como o DIU de cobre e os preservativos, um FABM não causa efeitos colaterais hormonais desagradáveis. Mas, ao contrário dos DIUs, os FABMs não requerem nenhum processo doloroso de inserção e não alteram seus ciclos - e, diferentemente da maioria dos preservativos, a alergia ao látex não é um problema.

Muitos métodos são gratuitos ou de baixo custo

Acessibilidade física e financeira é outra vantagem para os FABMs. Depois de saber o que você está fazendo, o único equipamento que você precisa para verificar o seu muco cervical é o seu colo do útero, um dedo e um calendário ou gráfico. Você faz as medições sozinha, na sua própria programação, na privacidade da sua própria casa.

Naturalmente, algumas empresas estão ansiosas para monetizar a conscientização sobre a fertilidade, particularmente no campo da instrução. Em si, isso não é necessariamente uma coisa ruim: o uso adequado requer um nível de especialização. As aulas ou consultas individuais com profissionais licenciados não são gratuitas, mas muitas são de baixo custo ou levadas em uma escala móvel. E embora nenhuma delas seja estritamente necessária, um termômetro sofisticado e uma assinatura em um aplicativo ainda podem custar menos do que um compromisso com obstetra/ginecologista e uma receita mensal, dependendo do seu convênio.

Todo o poder está nas suas mãos (e do seu parceiro)

Rastrear e registrar biomarcadores todos os dias durante anos lhe dá uma visão mais completa da sua saúde reprodutiva do que tomar uma pílula ou, ocasionalmente, lembrar que seu DIU existe. Dependendo de quanto você gosta de acompanhar as métricas de saúde e suas experiências no sistema de assistência médica, isso pode ser extremamente estimulante.

Usar um FABM também requer uma forte comunicação com o seu parceiro(s) e médicos. Para as pessoas em relacionamentos saudáveis ​​e de apoio mútuo, o trabalho em equipe pode ser recompensador; do ponto de vista do clínico, tratar um paciente com um interesse informado e investido em sua saúde é um prazer. 

Quais são os contras?

Dependendo da sua perspectiva, a maior vantagem dos FABMs também pode ser sua maior desvantagem. Esses métodos são o oposto de “definir e esquecer” - eles exigem uma participação ativa diária de pelo menos duas pessoas, tornando-as especialmente suscetíveis a erros humanos. Mas, além disso, um dos obstáculos mais frustrantes ao aprender sobre os FABMs é quão pouco sabemos com certeza sobre seu uso e eficácia.

Não é imediatamente eficaz

Mudar para um FABM não é rápido e nem fácil. Há um período de adequação envolvido, durante o qual você rastreia seu(s) biomarcador(es) de escolha todos os dias, idealmente sem ter sexo algum. Mesmo que seus ciclos sejam como um relógio, esse período introdutório pode durar de um a três ciclos: você precisa saber o que é “normal”, mas também precisa de tempo para se acostumar com as técnicas.

Períodos irregulares complicam o processo de integração. Se você estiver saindo da pílula, recentemente após o parto e/ou amamentando, na perimenopausa ou tiver uma condição médica que cause períodos irregulares, pode levar mais tempo - até seis meses - para estabelecer essa linha de base. Até que você tenha realmente aprendido a seguir o rastreamento dos biomarcadores e feito por tempo suficiente para prever com precisão os dias férteis, você não pode confiar em um FABM sozinho para evitar a gravidez.

Não há proteção contra IST ou DST

Como acontece com qualquer contraceptivo sem barreira, os FABMs não protegem contra infecções ou doenças sexualmente transmissíveis. Se a sua vida sexual envolve algum risco de infecção e você confia em um FABM para prevenir a gravidez, certifique-se de usar um método de barreira, como preservativos.

Os FABMs realmente funcionam?

Quase todos os outros métodos contraceptivos foram estudados até a morte. Sabemos com um alto grau de certeza quantas pessoas usam a pílula, com que segurança elas a usam e com que frequência a pílula falha com o uso típico ou perfeito.

Praticamente nada disso vale para os FABMs, que raramente são o foco de testes clínicos. Como eles não são amplamente usados, isso faz algum sentido; o grupo potencial de participantes do estudo começa pequeno e continua encolhendo à medida que critérios de exclusão são aplicados. Os dados por trás dos aplicativos de fertilidade geralmente vêm de laboratórios financiados pelo setor privado, então são de propriedade exclusiva - você não pode simplesmente pesquisar os resultados do Google. Mesmo os artigos revisados ​​por pares sobre FABMs nem sempre são confiáveis: eles podem ser estatisticamente insuficientes, dependem de dados auto relatados ou escolhidos a dedo, exibem projetos experimentais seriamente falhos, ou todos os três. Alguns estudos até mesmo colocam todos os FABMs em um método, o que oculta a ampla variação em suas taxas de eficácia:

Infelizmente, tudo isso significa que há uma séria falta de dados revisados ​​por especialistas para os FABMs - e quando se trata de tomar decisões informadas, esse é o maior obstáculo para provedores e pacientes.

A eficácia do uso perfeito e típico não está bem definida

Dos aproximadamente zilhões de critérios a considerar ao escolher um contraceptivo, a maioria das pessoas se concentra em dois números: sua eficácia com uso perfeito, e sua eficácia com uso típico. Saber o que diferencia os dois - e sua tolerância a essa diferença - é crucialmente importante.

O uso perfeito é mais ou menos o que parece: usar o método contraceptivo exatamente como instruído a cada vez. Uso do método de forma correta e consistente. Obviamente, é quando a contracepção é mais eficaz; O uso perfeito resulta em alta eficácia ou baixas taxas de falha, dependendo da sua perspectiva.

O uso típico, é menos direto, mais próximo do real e factível. O uso típico é a eficácia que você pode esperar de uma pessoa comum... Inclui alguma margem de manobra para não seguir perfeitamente as instruções do método toda vez que você usá-lo. Isso significa que as taxas de eficácia de uso típico são menores (e as taxas de falha são mais altas) do que as que você obteria com o uso perfeito.

As definições de uso típico e perfeito não mudam de método para método, mas o que eles realmente parecem faz. No uso perfeito do FABM é necessário rastrear perfeitamente todos os biomarcadores envolvidos no uso desse método, interpretá-los perfeitamente e, então, evitar perfeitamente o sexo desprotegido em cada dia que é calculado como sendo fértil.

Se vocês puderem verificar consistentemente essas coisas, os FABMs são eficazes, mas dados confiáveis ​​de uso perfeito podem ser difíceis de obter.  Um estudo mostrou que o método de Ovulação Billings apenas do muco pode resultar em apenas uma gravidez não planejada a cada 100 pessoas-ano quando usado de forma absolutamente perfeita. Em outras palavras, se 100 pessoas usassem o método de Ovulação Billings perfeitamente durante um ano, esperamos ver uma gravidez não planejada. Para o método de calendário de Dias Padrão, esse número é 5; para o método de apenas dois dias de muco, é 3,5.

Dados típicos de uso para FABMs são um pouco mais fáceis de encontrar - por alguns métodos, é tudo o que temos -, mas os números são inconsistentes, mesmo dentro dos métodos. Com o uso típico, o método Billings pode resultar em apenas 10 ou até 33 gestações não planejadas por 100 pessoas-ano, dependendo do estudo. Para dias normais, são de 11 a 14 gestações; 14 para dois dias. Mesmo que você saiba que o uso típico reduz a eficácia e é realista em relação aos seus comportamentos, há uma grande diferença entre 10 e 33 gestações não planejadas.

