Medicina

HIV e gestação

Fertilidade - 8 horas 40 minutos atrás

Esta informação é para você que foi diagnosticada com HIV (vírus de imunodeficiência humana) e está grávida ou planejando ter um bebê. Se você é um parceiro, parente ou amigo de alguém que está nesta situação, pode também ser útil. (Veja HIV no tratamento da infertilidade e reprodução humana)

Aqui você verá:

  • o que o HIV pode significar para você e seu bebê
  • quais são as maneiras mais eficazes de:
    • proteger o seu bebê no útero, durante o parto e nas primeiras semanas de vida
    • tratar-se durante a gravidez e trabalho de parto
  •  sobre o planejamento para a gravidez.

O que é HIV e o que isso pode significar para o meu bebê?

O HIV é um tipo de vírus chamado de retrovírus que impede o sistema imunológico do corpo de funcionar corretamente e dificulta a luta contra infecções. Se você tem o vírus, isso é reportado como sendo HIV positivo. O vírus pode ser transmitido de uma pessoa para outra através da troca de fluidos corporais, incluindo sangue, sêmen, fluídos vaginais e leite materno. Você pode passar o vírus para seu bebê através da placenta durante a gravidez, durante o nascimento e através do seu leite materno. O cuidado que você receberá visa reduzir o risco de transmitir o HIV para seu bebê. 

Que extras no pré-natal posso esperar se eu sou HIV positiva?

Cuidados especializados e verificações regulares de saúde devem ser realizados. Você deve ser cuidada por uma equipe de especialistas que inclui:

  • médico que se especializa em HIV, o infectologista
  • obstetra (médico especializado no tratamento de mulheres grávidas)
  • pediatra (médico especializado na saúde da criança).

Você e seu bebê deverão ser monitorados durante a gravidez, e isto pode incluir exames de ultra-som extras.

A quantidade de vírus (carga viral) e anticorpos para HIV (CD4) em seu sangue será monitorada, assim como serão os níveis de drogas se você estiver em tratamento.

Infecção e vacinação

Se você é HIV positiva, é importante saber se você é imune a certas infecções. Como outras mulheres grávidas, você será recomendada a fazer exames no início da gravidez para hepatite B, rubéola e sífilis. No entanto, você também será indicada a exames para hepatite C, varicela-zoster/catapora, sarampo e toxoplasmose.

Mulheres grávidas são indicadas para a vacina contra coqueluche. Você também será recomendada a ter vacinação para hepatite B (se você não está imune), para vacina da gripe e pneumococo (nos meses de Outono/Inverno). Estas são seguras na gravidez.

As vacinas para a varicela, sarampo, caxumba e rubéola não são seguras na gravidez e, portanto, serão oferecidas após o nascimento do seu bebê, se você não está imune.

Se você estiver recebendo tratamento para o HIV para a sua própria saúde, você pode ser recomendada a tomar antibióticos para reduzir as chances de desenvolver uma pneumonia.

Você deve ser indicada a usar um cotonete para infecções vaginais logo cedo na gravidez e depois novamente em torno de 28 semanas de sua gravidez. Se o cotonete mostrar infecção, deve ser oferecido tratamento para reduzir o risco de passar o HIV para seu bebê.

Síndrome de Down

Todas as mulheres são indicadas para um exame de triagem para a síndrome de Down. Se seu exame mostra que está em risco aumentado de ter um bebê com síndrome de Down, você será encaminhada para uma unidade de medicina fetal para discutir suas opções adicionais. Há um risco de que os testes possam transferir HIV para seu bebê. Isto será discutido com você totalmente.

Diabetes gestacional

Se estiver tomando certos medicamentos para o HIV no início da gravidez, você pode ser aconselhada a fazer um exame para diabetes gestacional (diabetes que é diagnosticada pela primeira vez na gravidez) entre 24 e 28 semanas. 

Posso reduzir a chance de passar o HIV para meu bebê?

Sim. Você pode reduzir significativamente o risco de passar HIV para seu bebê se você:

  • tiver tratando com drogas anti-retrovirais (veja abaixo)
  • evitar o aleitamento materno e optar por alimentar seu bebê com leite em fórmula
  • tiver uma cesariana, se sua equipe especializada recomendar.

Devo ter tratamento anti-retroviral na gravidez?

Sim. As drogas usadas para tratar a infecção pelo HIV são conhecidas como anti-retrovirais. Às vezes três ou mais tipos são usados juntos, o que é conhecido como terapia anti-retroviral altamente ativa (HAART). Seus médicos lhe oferecerão anti-retrovirais durante a gravidez e no nascimento de seu bebê (se já não estiver a tomá-los), para ajudar a reduzir a chance de passar o vírus para seu bebê. O tratamento anti-retroviral também pode ser benéfico para a sua saúde.

Se você não tiver tratamento anti-retroviral, há um risco muito maior de que você vá passar o vírus para seu bebê.

Tratamento anti-retroviral é seguro na gravidez?

Para você

Medicamentos anti-retrovirais são geralmente seguros, mas eles às vezes podem ter efeitos colaterais, incluindo problemas de estômago e digestivos, diabetes, erupções cutâneas, cansaço extremo, alta temperatura e falta de ar. É importante que informe o seu médico se você experimentar qualquer sintoma incomum enquanto estiver grávida.

Retrovirais às vezes também podem causar problemas hepáticos. Se você iniciou o HAART na gravidez, você deve fazer regularmente exames de sangue para verificar se seu fígado está funcionando normalmente. Algumas drogas podem reduzir os níveis de ferro no sangue (anemia) e você pode ser aconselhada a ter suplementos de ferro.

Você fica mais propensa a entrar em trabalho de parto mais cedo, se estiver tomando o HAART.

Para seu bebê

O tratamento anti-retroviral em si não parece ser prejudicial para os bebês. Não tomar a medicação é muito mais provável que seja prejudicial para seu bebê, porque o risco de transmitir o HIV para seu bebê será muito maior.

Que tratamento anti-retroviral devo fazer?

Você será recomendada a tomar os medicamentos, considerados o melhores para você. Também será informado quando deve começar e parar de tomá-los. 

Você já está tomando anti-retrovirais

Seus médicos recomendarão que você tome HAART durante a gravidez e depois de ter tido seu bebê. Se você esta tomado antes da gravidez, você não deve parar a medicação.

Você não está tomando anti-retrovirais

Deve ser indicado o tratamento para parar de passar o vírus para seu bebê. O tratamento usual é o HAART, conforme descrito acima. O tratamento com uma única droga anti-retroviral (zidovudina) pode considerar-se se sua carga viral for inferior a 10000, sua contagem de CD4 é de mais de 350 e se estiver preparada para ter uma cesariana.

Seu médico geralmente irá recomendar que você comece o tratamento entre 14 e 24 semanas de gravidez e continue até seu bebê nascer.

Qual é a melhor maneira de dar a luz ao meu bebê?

Sua equipe irá discutir com você a melhor maneira de dar à luz. O tratamento que você está tomando, sua carga viral e CD4 contam com 36 semanas e as gestações anteriores serão levadas em conta.

  • Você deve ser capaz de ter um parto vaginal, mesmo se você teve uma cesariana antes, se você estiver tomando o HAART, e tiver carga viral inferior a 50 e uma contagem de CD4 com mais de 350.
  • Se estiver tomando HAART e sua carga viral está entre 50 e 399, seus médicos podem recomendar uma cesariana, geralmente com 38 semanas. Isso vai depender do padrão de sua carga viral, há quanto tempo você esteve em tratamento e seus desejos.
  • Será informada que é melhor uma cesariana, geralmente com 38 semanas, se:
    • estiver tomando o HAART e tem uma carga viral de 400 ou mais
    • estiver tomando zidovudina sozinha
    • o vírus da hepatite C for detectado em seu sangue.

Se os seus médicos aconselham cesariana planejada, mas você quer um parto vaginal, sua vontade pode ser respeitada. No entanto, como com todas as mulheres, se há preocupações sobre você e seu bebê durante o trabalho de parto, pode ser necessária uma cesariana de emergência.

Para qualquer método que você escolher, uma amostra de seu sangue deve ser tomada no momento do nascimento para verificar a quantidade de vírus em seu sangue.

O que acontece se eu tenho uma cesariana planejada?

Se você estiver tomando o HAART, deve continuar a tomar como recomendado pelo seu médico.

Deve ser prescrita a zidovudina através de um soro, que será iniciado algumas horas antes de sua cesariana. Isso deve continuar até que seu bebê nasça e o cordão umbilical tenha sido fixado.

Porque é provável que você tenha sua cesariana antes de 39 semanas, deve ser indicada a um curso de duas a quatro injeções de corticoide durante um período de 48 horas para diminuir a chance de problemas respiratórios para o seu bebê. V

Se suas contrações começarem antes da sua cesariana planejada, vá direto para o hospital. A cesariana será feita assim que possível. Ocasionalmente, o trabalho de parto pode estar muito avançado e pode ser mais seguro para você e seu bebê ter um parto vaginal.

O que acontece se eu tiver um parto vaginal planejado?

Você deve receber tratamento HAART durante todo seu trabalho de parto. Quanto antes a sua bolsa estourar durante o trabalho de parto, maior o risco de transmitir o HIV para seu bebê.

Deve ser prescrita para uma infusão de zidovudina se sua bolsa rompeu ou se há o conhecimento de que tem uma carga viral muito alta.

Se passar da sua data de nascimento programada e sua carga viral não puder ser detectada, é possível ter o trabalho de parto iniciado (induzido).

E se minha bolsa estourar mais cedo?

Depois de 37 semanas

  • Parto vaginal planejado

Se sua bolsa estourar antes de você ir para o trabalho de parto e sua carga viral está a menos de 50, pode ser possível induzir o trabalho de parto com um soro para começar as contrações. Isto será iniciado imediatamente.

  • Cesariana planejada

Se sua bolsa estourar antes de sua cesariana planejada, vá direto para o hospital.

A cesariana será feita logo que possível.

 

Antes de 37 semanas

Se sua bolsa estourar antes de iniciarem suas contrações, sua equipe irá avaliar se seria melhor para seu bebê nascer, em vez de esperar. Isso vai depender de quão longe você está em sua gravidez e seu risco individual de transmitir o HIV para o seu bebê. 

Qual tratamento o meu bebê vai precisar após o nascimento?

Seu bebê deve receber medicamentos anti-retrovirais dentro de 4 horas e este deve ser continuado até que ele ou ela esteja entre 4 e 6 semanas de idade.

Seu bebê será testado para o HIV nos primeiros 2 dias, na alta do hospital, com 6 semanas e com 12 semanas. Se estes exames derem negativo e você não estiver amamentando, seu bebê não tem HIV. Será feito mais um exame para confirmar quando seu bebê tiver 18 meses de idade.

Qual é a melhor maneira de alimentar meu bebê?

Você pode reduzir significativamente o risco de transmitir o HIV, se você não amamentar e não usar seu próprio leite materno. Este é o meio mais importante de reduzir o risco do seu bebê. Se você é HIV positiva, é mais seguro usar leite de fórmula.

Ninguém será informado sobre meu status de HIV?

Sua equipe de saúde precisa estar ciente de que você é HIV positiva, para que possam fornecer o melhor cuidado possível para você e seu bebê. Essa informação constará em seu prontuário médico, de acesso restrito.

Se você ainda não disse a seu parceiro sexual que você é HIV positiva, a equipe irá incentivar e apoiar você para fazê-lo, a fim de reduzir o risco de transmissão.

Eles não devem contar a ninguém sobre seu estado de HIV sem sua permissão. Devem respeitar o seu direito à confidencialidade e usar do cuidado e sensibilidade, onde poderiam ser divulgadas informações sobre você para o seu parceiro ou parentes.

A única exceção é se você está colocando seu parceiro em risco. Nestas circunstâncias, os profissionais de saúde podem dizer ao parceiro sexual sobre seu estado de HIV. Mas sua equipe de saúde deve discutir isso com você primeiro. Eles devem ponderar os riscos envolvidos para você (por exemplo, violência e/ou abuso) antes de decidirem o que fazer.

O que devo fazer se eu estou planejando ter um bebê?

  • Se você ou seu parceiro é HIV positivo, deve ser informada sobre as práticas de sexo mais seguras e o uso de preservativos para prevenir a transmissão do HIV.
  • Você deve ser encaminhada para aconselhamento pré-gestacional e para conselhos sobre opções de concepção com uma equipe, que deve incluir um especialista em fertilidade e um especialista em HIV.
  • Você será aconselhada a esperar até que sua carga viral esteja baixa e para garantir que qualquer infecção seja tratada.
  • Todas as mulheres são aconselhadas a tomar ácido fólico (400 microgramas diários) por 3 meses antes de ficarem grávidas. Se estiver a tomar cotrimoxazol, você será aconselhada a tomar a dose mais elevada de ácido fólico (5 mg por dia).
  • Se o parceiro masculino for HIV positivo:
    • o risco de transmitir o HIV para a mulher é quase zero se ele estiver tomando o HAART, teve uma carga viral de menos de 50 por pelo menos 6 meses e não tem outras infecções e tem relação desprotegida apenas na época fértil do ciclo da mulher; nesta situação, a lavagem de esperma não pode reduzir o risco de transmissão do HIV e pode realmente reduzir a probabilidade de engravidar
    • você pode desejar considerar a concepção assistida com lavagem de esperma ou o esperma de um doador, se há uma grande chance de transmissão do HIV.

Há mais alguma coisa que eu deva saber?

Se você é HIV positiva, você deve obter aconselhamento contraceptivo de uma equipe especializada depois de ter tido seu bebê.

Mulheres com infecção pelo HIV são recomendadas a fazer esfregaços cervicovaginais anuais (papanicolau).

O post HIV e gestação apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Inseminação de Doador

Fertilidade - seg, 11/30/2020 - 19:16

Isso envolve usar sêmen doado por outro homem. Como um casal, vocês podem decidir considerar inseminação de doador como uma alternativa para a injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI). Seu médico deve oferecer ambas as opções e explicar as vantagens e desvantagens de cada um. Sêmen doado pode ser usado para FIV se necessário.

Você pode ser indicado à inseminação de doador, se:

  • Há poucos espermatozoides no seu sêmen ou eles são de baixa qualidade e você decidiu fazer ao invés de realizar a ICSI ou
  • Você não tem espermatozoides no seu sêmen.

Você também pode ser indicado para inseminação de doador se tiver doença genética que poderia ser transmitida à criança, uma doença infecciosa que poderia ser transmitida à mulher ou à criança, ou se você e os grupos sanguíneos da sua parceira não são compatíveis.

Se você está considerando a inseminação de doador deve ser encaminhado para aconselhamento sobre as implicações para você e para as crianças que você puder ter. Todos os potenciais doadores de sêmen também devem ser indicados para aconselhamento independente para ajudá-los a pensar sobre as implicações da doação para si, seus próprios filhos e quaisquer crianças que possam ter como resultado da doação de sêmen.

Para as mulheres, antes de iniciar o tratamento com a inseminação do doador deve ser oferecido testes para confirmar que você está ovulando. Deve ser indicado exames para verificar suas trompas de falópio se houver algo no seu histórico médico que sugira que elas possam estar danificadas.

Se você estiver ovulando regularmente, deve ser indicada pelo menos 6 ciclos de inseminação de doador. Para reduzir o risco de gravidez múltipla pode ser indicada para uma inseminação ‘não estimulada’, que significa que você não receberá medicamentos de fertilidade para estimular seus ovários durante o tratamento. Você deve fazer inseminação intra-uterina em vez de inseminação intra-cervical porque isso pode dar uma chance maior de engravidar.

Se você não tiver engravidado após 3 ciclos de inseminação de doador, pode ser indicado exames para verificar suas trompas de falópio, se estes não tiverem sido feitos antes.

O post Inseminação de Doador apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Quais as principais causas de infertilidade?

Fertilidade - seg, 11/30/2020 - 10:28

A infertilidade é uma condição que acomete muitos homens e mulheres, mas boa parte dessas pessoas só pensa nisso quando tenta ter um filho e passa por dificuldades. Entretanto, ter dificuldades para engravidar é comum e não significa necessariamente que um dos parceiros é infértil.

