Medicina

O que é uma gravidez ectópica?

Fertilidade - qua, 11/22/2017 - 15:58
Gestação ectópica

Uma gravidez ectópica é uma gestação onde o embrião começa a crescer fora do útero (ventre). No Reino Unido, uma em cada 90 gestações (pouco mais de 1%) é uma gravidez ectópica.

Quando você engravida, o esperma e o óvulo se encontram no tubo de Falópio (o tubo que transporta o óvulo do ovário para o útero). Geralmente, o óvulo fertilizado se move dentro do útero para o embrião crescer e se desenvolver. Se isso não ocorre, uma gravidez ectópica se desenvolve em um tubo de Falópio (às vezes conhecido como uma gravidez tubária). Uma gravidez ectópica pode ocorrer em outros lugares que não sejam uma tuba uterina, tais como no ovário (raramente) ou dentro do abdômen (muito raramente).

Aqui você tem informação sobre gravidez ectópica nas trompas de Falópio. Uma gestação não pode desenvolver nesta situação e, infelizmente, não pode chegar ao término com o nascimento de um bebê. Isso ocorre porque, conforme a gravidez se torna maior pode:

  • não haver espaço para crescer nas trompas de Falópio
  • romper (estourar) a trompa de Falópio, causando dor intensa e hemorragia interna. Uma situação potencialmente fatal para você.
  •  

Quais são os sintomas de uma gravidez ectópica?

A maioria das mulheres sentem sintomas físicos na sexta semana de gravidez – cerca de duas semanas após a falta da menstruação. Você pode ou não pode estar ciente que está grávida, se suas menstruações são irregulares, ou se você estiver usando uma contracepção que falhou.

Cada mulher é afetada de forma diferente por uma gestação ectópica. Algumas mulheres não têm sintomas, algumas têm poucos sintomas, enquanto outras têm muitos sintomas.

Como os sintomas variam muito, nem sempre é simples de fazer um diagnóstico de uma gravidez ectópica. Os sintomas de uma gravidez ectópica podem incluir:

  • Sangramento anormal
  • Pode ter alguma mancha ou sangramento diferente da sua menstruação normal.
  • O sangramento pode ser mais leve ou mais intenso do que o normal. Com o sangue mais escuro e mais diluido.
  • Dor no abdômen inferior
  • Pode ocorrer de repente, sem razão aparente, ou pode vir gradualmente por vários dias. 
  • Pode ser de um só lado.
  • Dor na ponta do ombro
    • Devido ao sangue vazando para o abdômen. Essa dor fica lá o tempo todo e pode ser pior quando você está deitada. Não melhora com o movimento e não pode ser aliviado por analgésicos.
  • Diarreia ou dor ao evacuar.
  • Dor grave ou mesmo colapso
  • Se a trompa de Falópio sofre ruptura e provoca hemorragia interna, você pode sentir dor intensa ou pode entrar em colapso/desmaio. 
    • Esta é uma situação de emergência. 
    • Em casos raros, o colapso é o primeiro sinal de uma gravidez ectópica.

Eu deveria procurar um médico imediatamente?

Sim! Uma gravidez ectópica pode representar um risco grave para sua saúde. Se você teve relações sexuais nos últimos 3 a 4 meses (mesmo se você tiver usado contracepção) e está tendo esses sintomas, busque ajuda médica imediatamente. Aconselhe-se com o médico mesmo que não ache que possa estar grávida.

Você pode obter aconselhamento médico do:

  • do seu clínico geral
  • do seu ginecologista ou obstetra
  • pronto socorro hospitalar

Eu tenho um risco acrescido de uma gravidez ectópica?

Qualquer mulher em idade fértil que tenha vida sexual ativa poderia ter uma gravidez ectópica. Mas você está em um risco maior de gravidez ectópica se:

Como posso fazer um diagnóstico?

A maioria das gestações ectópicas são suspeitas entre 6 e 10 semanas de gravidez.

Às vezes, o diagnóstico é feito rapidamente, mas se estiver na fase inicial da gravidez, pode levar mais tempo (uma semana ou mais) para fazer um diagnóstico de uma gravidez ectópica.