Em grande parte, é por isso que o discurso em torno dos FABMs é tão maduro com desinformação. Sem dados de eficácia reprodutíveis e rigorosamente testados em estudos independentes, é difícil saber exatamente para o que você está se inscrevendo - especialmente quando o jargão de marketing se envolve. O Natural Cycles e o DaysyView, que usam o método BBT, recentemente enfrentaram reações adversas sobre suas taxas de eficácia de uso típicas anunciadas. Mas investigar o mérito dessas acusações e, em seguida, agir se elas são legítimas, pode ser um processo dolorosamente árduo. Uma crítica do estudo usado no marketing do DaysyView em Reproductive Health (que também publicou o estudo original), citando graves falhas analíticas e metodológicas. 

Como escolher um método que funcione para você

Se os prós e contras dos FABMs se alinharem com seu estilo de vida, e você gostaria de começar, você terá que fazer algumas pesquisas primeiro. Mas a pesquisa médica na Internet é complicada, confusa e potencialmente perigosa. Como você pode filtrar o trigo do joio?

Procure fontes de alta qualidade

A melhor coisa que você pode fazer é evitar o hype  e modinhas. Há muitas pessoas que gostariam de lucrar com sua decisão de usar um FABM, seja com um aplicativo elegante, um programa de treinamento caro ou até mesmo um livro. Tente evitar procurar por influenciadores de mídia social para ajudá-lo a tomar suas decisões contraceptivas. Com isso dito, é possível obter informações de qualidade de fontes com fins lucrativos contanto que você saiba o que procurar, que é uma explicação clara e detalhada de todos os riscos e benefícios.

Se você está apenas começando e não sabe para onde ir, temos muitos artigos sobre o assunto. 

Se você puder, encontre um profissional qualificado

Certos FABMs (especialmente o Método Billings, Marquette e Sensiplan) realmente exigem instrução de um profissional certificado para ensinar o método em particular. Não há um conselho de credenciamento federal; certificados variam por método. Se você está interessado em qualquer FABM, particularmente um que requeira instrução, converse com seu ginecologista.

Vale a pena notar que, embora um médico confiável possa ser um guia fantástico, seu obstetra/ginecologista pode não ser capaz de ajudar; os FABMs não fazem parte da educação formal de obstetrícia/ginecologia. A vantagem disso é que os médicos que o Fazem e oferecem aconselhamento sobre FABM geralmente fazem isso com uma paixão genuína pelo trabalho - então, se você puder encontrar um, eles provavelmente ficarão empolgados para trabalhar com você.

Seja honesto consigo mesma e com o seu médico

Ao aconselhar um paciente interessado nos FABMs, é entender seus planejamentos reprodutivos. Isso envolve muitas perguntas, todas as quais precisam ser respondidas de forma honesta e completa para que ela faça uma recomendação: “Você quer ter filhos? Você quer ter mais filhos? Quando você quer ter essas crianças? Como é seu relacionamento? … Quanto trabalho você quer fazer para garantir que seu método seja eficaz? Quais métodos de controle de natalidade você usou no passado, e como isso tem sido para você?” Ela também mencionou especificamente que a triagem de pacientes por violência causada pelo parceiro íntimo é uma parte crucial desta avaliação: FABMs requerem o tipo de confiança mútua, respeito, e honestidade que não existe em um relacionamento fisicamente ou emocionalmente abusivo.

Se isso parece muito para fazer, é. A escolha de um método contraceptivo é uma decisão maciça e potencialmente transformadora de vida - e você merece saber em que está se metendo. Conheça a si mesma, conheça suas opções e aproveite todo o tempo necessário para tomar a melhor decisão possível.

contracepçãoprevençãométodo anticoncepcionalO que você achou deste conteúdo?:  0 Sem avaliações
Categorias: Medicina

Doença inflamatória pélvica

ter, 04/09/2019 - 11:41
DIP

Doença inflamatória pélvica

A doença inflamatória pélvica (DIP) é uma infecção dos órgãos reprodutivos femininos. Geralmente ocorre quando as bactérias sexualmente transmissíveis se espalham da vagina para o útero, trompas de falópio ou ovários.

A doença inflamatória pélvica geralmente não causa sintomas ou dá sinais. Como resultado, você pode não perceber que tem a condição e não obter o tratamento necessário. A condição pode ser detectada mais tarde se você tiver problemas para engravidar ou se desenvolver dor pélvica crônica.

Sintomas

Sinais e sintomas da doença inflamatória pélvica podem incluir:

  • Dor no baixo ventre e na pelve
  • Corrimento vaginal pesado com odor desagradável
  • Sangramento uterino anormal, especialmente durante ou após a relação sexual, ou entre ciclos menstruais
  • Dor ou sangramento durante a relação sexual (dispareunia)
  • Febre, às vezes com calafrios (tremedeiras? temperatura acima de 38˚C?)
  • Micção dolorosa ou difícil (dói para fazer xixi?)

DIP pode causar apenas sinais e sintomas leves ou nenhum. Quando grave, a DIP pode causar febre, calafrios, dor abdominal ou dor pélvica grave - especialmente durante o exame pélvico - e desconforto intestinal.

Quando ver um médico

Consulte o seu médico ou procure assistência médica urgente se sentir:

  • Dor grave na parte baixa em seu abdome
  • Náuseas e vômitos, com uma incapacidade de manter qualquer coisa ingerida
  • Febre, com temperatura superior a 38,3°C 
  • Corrimento vaginal

Se os seus sinais e sintomas persistirem, mas não forem graves, consulte o seu médico assim que possível. Corrimento vaginal com odor, micção dolorosa ou sangramento entre os ciclos menstruais pode estar associado a uma infecção sexualmente transmissível (DSTs). Se estes sinais e sintomas ocorrerem, pare de fazer sexo e consulte o seu médico o mais breve possível. O tratamento imediato de uma DST pode ajudar a prevenir a DIP.

Marque agora consulta com ginecologista

 

Causas

Muitos tipos de bactérias podem causar DIP, mas as infecções por gonorreia ou clamídia são as mais comuns. Essas bactérias geralmente são adquiridas durante o sexo desprotegido.

Menos comumente, as bactérias podem entrar no trato reprodutivo sempre que a barreira normal criada pelo colo do útero sofrer irritação. Isso pode acontecer após o parto, aborto ou aborto espontâneo.

Fatores de risco

Vários fatores podem aumentar o risco de doença inflamatória pélvica, incluindo:

  • Ser uma mulher sexualmente ativa com menos de 25 anos de idade
  • Ter múltiplos parceiros sexuais
  • Estar em um relacionamento sexual com uma pessoa que tenha mais de um parceiro sexual
  • Fazer sexo sem camisinha
  • Fazer ducha regularmente, o que perturba o equilíbrio das bactérias boas contra bactérias nocivas na vagina e pode mascarar os sintomas
  • Ter um histórico de doença inflamatória pélvica ou uma infecção sexualmente transmissível

A maioria dos especialistas agora concorda que ter um dispositivo intrauterino (DIU) inserido não aumenta o risco de doença inflamatória pélvica. Qualquer risco potencial ocorre geralmente dentro das primeiras três semanas após a inserção.