Um casal deve considerar a infertilidade quando mantém relações sexuais regulares por 1 ano sem o uso de contraceptivos e ainda têm dificuldades. Nesse caso, o indicado é consultar um médico para fazer uma avaliação e receber auxílio. Se ambos ou um dos parceiros tiver 35 anos esse tempo de espera diminui para 6 meses.

Essa consulta é importante, porque existem diversos fatores que podem causar infertilidade e um especialista saberá qual é o melhor tratamento para cada caso. Abaixo, listamos as principais causas de infertilidade para que você as conheça e analise o que pode estar dificultando seus planos de engravidar.

Principais causas de infertilidade em mulheres Endometriose

Um dos principais motivos de infertilidade feminina é a endometriose, uma condição em que o endométrio (a mucosa que reveste a parede interna do útero e que descama na menstruação) cresce fora do útero.

Como ele pode se espalhar para outros órgãos, acaba mudando a anatomia do aparelho reprodutor da mulher e, assim, faz com que seja mais difícil ocorrer a gravidez.

A endometriose pode apresentar sintomas, como cólicas e sangramentos fortes, dor nas relações sexuais e menstruação irregular. Mas, às vezes ela é assintomática, por isso é importante ter o diagnóstico de um médico.

Além disso, ter o acompanhamento desse profissional é fundamental, porque se a endometriose for confirmada ele saberá qual é o melhor tratamento para o caso.

Síndrome dos ovários policísticos

A síndrome dos ovários policísticos, também conhecida como SOP, ocorre quando a mulher tem ovários com cistos, além de um excesso de hormônios masculinos e baixa quantidade de femininos. Essa situação faz com que a ovulação seja irregular e, em alguns casos, nem ocorra.

Entre os principais sintomas da síndrome do ovário policístico estão a menstruação irregular, presença de acnes, ganho de peso e excesso de pelos. Uma mulher que desconfia que tem SOP deve ir ao médico e realizar exames, como ultrassom e hormonais, para confirmar sua condição.

Caso ela seja confirmada, existe mais de um tratamento que pode melhorar a fertilidade da mulher e aumentar as chances de gravidez. Alguns exemplos são os tratamentos com remédios que incentivam a ovulação e a fertilização in vitro.

Problemas na ovulação

Algumas mulheres costumam apresentar problemas na ovulação provocados por diferentes motivos, por exemplo, por óvulos de baixa qualidade, presença pequena de óvulos liberados ou maduros.

Esses problemas nos óvulos também podem ser causados por várias razões, sendo a idade uma delas. Geralmente, depois dos 35 anos as mulheres diminuem consideravelmente a quantidade de óvulos produzidos e a qualidade é igualmente reduzida.

Se o problema na ovulação não for causado pela idade, ele pode apresentar alguns sintomas, como menstruação irregular e ausência de sintomas da TPM. Para melhorar a fertilidade nos casos de problema de ovulação é possível, por exemplo, utilizar medicamentos ou realizar a inseminação artificial.

Alterações nas tubas uterinas

Quando as tubas uterinas apresentam alterações, como um bloqueio ou um dano, elas dificultam bastante o caminho dos espermatozoides e do óvulo. Por isso, é difícil para a mulher conseguir engravidar.

Essas alterações podem ter várias causas, como doenças sexualmente transmissíveis ou uma doença inflamatória pélvica. Dependendo do quadro, a mulher pode passar por uma cirurgia para corrigir a alteração ou tentar engravidar com o método da fertilização in vitro. Às vezes o próprio exame de histerossalpingografia mostra o problema e em raras vezes pode acabar até desobstruindo as tubas.

Principais causas de infertilidade em homens Problemas na formação dos espermatozoides

Uma das causas mais comuns para a infertilidade dos homens é a presença de problemas na formação dos espermatozoides. Eles podem ser produzidos em baixa quantidade, em formatos irregulares ou até terem dificuldades para se locomover.

Para descobrir esses problemas, o homem deve fazer um espermograma, pois essa é a melhor forma de confirmar se ele tem alguma dessas condições. Caso o problema seja a quantidade de espermatozoides produzidos, é possível aumentá-la com um tratamento adequado.

Já se o problema for o formato ou a mobilidade, o casal pode optar pela fertilização in vitro ou por utilizar o espermatozoide de um doador.

Varicocele

Quando o homem tem um alto grau de veias aumentadas no testículo significa que ele tem varicocele. Essas veias são um tipo de varizes que prejudicam a produção de espermatozoides e podem causar a infertilidade.

Em alguns casos, a varicocele pode provocar dores no saco escrotal e a sensação de peso na região. Caso se confirme que o parceiro tem varicocele, ele pode fazer uma cirurgia simples ou embolização para tratar essa condição.

Dificuldades na ejaculação

Alguns homens têm problemas na ejaculação, o que pode dificultar bastante a fecundação. Os homens que apresentam esse tipo de problema podem ejacular pouco ou, em alguns casos, podem não ejacular.

Essa dificuldade na ejaculação pode ter diferentes origens, como uma inflamação, um ferimento e até a realização de uma vasectomia anteriormente. Se o homem apresentar essa dificuldade, o mais indicado é coletar seus espermatozoides para fazer a fertilização in vitro ou optar por um doador.

Dependendo do caso, uma cirurgia para desbloquear o canal da ejaculação também pode solucionar o problema.

Infertilidade sem motivo específico

Em alguns casos, mesmo após fazer uma análise completa, não é possível identificar o motivo de infertilidade de um casal. Quando isso acontece, o médico responsável pela avaliação pode passar o tratamento de fertilidade mais adequado para o casal, de acordo com os resultados dos exames e suas observações.

Se isso acontecer com você e seu parceiro é importante não desanimar, porque atualmente existem vários tratamentos para fertilidade. E mesmo desconhecendo a causa da infertilidade é possível encontrar um tratamento que tenha chances de ser bem-sucedido.

Então, se vocês estão tentando engravidar há algum tempo, marque uma consulta com um especialista. Dessa forma, ele poderá realizar uma avaliação e encontrar a melhor solução para vocês.

Para saber mais sobre as suas opções, inclusive, confira também os principais tipos de tratamento de fertilidade

 

O post Quais as principais causas de infertilidade? apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Qual a relação entre obesidade e infertilidade?

Fertilidade - seg, 11/30/2020 - 06:23

A obesidade é medida na prática com uma conta que usa o valor do peso e da altura. Essa conta representa um índice chamado índice de massa corporal ou IMC, de modo que quanto mais alto o índice mais acima do peso ideal a pessoa está. Esse excesso de peso já está associado aos mais diversos problemas de saúde, sendo considerado, por si só, uma condição que merece tratamento. Inúmeras pesquisas são feitas atualmente para compreender qual a relação entre a obesidade e a infertilidade. Será que, como a maioria dos aspectos da saúde humana, a capacidade reprodutiva também é negativamente influenciada por ela?
Um estudo* recentemente publicado na revista “Obstetrics and Gynecology Clinics of North America” procurou compreender melhor essa possível associação. Nele foi explicado que o tecido adiposo produz substâncias chamadas adipocinas, que influenciam a boa comunicação entre as células do corpo. Com essa comunicação dificultada, fica mais complicado executar corretamente as suas funções; essa influência pode inclusive ser exercida sobre as regiões do cérebro responsáveis pelo controle do ciclo ovulatório.
O tecido adiposo em excesso é considerado tóxico para o organismo porque também permite que a gordura seja estocada em diferentes células e tecidos, inclusive nos óvulos, afetando a sua qualidade.
O ciclo menstrual irregular, que pode estar presente em mulheres obesas, reflete o controle desregulado do organismo sobre a ovulação, mas parece que mesmo aquelas com o ciclo regular demoram mais para conseguir engravidar, assim como as chances de abortamento nessas mulheres também parecem ser maiores.
O aconselhamento por médico especialista antes da gravidez é muito importante para orientar a paciente obesa em relação a maneiras de como promover a sua capacidade reprodutiva, inclusive para aquelas que irão se submeter a tratamentos para infertilidade. Embora a perda de peso melhore de modo geral a função dos ovários e o desfecho da gravidez, o tratamento dessas pacientes deve ser individualizado, isto é, “cada caso é um caso”.

 

Veja também: Lipedema

*Obstet Gynecol Clin N Am 39 (2012) 479–493

Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

O post Qual a relação entre obesidade e infertilidade? apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Doação de óvulos

Fertilidade - sex, 11/27/2020 - 09:23

Algumas mulheres não podem produzir óvulos, geralmente porque seus ovários não estão funcionando ou foram removidos. Se você está nessa situação, você pode desejar considerar receber doação de óvulos – ou seja, usar óvulos de outra mulher – para engravidar.

Você deve ser indicada para essa opção se:

  • seus ovários pararam de funcionar mais cedo, ou após a quimioterapia ou radioterapia ou
  • você tem uma anormalidade no cromossomo, como síndrome de Turner ou
  • seus ovários foram removidos.

Também pode ser indicado esta opção se você não teve sucesso com a FIV ou se há um alto risco de transmitir uma doença genética para seus filhos.

Se está considerando receber doação de óvulos, o especialista em reprodução humana vai aconselhar sobre o que o tratamento vai significar para você, para as crianças que você já tem, e para todas as crianças que você pode ter como resultado do tratamento.

Doando seus óvulos

Se você está considerando doar seus óvulos, seu médico deve oferecer à você informações sobre os riscos associados com a estimulação ovariana e a coleta de óvulos. Todos as doadoras de óvulos em potencial devem conversar com médico responsável para ajudá-las a pensar sobre as implicações da doação para si, seus próprios filhos e quaisquer crianças que possam ter como resultado da doação.

Ocasionalmente, uma mulher em tratamento de fertilidade pode optar por doar alguns dos seus óvulos em troca de um benefício, como a FIV com desconto. Seus óvulos são então doados para uma mulher que é incapaz de produzir seus próprios óvulos. Isso às vezes é chamado de “partilha de óvulos”. Qualquer pessoa que esteja considerando tomar parte em tal procedimento deve ser indicada à oportunidade de ver um conselheiro independente para falar sobre o que isso significará para elas.

O post Doação de óvulos apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Infertilidade feminina

Fertilidade - qui, 11/26/2020 - 21:34

1 – Quais são as principais causas da infertilidade em mulheres em idade reprodutiva?
As principais causas de infertilidade em mulheres são de causa ovulatória (anovulação crônica, sindrome dos ovários policísticos), a endometriose e as má formações uterinas (útero sentado).INFERTILIDADE: CAUSAS E OPÇÕES DE TRATAMENTOS

2 – Como saber se uma mulher é fértil ou não? Existem exames específicos?
Para saber se a mulher é fértil existem alguns exames que podem ser realizados como, dosagens hormonais para avaliar reserva ovariana, ultrassonografia pélvica para avaliar má formações uterinas, cistos ovariano e endometriose e Hiterossalpingografia que avalia a permeabilidade das trompas uterinas. IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO E INVESTIGAÇÃO DA FERTILIDADE NA MULHER

3 – Depois de quanto tempo um casal deve buscar ajuda para a mulher conseguir engravidar?
O início da investigação pode ser imediata se ja for conhecido alguma dificuldade associada a fertilidade (endometriose, aderencias tubáreas). Se isto não ocorre, a investigação deve ser realizada após 1 ano em mulheres abaixo que 35 anos que estejam tentando engravidar e mantendo relações frequentes, e 6 meses em mulheres acima de 35 anos. QUANDO PROCURAR AJUDA DE UM MÉDICO ESPECIALISTA DE FERTILIZAÇÃO

4 – A obesidade pode ser um fator que reduz a capacidade reprodutiva da mulher?

A obesidade interfere na fertilidade feminina, ela altera a produção hormonal normal do corpo, ocorre um aumento dos andróginos que são hormônios masculinos, alterando assim o ciclo menstrual, a ovulação e a implantação do embrião no útero.

Leia também: 

5 – E o estresse? Ele também pode interferir na fertilidade feminina?
O estresse pode interferir na fertilidade feminina, a princípio não como causa principal mas associada a algum problema ja existente. Ocorrem alterações hormonais e neuroquímicas que podem afetar o ciclo menstrual e consequentemente a ovulação. REDUZINDO OS RISCOS DA INFERTILIDADE

6- Tabagismo e o consumo de álcool podem afetar o funcionamento do sistema reprodutivo?
O tabagismo e o álccol afetam a saúde reprodutiva, são substâncias tóxicas que agem no nosso corpo e alteram qualidade e número de espermatozóides, alteram a ovulação, ciclo menstrual, alteram trompas uterinas e diminuem a implantação do embrião no útero. CIGARRO PODE COMPROMETER FERTILIDADE FEMININA

7 – A gravidez após os 40 anos é um tema muito atual, pois é um reflexo da mudança do papel da mulher na sociedade nas últimas décadas. Por que é mais difícil engravidar a partir desta idade?
A gravidez após os 40 anos é mais difícil pois nesta idade a reserva ovariana esta diminuida, os óvulos existentes ja são mais envelhecidos e com taxa de fertilização pelo espermatozóide mais baixa. IDADE E FERTILIDADE FEMININA

8 – Em que casos de infertilidade feminina é possível buscar o recurso da reprodução assistida?
Na maioria dos casos existe uma indicação de tratamento de reprodução assistida. Casos de obstrucão tubárea podem ser contornados com fertilização in vitro. Casos de endometriose, dependendo do grau de acometimento podem ser conduzidos com inseminação artificial ou fertilização in vitro. E casos de anovulação dependendo da causa podem ser conduzidos com coito programado.
A verdade é que cada caso deve ser avaliado individualmente e indicado o melhor tratamento para o casal. Muitas vezes a dificuldade esta em ambos homem e mulher ou nenhuma causa é diagnosticada, no caso de esterilidade sem causa aparente. INFERTILIDADE FEMININA SEM EXPLICAÇÃO e INFERTILIDADE MASCULINA SEM EXPLICAÇÃO

O post Infertilidade feminina apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Gravidez ectópica

Fertilidade - qui, 11/26/2020 - 07:51
Vamos direto ao assunto?

Esta informação é para você que quer saber mais sobre gravidez ectópica, como é diagnosticada e como ela é tratada. Também pode ser útil se você for um parente ou amigo de alguém com gravidez ectópica suspeita ou confirmada.

Esta página é principalmente sobre uma gravidez ectópica no tubo de Falópio (gravidez ectópica tubária), embora ele forneça algumas informações sobre gravidez ectópica em locais que não sejam as trompas de Falópio (gravidez ectópica não tubária).

 

O que é uma gravidez ectópica?

 

Gravidez ectópica é aquela que cresce fora do útero (ventre). No Reino Unido, 1 em cada 90 gestações (pouco mais de 1%) é de uma gravidez ectópica. Além disso, mulheres que tiveram uma gravidez ectópica anterior estão em maior risco.

A gravidez não consegue se manter nestas situações e pode constituir um grave risco para você.

Em uma gestação normal, o óvulo fertilizado se move da trompa de Falópio para o útero, onde a gestação cresce e se desenvolve. Se isso não acontecer, o óvulo fertilizado pode se implantar e começar a se desenvolver fora do útero, levando a uma gravidez ectópica.

Uma gravidez ectópica pode ser fatal porque conforme a gestação avança e se torna maior podendo estourar (ruptura), causando dor intensa e hemorragia interna.

A maioria das gestações ectópicas se desenvolvem em uma das trompas de Falópio (gravidez tubária), mas, raramente (de 3-5 em cada 100 gestações ectópicas) podem ocorrer em outros lugares.

 

O que é gravidez de localização desconhecida (GLD/PUL)?

 

Uma gravidez de local desconhecido (PUL) significa que você tem um teste de gravidez positivo, mas não há nenhuma gravidez/nenhum feto identificado em uma ultra-sonografia.

Isto pode ser devido a três razões possíveis:

  • Você pode ter feito o exame muito cedo, e é muito pequena para ser vista em um ultra-som
  • Você pode ter tido um aborto; seu teste de gravidez pode permanecer positivo por até 2-3 semanas após um aborto
  • Você pode ter uma gravidez ectópica.