O diagnóstico será confirmado pelo seguinte:

Consulta e exame

O médico irá perguntar sobre seu histórico médico e sintomas. O médico irá examinar seu abdômen e pode também fazer um exame vaginal (interno).  Você também poderá trazer alguém para apoiá-la durante o seu exame.

Se você não teve um teste positivo de gravidez, será solicitada uma amostra de urina para que possa ser testada para a gravidez. Se o teste de gravidez der negativo, é muito improvável que seus sintomas sejam devido a uma gravidez ectópica.

Ultra-sonografia

É feito na maioria das mulheres um exame transvaginal (onde uma sonda é inserida suavemente na vagina) para olhar para o útero, ovários e trompas de Falópio. Se você estiver na fase inicial da gravidez, pode ser oferecido um outro ultra-som depois de alguns dias, quando pode ser mais fácil de ver a gestação.

Exames de sangue

  • Exame para o nível do hormônio da gravidez gonadotrofina coriônica humana (hCG) ou uma mudança neste nível a cada poucos dias pode ajudar a dar um diagnóstico.
  • Exame para o nível do hormônio progesterona pode ser realizado.

Laparoscopia

Se o diagnóstico ainda é incerto, uma operação chamada de laparoscopia pode ser necessária. Esta cirurgia é realizada sob anestesia geral. O médico utiliza um pequeno telescópio para olhar a sua pélvis, fazendo um pequeno corte geralmente no umbigo (botão da barriga). Também é chamada de cirurgia guiada.

Se uma gravidez ectópica for detectada, o tratamento pode ser feito durante a mesma operação.

Quais são as opções para o tratamento?

Como uma gravidez ectópica não pode levar ao nascimento de um bebê, todas as opções terminam a gravidez para reduzir os riscos para a sua própria saúde. Suas opções dependem de:

  • quantas semanas de gestação
  • os sintomas
  • se tem havido muito sangramento dentro de seu abdômen
  • o nível de hCG
  • seu resultado do exame
  • sua saúde em geral
  • suas opiniões pessoais e preferências – isso deve envolver uma discussão sobre seus planos futuros de gravidez
  • as opções disponíveis no seu hospital local.

As opções de tratamento são listadas abaixo – nem todos serão adequados para você.

Gestão expectante (esperar e acompanhar)

A gravidez ectópica, por vezes, acaba por conta própria – semelhante a um aborto.

Dependendo de sua situação, pode ser possível monitorar os níveis de hCG com exames de sangue todos os dias até estar de volta ao normal. Embora não tenha que ficar no hospital, deve voltar ao hospital se tiver quaisquer sintomas.

A gestão expectante não é uma opção para todas as mulheres. Geralmente só é possível quando a gravidez está ainda nos estágios iniciais, e quando você tem poucos ou nenhum sintomas. Até 29 em cada 100 mulheres (29%) que estão passando por um tratamento expectante podem exigir tratamento médico adicional ou cirúrgico.

Tratamento medicamentoso

Em determinadas circunstâncias, uma gravidez ectópica pode ser tratada com medicação (drogas). A tuba uterina não é removida. Uma droga (metotrexate) impede o desenvolvimento da gravidez, e então a gravidez ectópica gradualmente desaparece.

A droga é dada como uma injeção. Se sua gravidez está além da fase inicial ou o nível de hCG está elevado, o metotrexate é menos provável de ter êxito. Muitas mulheres experimentam alguma dor nos primeiros dias, mas isso geralmente se resolve com paracetamol ou um semelhante para alívio da dor. Embora o tratamento a longo prazo com metotrexato para outras doenças possa causar efeitos colaterais significativos, raramente é o caso com uma ou duas injeções para tratar a gravidez ectópica.

Você pode precisar ficar no hospital durante a noite e então voltar para a clínica ou enfermaria alguns dias mais tarde. Pode ser mais cedo se você tiver quaisquer sintomas. É muito importante que você vá para suas consultas de acompanhamento.