Complicações

Doença inflamatória pélvica não tratada pode causar cicatrizes. Você também pode desenvolver coleções de líquidos infectados (abscessos) nas trompas de Falópio, que podem danificar os órgãos reprodutivos.

Outras complicações podem incluir:

  • Gravidez ectópica.   DIP é uma das principais causas de gravidez tubária (ectópica). Em uma gravidez ectópica, o tecido cicatricial da DIP impede que o óvulo fertilizado atravesse a trompa de falópio para implante no útero. As gravidezes ectópicas podem causar hemorragias graves e potencialmente fatais e requerem atenção médica de emergência.
  • Infertilidade.   DIP pode danificar seus órgãos reprodutivos e causar infertilidade - a incapacidade de engravidar. Quanto mais vezes você tiver DIP, maior o risco de infertilidade. Atrasar o tratamento para a DIP também aumenta drasticamente o risco de infertilidade.
  • Dor pélvica crônica.   A doença inflamatória pélvica pode causar dor pélvica que pode durar meses ou anos. Cicatrizes nas trompas de falópio e outros órgãos pélvicos podem causar dor durante a relação sexual e a ovulação.
  • Abscesso tubo-ovariano.   DIP pode causar um abscesso - uma coleção de pus – que pode se formar em seu tubo uterino e ovários. Se não for tratada, você pode desenvolver uma infecção com risco de vida.

 

Prevenção

Para reduzir o risco de doença inflamatória pélvica:

  • Pratique sexo seguro.   Use preservativos sempre que fizer sexo, limite o número de parceiros e pergunte sobre o histórico sexual de um possível parceiro.
  • Converse com seu médico sobre contracepção.   Muitas formas de contracepção não protegem contra o desenvolvimento de DIP. Usar métodos de barreira, como preservativo, pode ajudar a reduzir seu risco. Mesmo se você tomar pílulas anticoncepcionais, ainda é importante usar preservativo toda vez que fizer sexo para se proteger contra DSTs.
  • Faça o exame.   Se você estiver em risco de contrair uma DST, como clamídia, marque uma consulta com seu médico para fazer o exame. Configure um cronograma de exames regulares com seu médico, se necessário. O tratamento precoce de um DST oferece a melhor chance de evitar a DIP.
  • Solicite que seu parceiro faça o exame.   Se você tiver doença inflamatória pélvica ou DST, aconselhe seu parceiro a fazer o exame e, se necessário, o tratamento. Isso pode impedir a propagação de DSTs e a possível recorrência da DIP.
  • Não faça ducha.   Fazer ducha perturba o equilíbrio de bactérias em sua vagina.
pelveginecologiadipinfertilidadeO que você achou deste conteúdo?:  0 Sem avaliações
Categorias: Medicina

6 DSTs que podem afetar a fertilidade

dom, 04/07/2019 - 09:21
DSTs

Doenças Sexualmente Transmissíveis

1. Clamídia

A clamídia é uma infecção bacteriana extremamente comum; há uma estimativa de três milhões de casos todos os anos nos Estados Unidos. Ela afeta desproporcionalmente jovens humanos com vaginas , como aquelas entre 15 e 24 anos, representando 68% de todos os casos relatados em 2013.

A clamídia pode resultar em doença inflamatória pélvica (DIP), que é quando os órgãos reprodutivos ficam inflamados porque são incomodados por bactérias indesejadas. Se você tem clamídia e órgãos reprodutivos femininos, você tem de 10 a 15% de chance de desenvolvimento de DIP. A DIP pode causar cicatrizes em seus órgãos pélvicos, o que pode causar uma barreira contra os espermatozoides, para que eles não consigam alcançar o seu óvulo. A DIP também pode causar gravidez tubária ou ectópica, uma situação extremamente perigosa na qual o óvulo e o espermatozoide se implantam na trompa de Falópio em vez do útero. Este é um grande problema, porque esses tubos não têm espaço suficiente para abrigar um feto em crescimento, para não mencionar toda a nutrição necessária para alimentá-lo; gravidez ectópica deve ser interrompida através da medicamentos ou cirurgia.

Além disso, a clamídia pode infectar as trompas de falópio, o que também pode resultar em infertilidade. Uma nova pesquisa também descobriu que se a pessoa com órgãos reprodutivos masculinos tiver clamídia, o casal tem cerca de um terço menos probabilidade de engravidar.

A clamídia, se não for tratada, também pode ser perigosa para os recém-nascidos. As mães podem passar as bactérias para os seus fetos, resultando em conjuntivite de inclusão, que você pode conhecer como olho cor-de-rosa. Cerca de 50% dos bebês nascidos de mães com clamídia não tratada adquirem essa doença ocular, o que faz com que seus pequenos olhos inchem e fiquem com pus. É importante ser curado; embora a clamídia provavelmente desapareça sozinha dentro de um ano, pode causar cicatrizes em seus pequeninos olhos.

Aqui está o problema: tudo isso pode acontecer sem você saber que tem clamídia, já que a maioria das pessoas não apresenta sintomas de infecção por clamídia. É importante fazer o exame rotineiramente para que você possa descobrir cedo, antes que cause estragos em seu bebê. Felizmente, a clamídia é curada com um ciclo de antibióticos, por isso, se você tiver um exame positivo para isso, o seu médico irá trata-la corretamente.

2. Gonorreia

Como a clamídia, a gonorreia é uma infecção bacteriana. Pode resultar em DIP, que sabemos agora não ser bom para o funcionamento interno do sistema reprodutivo feminino. Ela também pode mexer com a fertilidade em sistemas reprodutivos masculinos, especificamente, resultando em epididimite, que é quando o epidídimo (um tubo pelo qual o espermatozoide viaja antes de, você sabe, disparar em todos os lugares) fica inflamado. Se a epididimite não for tratada, pode levar a infertilidade.

Também como a clamídia, a bactéria que causa a gonorreia pode causar olho cor-de-rosa em recém-nascidos; quando isso resulta de gonorreia, é chamado de conjuntivite gonocócica. Se não for tratada, essa forma de conjuntivite pode causar cegueira - na verdade, costumava ser a principal culpada pela cegueira nos Estados Unidos.

Finalmente, como a clamídia, você também pode ser assintomático para a gonorreia. Há 820.000 casos anuais de gonorreia a cada ano nos Estados Unidos, então esta é outra que deve ser observada no exame regular de DSTs. Felizmente, como acontece com a clamídia, a gonorreia pode ser tratada com antibióticos. Infelizmente, algumas cepas de gonorreia estão se tornando resistentes aos tratamentos existentes, tornando-a menos facilmente tratável.

3. Papilomavírus Humano

Papilomavírus Humano, ou HPV para ser breve, é extremamente comum. Aproximadamente 79 milhões de pessoas nos Estados Unidos tem agora, e cerca de 14 milhões de pessoas são infectadas a cada ano. Essa DST é tão comum que, se você é sexualmente ativo, é basicamente inevitável que você tenha pelo menos uma estirpe dela em algum momento de sua vida.

Na verdade, existem mais de 100 cepas diferentes de HPV, e apenas cerca de 40 são sexualmente transmissíveis (as outras vivem em outro lugar da pele e causam verrugas). Destas 40, apenas algumas causam verrugas genitais, e apenas algumas causam câncer. O HPV atualmente não tem cura médica, mas, felizmente, na maioria dos casos, seu corpo limpa a própria infecção por HPV. Isso acontece muito rapidamente — a vida média de uma infecção pelo HPV é entre quatro e 20 meses, e a maioria dos corpos se livra dela dentro de dois anos.