A incerteza sobre a sua gravidez pode ser muito estressante para você e sua família. Enquanto pode levar um tempo, é importante alcançar o diagnóstico correto antes do seu médico discutir suas opções de tratamento com você. Com uma PUL, você será recomendada a fazer regularmente análises no sangue para medir seus níveis de hormônio da gravidez e seu plano de tratamento será baseado nos resultados dos exames de sangue, relatórios de verificação de ultra-som e características clínicas.

 

Quais são os sintomas de uma gravidez ectópica?

 

Cada mulher é afetada de forma diferente por uma gravidez ectópica. Algumas mulheres não têm sintomas, algumas têm poucos sintomas, enquanto outras têm muitos sintomas. A maioria das mulheres tem sintomas físicos na 6ª semana de gravidez (cerca de 2 semanas após uma menstruação faltando). Você pode ou não pode estar ciente de que você está grávida, se suas menstruações são irregulares, ou se você estiver usando uma contracepção que falhou.

Como os sintomas variam muito, nem sempre é fácil chegar a um diagnóstico de uma gravidez ectópica.

Os sintomas de uma gravidez ectópica podem incluir:

  • dor no abdômen inferior. Isto pode desenvolver-se de repente sem razão aparente ou pode vir gradualmente durante vários dias. Pode ser de um só lado.
  • sangramento vaginal. Você pode ter alguma mancha ou sangramento que é diferente da sua menstruação normal. O sangramento pode ser mais leve ou mais pesado ou mais escuro do que o normal.
  • dor na ponta do seu ombro. Esta dor é causada por sangue que vaza para o abdome e é um sinal de que a condição está piorando. Essa dor fica lá o tempo todo e pode piorar quando está deitada. Não alivia ao fazer movimentos e não pode ser aliviado por analgésicos. Se você sentir isso, você deve procurar orientação médica urgente.
  • incômodos na barriga. Você pode ter diarreia, ou sentir dor na abertura de seus intestinos.
  • dor abdominal grave/colapso. Se a trompa de Falópio estourar (rupturas) e provocar hemorragia interna, você pode desenvolver uma dor abdominal intensa ou você pode entrar em colapso. Em casos raros, o colapso pode ser o primeiro sinal de uma gravidez ectópica. Esta é uma situação de emergência e você deve procurar cuidados médicos urgentes.

 

Eu deveria procurar um médico imediatamente?

 

Sim. Uma gravidez ectópica pode representar um risco grave para sua saúde. Se você teve relações sexuais nos últimos 3 ou 4 meses (mesmo se você tiver usado contracepção) e está experimentando esses sintomas, você deve buscar ajuda médica imediatamente. Consulte-se mesmo que você não ache que poderia estar grávida.

Você pode obter aconselhamento médico de:

 

Eu tenho um risco maior de uma gravidez ectópica?

 

Qualquer mulher sexualmente ativa em idade fértil pode ter uma gravidez ectópica. Você tem um risco aumentado de uma gravidez ectópica se:

  • Teve uma gravidez ectópica anterior
  • Tem uma trompa de Falópio danificada; sendo que as principais causas de danos são:
    • cirurgia prévia para suas trompas de Falópio, incluindo esterilização
    • infecção anterior em suas trompas de Falópio; (Doença inflamatória pélvica aguda)
  • você engravidou quando você tinha um dispositivo intra-uterino (DIU/bobina) ou se você estiver tomando a pílula anticoncepcional somente com progesterona (mini pílula)
  • sua gravidez é resultado de concepção assistida, ou seja, fertilização in vitro (FIV) ou injeção intracitoplasmática de espermatozoide (ICSI)
  • Você fuma.

 

Como a gravidez ectópica é diagnosticada?

 

A maioria das gestações ectópicas são suspeitas entre 6 e 10 semanas de gravidez. Às vezes, o diagnóstico é feito rapidamente. No entanto, se você está na fase inicial da gravidez, pode levar mais tempo (uma semana ou mais) para fazer um diagnóstico de uma gravidez ectópica.

Seu diagnóstico será feito com base no seguinte:

  • Consulta e exame. Seu médico ginecologista irá perguntar sobre seu histórico médico e os sintomas e examinará seu abdômen. Com o seu consentimento, seu médico pode também fazer um exame vaginal (interno). Você poderá levar alguém para apoiá-la durante o seu exame.
  • Teste de gravidez de urina. Se você já não teve um teste positivo de gravidez, será solicitada uma amostra de urina para que possa ser testada para a gravidez. Se o teste de gravidez der negativo, é muito improvável que seus sintomas sejam devido a uma gravidez ectópica.
  • A ultra-sonografia. Um exame transvaginal (onde uma sonda suavemente é inserida na vagina) é conhecido por ser mais preciso no diagnóstico de gravidez ectópica do que um ultra-som através da barriga (ultra-som transabdominal). Portanto, será oferecido um exame transvaginal para ajudar a identificar a localização exata da sua gravidez. No entanto, se você está na fase inicial da gravidez, pode ser difícil localizar a gravidez na digitalização e pode ser recomendado um outro ultra-som depois de alguns dias.
  • Exames de sangue. Um exame para o nível de hormônio da gravidez βhCG (gonadotrofina coriônica humana beta) ou um exame todos os dias para procurar mudanças no nível deste hormônio podem ajudar a dar um diagnóstico. Isto geralmente é verificado a cada 48 horas porque, com uma gravidez no útero, o nível de hormônio aumenta em 63% a cada 48 horas (conhecido como o ‘tempo de duplicação’), enquanto que, com a gravidez ectópica, os níveis são geralmente mais baixos e sobem mais devagar ou ficam na mesma.
  • Laparoscopia. Se o diagnóstico ainda é incerto, uma operação sob anestesia geral chamada laparoscopia pode ser necessária. O médico utiliza um pequeno “telescópio” para olhar sua pélvis, fazendo um pequeno corte, geralmente no umbigo (botão da barriga). Isso também é chamado de cirurgia guiada. 

Se uma gravidez ectópica for confirmada, o tratamento pode proceder-se como parte da mesma operação. Isso seria discutido com você antes da cirurgia, a menos que a cirurgia seja necessária devido a uma situação de emergência aguda.

 

O que acontece quando uma gravidez ectópica é suspeita ou confirmada?

 

Quando uma gravidez ectópica é suspeita ou confirmada, seu médico irá discutir as opções de tratamento com você. As opções dependem geralmente de onde a gravidez ectópica está suspeita ou localizada.

Certifique-se de que você:

  • compreende plenamente todas as suas opções
  • peça informações se há alguma coisa que você não entende
  • aumente suas preocupações, se houver
  • compreende o que significa cada opção para sua fertilidade (consulte a seção abaixo sobre o que acontece com futuras gestações)
  • tenha tempo suficiente para tomar sua decisão.

 

Quais são as opções para o tratamento da gravidez ectópica tubária?

 

Como uma gravidez ectópica não pode levar ao nascimento de um bebê, todas as opções vão terminar com a gravidez, a fim de reduzir os riscos para a sua própria saúde.

Suas opções dependem de:

  • quantas semanas de gravidez você está
  • seus sintomas e quadro clínico
  • o nível de βhCG
  • seu resultado do exame
  • seu estado de fertilidade
  • sua saúde em geral
  • suas opiniões pessoais e preferências – isso deve envolver uma discussão sobre seus planos futuros de gravidez
  • as opções disponíveis no seu hospital local.

As opções de tratamento para gravidez ectópica tubária são listadas abaixo – nem todos podem ser adequados para você, então seu profissional de saúde deve guiá-la na tomada de uma decisão informada.

 

Tratamento expectante (esperar e ver)

 

A gravidez ectópica por vezes acaba por conta própria – semelhante a um aborto. Dependendo de sua situação, é possível monitorar os níveis de βhCG com exames de sangue todos os dias até estes voltarem ao normal. Embora você não tenha que ficar no hospital, você deve voltar ao hospital se tiver quaisquer sintomas adicionais. 

O tratamento expectante não é uma opção para todas as mulheres. Geralmente só é possível quando a gravidez está ainda nos estágios iniciais, e quando você tem apenas poucos ou nenhum sintoma. Taxas de sucesso com o tratamento expectante são altamente variáveis e variam de 30% a 100%. Isto depende principalmente dos seus níveis de hormônio de gravidez, com níveis de βhCG elevados, associados a uma menor chance de sucesso.

 

Tratamento médico

 

Em determinadas circunstâncias, uma gravidez ectópica pode ser tratada com medicação (drogas). A tuba uterina não é removida. Uma droga (metotrexato) é dada como uma injeção – Isto impede a gravidez ectópica de crescer e a gravidez ectópica desaparece gradualmente.

A maioria das mulheres só precisa de uma injeção de metotrexato para tratamento. No entanto, 15 em cada 100 mulheres (15%) precisam ter uma segunda injeção de metotrexato. Se sua gravidez está além da fase inicial ou o nível de βhCG é elevado, o metotrexato é menos provável de ter êxito. Sete em cada 100 mulheres (7%) vão precisar de cirurgia mesmo após tratamento médico.

Muitas mulheres experimentam um pouco de dor nos primeiros dias depois de tomar o metotrexato, mas isso geralmente se resolve com paracetamol ou algo semelhante para alívio da dor. Embora se saiba que a longo prazo do tratamento com metotrexato para outras doenças possa causar efeitos colaterais significativos, isto raramente é o caso com uma ou duas injeções, usadas para tratar a gravidez ectópica. Tratamento de gravidez ectópica com metotrexato não é conhecido por afetar a capacidade de seus ovários de produzir óvulos.

Você pode precisar ficar no hospital durante a noite e então voltar para a clínica ou ala alguns dias mais tarde. Você deverá retornar mais cedo se você tiver quaisquer sintomas. É muito importante que você vá para suas consultas de acompanhamento, até que seus níveis de hormônio da gravidez voltem ao normal. Também é aconselhável esperar por 3 meses após a injeção, antes de você tentar outra gravidez.

 

Tratamento cirúrgico

 

Uma operação para remover a gravidez ectópica envolverá uma anestesia geral.

A cirurgia será:

  • Laparoscopia (conhecida como cirurgia de video). Sua estadia no hospital é mais curta (24-36 horas) e a recuperação física é mais rápida do que após a cirurgia aberta. A laparoscopia pode não ser uma opção para algumas mulheres, e seu médico irá discutir isso com você.
  • Cirurgia aberta (conhecida como uma laparotomia). É feita através de um corte maior no seu abdômen e pode ser necessária se houver suspeita de hemorragia interna grave. Você vai precisar ficar no hospital por 2-4 dias. Normalmente demora cerca de 4-6 semanas para se recuperar.

O objetivo da cirurgia é remover a gravidez ectópica. O tipo de operação que você tem vai depender de seus desejos ou planos para uma futura gravidez e o que seu cirurgião encontrar durante a operação (laparoscopia).

Para ter a melhor chance de uma gravidez futura dentro de seu útero e para reduzir o risco de ter outra gravidez ectópica, você geralmente será aconselhada a ter sua trompa de Falópio afetada removida (isso é conhecido como uma salpingectomia).

Se você já tem apenas uma trompa de Falópio ou sua outra trompa não parece saudável, suas chances de engravidar já estão afetadas. Nesta circunstância, você pode ser aconselhada a ter uma operação diferente (conhecida como uma salpingectomia) que visa remover a gravidez sem remover a trompa. Ela carrega um risco maior de uma futura gravidez ectópica, mas significa que você é ainda capaz de ter uma gravidez no útero no futuro. Você será aconselhada a fazer testes de sangue para verificar seus níveis de hormônio da gravidez após a salpingectomia como parte do acompanhamento. Algumas mulheres podem precisar de mais tratamento médico ou outra operação para remover o tubo, mais tarde, se a gravidez não foi completamente removida durante a salpingectomia. A decisão de realizar a salpingectomia ou salpingotomia às vezes só pode efetuar-se durante a laparoscopia, sob anestesia. Há riscos associados com qualquer operação: da cirurgia em si e da utilização de um anestésico. Seu cirurgião e anestesista irão discutir estes riscos com você.

 

Quais são as opções para o tratamento de gravidez ectópica não-tubária?

 

O tratamento de uma gravidez ectópica não-tubária depende de onde a gravidez está crescendo (refere-se aos vários locais de gravidez ectópica não-tubária no folheto). Seu médico irá discutir as opções de tratamento disponíveis com você com base em uma série de fatores, incluindo a localização da gravidez ectópica, os níveis de hormônio βhCG da gravidez em seu sangue e o relatório de verificação de ultra-som.

As opções de tratamento podem incluir tratamento expectante, tratamento com metotrexato ou a intervenção cirúrgica.

 

Em situações de emergência

 

Se a gravidez tubária ou não-tubária estourou, a cirurgia de emergência é necessária para parar o sangramento. Esta operação é muitas vezes um salva-vidas. Isso é feito removendo a ruptura da trompa de Falopio e a gravidez. Seus médicos precisarão agir rapidamente e isso pode significar que eles têm que tomar uma decisão em seu nome para operar. Nessa situação você pode precisar de uma transfusão de sangue. 

 

O que acontece com seus restos de gravidez?

 

Para confirmar que você teve uma gravidez ectópica, o tecido removido no momento da cirurgia é enviado para análise em laboratório. A equipe de saúde irá discutir com você (e seu parceiro) as opções em torno do que acontece com seus restos de gravidez depois.

 

O que acontece depois?

 

Consultas de acompanhamento

É importante que você vá para suas consultas de acompanhamento. Os exames e testes que você precisa vão depender do tratamento que você teve. Se você fez o tratamento com metotrexato, você deve evitar engravidar pelo menos 3 meses após a injeção.

 

Como me sentirei depois?

 

O impacto de uma gravidez ectópica pode ser muito significativo. Pode significar chegar a um acordo à respeito da perda de seu bebê, com o potencial impacto sobre a fertilidade futura ou com a percepção de que você poderia ter perdido a sua vida.

Cada mulher lida à sua maneira. Uma gravidez ectópica é uma experiência muito pessoal. Esta experiência pode afetar seu parceiro e outros em sua família, bem como amigos íntimos.

Se você sentir que você não está lidando bem ou não voltar ao normal, você deve falar com seu médico ou outro membro da equipe de saúde. 

É importante lembrar que a gravidez não poderia ter continuado sem causar um risco grave para sua saúde.

Antes de tentar ter outro bebê, é importante esperar até que você se sinta preparada emocionalmente e fisicamente. Por mais traumática que tenha sido a sua experiência de uma gravidez ectópica, pode ajudar saber que a probabilidade de uma gravidez normal da próxima vez é muito maior do que de ter outra gravidez ectópica.

 

Quanto a futuras gestações?

 

As chances de ter uma gravidez bem sucedida no futuro são boas. Mesmo se você tiver apenas uma trompa de Falópio, suas chances de conceber são apenas ligeiramente reduzidas.

Para a maioria das mulheres, uma gravidez ectópica é um evento ‘único’. No entanto, sua oportunidade total de ter outra gravidez ectópica é maior e é ao redor 7-10 em cada 100 (de 7 – 10%), em comparação com 1 em cada 90 (pouco mais de 1%) (trabalho na população em geral no Reino Unido).

Você deve procurar aconselhamento precoce de um profissional de saúde quando você souber que você está grávida. Pode ser recomendada uma ultra-sonografia entre 6 e 8 semanas para confirmar que a gravidez está se desenvolvendo no útero.

Se você não quer engravidar, procure aconselhamento adicional da sua clínica médica ou planejamento familiar, conforme algumas formas de contracepção podem ser mais apropriadas após uma gravidez ectópica.

Pontos-chave
  • Uma gravidez ectópica é uma gravidez fora do útero (ventre).
  • No Reino Unido, 1 em cada 90 gravidezes (pouco mais de 1%) é uma gravidez ectópica.
  • A maioria das gestações ectópicas se desenvolvem em uma das trompas de Falópio (gravidez tubária), mas em casos raros, elas podem se desenvolver em outros locais.
  • O diagnóstico é feito com base em seus sintomas, exame físico, exames de sangue, ultra-som e outros testes conforme apropriado.
  • As opções de tratamento variam dependendo da localização da gravidez ectópica e dos resultados dos seus exames.