  • Quinze entre 100 das mulheres (15%) precisam ter uma segunda injeção de metotrexato.
  • Sete entre 100 mulheres vão precisar de cirurgia (7%), mesmo após o tratamento médico.

Cirurgia

O objetivo da cirurgia é remover a gravidez ectópica. O tipo de operação que será feita vai depender de seus desejos ou planos para uma futura gravidez e do que seu cirurgião encontrará durante a operação (laparoscopia).

Para ter uma melhor chance de uma gravidez futura dentro de seu útero e para reduzir o risco de ter outra gravidez ectópica, você geralmente será aconselhada a ter sua trompa de Falópio removida (salpingectomia).

Se você tem somente uma trompa ou sua outra trompa não parece saudável, isso já afeta suas chances de engravidar. Nesta circunstância, você pode ser aconselhada a fazer uma operação diferente (salpingostomia). Esta operação visa eliminar a gravidez sem remover a trompa. Ela carrega um risco maior de uma futura gravidez ectópica, mas significa que você manterá a possibilidade de uma gravidez no útero no futuro. Algumas mulheres podem precisar fazer uma operação a mais para remover a trompa mais tarde, se a gravidez não for completamente removida.

Uma operação para remover a gravidez ectópica envolverá uma anestesia geral.

A cirurgia será:

  • Laparoscopia – a estadia no hospital é de cerca de 1 a 2 dias e a recuperação é de cerca de 2 a 4 semanas.
  • Cirurgia aberta – conhecida como uma laparotomia – é realizada por meio de um corte maior no seu abdômen. Geralmente é feita se houver suspeita de hemorragia interna grave. Você vai precisar ficar no hospital por 2 a 4 dias. Normalmente demora cerca de 4 a 6 semanas para se recuperar.

Há riscos associados com toda e qualquer operação. Pode ser devido ao uso de anestésico ou a operação em si. Seu cirurgião e anestesista irão discutir isso com você.

O que preciso saber para tomar uma decisão informada?

Quando uma gravidez ectópica é confirmada, e se a trompa de Falópio não rompeu, seu médico deve discutir suas opções com você.

Certifique-se de:

  • compreender plenamente todas as suas opções
  • pedir informações extras se há alguma coisa que você não entende
  • levantar suas preocupações
  • compreender o que significa cada opção para sua fertilidade, e o que pode ser feito para preservar a fertilidade
  • ter tempo suficiente para tomar sua decisão.

Em situações de emergência

Se rompeu a trompa de Falópio, a cirurgia de emergência é necessária para parar o sangramento. Isto é conseguido pela remoção da trompa de Falópio rompida e da gravidez.

Esta operação é muitas vezes um salva-vidas. Seus médicos precisarão agir rapidamente e isso pode significar que eles terão que tomar uma decisão de operar em seu nome. Nessa situação você pode precisar de uma transfusão de sangue.

Consultas de acompanhamento: o que acontece depois?

É importante que você vá para suas consultas de acompanhamento. Os check-ups e exames que você tiver vão depender do tratamento que você recebeu.

Tratamento expectante

Seu médico vai precisar verificar os seus níveis de hCG no sangue por uns dias até se atingirem os níveis normais. Isso é para garantir que a gravidez tenha terminado completamente. Você pode precisar de mais exames de ultrassom.

Tratamento medicamentoso

Você precisará retornar duas vezes na primeira semana e depois uma vez por semana para verificar os seus níveis de hCG no sangue. Podem levar algumas semanas para garantir que a gravidez tenha terminado completamente, e pode precisar de mais exames de ultrassom. Durante este tempo, não deve ter relação sexual. Você deve evitar ficar grávida usando contracepção confiável durante pelo menos 3 meses.

Tratamento cirúrgico

Pode ser necessário consulta de acompanhamento com seu ginecologista, especialmente se você fez uma operação de emergência. Se você não teve sua trompa de Falópio removida, precisará ter o seu nível de hCG verificado até que tudo volte ao normal.

E quanto a futuras gravidezes?

Para a maioria das mulheres, uma gravidez ectópica ocorre como um evento 'único' e não ocorrerá novamente. A chance de ter uma gravidez bem sucedida no futuro é boa.