Apenas ser positivo para o HPV não afeta suas habilidades para engravidar. Mas se você tem uma cepa cancerosa, você pode acabar com as células pré-cancerosas no colo do útero, e isso pode impactar a capacidade de fazer bebês no futuro. Especificamente, as técnicas médicas que removem essas células pré-cancerígenas podem mexer com o muco cervical, que ajuda os espermatozoides a alcançarem o óvulo. Se o procedimento remover uma quantidade significativa de tecido cervical, o colo do útero pode ficar enfraquecido. Isso aumenta o risco de aborto espontâneo, já que o colo do útero pode se abrir antes que o feto esteja pronto para sair.

O seu ginecologista verifica se você tem HPV toda vez que ela lhe faz um papanicolau, por isso é fácil saber o seu estado. Só porque você está infectada com uma cepa relacionada ao câncer, isso não significa que você terá células pré-cancerígenas e que terá que se submeter a qualquer tratamento que resulte em mais dificuldades para engravidar.

4. Sífilis

Um problema enorme antigamente, a sífilis é agora tratável com penicilina se pega em seus estágios iniciais. No entanto, está fazendo um tipo de retorno - em 2010, houve quase 46.000 casos de sífilis relatado nos Estados Unidos. Novos casos são principalmente atribuíveis a homens que fazem sexo com homens, mas a doença também está tendo um retorno problemático em humanos com vaginas.

Este ressurgimento é super importante para a fertilidade. Se engravidar enquanto estiver com sífilis não tratada, você tem 50% de aborto espontâneo ou natimorto. Se o seu bebê for infectado durante o parto, há 10% de chance de morte, muitas vezes apenas alguns dias depois de nascer. E se você contrair sífilis em algum momento nos quatro anos antes de engravidar, as chances de seu feto ser infectado é de 80%.

A sífilis também pode causar epididimite em pessoas com órgãos reprodutivos masculinos, que já sabemos que podem causar infertilidade. A sífilis também pode mexer com os testículos, o que pode afetar negativamente a fertilidade. Finalmente, se você deixar sua sífilis ficar sem tratamento por tempo suficiente, você pode desenvolver tabes dorsalis, que é quando a doença começa a degenerar seus nervos. Uma das consequências desta sífilis tardia é a disfunção erétil.

5. Herpes Genital

Herpes genital é causada pelo vírus de herpes simples (HSV). Humanos com vaginas são muito mais prováveis de obter esta infecção, que infelizmente é incurável (mesmo agora). Estima-se que um em cada quatro humanos com sistemas reprodutivos femininos têm herpes genital, comparado a quase um em oito com sistemas reprodutivos masculinos.

O herpes genital não atrapalha sua capacidade de engravidar, mas pode ser perigoso para o feto. Se você está grávida e tem um surto de herpes durante o terceiro trimestre, você pode passar o vírus ativado, que pode ser mortal para o seu recém-nascido. Felizmente, você pode impedir seu bebê de obter herpes através de medicação e por parto através de uma cesariana.

Estudos mostram a possíbilidade de influência em infertilidade, mas ainda é muito cedo para dizer.

6. HIV

Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) interfere em seu sistema imunológico, enfraquecendo-o para que ele não possa combater doenças. AIDS é a condição criada pelo HIV em que seu sistema imunológico está danificado e não pode lutar contra outras infecções, então você fica doente muito facilmente.

Como herpes, o HIV não impede sua capacidade de engravidar. No entanto, você pode transmitir HIV para um feto, dando-lhe uma doença que atualmente é vitalícia e incurável. Felizmente, se você souber o seu estado de HIV quando engravidar, você pode trabalhar com seu médico para obter medicação que irá garantir que seu bebê nasça HIV negativo. Você também pode fazer uma cesariana em vez de um parto vaginal para proteger ainda mais seu bebê. Seu novo ser humano será colocado sob medicação para o HIV nas primeiras seis semanas de sua vida para garantir que qualquer HIV que tenha chegado a esse minúsculo novo corpo seja erradicado. Finalmente, será solicitado que você não amamente, já que os bebês podem pegar o HIV através do leite materno.

Conclusão

Não compartilhamos essa informação para te assustar, mas a realidade é que se você pegar uma dessas DSTs e não a tratar (aquelas que são tratáveis) ou controlar ou mesmo tomar medidas preventivas, pode ser mais difícil para você ter um bebê saudável no futuro. É por isso que é super importante proteger-se (ou seja, usar preservativos com seus parceiros sexuais, a menos que você tenha certeza de que eles não têm uma DST) e fazer o exame regularmente - muitas dessas doenças não apresentam sintomas por um tempo, se alguma vez apresentam, você pode nem saber que você as tem, a menos que você as veja no resultado do exame.

Lembre-se de que nenhum sexo é 100% seguro; Estamos sempre assumindo um pouco de risco quando compartilhamos nosso corpo com outra pessoa. Mas é tão importante lembrar todas as coisas boas sobre sexo (seja o que for para você) e lembrar que as DSTs são um fato da vida. Faça o seu melhor para se proteger e para proteger a sua fertilidade, mas também não deixe o medo te paralisar.

dstO que você achou deste conteúdo?:  0 Sem avaliações
Categorias: Medicina

Video de parto normal 3D - Animação 3d de parto

seg, 04/01/2019 - 18:46

Animação médica 3D do nascimento de um bebê, mostrando uma visão de time lapse do trabalho de parto durante um nascimento via vaginal normal. Formas simplificadas mostrando apenas o esqueleto da mãe e o bebê no útero. Mostra em detalhe a dilatação durante as contrações.

Animação gráfica - Parto Normal e Cesárea. from Alexandre Amato on Vimeo.

vídeo3dparto
Categorias: Medicina

Poderia um tipo misterioso do vírus da herpes desencadear a infertilidade feminina?

seg, 04/01/2019 - 16:55
Herpes Virus

É causa de infertilidade?

"O vírus misterioso pode ser causa de infertilidade inexplicada", informa o The Independent.

Pesquisadores italianos encontraram cópias do vírus HHV-6A - um tipo de vírus da herpes - no revestimento do útero de 43% das mulheres com infertilidade inexplicada, em comparação com 0% em mulheres com histórico de gravidez bem-sucedida.

Este pequeno estudo analisou células dos revestimentos de 30 mulheres com infertilidade sem explicação e 36 mulheres que tiveram uma gravidez bem sucedida. Os pesquisadores encontraram o vírus HHV-6A em células de quase metade das mulheres com infertilidade inexplicada, mas nenhuma das mulheres que tiveram bebês tinha o vírus HHV-6A.

Houve também alguma diferença nos níveis de certas moléculas do sistema imunológico, que os pesquisadores sugerem que poderiam afetar a capacidade de sustentar uma gravidez - mas isso é apenas especulação.

A maioria das pessoas é infectada com o vírus HHV-6 na primeira infância. Estes vírus (há um tipo A e B), causam uma erupção cutânea geralmente leve chamada roséola. Como outros vírus da herpes, eles vivem no corpo e permanecem inativos por muitos anos. No entanto, formas reativadas do vírus têm sido ligadas por diferentes pesquisadores, nos últimos anos, a mais de 50 condições diferentes, variando de amnésia a uveíte. Seu impacto nos resultados de saúde permanece incerto.  