O post Gravidez ectópica apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Entenda como a vitamina D auxilia a imunidade

Vascular Pro - qua, 11/25/2020 - 10:10

A vitamina D é, na verdade, um hormônio produzido pelo nosso organismo e que atua na composição e fortalecimento do sistema imunológico, ósseo e muscular do corpo humano. É sintetizada pelo intestino com a ajuda de gorduras e tem como fonte principal a exposição solar. Quer saber mais sobre a importância da vitamina D para uma vida saudável e longe de doenças? Continue lendo.

Como a vitamina D age no sistema imunológico?

O sistema imunológico é responsável por ajudar a manter o nosso organismo protegido da incidência de diversos tipos de doenças. Quando o corpo se sente ameaçado por algum agente causador de doenças, anticorpos são liberados para evitar o ataque desses elementos ofensivos.

Pesquisas recentes têm evidenciado que a vitamina D tem o poder de agir diretamente no fortalecimento do sistema imunológico, fazendo com que ele execute as suas funções da maneira correta e esperada que é garantindo mais resistência ao organismo.

Essa proteção garantida pelos anticorpos acontece logo no primeiro contato do corpo com o agente infeccioso, evitando que ele se instale e se alastre provocando graves problemas de saúde. A vitamina D, portanto, age reforçando essa barreira protetora também chamada de primeira defesa.

Ação antimicrobiana

A vitamina D também tem ação antimicrobiana. Ela ajuda na produção da catelicidina, uma proteína que elimina agentes patológicos, causadores de problemas infecciosos como as doenças respiratórias e similares.

Como luta constantemente contra esses agentes nocivos, a vitamina D também ajuda no processo de recuperação do organismo já afetado por alguma doença. Por isso, a ingestão dessa vitamina é fundamental não apenas para prevenir, mas para tratar patologias também.

Artrite reumatoide e esclerose múltipla são exemplos de doenças que devem incluir no tratamento dosagens de vitamina D, seja por meio de alimentos, hábitos saudáveis ou suplementação.

Gestantes e lactantes merecem atenção especial

Grávidas e mulheres que estão amamentando precisam redobrar os cuidados com a ingestão correta de vitamina D. Isso porque, no período de gestação o aparecimento de doenças como diabetes e hipertensão é mais comum, além das infecções vaginais.

Quadros de pré-eclâmpsia é muito comum em mães que apresentam baixos índices de vitamina D no organismo.

Baixas doses de vitamina D também podem comprometer o desenvolvimento do bebê causando baixo peso, má formação óssea e problemas cardiovasculares na criança.

Ainda durante a gestação, a vitamina D ajuda a equilibrar a quantidade de cálcio e fósforo, outros minerais extremamente importantes para a saúde da mãe e do bebê.

Quando estão amamentando, as mães também precisam reforçar a ingestão de vitamina D. Isso porque o leite materno, apesar de completo, pode não oferecer ao recém-nascido toda a vitamina D que ele necessita.

Sintomas da carência de vitamina D

Quando está carente de vitamina D, o corpo fica fraco, suscetível a várias doenças, apresenta indisposição, além de problemas emocionais e físicos. Veja a seguir os principais sintomas que demonstram a carência de vitamina D.

  • Ossos frágeis;
  • Osteoporose, principalmente em idosos;
  • Músculos frágeis e doloridos;
  • Quedas frequentes causadas pela fraqueza muscular;
  • Crianças com crescimento irregular, o popular raquitismo;
  • Gripes e resfriados frequentes;
  • Incidência maior de diabetes, câncer, doenças cardíacas e hipertensão;
  • Obesidade;
  • Alergias frequentes;
  • Asma;
  • Irritabilidade e nervosismo;
  • Quadros depressivos: estudos têm evidenciado que pessoas que com depressão geralmente apresentam carência de vitamina D em seus organismos. Da mesma forma que aqueles que estão em tratamento e recebem altas dosagens da vitamina têm uma recuperação mais rápida e duradoura.
Principais fontes de vitamina D O sol

A principal fonte de vitamina D é a exposição solar feita corretamente. Quando expomos o nosso corpo aos raios de sol, a vitamina D presente no nosso corpo é ativada e sua produção é acelerada.

O ideal é receber os raios solares diariamente, por cerca de 15 minutos. Essa exposição deve ser direta, sem proteções ou obstáculos. Mas, claro dentro do horário permitido que é antes das 10h da manhã e depois das 16h da tarde. Uma caminhada diária logo cedo é suficiente para produzir boas doses de vitamina D.

Alguns alimentos 

Além da exposição solar, é importante manter uma alimentação equilibrada com ingestão diária de alimentos que contenham vitamina D. Mesmo possuindo uma baixa quantidade de vitamina D, esses alimentos colaboram no processo de absorção da vitamina e devem fazer parte da alimentação diária da população. São eles:

  • Fígado bovino;
  • Gema de ovo;
  • Peixes gordurosos: cavala, sardinha, atum, arenque e salmão;
  • Óleo de fígado de bacalhau;
  • Cogumelos;  
  • Leite e derivados como o iogurte e o queijo;
Alimentos que dificultam a absorção de vitamina D

Assim como alguns alimentos são fonte de vitamina D existem outros que impedem ou prejudicam a absorção dessa vitamina pelo organismo, além da prática de maus hábitos. São eles:

  • Bebida alcoólica
  • Cigarro
  • Alimentos ricos em cafeína: café, chá preto, chá verde e similares.

É importante consumir esses alimentos de forma moderada e, no caso do cigarro, fazer o possível para eliminá-lo da sua rotina diária.

Quanto consumir por dia?

A vitamina D deve ser consumida na quantidade correta, de acordo com a faixa etária do indivíduo. Veja:

  • Bebês: 400 UI/dia
  • Adolescentes: 600 UI/dia
  • Adultos: entre 400 e 2000 UI/dia
  • Idosos: 800 UI/dia
  • Gestantes e lactantes: 600 UI/dia

Esses valores podem variar de acordo com a idade, os hábitos alimentares e a exposição diária ao sol. É importante sempre visitar o seu médico para verificar se os seus índices estão dentro do recomendado e se há necessidade de reposição.

O excesso de vitamina D também faz mal

Não adianta tomar altas dosagens de vitamina D para potencializar os resultados. Quando consumida em excesso, a vitamina D pode provocar problemas sérios no indivíduo como arritmias cardíacas, o que pode ser fatal em pessoas que já possuam problemas cardíacos.

É preciso suplementar?

A suplementação de vitamina D deve ser sugerida e orientada por um médico para evitar o excesso. Geralmente, a suplementação é recomendada para pessoas que apresentam problemas ocasionados pela deficiência da vitamina ou que têm dificuldades de se expor aos raios solares diariamente, como é sugerido por especialistas.

Como vimos, a vitamina D é fundamental para que tenhamos uma vida mais saudável. Expor o corpo ao sol diariamente e ingerir alimentos ricos em vitamina D são essenciais para que o organismo possa sintetizar a substância e aproveitar todos os seus benefícios resultando em um sistema imunológico fortalecido e eficaz no combate aos agentes nocivos causadores de doenças.

O post Entenda como a vitamina D auxilia a imunidade apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

Endometriose

Fertilidade - qua, 11/25/2020 - 06:39

Esta informação é para você, se você deseja saber mais sobre endometriose. Também pode ser útil se você é o parceiro ou parente de alguém com endometriose. Já falamos de endometriose antes aqui, sendo assunto recorrente por estar muito associado às dificuldades para engravidar.

O que é endometriose?

A endometriose ocorre quando as células que normalmente revestem o útero (endométrio) são encontradas em outros lugares, geralmente na pelve em torno do útero, ovários e trompas de Falópio. Não é câncer e não é infecciosa.

É uma condição muito comum, que afeta entre 2 a 10 mulheres em cada 100. Você estará mais propensa a desenvolver endometriose, se sua mãe ou irmã também tiveram.

Endometriose geralmente afeta mulheres durante seus anos reprodutivos. É uma condição de longo prazo que pode ter um impacto significativo sobre o seu estado geral de saúde física, bem-estar emocional e rotina diária.

Quais são os sintomas?

Os sintomas comuns incluem dor pélvica e menstruações dolorosas, às vezes irregulares ou pesadas. Isso pode causar dor durante ou depois do sexo e pode levar a problemas de fertilidade. Você também pode ter dor relacionada com seu intestino, bexiga, a parte inferior das costas ou partes superiores das pernas e experimentar fadiga a longo prazo. Algumas mulheres com endometriose não têm quaisquer sintomas, são assintomaticas.

A endometriose pode causar dor que ocorre em um padrão regular, tornando-se pior antes e durante o seu período. Algumas mulheres experimentam dor o tempo todo, mas para outras ela pode ir e vir. A dor pode melhorar durante a gravidez e às vezes pode desaparecer sem qualquer tratamento. Para obter mais informações, consulte as informações de pacientes RCOG Dor pélvica crônica (longo prazo).

O que causa a endometriose?

Não se sabe a causa exata da endometriose. Acredita-se que aconteça quando as células que revestem o útero são migram para a pelve através das trompas de Falópio durante a menstruação. Estas células respondem aos seus hormônios e sangram. Ao contrário das células no útero, que deixam o seu corpo através da vagina, este sangue não tem para onde fugir. Isso pode causar dor, inflamação e possivelmente danificar seus órgãos pélvicos.

Endometriose pode ser encontrada:

  • nos ovários, onde pode formar cistos (muitas vezes referidos como ‘cistos de chocolate’)
  • dentro ou fora das trompas de Falópio
  • sobre, atrás ou ao redor do útero
  • na área entre a vagina e o reto
  • no peritôneo (revestimento da pelve e do abdômen).

Endometriose pode também ocorrer dentro da parede muscular do útero (Adenomiose) e, ocasionalmente, no intestino e/ou na bexiga. Ela às vezes pode ser encontrada em outras partes do corpo, mas isso é raro.

Como ela é diagnosticada?

A endometriose pode ser uma condição difícil de diagnosticar. Isso ocorre porque:

  • os sintomas da endometriose variam muito
  • os sintomas são comuns e podem ser semelhantes à dor causada por outras doenças como a síndrome do intestino irritável (SII) ou doença inflamatória pélvica (DIP); para mais informações, consulte a informação do paciente RCOG Doença inflamatória pélvica aguda: Exames e tratamento
  • mulheres diferentes têm diferentes sintomas
  • algumas mulheres não têm sintomas.

O que vai acontecer se eu for consultar um ginecologista?

Você será perguntada:

  • sobre qualquer dor que você tiver e se ela tem um padrão ou se está relacionada a qualquer coisa, em particular suas menstruações
  • sobre suas menstruações – elas são dolorosas e quão pesadas elas são?
  • Se você tem qualquer dor ou desconforto durante o sexo
  • sobre problemas com seus intestinos no momento da sua menstruação.

 

O ginecologista pode realizar um exame interno com o seu consentimento. Isso ajuda a localizar a dor pélvica e o médico pode sentir por todas as protuberâncias ou áreas sensíveis. Você será capaz de discutir quaisquer preocupações e terá a oportunidade de fazer outras perguntas.

Quais exames podem ser solicitados?

Os exames incluem geralmente uma ecografia pélvica. Esta pode ser um exame transvaginal para verificar o útero e os ovários. Pode mostrar se há um cisto endometriótico (chocolate) nos ovários ou pode sugerir endometriose entre a vagina e o reto.

Pode ser indicada uma laparoscopia, que é a única maneira de obter um diagnóstico definitivo. Ela é realizada sob anestesia geral. Pequenos cortes são feitos no abdômen e um telescópio é inserido para olhar sua pélvis. Você pode ter uma biópsia para confirmar o diagnóstico e imagens podem ser tomadas para seus registros médicos.

O médico pode sugerir tratar a endometriose no momento da sua primeira laparoscopia, por remoção de cistos nos ovários ou pelo tratamento de todas as áreas no revestimento da sua pélvis. Isto pode evitar uma segunda operação. Às vezes, no entanto, a extensão da endometriose encontrada significa que você pode precisar de outros exames ou tratamento.

O procedimento, incluindo todos os riscos e os benefícios, será discutido com você. Depois de sua operação você será informada sobre os resultados. Muitas vezes, você pode ir para casa no mesmo dia após uma laparoscopia.

Uma ressonância pode ser sugerida se a condição parece ser avançada.

Quais são as minhas opções para o tratamento?

As opções de tratamento incluem aquelas listadas abaixo.

Medicação de alívio da dor

Isto atua reduzindo a inflamação. Existem diversas maneiras de você ajudar a aliviar a sua dor. Isto pode variar de remédios sem receita para medicamentos prescritos pelo seu profissional de saúde. Em situações mais graves, você pode ser encaminhado para uma equipe especializada em gerenciamento de dor.

Tratamentos hormonais

Estes tratamentos reduzem ou impedem a ovulação (a liberação de um óvulo do ovário) e assim permitem que a endometriose diminua ou desapareça, diminuindo a estimulação hormonal.

Alguns tratamentos hormonais que podem ser oferecidos são anticoncepcionais e também irão impedir você de engravidar. Eles incluem:

  • a pílula contraceptiva oral combinada (COC) ou adesivo dado continuamente sem a pausa normal livre de comprimidos; Isto geralmente impede a ovulação e temporariamente cessa suas menstruações ou faz suas menstruações serem mais leves e menos dolorosas
  • um sistema intra-uterino (DIU/Mirena®), que ajuda a reduzir a dor e torna as menstruações mais leves; algumas mulheres que utilizam um IUS chegam a ficar sem menstruações
  • progesterona na forma de injeção, a mini pílula ou o implante contraceptivo.

 

Outros tratamentos hormonais estão disponíveis, mas estes não são contraceptivos. Portanto, se você não quiser engravidar, você precisará usar um contraceptivo também. Tratamentos não-contraceptivos hormonais incluem:

  • progesterona na forma de comprimidos
  • GnRHa (agonistas de hormônio liberador de gonadotrofina), que são dados como injeções, implantes ou um spray nasal. Eles são muito eficazes, mas podem causar os sintomas da menopausa, como fogachos e também são conhecidos por reduzir a densidade óssea. Para ajudar a reduzir esses efeitos colaterais e perda óssea, pode ser oferecida a terapia de ‘reposição’ sob a forma de terapia de reposição hormonal (TRH).

Cirurgia

Cirurgia pode tratar ou remover áreas de endometriose. A cirurgia recomendada vai depender de onde é a endometriose e de quão extensa ela é. Isso pode ser feito quando é realizado o diagnóstico ou pode ser oferecido mais tarde. Taxas de sucesso variam e você pode precisar de mais cirurgia. Seu ginecologista irá discutir as opções com você totalmente.

Operações possíveis incluem:

  • cirurgia laparoscópica – quando focos de endometriose são destruídos ou removidos
  • laparotomia – para os casos mais graves. Isto é uma grande operação que envolve um corte no abdome, geralmente ao longo da linha do biquini. Às vezes, outros cirurgiões, como especialistas do intestino, serão envolvidos. Se necessário, uma laparotomia pode ser usada para remover os ovários com ou sem realizar uma histerectomia (remoção do útero). Você não será capaz de ter filhos depois de uma histerectomia. O alívio da dor a longo prazo é mais provável se os ovários são removidos. No entanto, por causa dos riscos de saúde associados com a remoção dos ovários, seu médico irá discutir isso e a possível necessidade de terapia de reposição hormonal (TRH) com você.

Se você tem endometriose severa, uma equipe de especialistas, que poderia incluir um ginecologista, um cirurgião de intestino, um radiologista e especialistas em gerenciamento de dor podem discutir suas opções de tratamento. Você pode ser encaminhada para um centro especializado de endometriose.

Tratamento de fertilidade

Engravidar pode ser um problema para algumas mulheres com endometriose. Seu ginecologista pode lhe fornecer informações sobre suas opções.