Mesmo se você tiver apenas uma trompa uterina, sua chance de engravidar é apenas ligeiramente reduzida. A chance global de ter uma gravidez ectópica da próxima vez é entre 7 e 10 em cada 100 (7 a 10%). No entanto, isto depende do tipo de cirurgia que você fez e de qualquer dano subjacente para os tubos restantes.

Em uma futura gravidez, pode ser oferecida uma ultrassonografia entre 6 a 8 semanas para confirmar que a gravidez está se desenvolvendo no útero.

Se você não quer engravidar, procure conselhos adicionais do seu médico pois algumas formas de contracepção podem ser mais apropriadas após uma gestação ectópica.

Como me sentirei depois?

O impacto de uma gravidez ectópica pode ser muito significativo. Pode significar chegar a um acordo sobre a perda de um bebê, com o potencial impacto sobre a fertilidade futura ou com o fato de que você poderia ter perdido a sua vida. Cada mulher lida à sua maneira – uma gravidez ectópica é uma experiência muito pessoal. Esta experiência pode afetar o seu parceiro e outros membros em sua família, bem como amigos íntimos.

É importante lembrar que a gravidez não poderia ter continuado sem causar um risco grave para sua saúde.

Antes de tentar ter outro bebê, é importante esperar até que você se sinta preparada emocionalmente e fisicamente.

Por mais traumática que tenha sido a sua experiência de uma gravidez ectópica, pode ajudar saber que a possibilidade de uma gravidez normal da próxima vez é muito maior do que a possibilidade de ter outra gravidez ectópica. Se você tiver alguma dúvida, certifique-se de falar com seu médico ginecologista obstetra.

 

gravidezcomplicaçãoO que você achou deste conteúdo?:  5 Average: 5 (1 vote)
Categorias: Medicina

O que é uma gravidez ectópica?

Fertilidade - qua, 11/22/2017 - 15:58
Gestação ectópica

Uma gravidez ectópica é uma gestação onde o embrião começa a crescer fora do útero (ventre). No Reino Unido, uma em cada 90 gestações (pouco mais de 1%) é uma gravidez ectópica.

Quando você engravida, o esperma e o óvulo se encontram no tubo de Falópio (o tubo que transporta o óvulo do ovário para o útero). Geralmente, o óvulo fertilizado se move dentro do útero para o embrião crescer e se desenvolver. Se isso não ocorre, uma gravidez ectópica se desenvolve em um tubo de Falópio (às vezes conhecido como uma gravidez tubária). Uma gravidez ectópica pode ocorrer em outros lugares que não sejam uma tuba uterina, tais como no ovário (raramente) ou dentro do abdômen (muito raramente).

Aqui você tem informação sobre gravidez ectópica nas trompas de Falópio. Uma gestação não pode desenvolver nesta situação e, infelizmente, não pode chegar ao término com o nascimento de um bebê. Isso ocorre porque, conforme a gravidez se torna maior pode:

  • não haver espaço para crescer nas trompas de Falópio
  • romper (estourar) a trompa de Falópio, causando dor intensa e hemorragia interna. Uma situação potencialmente fatal para você.
  •  

Quais são os sintomas de uma gravidez ectópica?

A maioria das mulheres sentem sintomas físicos na sexta semana de gravidez – cerca de duas semanas após a falta da menstruação. Você pode ou não pode estar ciente que está grávida, se suas menstruações são irregulares, ou se você estiver usando uma contracepção que falhou.

Cada mulher é afetada de forma diferente por uma gestação ectópica. Algumas mulheres não têm sintomas, algumas têm poucos sintomas, enquanto outras têm muitos sintomas.