Em última análise, esta é uma pesquisa em estágio inicial que deixa muitas perguntas sem resposta e mais estudos são necessários para descobrir se o HHV-6A realmente é uma causa de infertilidade e, em caso afirmativo, se tratar o vírus com antivirais melhoraria as chances de uma gravidez bem-sucedida.

De onde veio a história?

O estudo foi realizado por pesquisadores da Universidade de Genebra, Universidade de Ferrara e do Centro de Reprodução Humana do Hospital Brunico e foi financiado pela Regione Emila Romagna. O estudo foi revisado por pares e publicado na revista PLOS One, uma revista de livre acesso, e é grátis para ler online. O Independent fornece o resumo mais preciso do estudo. Outras fontes de notícias não funcionam tão bem. A história do Mail Online, embora basicamente correta, pode aumentar as esperanças de uma cura antes que a causa da fertilidade inexplicável seja estabelecida. Times diz: "Quase metade das mulheres com problemas inexplicáveis ​​de fertilidade estão infectadas com um vírus misterioso", embora não saibamos se a proporção de mulheres que tiveram infecção por HHV-6A neste pequeno estudo seria válida para todas as mulheres com infertilidade inexplicada. O Daily Telegraph tem uma manchete bizarra que assusta as pessoas a terem "Cuidado com quem você beija", com base no fato de que o vírus pode ser transmitido pela saliva, apesar do fato de que a maioria das pessoas é infectada quando criança. A história do Telegraph também diz que a infertilidade primária inexplicada significa "a incapacidade de gerar um filho", quando na verdade significa que uma mulher não conseguiu engravidar após um ano ou mais de tentativas, sem nenhuma causa óbvia.

Que tipo de pesquisa foi essa?

Este foi um estudo de coorte italiano no qual os pesquisadores pegaram células do revestimento do útero de mulheres com e sem infertilidade para procurar o DNA do vírus HHV-6. O HHV-6 (vírus do herpes humano 6) é um vírus com o qual a maioria das pessoas é infectada na infância e depois fica dormente no corpo. Foi descoberto em 1986 e pouco se sabe sobre o papel que ele pode desempenhar em relação à saúde humana.

A reativação do vírus tem sido associada a várias doenças, incluindo condições imunes e inflamatórias. Pesquisas anteriores sugeriram que o sistema genital e reprodutivo feminino poderia ser um local para o vírus ser reativado e esta foi a base para esta pesquisa.

Estudos de coorte podem mostrar diferenças entre grupos e ligações entre um fator (neste caso, infecção viral) e outro (infertilidade), mas eles não podem provar que um causa o outro.

O que a pesquisa envolveu?

A pesquisa envolveu a análise de amostras do útero tiradas de 30 mulheres que haviam comparecido a uma clínica para tratamento de infertilidade, para as quais nenhuma causa óbvia de infertilidade havia sido encontrada. Essas mulheres teriam participado de um ensaio randomizado, embora nenhuma outra informação sobre isso seja dada. Elas foram comparadas com outro grupo de 36 mulheres que tiveram pelo menos um filho, que estavam dentro da mesma faixa etária. O recrutamento do coorte de controle, ou o motivo de terem obtido amostras de útero, não é claro.  

Coletaram amostras de células do revestimento do útero de cada mulher, durante a mesma fase do período menstrual. Eles analisaram as células quanto à presença de HHV-6A e do vírus HHV-6B ativado, tanto nas células quanto no suprimento de sangue.

Em estudos posteriores, os pesquisadores observaram como as células infectadas pelo HHV-6A se comportavam e se isso era diferente das células não infectadas pelo HHV-6A. Eles também analisaram outros fatores, como níveis hormonais.

Quais foram os resultados básicos?

Os pesquisadores descobriram:

  • Um número similar de mulheres com e sem infertilidade tinha DNA de HHV-6B em suas células sanguíneas (8 inférteis, 10 férteis)
  • Nenhuma mulher com ou sem infertilidade tinha DNA de HHV-6B em suas células de revestimento do útero
  • Nenhuma mulher com ou sem infertilidade tinha DNA de HHV-6A no sangue
  • 13 mulheres (43%) com infertilidade tinham DNA de HHV-6A nas células do revestimento do útero em comparação com nenhuma sem infertilidade

Em pesquisas adicionais, eles descobriram que mulheres com DNA de HHV-6A em células de revestimento do útero também tinham níveis mais altos de um tipo de hormônio reprodutivo (estradiol) e diferentes níveis de certas moléculas de sinalização do sistema imune comparadas a mulheres sem DNA de HHV-6A em mulheres inférteis e férteis.  

Como os pesquisadores interpretaram os resultados?

Os pesquisadores dizem: "mais estudos são necessários para confirmar a associação", mas "nosso estudo indica que a infecção por HHV-6A pode ser um fator importante na inexplicada infertilidade primária feminina".

Eles sugerem que o vírus reativado no útero pode desencadear mudanças no sistema imunológico que promovem "um ambiente uterino disfuncional", ou em outras palavras, condições no útero que são inadequadas para a gravidez.

Conclusão

A infertilidade inexplicada causa sofrimento a milhares de casais que estão tentando engravidar. Pode ser difícil aceitar que os médicos não encontram razão para a incapacidade de um casal engravidar, e muitos casais gastam muito tempo e dinheiro tentando tratamentos de fertilidade.

Encontrar uma causa potencial para a infertilidade inexplicada pode levantar muitas esperanças nas pessoas. Este estudo tem resultados interessantes, mas foi muito pequeno e precisa ser replicado em uma escala maior para garantir que os resultados sejam verdadeiros. Também precisamos lembrar que este estudo pode não mostrar causalidade (nexo-causal) - não pode nos dizer se o vírus é uma causa de infertilidade, apenas que parece ser mais comum em mulheres com infertilidade que não é explicada de outra forma. O que pode ser uma coincidência por alguma razão.

Dito isto, estas mulheres tinham infertilidade inexplicada e ainda há muito que ainda não sabemos sobre isso. Os pesquisadores dizem que não tiveram endometriose, nenhum problema com a ovulação ou quaisquer anormalidades estruturais do sistema reprodutivo.

No entanto, não sabemos mais do que isso, como a exploração dos fatores masculinos para a infertilidade, por quanto tempo a mulher/casal estiveram tentando engravidar, abortos anteriores ou o sucesso do tratamento futuro para a fertilidade. Nós também não sabemos nada sobre o grupo de controle - por exemplo, como foram recrutadas ou por que amostras do útero foram coletadas - além de que elas tiveram um bebê. Elas mesmas podem ter tido problemas para engravidar, por tudo que sabemos.

No geral, não se pode dizer que as mulheres com problemas de infertilidade e HHV-6A teriam necessariamente menos probabilidade de engravidar ou obter um resultado bem-sucedido da reprodução assistida.

Mesmo se descobríssemos que o HHV-6A era responsável por alguns casos de infertilidade, isso não é o mesmo que ser capaz de curar a doença. Uma variedade de medicamentos antivirais foram usados ​​para tratar outras condições ligadas à reativação do HHV-6A, mas nenhum foi desenvolvido especificamente para este vírus e não sabemos se eles seriam úteis no tratamento da infertilidade.