Outras opções

Algumas mulheres têm achado as seguintes medidas úteis:

  • o exercício, que pode melhorar o seu bem-estar e pode ajudar a melhorar os sintomas da endometriose
  • cortar certos alimentos como produtos lácteos ou trigo da dieta
  • terapias psicológicas e aconselhamento.
  • Terapias complementares

Embora haja somente uma evidência limitada para a sua eficácia, algumas mulheres podem achar que as seguintes terapias ajudam a reduzir a dor e melhoram sua qualidade de vida:

  • reflexologia
  • estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
  • acupuntura
  • suplementos de vitamina B1 e magnésio
  • medicina tradicional chinesa
  • tratamentos com ervas
  • homeopatia                        

 

Pontos-chave

  • Endometriose ocorre quando as células que normalmente são da linha do útero são encontradas em outro lugar, geralmente na pelve em torno do útero, ovários e trompas de Falópio.
  • Não é câncer e não é infecciosa.
  • Endometriose pode às vezes ser uma condição difícil de diagnosticar.
  • Sintomas comuns incluem dor pélvica e menstruações dolorosas, às vezes irregulares ou pesadas. Pode causar dor durante ou depois do sexo e pode levar a problemas de fertilidade.
  • Opções de tratamento incluem medicamentos de alívio da dor, hormônios e/ou cirurgia.

O post Endometriose apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Esterilização masculina e feminina (laqueadura/vasectomia)

Fertilidade - ter, 11/24/2020 - 19:32

A esterilização funciona evitando o encontro do óvulo e do espermatozoide. Na esterilização feminina (oclusão tubária/laqueadura) isto é feito por corte, selagem ou bloqueio das trompas de falópio que carregam um óvulo do ovário para o útero (ventre). Na esterilização masculina (vasectomia), isso é feito por corte e selagem ou amarrando o canal deferente (o tubo que transporta o esperma dos testículos para o pênis). Isso é chamado de vasectomia.

Esterilização é um método permanente de contracepção, apropriado para pessoas que tem certeza absoluta de que nunca mais vão querer crianças ou que não querem mais filhos. Você pode querer saber mais sobre contracepção reversível (Long-acting reversible contraceptives – LARC) que é tão eficaz quanto a esterilização, mas reversível. Pergunte a seu médico ou enfermeiro para mais informações sobre LARC.

 

A esterilização é eficaz?

  • Esterilização masculina (vasectomia)
    • Cerca de uma em cada 2.000 esterilizações masculinas falharam.
  • Esterilização feminina (oclusão tubária)
    • A taxa de falha total é de cerca de 1 em 200.
    • A pesquisa sugere que, quando a esterilização é feita usando um tipo de grampo, conhecido como o Filshie clip, a taxa de falha é 2-3 em cada 1000, em 10 anos.
    • A evidência disponível sugere que a taxa de falha do Essure  é de cerca de 1 em cada 500, por mais de cinco anos.
    • Há um risco de que a esterilização não vai funcionar.
    • Os tubos que transportam o esperma nos homens e os óvulos em mulheres podem recuperar-se após a esterilização. Isso pode acontecer imediatamente ou alguns anos depois que a operação foi realizada.

 

Quais são as vantagens da esterilização?

Depois da esterilização ter sido feita… você não tem de usar outros métodos anticoncepcionais nunca mais.

Quais são as desvantagens da esterilização?

  • Os tubos podem reanastomosar (voltar) e você pode se tornar fértil novamente, mas isto não é comum.
  • A esterilização não pode ser facilmente revertida.
  • A esterilização não protege você contra doenças sexualmente transmissíveis.
  • Demora entre quatro semanas até pelo menos três meses para a esterilização ser eficaz, dependendo do método usado.

Qualquer um pode ser esterilizado?

Esterilização é para pessoas que tem a certeza de que elas não querem mais filhos ou filhas. Você não deve decidir esterilizar se você ou seu parceiro não estiver completamente certo ou se você está sob algum estresse, por exemplo, após um parto, aborto, crise na família ou no relacionamento. É uma decisão muito mais definitiva do que esses problemas temporários.

Pesquisas mostram que mais mulheres e homens se arrependem da esterilização se eles foram esterilizados quando estavam abaixo dos 30 anos, não tiveram filhos ou não estavam em um relacionamento. Por causa disto, pessoas jovens ou solteiras devem receber aconselhamento extra.

Onde posso ir para receber aconselhamento sobre a esterilização?

Você pode ir ao seu clínico geral, ginecologista, ou urologista. 

Que informação devo receber antes de decidir ser esterilizada?

Você deve obter todas as informações e aconselhamento se você quer ser esterilizada. Isso lhe dá uma chance de falar sobre a operação em detalhes e quaisquer preocupações que você possa ter. Você deve saber sobre:

  • Outra contracepção reversível altamente eficaz de ação prolongada (LARC)
  • As taxas de fracasso da esterilização, de quaisquer possíveis complicações e dificuldades de reversão
  • A necessidade de usar contracepção até a esterilização foi confirmada como um sucesso.
  • Você terá que assinar um termo de consentimento.

Preciso de permissão do meu parceiro?

Pela lei você não precisa de permissão do seu parceiro, mas alguns médicos preferem que ambos os parceiros concordem com uma esterilização após informação e aconselhamento.

A esterilização pode ser revertida?

A esterilização destina-se a ser permanente. Existem cirurgias de reversão (reversão da vasectomia e reanastomose tubária), mas elas não são sempre bem sucedidas. O sucesso vai depender de como e quando você foi esterilizada.  A esterilização histeroscópica (Essure) não pode ser revertida.

A esterilização afeta seu desejo sexual?

A esterilização não afeta seus hormônios. Portanto, seu desejo sexual e o prazer do sexo não devem ser afetados.

A esterilização masculina (vasectomia)

Como é feita a vasectomia?

Você receberá uma anestesia local. Para atingir os tubos, o médico fará uma pequena punção, conhecida como método sem-bisturi, ou um pequeno corte na pele do escroto. O médico então vai cortar os tubos e fechar as pontas amarrando-as ou selando-as com calor. Às vezes, um pequeno pedaço dos tubos é removido quando é cortado. A abertura em seu escroto será muito pequena e talvez nem precise de quaisquer pontos. Se o fizer, serão usadas suturas dissolvíveis ou fita cirúrgica. A operação leva cerca de 10 a 15 minutos e pode ser feita em hospital-dia, hospital ou sala de procedimento ambulatorial.

Como me sentirei depois da operação?

Seu escroto pode ficar inchado e dolorido. Tomar medicamentos para o alívio da dor e vestir cuecas apertadas ou de suporte atlético, para sustentar seu escroto, dia e noite durante os primeiros dias vai ajudar a reduzir qualquer desconforto. O médico ou o enfermeiro deve lhe dar informações sobre como cuidar de si mesmo nas semanas que seguem a sua vasectomia.

Há sérios riscos ou complicações?

A pesquisa mostra que não há nenhum risco de saúde grave conhecido a longo prazo causado por fazer uma vasectomia.

Ocasionalmente, alguns homens têm uma infecção, um grande inchaço ou sangramento. Neste caso, consulte o seu urologista assim que possível. Às vezes o esperma pode vazar para fora do tubo e se acumular no tecido circundante. Isso pode causar inflamação  e dor imediatamente, ou algumas semanas ou meses mais tarde. Se isso acontecer, pode ser tratado.

Um pequeno número de homens experimentam dor contínua em seus testículos, escroto, pênis ou abdômen inferior. Isso é conhecido como dor crônica pós-vasectomia ou CPVP. Tratamentos medicamentosos podem ser eficazes em aliviar a dor e alguns homens a mais requerem cirurgia. Alívio permanente nem sempre é alcançado.

A maioria dos homens ao fazer vasectomia será com anestésico local, muito raramente anestesia geral é necessária. Todas as operações usando anestesia geral apresentam alguns riscos, mas problemas graves são raros.

Quando a vasectomia será eficaz?

Em cerca de 12 semanas após a operação, você deverá fazer um exame de sêmen para ver se os espermatozoides desapareceram.

Às vezes mais de um teste é necessário. Você pode fazer sexo entre dois e sete dias após a operação, mas você só pode confiar na esterilização masculina para contracepção depois que falarem que o exame de sêmen deu negativo, ou seja, precisa continuar fazendo a prevenção com outros métodos.

Após a operação, você precisa usar contracepção alternativa até não sobrar nenhum esperma nos tubos. O tempo que demora para o limpar os tubos de esperma varia de homem para homem.

Esterilização feminina (oclusão tubária)

Como é feita a esterilização feminina?

Existem várias maneiras de bloquear as trompas de Falópio: amarrar, cortar e remover um pequeno pedaço de tubo, por selagem, ou aplicação de grampos ou anéis. Há duas maneiras principais de se chegar às trompas de Falópio – por laparoscopia ou por mini laparotomia.

O tempo que precisa ficar no hospital depois da esterilização depende da anestesia e do método utilizado. Poderá ser feito anestesia geral, local ou regional.

Para uma laparoscopia, um médico irá fazer um pequeno corte e inserir um laparoscópio, que permite ao médico ver claramente seus órgãos reprodutivos. O médico irá selar ou bloquear suas trompas de Falópio, normalmente com clipes ou ocasionalmente com anéis.

Para uma mini laparotomia, um médico vai fazer um pequeno corte no abdome, geralmente logo abaixo da linha do biquíni, para alcançar suas trompas de Falópio. Fará anestesia geral e passará uns dias no hospital.

Como me sentirei depois da operação?

Se você passou por anestesia geral, pode se sentir um pouco desconfortável e mal estar por alguns dias.

Isto não é incomum, e pode ter que se afastar por alguns dias. Pode também ter um ligeiro sangramento vaginal e dor. Se isso piorar, consulte seu médico. O médico deve dizer qual método de esterilização foi usado, se houver alguma complicação e como cuidar de si mesma nas semanas que seguem a sua esterilização.

O que é Essure?

Essure é um método de esterilização feminina que não envolve nenhum corte. É conhecido como esterilização histeroscópica.

Um histeroscópio é inserido na vagina e no colo do útero para permitir que uma bobina pequena de titânio (metal) seja colocada em ambas as trompas de Falópio. O tecido do corpo cresce em torno da bobina e bloqueia a tuba uterina. Geralmente não requer anestesia e leva cerca de 10 minutos. A maioria das mulheres é capaz de retornar às suas atividades normais no dia seguinte. Este método não é reversível. Depois de três meses você vai precisar de um raio-x ou ultra-som para verificar que as trompas de Falópio estão bloqueadas.

A esterilização afetará minha menstruação?

Seus ovários, útero e colo do útero são deixados no lugar e seus hormônios não são afetados, portanto você ainda vai ovular (liberar um óvulo a cada mês), mas ele será absorvido naturalmente pelo seu corpo.

Sua menstruação vai continuar a ser tão regular quanto estava antes da esterilização. Ocasionalmente, algumas mulheres acham que suas menstruações se tornam mais pesadas.

Isto é geralmente porque elas pararam de usar contracepção hormonal, o que pode ter amenizado suas menstruações anteriormente.

Há sérios riscos ou complicações?

Se houver falha da esterilização feminina e você engravidar, há um pequeno aumento do risco de gravidez ectópica. Uma gravidez ectópica desenvolve-se fora de seu útero, geralmente no tubo de Falópio.

Você deve procurar conselho médico imediatamente se achar que pode estar grávida ou se tiver menstruação leve ou atrasada, sangramento vaginal incomum ou se tiver dor súbita ou incomum em seu abdômen inferior.

Todas as operações implicam em algum risco, mas o risco de complicações sérias é baixo.

Quando a esterilização feminina é eficaz?

Você vai precisar usar contracepção até sua operação e pelo menos sete dias depois.

Após a esterilização histeroscópica você precisará usar contracepção durante pelo menos três meses. 

Onde posso obter mais informações e conselhos?

O ginecologista é o médico especialista no assunto. Marque sua consulta.

 

Contracepção de emergência

Se você teve relações sexuais sem contracepção, ou pensa que o seu método pode ter falhado, existem diferentes tipos de contracepção de emergência que você pode usar.

Uma pílula contraceptiva de emergência contendo levonorgestrel – pode ser tomada até três dias (72 horas) depois do sexo. Quanto mais cedo é tomada depois do sexo, mais eficaz. Disponível com uma prescrição ou você pode comprar de uma farmácia. Existem marcas diferentes, mas todas elas funcionam da mesma maneira.

O DIU – pode ser colocado cinco dias após o sexo, ou até cinco dias após a primeira vez que você poderia ter liberado um óvulo (ovulação). Pergunte a seu médico sobre a obtenção de pílulas de emergência com antecedência, no caso de você precisar delas.

Infecções sexualmente transmissíveis

A maioria dos métodos de contracepção não protegem de infecções sexualmente transmissíveis.

Preservativos masculinos e femininos, quando usados corretamente e consistentemente podem ajudar a proteger contra infecções sexualmente transmissíveis. Se possível, evite o uso de preservativos lubrificados com espermicidas. O espermicida comumente contém uma substância química chamada Nonoxinol 9, que não protege contra HIV e pode até aumentar o risco de infecção.

 

O post Esterilização masculina e feminina (laqueadura/vasectomia) apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Gestação de substituição (barriga de aluguel)

Fertilidade - ter, 11/24/2020 - 09:49

Nos Estados Unidos, recorrer a uma barriga de aluguel para realizar o sonho de ser mãe ou pai é algo relativamente corriqueiro. Lá o processo é controlado por agências especializadas e não há restrições quanto a quem pode gerar o(s) bebê(s) de quem; havendo um acordo formal – e normalmente financeiro – entre os pais biológicos e a mulher que se propõe a engravidar por eles, tudo é feito tranquilamente sob a segurança juridica contratual desde o momento da inseminação artificial até a entrega do(s) bebê(s). A maturidade do processo é evidenciada na segurança do resultado além do biológico.

No Brasil, o processo é bem diferente e ainda está sendo discutido, criado, testado e aplicado. Veja bem, o procedimento médico-biológico, é perfeitamente factível. Temos a tecnologia. Temos o pessoal. Temos o conhecimento. Agora, o entendimento ético está amadurecendo, o processo juridico também, e, portando, a segurança do resultado não-biológico, para o médico,  para o laboratório e equipe, para a doadora, para o bebê e para o casal. São tantos envolvidos, tantas variáveis, que tudo tem que ser bem planejado.

Vamos começar pelo começo: o termo correto é gestação de substituição, não barriga de aluguel.

Embora o nome corriqueiro desse processo seja barriga de aluguel, ele não poderia estar mais distante da realidade brasileira. Todas as palavras estão erradas. Isso porque no Brasil é proibido cobrar para emprestar o útero para uma gestação ou querer pagar para convencer uma mulher a fazer isso. Simples assim. O termo correto por aqui é gestação de substituição. Ou, também pode ser barriga solidária, para ficar mais simples e condizer com nossa realidade.

Não existem leis que guiem o processo de gestação de substituição ou barriga solidária no Brasil: tudo é regido por resoluções do CFM que são seguidas pela Justiça. O CFM adiantou-se nessa questão, de modo que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) tenta acompanhar suas decisões, mas a legislação brasileira em si ainda é muito conservadora.

As resoluções sobre gestação de substituição vêm sendo criadas e modernizadas desde 1992. Sendo a mais recente, de 2017 (Resolução CFM nº 2.168/2017), a que vale atualmente.

VII – SOBRE A GESTAÇÃO DE SUBSTITUIÇÃO (CESSÃO TEMPORÁRIA DO ÚTERO)

As clínicas, centros ou serviços de reprodução assistida podem usar técnicas de RA para criarem a situação identificada como gestação de substituição, desde que exista um problema médico que impeça ou contraindique a gestação na doadora genética, em união homoafetiva ou pessoa solteira.

1. A cedente temporária do útero deve pertencer à família de um dos parceiros em parentesco consanguíneo até o quarto grau (primeiro grau – mãe/filha; segundo grau – avó/irmã; terceiro grau – tia/sobrinha; quarto grau – prima). Demais casos estão sujeitos à autorização do Conselho Regional de Medicina.