Como os sintomas variam muito, nem sempre é simples de fazer um diagnóstico de uma gravidez ectópica. Os sintomas de uma gravidez ectópica podem incluir:

  • Sangramento anormal
  • Pode ter alguma mancha ou sangramento diferente da sua menstruação normal.
  • O sangramento pode ser mais leve ou mais intenso do que o normal. Com o sangue mais escuro e mais diluido.
  • Dor no abdômen inferior
  • Pode ocorrer de repente, sem razão aparente, ou pode vir gradualmente por vários dias. 
  • Pode ser de um só lado.
  • Dor na ponta do ombro
    • Devido ao sangue vazando para o abdômen. Essa dor fica lá o tempo todo e pode ser pior quando você está deitada. Não melhora com o movimento e não pode ser aliviado por analgésicos.
  • Diarreia ou dor ao evacuar.
  • Dor grave ou mesmo colapso
  • Se a trompa de Falópio sofre ruptura e provoca hemorragia interna, você pode sentir dor intensa ou pode entrar em colapso/desmaio. 
    • Esta é uma situação de emergência. 
    • Em casos raros, o colapso é o primeiro sinal de uma gravidez ectópica.

Eu deveria procurar um médico imediatamente?

Sim! Uma gravidez ectópica pode representar um risco grave para sua saúde. Se você teve relações sexuais nos últimos 3 a 4 meses (mesmo se você tiver usado contracepção) e está tendo esses sintomas, busque ajuda médica imediatamente. Aconselhe-se com o médico mesmo que não ache que possa estar grávida.

Você pode obter aconselhamento médico do:

  • do seu clínico geral
  • do seu ginecologista ou obstetra
  • pronto socorro hospitalar

Eu tenho um risco acrescido de uma gravidez ectópica?

Qualquer mulher em idade fértil que tenha vida sexual ativa poderia ter uma gravidez ectópica. Mas você está em um risco maior de gravidez ectópica se:

Como posso fazer um diagnóstico?

A maioria das gestações ectópicas são suspeitas entre 6 e 10 semanas de gravidez.

Às vezes, o diagnóstico é feito rapidamente, mas se estiver na fase inicial da gravidez, pode levar mais tempo (uma semana ou mais) para fazer um diagnóstico de uma gravidez ectópica.

O diagnóstico será confirmado pelo seguinte:

Consulta e exame

O médico irá perguntar sobre seu histórico médico e sintomas. O médico irá examinar seu abdômen e pode também fazer um exame vaginal (interno).  Você também poderá trazer alguém para apoiá-la durante o seu exame.

Se você não teve um teste positivo de gravidez, será solicitada uma amostra de urina para que possa ser testada para a gravidez. Se o teste de gravidez der negativo, é muito improvável que seus sintomas sejam devido a uma gravidez ectópica.

Ultra-sonografia

É feito na maioria das mulheres um exame transvaginal (onde uma sonda é inserida suavemente na vagina) para olhar para o útero, ovários e trompas de Falópio. Se você estiver na fase inicial da gravidez, pode ser oferecido um outro ultra-som depois de alguns dias, quando pode ser mais fácil de ver a gestação.

Exames de sangue

  • Exame para o nível do hormônio da gravidez gonadotrofina coriônica humana (hCG) ou uma mudança neste nível a cada poucos dias pode ajudar a dar um diagnóstico.
  • Exame para o nível do hormônio progesterona pode ser realizado.

Laparoscopia

Se o diagnóstico ainda é incerto, uma operação chamada de laparoscopia pode ser necessária. Esta cirurgia é realizada sob anestesia geral. O médico utiliza um pequeno telescópio para olhar a sua pélvis, fazendo um pequeno corte geralmente no umbigo (botão da barriga). Também é chamada de cirurgia guiada.

Se uma gravidez ectópica for detectada, o tratamento pode ser feito durante a mesma operação.

Quais são as opções para o tratamento?

Como uma gravidez ectópica não pode levar ao nascimento de um bebê, todas as opções terminam a gravidez para reduzir os riscos para a sua própria saúde. Suas opções dependem de:

  • quantas semanas de gestação
  • os sintomas
  • se tem havido muito sangramento dentro de seu abdômen
  • o nível de hCG
  • seu resultado do exame
  • sua saúde em geral
  • suas opiniões pessoais e preferências – isso deve envolver uma discussão sobre seus planos futuros de gravidez
  • as opções disponíveis no seu hospital local.