Muito mais pesquisas são necessárias antes de sabermos se metade dos casos de infertilidade inexplicada, como afirmam algumas fontes de notícias, poderiam ser tratados com o objetivo de combater esse vírus.

dstherpesinfecçãoO que você achou deste conteúdo?:  0 Sem avaliações
Categorias: Medicina

O que é a sífilis? por que é chamada de doença francesa? pode levar à infertilidade? quais são as curas e como é causada?

ter, 03/26/2019 - 21:40
Doença Sexualmente Transmissível

Sifilis

A SÍFILIS é uma infecção bacteriana que muitas vezes é transmitida por contato sexual ou relação sexual com alguém que está infectado.

Os casos na Inglaterra subiram 13% entre 2013 e 2017 em meio a preocupações de que a Inglaterra estivesse em uma “crise de saúde sexual”. No Brasil dados do Boletim Epidemiológico da Sífilis 2018 mostram que a taxa de detecção da sífilis adquirida aumentou de 44,1 para cada grupo de 100 mil habitantes, em 2016, para 58,1/100 mil em 2017. No mesmo período, a sífilis em gestantes cresceu de 10,8 casos por mil nascidos vivos para 17,2. Já a sífilis congênita, passou de 21.183 casos em 2016 para 24.666 em 2017. O número de óbitos por sífilis congênita foi de 206 casos em 2017, enquanto em 2016, haviam sido 195.

O que é a sífilis?

A sífilis é uma infecção bacteriana curável que pode causar dores de cabeça, dores nas articulações, cansaço e febre.

É por vezes conhecida como a "doença francesa", já que os primeiros registros escritos de um surto ocorreram em Nápoles do século 15, após uma invasão francesa durante a guerra italiana de 1494-98.

Preocupante, a sífilis pode ter implicações para a saúde a longo prazo, incluindo problemas cerebrais e infertilidade.

As mulheres grávidas devem sempre ter cuidado com a infecção, pois ela pode ser transmitida a bebês não nascidos.

Os casos de sífilis podem passar despercebidos por anos, por isso é importante fazer check-ups regulares para garantir que você não a tenha contraído.

Como a sífilis se espalha?

A infecção bacteriana é tipicamente capturada após o contato próximo com uma ferida infectada.

Isso pode ocorrer através do sexo oral, vaginal ou anal, bem como compartilhar brinquedos sexuais com alguém que está infectado.

Assim como as pessoas sexualmente ativas estão em risco, os usuários de drogas podem pegar a infecção compartilhando agulhas.

Em casos extremamente raros, também pode ser infectado após uma transfusão de sangue - apesar das amostras serem sempre testadas para a sífilis.

Ao contrário da crença popular, você não pode pegar a infecção compartilhando o mesmo banheiro, roupa ou talheres com uma pessoa infectada.

Preocupante, os especialistas acreditam que a ascensão de aplicativos de namoro pode ser a razão pela qual a IST é a que mais cresce.

Outro estudo acredita que as doenças associadas à Era Vitoriana estão subindo rapidamente por causa da queda dos padrões de vida, da desigualdade financeira e da má alimentação.

Quais são os sintomas da sífilis?

A sífilis primária pode ser perceptível quando o doente experimenta dor e uma úlcera pequena e indolor chamada cancro.

A ferida normalmente estará no pênis, na vagina ou ao redor do ânus, embora às vezes possam aparecer na boca ou nos lábios, dedos ou nádegas.

A maioria das pessoas só tem uma ferida, mas algumas pessoas têm várias e você também pode ter glândulas inchadas no pescoço, virilha ou axilas.

Algumas semanas após esses sintomas iniciais, aqueles com sífilis podem reparar em...

  • Uma erupção cutânea vermelha que pode aparecer em qualquer parte do corpo, mas geralmente se desenvolve nas palmas das mãos ou nas solas dos pés
  • Pequenos crescimentos cutâneos (semelhantes às verrugas genitais) - em mulheres, estas aparecem frequentemente na vulva e tanto para homens como para mulheres, podem aparecer ao redor do ânus
  • Manchas brancas na boca
  • Sintomas semelhantes aos da gripe, como cansaço, dores de cabeça, dores nas articulações e alta temperatura (febre)
  • Glândulas inchadas
  • Ocasionalmente, perda de cabelo irregular

Se não tratada, a infecção pode ter várias implicações para a saúde, levando à sífilis terciária.

Essas incluem…

  • Meningite
  • Apoplexia
  • Sintomas de demência
  • Perda de coordenação
  • Dormência
  • Problemas de visão ou cegueira
  • Problemas cardíacos
  • Aortite e Aneurisma

As mulheres grávidas que não sabem que contraíram a Sifilis podem ter consequências devastadoras para o seu feto.

Pode levar a aborto espontâneo, natimorto ou uma infecção grave no recém-nascido (sífilis congênita).

O que fazer se você acha que tem sífilis

As pessoas sexualmente ativas são incentivadas a fazer testes regulares de Sifilis.

Se você acredita ter contraído a infecção, é aconselhável visitar o seu médico o mais rápido possível.

Quanto mais rápida a sífilis for tratada, mais fácil será para o seu corpo combater o contágio.

Como a sífilis é tratada?

Você pode se proteger contra contrair a infecção usando preservativos durante a relação sexual.

Após o diagnóstico de sífilis, os pacientes recebem uma injeção de antibióticos nas nádegas ou um ciclo de comprimidos antibióticos.

A mulher grávida que tem sífilis também pode ser tratada com segurança com antibióticos.

Se a infecção não foi tratada por um longo período de tempo, pode demorar um pouco para o tratamento funcionar.

É aconselhável evitar contato sexual ou atividade por duas semanas após o término do tratamento.

Os casos de sífilis estão se tornando mais comuns?

Em Agosto de 2018, um aumento nos casos de sífilis foi atribuído à ascensão dos aplicativos de namoro - e a onda de calor do verão tornou as pessoas mais sexualmente ativas.

Um conselho de saúde no País de Gales relatou ter visto cinco vezes mais diagnósticos de sífilis nos últimos quatro meses em comparação com o mesmo período de 2017.

Um porta-voz para O Conselho de Saúde da Universidade Abertawe Bro Morgannwg disse: "Houve um aumento na sífilis em geral em todo o País de Gales.”

"Mas temos visto um aumento significativo em toda a área do conselho de saúde, particularmente nas últimas seis semanas.”

"É possível que a onda de calor no início do verão tenha levado as pessoas a se tornarem sexualmente mais ativas.”

"Também acreditamos que as mídias sociais e o crescimento de sites e aplicativos de namoro são outro fator que contribuem para isso".

dstsífilisinfecçãoO que você achou deste conteúdo?:  0 Sem avaliações
Categorias: Medicina

Gonorreia

seg, 03/18/2019 - 15:34
Doença Sexualmente Transmissível

Gonorreia

Visão Geral

A gonorreia é uma infecção causada por uma bactéria sexualmente transmissível que pode infectar homens e mulheres. A gonorreia afeta mais frequentemente a uretra, o reto ou a garganta. Nas mulheres, a gonorreia também pode infectar o colo do útero.

A gonorreia é mais comumente disseminada durante o sexo. Mas bebês podem ser infectados durante o parto se suas mães estiverem infectadas. Nos bebês, a gonorreia afeta mais comumente os olhos.