2. A cessão temporária do útero não poderá ter caráter lucrativo ou comercial.

3. Nas clínicas de reprodução assistida, os seguintes documentos e observações deverão constar no prontuário da paciente:

3.1. Termo de consentimento livre e esclarecido assinado pelos pacientes e pela cedente temporária do útero, contemplando aspectos biopsicossociais e riscos envolvidos no ciclo gravídico-puerperal, bem como aspectos legais da filiação;

3.2. Relatório médico com o perfil psicológico, atestando adequação clínica e emocional de todos os envolvidos;

3.3. Termo de Compromisso entre o (s) paciente (s) e a cedente temporária do útero (que receberá o embrião em seu útero), estabelecendo claramente a questão da filiação da criança;

3.4. Compromisso, por parte do (s) paciente (s) contratante (s) de serviços de RA, de tratamento e acompanhamento médico, inclusive por equipes multidisciplinares, se necessário, à mãe que cederá temporariamente o útero, até o puerpério;

3.5. Compromisso do registro civil da criança pelos pacientes (pai, mãe ou pais genéticos), devendo esta documentação ser providenciada durante a gravidez;

3.6. Aprovação do cônjuge ou companheiro, apresentada por escrito, se a cedente temporária do útero for casada ou viver em união estável.

Portanto, o que pode e o que não pode em barriga solidária no Brasil?

O ponto principal do processo de gestação de substituição no Brasil é que ele não pode ser tratado como uma transação comercial, ou seja, não pode envolver dinheiro. Além disso, a resolução 2121, de 2015, determina que familiares de até quarto grau (primas) da mulher ou do homem podem ceder o útero para uma gestação e fazer uma FIV (fertilização in vitro) em clínica de reprodução assistida, sem necessidade de uma autorização do CFM.

Em situações de gestação de substituição em que não haja parentesco é preciso entrar com um processo e conseguir a autorização da CFM para que a FIV seja feita. Será analisado o histórico do caso e das pessoas envolvidas. Todos envolvidos, tanto as mulheres quanto seus parceiros ou parceiras, caso existam, terão que assinar documentos atestando que estão de pleno acordo para a realização da gestação, havendo também avaliação psicológica. Sem a autorização, nenhuma clínica séria realizará o procedimento. O que guia a gestação de substituição é a ética. Leia os limites da ética em reprodução humana.

Há medidas legais que desestimulam as tentativas de fazer o procedimento por vias dúbias: o artigo 3º do Código Civil veta a cessão de órgãos e o artigo 15º determina que ninguém pode ser constrangido a um tratamento médico ou cirurgia. Os dois artigos, de certa forma, podem ser usados para coibir uma barriga de aluguel, a comercialização do serviço.

Um último aspecto burocrático é o registro do parentesco do(s) bebê(s). Independentemente da origem dos embriões, a Declaração de Nascido Vivo via de regra sai no nome da parturiente, ou seja, da mulher que emprestou a barriga. Para a certidão de nascimento ser feita no nome dos pais biológicos, bastará apresentar no cartório documentos que comprovem a legalidade do procedimento. A lei de registros, de 1973, não prevê gestação de substituição, mas o CNJ faz valer as resoluções do CFM, e os cartórios seguem as determinações do CNJ.

Havendo vontade ou necessidade de partir para uma gestação de substituição, portanto, o conselho é que a lei seja seguida, obviamente. Passe em consulta com especialista em reprodução humana que pode orientar todo o processo. É um processo relativamente simples. Curiosamente, é justamente a burocracia da adoção no Brasil que tem incentivado muitos casais a procurarem a barriga solidária nos últimos anos.

O post Gestação de substituição (barriga de aluguel) apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Quais são os tipos de tratamento de fertilidade?

Fertilidade - seg, 11/23/2020 - 21:05

Muitos casais têm dificuldade para engravidar por diferentes motivos, como endometriose, problemas na ovulação, na formação ou no transporte de espermatozoides. Quando essa dificuldade continua, depois de um ano de tentativas sem o uso de contraceptivos e com uma atividade sexual regular, o casal é considerado infértil.

Nesse caso, o ideal é procurar um especialista para que se descubra qual é o problema e indique o tratamento mais adequado para o casal. Isso é importante, porque existe mais de uma opção para tratar a infertilidade.

Se você está tendo dificuldades para engravidar sabe que as diversas alternativas podem até confundir a cabeça do casal. Pensando nisso, a seguir, vamos listar os principais tipos de tratamento de fertilidade para que você conheça suas opções e saiba como elas funcionam!

Principais tipos de tratamento de fertilidade 1. Relação sexual programada

Esse tratamento é um dos mais simples, porque a fecundação do óvulo acontece de forma natural, mas ele é bastante indicado por sua eficácia. Também conhecido como coito programado, essa opção funciona da seguinte maneira: o casal e o médico acompanham a ovulação da mulher para descobrir qual é o período fértil dela.

Assim, é possível definir o período em que o casal deve manter relações sexuais para conseguir engravidar. O coito programado pode ser realizado somente com o acompanhamento da ovulação ou também com a estimulação ovariana realizada por meio de medicamentos. 

Geralmente, é feito o estímulo dos ovários também para aumentar as chances de o tratamento ser bem-sucedido.

O método da relação sexual programada é bastante indicado para casais em que a mulher tem um ciclo menstrual desregulado, pois esse fator faz com que seja mais difícil para os espermatozoides encontrarem o óvulo.

2. Fertilização in vitro (FIV)

A fertilização in vitro é um tratamento mais complexo, porque a fecundação acontece em um laboratório e não no corpo da mulher. Mas, ela é uma ótima opção para diversos casos, como nos de endometriose, idade avançada da mulher, obstrução tubária e baixa produção de espermas.

Nesse tipo de tratamento, primeiro é realizado o estímulo da ovulação com o auxílio de medicamentos para que haja um número maior de óvulos para serem fecundados. Em seguida, esses óvulos são removidos por aspiração. Depois, o sêmen do parceiro ou doador também é coletado.

A etapa da fertilização pode ser feita de duas maneiras: em um meio de cultura, onde os espermatozoides e o óvulo são inseridos para que a fecundação aconteça naturalmente, ou com uma injeção intracitoplasmática do espermatozoide (ICSI). Nesse caso, é selecionado o melhor espermatozoide e ele é injetado no óvulo.

Após a fecundação, os embriões são observados por uns dias e então são colocados no útero. Para saber se o processo funcionou, é preciso fazer um exame de sangue.

3. Super ICSI

Esse método é bem parecido com a injeção intracitoplasmática do espermatozoide tradicional, mas ele utiliza uma tecnologia mais avançada para aumentar as chances de sucesso no procedimento.

O super ICSI usa um sistema de resolução óptica muito tecnológico para melhorar a análise do gameta e, assim, permitir que o especialista responsável escolha realmente o melhor espermatozoide disponível para a fertilização in vitro.

Esse tipo de tratamento é indicado principalmente em casos de infertilidade masculina grave, de dificuldade na implantação do embrião no útero e quando a mulher já sofreu 3 ou mais abortos.

4. Inseminação intrauterina (artificial)

Na inseminação intrauterina, que também é conhecida como artificial, espermatozoides são injetados no útero da mulher para que encontrem o óvulo e realizem a fecundação de forma natural.

Esse tratamento não é tão complexo e apresenta um custo mais baixo que outras opções, como a fertilização in vitro e o super ICSI. Para realizá-lo, primeiro a mulher precisa passar pelo estímulo dos ovários.

Depois, o sêmen do homem é coletado e são escolhidos os espermatozoides que apresentam a melhor movimentação. Por último, eles são injetados no útero para que possam fazer a fecundação no corpo da mulher.

A inseminação intrauterina é indicada especialmente nos casos em que o homem tem alterações leves na produção dos espermas e em que a mulher apresenta dificuldades para engravidar, mas não há um motivo determinado.

5. Indução da ovulação

Outra opção de tratamento de fertilidade é a indução da ovulação, em que a produção de óvulos é estimulada no período fértil da mulher. Dessa forma, aumentam-se as chances dela engravidar.

O estímulo da produção de óvulos é feito por medicamentos, que podem ser de via oral ou injetáveis. A indução da ovulação é indicada principalmente nos casos em que a mulher tem anovulação. Essa é uma condição que pode ser crônica ou causada por diferentes motivos, como síndrome do ovário policístico e estresse.

Na anovulação o óvulo não é liberado pelo ovário para ser fecundado, por isso, a indução da ovulação pode ser um bom tratamento para essa questão.

6. Doação de óvulos, sêmen ou embriões

Se o casal não puder gerar seus embriões, eles podem utilizar óvulos, sêmens ou embriões doados de acordo com o que eles necessitarem. Caso eles precisem da doação de um óvulo, este é fecundado com o sêmen do homem por meio da fertilização in vitro. E a mulher tem que realizar um tratamento apenas para receber o embrião.

Já se o casal precisar de um sêmen, a fecundação pode ser feita novamente pela fertilização in vitro ou pela inseminação artificial. Se eles precisarem tanto do óvulo quanto do sêmen, podem optar por um embrião fecundado pela fertilização in vitro que tem que ser injetado no útero da mulher. Nesse caso, a mulher também tem que passar por um tratamento para receber esse embrião.

Após verificar essa lista dos principais tipos de tratamento de fertilidade utilizados fica claro que cada um deles é indicado para casos específicos. Ou seja, em uma situação um tratamento pode ser a melhor alternativa enquanto em outra ele pode não ser tão efetivo.

Por isso, antes de optar por um tratamento, você precisa consultar um médico. Assim, o profissional poderá examinar o caso, identificar a causa da infertilidade e recomendar o tratamento mais adequado para sua situação.

Aqui na Clínica Reprodução Humana e Fertilização do Amato – Instituto de Medicina Avançada temos uma equipe especializada em tratamentos de fertilidade. Então, se ainda não sabe aonde ir para descobrir qual é o melhor tratamento para você, marque uma consulta conosco

 

O post Quais são os tipos de tratamento de fertilidade? apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Aborto espontâneo precoce

Fertilidade - seg, 11/23/2020 - 20:10

Esta informação é para você que saber mais sobre aborto nos primeiros 3 meses da gravidez. Também pode ser útil se você é parente ou amigo de alguém que teve aborto espontâneo precoce.

Explicamos os cuidados que necessários após um aborto espontâneo precoce confirmado. 

Perder um bebê é uma experiência profundamente pessoal que afeta as pessoas de forma diferente. Pode ser muito angustiante… e depois pode ser necessário apoio psicológico. 

O que é um aborto precoce?

Se você perder seu bebê nos primeiros 3 meses da gravidez, é chamado de aborto espontâneo precoce. Na maioria das mulheres ocorre sangramento vaginal, mas, às vezes, pode não haver nenhum sintoma. Se este for o caso, o aborto pode acabar sendo diagnosticado numa ultra-sonografia.

Por que acontecem os primeiros abortos?

Na maioria dos casos, não é possível dar uma razão para um aborto precoce. A causa mais comum é um problema com os cromossomos do bebê (as estruturas genéticas dentro das células do corpo que herdamos dos nossos pais). Se um bebê não tiver o número certo de cromossomos, ele não se desenvolverá adequadamente e a gravidez pode acabar em um aborto espontâneo.

Quais são as minhas chances de ter um aborto espontâneo?

Infelizmente, os abortos precoces são muito comuns. Muitos abortos precoces ocorrem antes que a mulher perca sua primeira menstruação ou antes de sua gravidez ter sido confirmada, ou seja, nem fica sabendo. Nos primeiros 3 meses, uma em cada cinco mulheres terá um aborto espontâneo, sem motivo aparente, após um teste de gravidez positivo.

O risco de aborto espontâneo é aumentado por:

  • sua idade – aos 30 anos de idade, o risco de aborto espontâneo é de um em cada cinco (20%); com mais de 40 anos, o risco de aborto espontâneo é de um em cada dois (50%)
  • problemas médicos como diabetes mal controlada
  • fatores de estilo de vida, como tabagismo, excesso de peso ou consumo excessivo de álcool.

Não há evidências de que o estresse possa causar um aborto espontâneo. E o sexo durante a gravidez não está associado a aborto precoce.

O que devo fazer se eu tiver sangramento e/ou dor nos primeiros 3 meses?

O sangramento vaginal e/ou a dor de cólicas nos estágios iniciais da gravidez são comuns e nem sempre significam que existe um problema. No entanto, hemorragias e/ou dor podem ser um sinal de aborto espontâneo.

Se você tiver algum sangramento e/ou dor, você pode obter ajuda médica e conselhos de:

  • seu médico
  • o médico do pronto socorro

Como é diagnosticado um aborto precoce?

Um aborto precoce geralmente é diagnosticado por uma ultra-sonografia. Você pode ser aconselhada a fazer um exame transvaginal (onde uma sonda é suavemente inserida na vagina) ou uma varredura transabdominal (onde a sonda é colocada no abdômen) ou ocasionalmente ambos. Um exame transvaginal pode ser recomendado, pois dá uma imagem mais clara. Nenhum desses exames aumentam o risco de ter um aborto espontâneo.

Podem ser oferecidos exames de sangue que poderiam incluir a verificação do nível do seu hormônio da gravidez (βhCG).

Se você estiver sangrando ou com dor, pode ser efetuado um exame vaginal. Você também poderá trazer alguém para apoiá-la durante seu exame ou verificação.

Algumas mulheres vão abortar muito rapidamente, mas para os outras o diagnóstico e tratamento contínuo podem levar várias semanas.

Quais são minhas escolhas… se for confirmado um aborto?

Se a ecografia mostra que você tem um aborto e não resta nada no seu ventre, pode não ser necessário qualquer tratamento adicional.

Se o aborto for confirmado, mas algum ou todo conteúdo da gravidez ainda está dentro de seu ventre, seu profissional de saúde vai falar com você sobre as melhores opções. Você pode escolher esperar e deixar a natureza seguir seu curso, ou usar medicamentos ou mesmo fazer uma operação.

Deixar a natureza seguir seu curso (tratamento expectante de um aborto espontâneo)

Isto é bem sucedido em cerca de 50 em cada 100 mulheres que escolhem esta opção. Pode demorar algum tempo antes de começar a sangrar e isto pode continuar por até 3 semanas. Pode ser pesado e você pode sentir dor de cólicas. Se você tem dor ou sangramento muito intenso, pode precisar ser internada em um hospital.

Deve fazer uma consulta de acompanhamento, cerca de 2 semanas depois:

  • Se o sangramento e a dor se estabeleceu por essa altura, é provável que toda a gravidez tenha saído. Você será aconselhada a fazer um teste de gravidez de urina 1 semana depois disso. Se ainda der positivo, você deve contatar seu serviço local de avaliação de gravidez precoce.
  • Se o sangramento falhar em iniciar no prazo de 7 a 14 dias ou for persistente ou ficar mais pesado, será receberá uma outra ecografia. As opções de continuar o tratamento expectante, tratamento médico ou ser operada em seguida serão discutidas com você.

 

Tomar a medicação (tratamento médico de um aborto espontâneo)

Isso é bem sucedido em 85 em cada 100 mulheres e evita um anestésico.

Você tomará um medicamento. A medicação ajuda o colo do útero (colo do útero) a abrir e permite que o restante da gravidez vá embora. Vai demorar algumas horas… e haverá um pouco de dor com sangramento ou de coagulação (como uma menstruação pesada). Será oferecido alívio para dor e medicação anti-doença. Algumas mulheres podem experimentar diarreia e vômitos.

Se o sangramento não tiver iniciado 24 horas após o tratamento, deve contactarseu médico ou hospital.

Após o tratamento, você pode sangrar por até 3 semanas. Se o sangramento for pesado, você deve contatar seu médico ou hospital local.

Você será recomendada a fazer um teste de gravidez 3 semanas mais tarde. Se este der positivo, você deve contatar seu serviço de avaliação de gravidez precoce para organizar uma consulta de acompanhamento. Se o tratamento não funcionou, você terá a opção de ser operada.

 

Ter uma operação (tratamento cirúrgico de um aborto espontâneo)

A operação pode ser executada sob anestesia geral ou local. É bem sucedido em 95 em cada 100 mulheres.

A gravidez é removida através do colo do útero. Você pode receber comprimidos para engolir ou  vaginal antes da operação para amolecer o colo do útero.

A cirurgia geralmente terá lugar dentro de alguns dias do seu aborto, mas você pode ser recomendada para a cirurgia imediatamente se:

  • Estiver sangrando fortemente e continuamente
  • Existir sinais de infecção
  • O tratamento clínico para remover a gravidez não teve êxito.

A operação é segura, mas há um pequeno risco de complicações, incluindo sangramento pesado, infecção ou danos ao útero. Uma operação de repetição às vezes é necessária. O risco de infecção é o mesmo, se você escolher o tratamento médico ou cirúrgico.

 

O que acontece com os restos da gravidez?

Alguns tecidos removidos no momento da cirurgia podem ser enviados para testes em laboratório. Os resultados podem confirmar que a gravidez estava dentro do útero e que não era uma gravidez ectópica (quando a gravidez está crescendo fora do útero). Também testa para quaisquer alterações anormais na placenta (gravidez molar).

Algumas mulheres que abortam em casa optam por trazer os restos de gravidez para o hospital, para que eles possam ser testados.

Opções para a eliminação dos restos serão discutidas com você e seu parceiro.

Eu gostaria de ter um memorial para o meu bebê. Como eu posso organizar isso?

Dependendo da sua unidade e sua própria situação individual, você pode escolher o sepultamento ou cremação. Muitos hospitais têm um livro de recordações. Se você quiser mais informações, converse com seu médico ou enfermeiro sobre as opções no seu hospital.

O que acontece a seguir?

Sangramento vaginal

Você pode esperar ter algum sangramento vaginal por 1-2 semanas após o aborto. Isto é como uma menstruação pesada no primeiro dia, mais ou menos. Isto deve diminuir e pode tornar-se de cor marrom. Você deve usar absorventes ao invés de tampões, já que usar tampões poderia aumentar o risco de infecção.

Se você normalmente tem menstruações regulares, sua próxima menstruação será geralmente dentro de 4-6 semanas. A ovulação ocorre antes, então você pode estar fértil no primeiro mês após um aborto. Portanto, se você não quiser engravidar, você precisará usar contracepção.

Desconforto

Você pode esperar algumas cólicas (como fortes dores de menstruação) em seu abdômen inferior no dia do seu aborto. Você pode ter cólicas mais leves ou uma dor um ou dois dias depois. Se o desconforto não é aliviado por analgésicos simples da farmácia e você experimenta os seguintes sintomas, você deve consultar o seu médico, serviço de avaliação de gravidez precoce ou o hospital onde você teve os seus cuidados:

  • Sangramento vaginal forte ou prolongado, corrimento vaginal malcheiroso e dor abdominal:

Se você também tem uma temperatura elevada (febre) e sintomas como a gripe, você pode ter uma infecção do revestimento do útero (útero). Isso ocorre em duas ou três em cada 100 mulheres. Pode ser tratado com antibióticos. Estes sintomas também podem indicar que algum tecido permanece desde a gravidez (veja acima).

  • Aumento da dor abdominal e você não se sente bem: se você também tiver uma temperatura alta (febre), perdeu o apetite e tem vômitos, isto pode ser devido a danos ao útero. Você pode precisar ser internada em hospital.

Recuperação emocional

Um aborto afeta todas as mulheres de forma diferente e pode ser devastador para o parceiro dela também. Algumas mulheres concordam com o que aconteceu dentro de semanas; para outras, leva mais tempo. Muitas mulheres se sentem chorosas e emocionais por pouco tempo depois. Algumas mulheres experimentam dor intensa por mais tempo.

Sua família e amigos podem ser capazes de ajudar. Fale com seu médico se você sentir que você não está lidando bem. 

Retorno ao trabalho

Quando você retornará ao trabalho dependerá de você e como você se sente. É aconselhável descansar por alguns dias antes de iniciar suas atividades de rotina, mas retornar ao trabalho dentro de um ou dois dias não causará mal se você se sente bem o suficiente. A maioria das mulheres vai voltar a trabalhar em uma semana, mas você pode precisar de mais tempo para se recuperar emocionalmente.

Se assim for, pode ser útil falar com seu médico ou conselheiro de saúde ocupacional.

Fazendo sexo

Assim que os dois se sentirem prontos, você pode fazer sexo. É importante que você esteja se sentindo bem e que qualquer dor e sangramento tenha reduzido significativamente.

Quando podemos tentar ter outro bebê?

Você pode tentar ter um bebê tão logo você e seu parceiro se sintam fisicamente e emocionalmente prontos.

Estou em maior risco de um aborto espontâneo na próxima vez?

Não está em maior risco de outro aborto se você teve um ou dois abortos precoces. A maioria dos abortos ocorrem como um evento único e há uma boa chance de ter uma gravidez bem sucedida no futuro.

Um número muito pequeno de mulheres têm uma condição que as faz mais propensas a perder o bebê. Se este for o caso, a medicação pode ajudar. 

Há mais alguma coisa que eu deva saber?

Como qualquer outra pessoa planejando ter um bebê, você deve:

  • tomar 400 microgramas de ácido fólico todos os dias desde quando você começa a tentar até 12 semanas de gravidez, para reduzir o risco de seu bebê nascer com um defeito do tubo neural (espinha bífida)
  • ser tão saudável quanto possível – dieta equilibrada e parar de fumar
  • não beber bebidas alcoólicas, já que isto pode aumentar sua chance de aborto 

Pontos-chave

  • Abortos precoces são muito comuns e uma em cada cinco mulheres tem um aborto sem motivo aparente.
  • Hemorragia e/ou dor no início da gravidez pode ser um sinal de aviso de aborto e você deve consultar um médico se você está nesta situação.
  • Podem ser oferecidos testes incluindo uma ultra-sonografia para verificar a sua gravidez.
  • Uma vez que um aborto é diagnosticado, seu médico dirá sobre suas opções, que incluem o tratamento expectante, médico ou cirúrgico.
  • A maioria dos abortos são um evento único e há uma boa chance de uma gravidez bem sucedida no futuro.

O post Aborto espontâneo precoce apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Varicocele e infertilidade

Fertilidade - seg, 11/23/2020 - 07:25
Vamos direto ao assunto?

Varicocele consiste na formação de varizes nas veias da região do escroto, onde estão alojados os testículos. A dilatação dessas veias prejudica o fluxo sanguíneo local, a troca de nutrientes e leva ao acúmulo de substâncias tóxicas e ao aumento de temperatura. Esses fatores podem provocar alterações na quantidade – oligozoospermia – e qualidade dos espermatozóides. Alguns casos de infertilidade podem estar ligados à varicocele.

Varicocele e infertilidade: fator de relevância masculino para a dificuldade de engravidar.

A varicocele geralmente não causa danos e não requer tratamento. Se for necessária, pode ser feita uma cirurgia devido à infertilidade ou atrofia testicular, neste caso, a aparência final pode ser boa ou cursar com hidrocele. A remoção da varicocele pode fazer com que as temperaturas testiculares fiquem normais e que haja produção aumentada de espermatozóides. O tratamento do varicocele é cirúrgico e no procedimento “fecham-se” as veias do plexo venoso testicular, curando o varicocele. 

Causas de varicocele e infertilidade

Doença genética que ocorre pela falência das válvulas existentes na veia testicular. Ocorre o acúmulo de substâncias nocivas nos testículos e, consequentemente, o aumento de sua temperatura, gerando a diminuição da produção de espermatozóides. Esta diminuição afeta diretamente a fertilização dos óvulos.

As varicoceles quando ocorrem mais frequentemente do lado esquerdo, por causa da posição da veia testicular esquerda; a incidência no lado esquerdo ocorre em 80 a 95%, bilateralmente entre 25 a 45%, e raramente apenas no lado direito. Apesar dessa questão da lateralidade, quando ocorre em só um testículo pode afetar a produção de espermatozóides em ambos os testículos.

Ocorre em 25% dos homens que tenham qualquer alteração seminal e em 11% nos que possuem análise seminal normal. Aqueles homens com infertilidade primária, a taxa de ocorrência é de 35% a 40%, enquanto nos que têm infertilidade secundária, a taxa é de 70% a 80%, que evidencia o caráter progressivo da lesão.

A varicocele tem início na adolescência, entre os 15 e 16 anos. Na infância não ocorre e o pico de incidência da varicocele é até os 25 anos. A aparição súbita de uma varicocele em homens mais velhos pode ser causada por tumor renal, que também pode comprimir e bloquear o fluxo sanguíneo.

Dificilmente a doença faz parte das preocupações de um garoto na puberdade, e, diferente das meninas que são acompanhadas pelo ginecologista, os meninos não tem o costume de acompanhamento.

Sintomas da varicocele

A maioria dos pacientes portadores de varicocele são assintomáticos. Quando têm sintomas, o paciente da Varicocele poderá sentir:

  • Dor no testículo, o sintoma mais comum.
  • Sensação de peso no(s) testículo(s): com piora e alivio ao deitar.
  • Diminuição (atrofia) do(s) testículo(s).
  • Veia aumentada visível ou palpável.
A varicocele pode ser causa de impotência sexual ou infertilidade?

Além dos sintomas acima descritos, outro bastante comum é a infertilidade. A varicocele pode ser encontrada na pesquisa pela causa da infertilidade. A disfunção erétil é rara, mas pode ocorrer nos casos de varicocele avançada bilateral e de grau III. Quando isso acontecer, é preciso procurar tratamento e, se não houver, é possível também ocorrer a atrofia dos testículos. Esta atrofia diminui a produção de testosterona, que é a conhecida causa de impotência.

Tratamento da varicocele e da infertilidade por ela causadaQual o tratamento? A Varicocele tem cura?

A varicocele pode ser tratada com remédios, ou por procedimento cirúrgico, e sim, possui cura. A medicação melhora a circulação sanguínea, a fertilidade e alivia a dor e desconforto, para isto podem ser indicados diversos medicamentos:

  • Flavonoides fraccionados purificados e micronizados, compressas de gelo e natação também podem ajudar.
  • L-carnitina, para auxiliar na fertilidade, mas não é tão eficaz quanto a cirurgia.
Outro tipo de tratamento pode ser:

Embolização de varicocele: processo não cirúrgico, semelhante a um cateterismo, no qual não é preciso anestesia geral (na maioria das vezes apenas sedação). Tem duração de 1 hora em média. É um procedimento bastante recente e não é o urologista que realiza, mas o cirurgião endovascular.

Procedimento cirúrgico para Varicocele
Na cirurgia aberta, as veias do plexo venoso testicular são ligadas (fechadas), curando o varicocele. Contudo, a cirurgia pode ter complicações, sendo 5% a 29% dos casos a porcentagem de ocorrência. Também é indicada a cirurgia quando há concomitância de hidrocele.

Não há como prever qual paciente terá uma melhora significativa do espermograma, podendo considerar razoável a cirurgia para os casos de pacientes jovens com dificuldades de terem filhos.

Prevenção da varicoceleComo prevenir?

Não existe prevenção para a varicocele. O que o paciente pode fazer é sempre consultar o médico para que ele verifique o avanço da doença e indique tratamento adequado.

É recomendado pelo Ministério da Saúde que os homens até os 40 anos, se não houver sinais de doença, consultem um médico pelo menos uma vez a cada 2 anos. Após essa idade, a frequência deve aumentar para uma vez por ano.

 

Leia também: 

jQuery(document).ready(function($) { var delay = 100; setTimeout(function() { $('.elementor-tab-title').removeClass('elementor-active'); $('.elementor-tab-content').css('display', 'none'); }, delay); }); Bibliografia Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

O post Varicocele e infertilidade apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Como o esperma chega ao óvulo: O espermatozóide e o óvulo

Fertilidade - sex, 11/20/2020 - 20:49

O espermatozoide deixa o pênis masculino através da ejaculação e é depositado na vagina próximo ao limite superior do cervix (abertura para o útero). Os espermatozoides  imediatamente começam a nadar com sua cauda ou flagelo, e alguns irão encontrar o caminho para a cervix.


Assine o melhor canal de saúde no Youtube

Curiosidade: Um pouco de história… Embora a existência dos espermatozoides tenha sido descoberta no século 17, foi só no século 19, no ano de 1890, que a forma como a fertilizaçãoe a fecundação acontece foi, finalmente, desvendada. Nessa época, alguns cientistas acreditavam que humanoides, minúsculos e pré-formados, ficavam presos na cabeça dos espermatozoides. Estes, por sua vez, se desenvolveriam no útero feminino, que só funcionava como uma espécie de forno.

Caminho do espermatozóide

Os espermatozoides então iniciam sua longa jornada em direção ao óvulo. Passando pela cervix, eles adentram ao útero. Aqui, eles nadam em direção aos tubos/trompas de falópio. A vagina e o útero são ambientes um tanto hostis para os espermatozoides, no entanto, uma vez que chegam aos tubos de falópio estão praticamente livres dos efeitos potencialmente negativos do sistema imunológico feminino. Apenas alguns em 14 milhões dos espermatozoides ejaculados chegarão aos tubos de falópio, mas uma vez lá, os espermatozoides devem utilizar-se de sinais químicos advindos do óvulo para guiá-los no caminho de seu encontro.

Curiosidade: Como você imagina que seja a aparência um espermatozoide? Se você tem aquela imagem tradicional de uma cabeça e corpo oval e uma cauda, tipo um girino, saiba que essas células bonitinhas correspondem a apenas um terço do total. A grande maioria dos espermatozoides é bem desengonçada, com duas cabeças ou caudas curtas por exemplo.

 

via GIPHY

Os espermatozoides finalmente aproximam-se do óvulo e pressionam a sua superfície (chamada de zona pelúcida). Vários espermatozoides ligam-se a esta superfície, mas apenas um espermatozoide receberá a permissão para ir através do óvulo e chegar ao seu interior, carregando seu material genético.
Espermatozoides podem sobreviver por dois dias ou mais no muco cervical e, devido a isto, uma sincronização exata com o intercurso sexual (coito) não se faz necessária. Um espermatozoide ejaculado durante um intercurso realizado numa segunda-feira pode fertilizar um óvulo ovulado um ou dois dias após. 

Curiosidade: O espermatozóide vencedor, aquele fecundado, derrotou outros 300 milhões de concorrentes.

pênis > sistema reprodutor feminino > vagina > cérvix > útero > trompas de falópio > óvulo > zona pelúcida > interior do óvulo

 

Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

O post Como o esperma chega ao óvulo: O espermatozóide e o óvulo apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Fibras e laxantes: conheça as diferenças

Vascular Pro - sex, 11/20/2020 - 12:55

O que você faz quando está com o intestino preso? Consome mais fibras ou usa laxantes? Muita gente acha que é a mesma coisa, mas não é. Fibras e laxantes não são sinônimos, apesar de terem um objetivo em comum: fazer o intestino funcionar corretamente.

No artigo de hoje vamos falar um pouco mais sobre esse assunto, aprender a diferenciar essas duas substâncias e saber também qual delas é o melhor para que você tenha uma vida mais equilibrada e saudável.


Para que servem as fibras e os laxantes?

Como dissemos, as fibras e os laxantes são consumidos por pessoas que sofrem com a desagradável prisão de ventre, também chamada de constipação intestinal. O ideal é que o intestino funcione direitinho e o indivíduo consiga realizar as suas necessidades de forma frequente, sem dores e outros incômodos.

Infelizmente, não é isso que acontece sempre. Muitas pessoas reclamam de dificuldade de evacuar, de dores na região da barriga, de cólicas intestinais, excesso de gases, fezes duras e dores durante a evacuação.

São sintomas típicos da prisão de ventre e que devem ser tratados. O que parece ser apenas uma irregularidade do organismo pode se tornar crônico e desencadear muitas outras enfermidades como lacerações no ânus e hemorróidas, por exemplo. Já foi até estudado como possível desencadeador de varizes.