A gonorreia é uma infecção comum que, em muitos casos, não causa sintomas. Você pode nem saber que está infectado. Abster-se de sexo, usar preservativo se tiver relações sexuais e estar em um relacionamento mutuamente monogâmico são as melhores maneiras de se prevenir infecções sexualmente transmissíveis.

Sintomas

Em muitos casos, a infecção por gonorreia não causa sintomas. Quando os sintomas aparecem, a infecção por gonorreia pode afetar vários locais do seu corpo, mas geralmente aparece no trato genital.

Gonorreia afetando o trato genital

Sinais e sintomas de infecção por gonorreia em homens incluem:

  • Dor ao urinar
  • Corrimento semelhante a um pus da ponta do pênis
  • Dor ou inchaço em um testículo

Sinais e sintomas de infecção por gonorreia em mulheres incluem:

  • Corrimento vaginal aumentado
  • Dor ao urinar
  • Sangramento vaginal entre os ciclos menstruais, como após o coito vaginal
  • Relação sexual dolorosa
  • Dor abdominal ou pélvica

Gonorreia em outros locais do corpo

A gonorreia também pode afetar essas partes do corpo:

  • Reto.   Os sinais e sintomas incluem coceira anal, secreção semelhante a pus no reto, manchas de sangue vermelho-vivo no vaso sanitário e tensão muscular durante os movimentos intestinais.
  • Olhos.   A gonorreia que afeta os olhos pode causar dor ocular, sensibilidade à luz e secreção semelhante a pus de um ou dos dois olhos.
  • Garganta.   Sinais e sintomas de uma infecção na garganta podem incluir dor de garganta e inchaço dos gânglios linfáticos no pescoço.
  • Articulações.   Se uma ou mais articulações forem infectadas por bactérias (artrite séptica), as articulações afetadas podem estar quentes, vermelhas, inchadas e extremamente doloridas, especialmente quando você move uma articulação afetada.

Quando ver seu médico

Marque uma consulta com seu médico se notar quaisquer sinais ou sintomas preocupantes, como sensação de queimação ao urinar ou secreção semelhante a pus no pênis, na vagina ou no reto.

Também marque uma consulta com seu médico se seu parceiro tiver sido diagnosticado com gonorreia. Você pode não sentir sinais ou sintomas que o levem a procurar atendimento médico. Mas sem tratamento, você pode reinfectar seu parceiro mesmo depois dele ter sido tratado para gonorreia.

 

Causas

A gonorreia é causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae. As bactérias da gonorreia são mais frequentemente passadas de uma pessoa para outra durante o contato sexual, incluindo relações sexuais orais, anais ou vaginais.

Fatores de risco

Fatores que podem aumentar o risco de infecção por gonorreia incluem:

  • Idade mais jovem
  • Um novo parceiro sexual
  • Um parceiro sexual que tem múltiplos parceiros simultâneos
  • Múltiplos parceiros sexuais
  • Diagnóstico prévio de gonorreia
  • Ter outras infecções sexualmente transmissíveis

Complicações

A gonorreia não tratada pode levar a complicações significativas, como:

  • Infertilidade em mulheres.   Gonorreia não tratada pode se espalhar para o útero e trompas de falópio, causando doença inflamatória pélvica (DIP), o que pode resultar em cicatrizes das trompas, maior risco de complicações na gravidez e infertilidade. DIP é uma infecção grave que requer tratamento imediato.
  • Infertilidade nos homens.   Os homens com gonorreia não tratada podem apresentar epididimite — inflamação de um pequeno tubo espiral na parte traseira dos testículos onde os ductos espermáticos estão localizados (epidídimo). A epididimite é tratável, mas se não for tratada, pode levar à infertilidade.
  • Infecção que se espalha para as articulações e outras áreas do seu corpo.   A bactéria que causa a gonorreia pode se espalhar pela corrente sanguínea e infectar outras partes do corpo, incluindo as articulações. Febre, erupção cutânea, feridas na pele, dor nas articulações, inchaço e rigidez são resultados possíveis.
  • Maior risco de HIV / AIDS.   Ter gonorreia torna você mais suscetível à infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), o vírus que leva à AIDS. As pessoas que têm gonorreia e HIV são capazes de transmitir as duas doenças mais prontamente aos seus parceiros.
  • Complicações em bebês.   Os bebês que contraem gonorreia de suas mães durante o parto podem desenvolver cegueira, feridas no couro cabeludo e infecções.

Prevenção

Tome medidas para reduzir o risco de gonorreia:

  • Use preservativo se você optar por fazer sexo.   Abster-se do sexo é o caminho mais seguro para prevenir a gonorreia. Mas se você optar por fazer sexo, use preservativo durante qualquer tipo de contato sexual, incluindo sexo anal, sexo oral ou sexo vaginal.
  • Peça ao seu parceiro para ser testado para infecções sexualmente transmissíveis.   Descubra se o seu parceiro foi testado para infecções sexualmente transmissíveis, incluindo gonorreia. Se não, pergunte se ele ou ela estaria disposto a ser testado.
  • Não faça sexo com alguém que tenha algum sintoma incomum.   Se o seu parceiro tiver sinais ou sintomas de uma infecção sexualmente transmissível, como ardor durante a micção ou uma erupção cutânea ou uma ferida, não faça sexo com essa pessoa.
  • Considere o rastreio regular de gonorreia.   Recomenda-se o rastreio anual para todas as mulheres sexualmente ativas com menos de 25 anos e para as mulheres mais velhas com risco aumentado de infecção, tais como as que têm um novo parceiro sexual, mais de um parceiro sexual, um parceiro sexual com parceiros concomitantes ou um parceiro sexual que tenha uma infecção sexualmente transmissível.

Para evitar a reinfecção com gonorreia, abstenha-se de sexo desprotegido por sete dias depois que você e seu parceiro tiverem completado o tratamento e após a resolução dos sintomas, se estiverem presentes.

dstgonorréiainfecçãoO que você achou deste conteúdo?:  0 Sem avaliações
Categorias: Medicina

Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs)

seg, 03/11/2019 - 10:55
Útero e sistema reprodutor feminino

Doenças sexualmente transmissiveis

  • Vírus do papiloma humano/HPV
    • Infecção que causa verrugas em diversas partes do corpo, dependendo do tipo do vírus.
  • Herpes genital
    • Infecção comum sexualmente transmissível caracterizada por dor e feridas genitais.
  • Clamídia
    • Uma doença comum e sexualmente transmissível que pode não apresentar sintomas.
  • Gonorreia
    • Infecção bacteriana sexualmente transmissível que, se não for tratada, pode causar infertilidade.
  • AIDS/HIV
    • A AIDS é causada pelo vírus HIV, que interfere na capacidade do organismo de combater infecções.
  • Sífilis
    • Infecção bacteriana geralmente transmitida pelo contato sexual que começa como uma ferida indolor.
dstdoençasLocal do corpo: Sistema reprodutor femininoTipo de procedimento: NoninvasiveStatus: Bem definido
Categorias: Medicina

Fertilização in Vitro por ICSI

ter, 01/22/2019 - 07:59

Qual o custo de uma FIV/ICSI? O que é a FIV ICSI? Como é feita? Tem mais chance de gêmeos?