Tanto as fibras quanto os laxantes são usados para combater esses sintomas. As fibras são as mais recomendadas por serem substâncias naturais e devem ser consumidas diariamente. Já os laxantes devem ser usados com recomendação médica e apenas em situações esporádicas porque também podem causar danos à saúde.

Fibras: o que são e onde encontrá-las

Podemos definir as fibras como a parte não digerível dos alimentos que consumimos. Por não serem digeridas pelo nosso sistema digestivo e nem absorvidas pelo intestino, as fibras contribuem para formar o bolo fecal e facilitar o trânsito intestinal.

As fibras solúveis, por exemplo, encontradas em frutas e vegetais absorvem água e ajudam na formação das fezes, evitando que elas fiquem ressecadas e dificultem a evacuação. Por isso é tão importante ter uma alimentação baseada em alimentos naturais, como por exemplo:

  • Frutas com casca, legumes, verduras e vegetais;

  • Feijão, ervilha, soja e outros grãos;

  • Sementes e oleaginosas;

  • Alimentos integrais como arroz e macarrão;

As fibras devem ser consumidas diariamente, em todas as refeições para que possam realizar uma de suas funções que é ajudar a regular o intestino, evitando a prisão de ventre.

É importante frisar que é preciso ingerir a quantidade correta de água, entre 2 e 3 litros, para que não aconteça um efeito contrário e o acúmulo de fibras atrapalhem o intestino. Então, a dica é: coma fibras e beba muita água.

Laxantes: o que são?

Os laxantes são produtos farmacológicos elaborados pelas empresas para serem usados por pessoas que sofrem com prisão de ventre. A função dos laxantes comerciais é a mesma das fibras: fazer o intestino funcionar.

No entanto, os laxantes são medicamentos e não podem ser usados de forma indiscriminada, apesar de ser muito fácil encontrar vários tipos deles em farmácias e outros locais de venda. O uso sem orientação médica e de forma exagerada pode provocar sérios riscos à saúde intestinal do indivíduo e ainda não corrigir o problema da prisão de ventre.

Os laxantes devem ser usados esporadicamente, apenas diante de uma necessidade mais urgente, mas nunca como um mecanismo fácil e rápido para fazer você evacuar do jeito que deveria.

Mas, como o laxante funciona? Bem, existem vários tipos no mercado e eles podem agir de maneiras diferentes. Alguns laxantes ajudam o organismo a acumular mais água o que é muito importante para evitar o ressecamento das fezes e ajuda o intestino a trabalhar.

Outros tipos de laxantes auxiliam o intestino a realizar as movimentações naturais que ele precisa executar para fazer com que as fezes sejam eliminadas. Ou seja, funcionam como um ajudante do intestino nessa função de expelir as fezes através da movimentação das paredes do órgão.

O principal problema do laxante é acostumar o intestino a funcionar apenas com o uso dessas substâncias. Se você é um consumidor assíduo de laxantes, você faz com que o seu intestino fique dependente daquele medicamento e ele aprende a agir apenas quando entra em contato com esse produto.

Quando deixar de tomar o laxante, o intestino não vai mais atuar corretamente e é aí que a prisão de ventre surge com bastante força trazendo junto todos os desagradáveis sintomas que listamos mais acima.

Fibras e laxantes são a mesma coisa?

Como vimos ao longo do artigo, fibras e laxantes não são a mesma coisa. As fibras são substâncias naturais encontradas em alimentos como frutas, verduras, grãos, sementes e vegetais.

Já o laxante é um medicamento comercializado em farmácias. Ambos têm a mesma função, porém, o consumo do laxante deve ser feito com moderação e orientação médica, diferente das fibras que devem ser ingeridas todos os dias, em quantidades normais, e sempre acompanhadas de água.

Também é importante ressaltar que o termo “laxante” é muito utilizado para caracterizar aqueles alimentos que ajudam a soltar o intestino.

Ouvimos sempre dizer que o mamão tem efeito laxante, por exemplo, por que ele solta o intestino preso. Nesse caso, laxante é uma característica. E no caso do medicamento, laxante é o próprio produto.

O que fazer para o intestino funcionar corretamente?

É muito comum ver pessoas que sofrem com prisão de ventre usando laxantes para soltar o intestino e poder evacuar tranquilamente. Como já vimos, essa prática não é adequada.

Mais do que apenas “soltar” o intestino é preciso entender por que ele está agindo daquela forma e só assim tomar as medidas de prevenção e combate aos sintomas. Veja algumas dicas de manter o seu intestino saudável e funcionando corretamente.

  • A base da sua alimentação deve ser alimentos naturais com ingestão de frutas com casca, vegetais folhosos, feijão, ervilha, soja, sementes como linhaça, chia e semente de girassol. Mamão e ameixa possuem ótimas propriedades laxantes também;

  • Prefira produtos integrais em vez dos refinados;

  • Evite alimentos que costumam “prender” o intestino como carne vermelha, processados e produtos feitos à base de farinha de trigo refinada;

  • Fracione as suas refeições comendo mais vezes ao longo do dia e em quantidade menores;

  • Beba água o dia todo, várias vezes ao dia;

  • Faça exercícios físicos. Fazer atividade física auxilia nos movimentos do intestino e ajuda na eliminação das fezes;

  • Tente estabelecer um horário para fazer a sua evacuação. Geralmente o período da manhã é mais recomendado. Tente ajustar esse hábito à sua rotina.

Como você viu, fibras e laxantes não são a mesma coisa. Ambos possuem funções semelhantes, mas também muitas diferenças. Para garantir um intestino saudável e funcionando corretamente ajuste a sua alimentação e adote outros hábitos saudáveis. Em pouco tempo você verá bons resultados.

 

O post Fibras e laxantes: conheça as diferenças apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

Endometrioma: cistos de endometriose no ovário

Fertilidade - sex, 11/20/2020 - 07:29

Endometrioma são cistos de endometriose no ovário. Esses cistos têm um conteúdo achocolatado e podem ser chamados de cistos de chocolate. Pacientes com endometriose no estado avançado normalmente podem ter esses endometriomas que alteram a reserva folicular da mulher e com isso diminuir sua reserva ovariana. Assista ao vídeo e veja mais detalhes com a Dra. Juliana Amato (CRM 106072).


Assine o melhor canal de saúde no Youtube

O post Endometrioma: cistos de endometriose no ovário apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Miomas: tumores benignos causados por disfunções hormonais – video

Fertilidade - qui, 11/19/2020 - 22:14

Miomas uterinos são tumores benignos que aparecem de 20 a 40% das mulheres em idade reprodutiva. Eles acontecem mais entre as idades de 30 a 50 anos, e podem ser afetadas por disfunções hormonais e de origem genética. Os miomas uterinos estão associados com o aumento do crescimento do útero, aumento do fluxo menstrual e pode estar relacionado a infertilidade. Assista ao vídeo e saiba as regiões que podem ser afetadas pelos miomas com a Dra. Juliana Amato (CRM 106072).


Assine o melhor canal de saúde no Youtube

O post Miomas: tumores benignos causados por disfunções hormonais – video apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Tenho que estar menstruando antes de usar Clomid?

Fertilidade - qua, 11/18/2020 - 19:03

É possivel ovular sem a menstruação.

Para muitos casais que sofrem de infertilidade, a jornada do tratamento começa com o Clomid (clomifeno). Essas pílulas da fertilidade estimulam a ovulação, e, quando usadas da maneira correta, indicada e acompanhada por médico especialista em reprodução humana, são seguras e efetivas como primeira linha de tratamento.

Uma das partes mais frustrantes de usar o Clomid é ter que esperar o ciclo menstrual para iniciar a medicação.

Tradicionalmente o Clomid é iniciado no terceiro ou quinto dia do ciclo menstrual, e não é incomum a proibição de medicações tipo progesterona para acelerar a vinda da menstruação. Se você está acompanhando com médico especialista, provavelmente esse será o caminho.

Parece que não é mais necessário ter menstruado para começar com os medicamentos de fertilidade.

Especialistas em fertilidade adotaram uma nova estratégia e maneira de pensar após a publicação de um artigo alguns anos atrás que sugeria que a menstruação não é necessária para que os medicamentos de tratar infertilidade funcionem. Não só isso mas as chances de êxito podem até diminuir se usadas na mestruação. Isso é chamado de “stair step protocol”. O que isso significa?

O “Stair Step Protocol”significa menos tempo para fazer você ovular e menor tempo para a concepção.

Então porque meu médico não usa o clomifeno dessa maneira?

A maioria dos ginecologistas está treinada para usar o clomifeno da maneira tradicional, enquanto que os especialistas em reprodução humana estão mais atualizados com os últimos tratamentos e podem oferecer o protocolo mais moderno.

Isso significa que o clomifeno pode começar a qualquer momento?

Não. Seu especialista em reprodução humana deve determinar que não está grávida e ainda não ovulou logo antes do uso das drogas de fetilidade. O uso do medicamento no momento errado do ciclo pode causar mais prejuizo do que benéfices.

Fonte: Clomid stair-step protocol may shorten the time to ovulation but not to pregnancy: a randomized clinical trial Craig, L.B. et al. Fertility and Sterility , Volume 104 , Issue 3 , e97

O post Tenho que estar menstruando antes de usar Clomid? apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

9 benefícios que você sente quando para de beber

Vascular Pro - qua, 11/18/2020 - 10:48

Todos nós sabemos que a ingestão excessiva de bebida alcoólica traz muitos prejuízos ao organismo não só imediatamente após o consumo, como a ressaca física e moral, mas também a longo prazo como o surgimento de diversos tipos de doenças. Parar de beber é a melhor alternativa para ter uma vida com qualidade e mais duradoura e garante muitas vantagens como você verá a seguir.

9 benefícios que o seu corpo sente ao parar de beber

Pele mais bonita e saudável, noites mais tranquilas, corpo e mente saudáveis. Esses são alguns dos muitos resultados positivos que você percebe quando deixa de beber. Saiba mais detalhes a seguir.

1.  Pele mais saudável

Você sabia que o álcool prejudica a pele, provocando manchas e acelerando o surgimento de rugas e linhas de expressão? Ou seja, quando você bebe demais você também envelhece mais rápido e os primeiros sinais são percebidos no rosto.

Além de provocar rugas, o álcool deixa o rosto mais inchado, com aspecto avermelhado e mais suscetível a fissuras. Logo que você para de beber, a aparência do seu rosto já melhora voltando à coloração normal e com a pele revitalizada.

2.  Sistema imunológico protegido

Quando ingerido em excesso, o álcool enfraquece o sistema imunológico. Dessa forma, o organismo fica mais suscetível a doenças infecciosas. A citocina, por exemplo, é uma substância que age diretamente na comunicação entre as células, ação necessária para o corpo ficar protegido de infecções.

O álcool interrompe a produção da citocina. Com isso, o organismo fica mais exposto e pode sofrer com gripes, resfriados, alergias e outras doenças semelhantes.

O álcool também dificulta a absorção de várias vitaminas, inclusive a vitamina do Complexo B que é necessária para diversas funções metabólicas do organismo, além de reduzir níveis de ansiedade e depressão e agir diretamente no sistema neurológico.

Quando há carência de vitamina B1, por exemplo, provocada pelo uso abusivo de álcool ocorrem os seguintes sintomas: demência, confusão mental, raciocínio lento e outros.

3. Sono mais tranquilo

Algumas pessoas dizem que dormem bem quando bebem. Mas o fato é que o álcool impede o sono reparador porque prejudica a conclusão de todos os ciclos do sono, especialmente aquele momento em que ele é mais profundo.

Quem bebe muita bebida alcoólica tem um sono rebuscado, acorda com a sensação de cansaço e também com dor de cabeça. Portanto, ao deixar de beber as chances de você acordar no outro dia com mais ânimo e disposição são muito grandes.

4.  Redução da gordura no fígado

O fígado é o órgão responsável pela metabolização de substâncias que chegam na corrente sanguínea, dentre elas o álcool. Quando ingerido em pouca quantidade, o álcool não causa grandes problemas, pois é sintetizado e eliminado pela urina. O excesso é que preocupa.

Quando o fígado desempenha a sua função, ocorre um acúmulo aceitável de gordura no local, já que os lipídios também são metabolizados por ele. Mas, quando trabalha demais sintetizando muitas substâncias e muitas toxinas, como o álcool, o fígado fica extremamente gorduroso e não funciona corretamente.

É o que chamamos de esteatose hepática, ou gordura no fígado. Se essa gordura não for reduzida, a doença pode se agravar e se transformar em cirrose. Nesse caso, não há mais tratamento e o fígado deve ser substituído por meio de um transplante.

5.  Perda de peso

Quem quer emagrecer precisa parar de ingerir bebida alcoólica. O álcool favorece o acúmulo de gordura na região abdominal, sendo essa a gordura mais difícil de ser removida do corpo. O acúmulo de gordura no abdômen também é a mais perigosa e pode causar várias doenças..

Mas, por que o álcool engorda? Quando precisa fazer a metabolização das substâncias que entram no nosso organismo, o fígado dá preferência para aquelas que são mais tóxicas como o álcool. E assim, as gorduras e outros elementos engordativos ficam em segundo lugar, se acumulando e contribuindo para o aumento do peso.

Além disso, quem bebe costuma ingerir também petiscos e outros alimentos muito calóricos como a batata frita e outras frituras, comprometendo mais ainda o funcionamento correto do fígado e aumentando a gordura corporal.

6.  Redução do inchaço corporal

A bebida alcoólica provoca desidratação corporal e em resposta o corpo retém líquido ocasionando o inchaço no corpo e também no rosto. Além de promover uma aparência nada saudável, o inchaço corporal influencia no aumento do peso.

Quando você para de beber, o seu corpo trabalha normalmente, sem acumular líquidos ajudando a você a se manter dentro do peso ideal.

7.       Menos incidência de outras doenças

Como já dissemos anteriormente, o fígado é um dos órgãos que mais sofre com o álcool em excesso e, por causa disso, doenças como a esteatose hepática e a cirrose podem surgir. Mas, essas não são as únicas complicações.

A bebida alcoólica aumenta a incidência de câncer da cabeça e do pescoço, câncer do fígado, câncer nos rins, câncer na região da boca e vários outros tipos.

Diabetes, hipertensão e doenças cardíacas também são recorrentes em quem bebe demais. Infarto e AVC são as duas complicações mais comuns em quem sofre com problemas cardíacos.

Outra doença que afeta bastante quem consome muita bebida alcoólica é a pancreatite aguda, uma inflamação do pâncreas causada basicamente pelo cigarro e pelo álcool. Além de provocar fortes dores, essa doença pode levar a óbito.

8.  Aumento da fertilidade

Mulheres que desejam engravidar terão mais chances de alcançar esse objetivo se resolverem parar de beber. Quanto mais álcool a mulher ingere, mais a sua capacidade reprodutiva fica afetada e menos chances ela tem de conceber.

9.   Disposição diária

Esse último benefício é uma consequência de todos os outros. Quando o seu organismo está equilibrado, com todos os órgãos funcionando corretamente, quando você dorme bem e está dentro do peso ideal a sua disposição e o seu ânimo mudam completamente.

Até o seu humor melhora quando você está livre do álcool. A depressão, o desânimo e a tristeza recorrente também são consequências do uso abusivo de bebida alcoólica, contribuindo para uma vida mais reclusa e desgastante.

Como pudemos observar, parar de beber traz diversos benefícios a nossa saúde e a maioria dos sinais positivos surgem de imediato, enquanto as outras vantagens são sentidas com o passar do tempo.

Portanto, se você deseja ter uma vida mais saudável não espere a velhice chegar ou alguma doença surgir para parar de beber. Um futuro mais saudável deve ser construído hoje, no presente.

 

O post 9 benefícios que você sente quando para de beber apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

Páginas

Subscrever Frases Fortes agregador - Medicina

Não perca Frases do Einstein selecionadas a dedo.

Conhece alguma frase legal? Envie-nos.

Vote agora nas frases e citações que você mais gosta.