Micro Manipulação de Gametas

é introduzido o espermatozóide dentro do óvulo com uma agulha mais fina que o diâmetro de um fio de cabelo humano

ICSI significa Intra Citoplasmatic Sperm Inject – Micro Manipulação de Gametas. A técnica faz uso de microscópio e micromanipuladores, introduzindo o espermatozóide dentro do óvulo com uma agulha sete ou mais vezes mais fina que o diâmetro de um fio de cabelo humano. Isso tudo é uma complementação da própria técnica de FIV. Atualmente é utilizado nos casos de óvulos com zona pelúcida “enrijecida” (mulher > 40). 

O espermatozóide que vai fertilizar o óvulo é selecionado com uma micro agulha e depois é injetado dentro do óvulo.

Esta técnica é utilizada quando existem alterações na quantidade, na motilidade ou na forma dos espermatozóides, o que poderia impedir sua entrada no óvulo de maneira natural. Também se utiliza esta técnica quando o homem apresenta azoospermia e os espermatozóides devem ser recuperados por coleta alternativa. Também se utiliza esta técnica em pacientes com vasectomia.

A paciente recebe medicações que vão estimular o crescimento dos folículos ovarianos. Os ovários são avaliados periodicamente até os folículos apresentarem tamanho adequado para agendar o dia da fertilização. Ao final da indução da ovulação, é administrada uma medicação que vai terminar de amadurecer os óvulos e aproximadamente 35hs após este procedimento é agendada a aspiração dos óvulos (punção folicular).

A punção folicular é realizada sob sedação (anestesia). O médico utiliza o ultrassom com uma agulha e aspira os folículos ovarianos via transvaginal. Os óvulos são encontrados dentro do líquido aspirado. No mesmo dia, o homem colhe o sêmen através da masturbação. Após algumas horas, o casal é liberado.

No laboratório, o óvulo é injetado com uma microagulha com ajuda de um equipamento especial (micromanipulador). Após dois ou três dias, em alguns casos até cinco dias, a paciente retorna para transferência embrionária. A transferência não requer anestesia. Os embriões são colocados dentro do útero com um catéter especial com ou sem auxílio de uma ultra-sonografia pélvica via supra-púbica. Após 12 a 14 dias já se pode saber o resultado através do teste de gravidez (beta-hCG).

A chance de sucesso é semelhante à FIV e a taxa de gravidez por tentativa depende da idade da mulher e do diagnóstico do casal.

 

Qual o custo de uma FIV ICSI? Na avaliação inicial o médico pode informar valores atualizados que compreendem os medicamentos, o laboratório, os exames, o procedimento e os profissionais envolvidos.

 

Aonde fazer fertilização in vitro com icsi? Marque consulta com Dra Juliana Amato. Tel (11) 5053-2222

Autor: Dra. Juliana Amato

Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

 

Leia também:

icsitratamentotécnicaLocal do corpo: ÚteroCuidados pós procedimento: Repouso relativo e uso hormonal (indicado pelo médico)Preparo: Preparo hormonal e monitorização de cicloTipo de procedimento: NoninvasiveStatus: Bem definido
Categorias: Medicina

Doação de óvulos

qui, 10/04/2018 - 15:55
Doação de óvulos

Algumas mulheres não podem produzir óvulos, geralmente porque seus ovários não estão funcionando ou foram removidos. Se você está nessa situação, você pode desejar considerar receber doação de óvulos – ou seja, usar óvulos de outra mulher – para engravidar.

Você deve ser indicada para essa opção se:

  • seus ovários pararam de funcionar mais cedo, ou após a quimioterapia ou radioterapia ou
  • você tem uma anormalidade no cromossomo, como síndrome de Turner ou
  • seus ovários foram removidos.

Também pode ser indicado esta opção se você não teve sucesso com a FIV ou se há um alto risco de transmitir uma doença genética para seus filhos.

Se está considerando receber doação de óvulos, o especialista em reprodução humana vai aconselhar sobre o que o tratamento vai significar para você, para as crianças que você já tem, e para todas as crianças que você pode ter como resultado do tratamento.

Doando seus óvulos

Se você está considerando doar seus óvulos, seu médico deve oferecer à você informações sobre os riscos associados com a estimulação ovariana e a coleta de óvulos. Todos as doadoras de óvulos em potencial devem conversar com médico responsável para ajudá-las a pensar sobre as implicações da doação para si, seus próprios filhos e quaisquer crianças que possam ter como resultado da doação.

Ocasionalmente, uma mulher em tratamento de fertilidade pode optar por doar alguns dos seus óvulos em troca de um benefício, como a FIV com desconto. Seus óvulos são então doados para uma mulher que é incapaz de produzir seus próprios óvulos. Isso às vezes é chamado de "partilha de óvulos". Qualquer pessoa que esteja considerando tomar parte em tal procedimento deve ser indicada à oportunidade de ver um conselheiro independente para falar sobre o que isso significará para elas.

tratamentodoaçãoO que você achou deste conteúdo?:  0 No votes yet
Categorias: Medicina

Qual a relação entre obesidade e infertilidade?

qui, 09/27/2018 - 16:31

Perder peso para engravidar

A obesidade é medida na prática com uma conta que usa o valor do peso e da altura. Essa conta representa um índice chamado índice de massa corporal ou IMC, de modo que quanto mais alto o índice mais acima do peso ideal a pessoa está. Esse excesso de peso já está associado aos mais diversos problemas de saúde, sendo considerado, por si só, uma condição que merece tratamento. Inúmeras pesquisas são feitas atualmente para compreender qual a relação entre a obesidade e a infertilidade. Será que, como a maioria dos aspectos da saúde humana, a capacidade reprodutiva também é negativamente influenciada por ela?
Um estudo* recentemente publicado na revista “Obstetrics and Gynecology Clinics of North America” procurou compreender melhor essa possível associação. Nele foi explicado que o tecido adiposo produz substâncias chamadas adipocinas, que influenciam a boa comunicação entre as células do corpo. Com essa comunicação dificultada, fica mais complicado executar corretamente as suas funções; essa influência pode inclusive ser exercida sobre as regiões do cérebro responsáveis pelo controle do ciclo ovulatório.
O tecido adiposo em excesso é considerado tóxico para o organismo porque também permite que a gordura seja estocada em diferentes células e tecidos, inclusive nos óvulos, afetando a sua qualidade.
O ciclo menstrual irregular, que pode estar presente em mulheres obesas, reflete o controle desregulado do organismo sobre a ovulação, mas parece que mesmo aquelas com o ciclo regular demoram mais para conseguir engravidar, assim como as chances de abortamento nessas mulheres também parecem ser maiores.
O aconselhamento por médico especialista antes da gravidez é muito importante para orientar a paciente obesa em relação a maneiras de como promover a sua capacidade reprodutiva, inclusive para aquelas que irão se submeter a tratamentos para infertilidade. Embora a perda de peso melhore de modo geral a função dos ovários e o desfecho da gravidez, o tratamento dessas pacientes deve ser individualizado, isto é, “cada caso é um caso”.

 

Veja também: Lipedema

*Obstet Gynecol Clin N Am 39 (2012) 479–493

Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

obesidadetratamentoO que você achou deste conteúdo?:  5 Average: 5 (1 vote)
Categorias: Medicina

Páginas

Não perca Frases do Einstein selecionadas a dedo.

Conhece alguma frase legal? Envie-nos.

Vote agora nas frases e citações que você mais gosta.

delorean