As opções de tratamento são listadas abaixo – nem todos serão adequados para você.

Gestão expectante (esperar e acompanhar)

A gravidez ectópica, por vezes, acaba por conta própria – semelhante a um aborto.

Dependendo de sua situação, pode ser possível monitorar os níveis de hCG com exames de sangue todos os dias até estar de volta ao normal. Embora não tenha que ficar no hospital, deve voltar ao hospital se tiver quaisquer sintomas.

A gestão expectante não é uma opção para todas as mulheres. Geralmente só é possível quando a gravidez está ainda nos estágios iniciais, e quando você tem poucos ou nenhum sintomas. Até 29 em cada 100 mulheres (29%) que estão passando por um tratamento expectante podem exigir tratamento médico adicional ou cirúrgico.

Tratamento medicamentoso

Em determinadas circunstâncias, uma gravidez ectópica pode ser tratada com medicação (drogas). A tuba uterina não é removida. Uma droga (metotrexate) impede o desenvolvimento da gravidez, e então a gravidez ectópica gradualmente desaparece.

A droga é dada como uma injeção. Se sua gravidez está além da fase inicial ou o nível de hCG está elevado, o metotrexate é menos provável de ter êxito. Muitas mulheres experimentam alguma dor nos primeiros dias, mas isso geralmente se resolve com paracetamol ou um semelhante para alívio da dor. Embora o tratamento a longo prazo com metotrexato para outras doenças possa causar efeitos colaterais significativos, raramente é o caso com uma ou duas injeções para tratar a gravidez ectópica.

Você pode precisar ficar no hospital durante a noite e então voltar para a clínica ou enfermaria alguns dias mais tarde. Pode ser mais cedo se você tiver quaisquer sintomas. É muito importante que você vá para suas consultas de acompanhamento.

  • Quinze entre 100 das mulheres (15%) precisam ter uma segunda injeção de metotrexato.
  • Sete entre 100 mulheres vão precisar de cirurgia (7%), mesmo após o tratamento médico.

Cirurgia

O objetivo da cirurgia é remover a gravidez ectópica. O tipo de operação que será feita vai depender de seus desejos ou planos para uma futura gravidez e do que seu cirurgião encontrará durante a operação (laparoscopia).

Para ter uma melhor chance de uma gravidez futura dentro de seu útero e para reduzir o risco de ter outra gravidez ectópica, você geralmente será aconselhada a ter sua trompa de Falópio removida (salpingectomia).

Se você tem somente uma trompa ou sua outra trompa não parece saudável, isso já afeta suas chances de engravidar. Nesta circunstância, você pode ser aconselhada a fazer uma operação diferente (salpingostomia). Esta operação visa eliminar a gravidez sem remover a trompa. Ela carrega um risco maior de uma futura gravidez ectópica, mas significa que você manterá a possibilidade de uma gravidez no útero no futuro. Algumas mulheres podem precisar fazer uma operação a mais para remover a trompa mais tarde, se a gravidez não for completamente removida.

Uma operação para remover a gravidez ectópica envolverá uma anestesia geral.

A cirurgia será:

  • Laparoscopia – a estadia no hospital é de cerca de 1 a 2 dias e a recuperação é de cerca de 2 a 4 semanas.
  • Cirurgia aberta – conhecida como uma laparotomia – é realizada por meio de um corte maior no seu abdômen. Geralmente é feita se houver suspeita de hemorragia interna grave. Você vai precisar ficar no hospital por 2 a 4 dias. Normalmente demora cerca de 4 a 6 semanas para se recuperar.

Há riscos associados com toda e qualquer operação. Pode ser devido ao uso de anestésico ou a operação em si. Seu cirurgião e anestesista irão discutir isso com você.

O que preciso saber para tomar uma decisão informada?

Quando uma gravidez ectópica é confirmada, e se a trompa de Falópio não rompeu, seu médico deve discutir suas opções com você.

Certifique-se de:

  • compreender plenamente todas as suas opções
  • pedir informações extras se há alguma coisa que você não entende
  • levantar suas preocupações
  • compreender o que significa cada opção para sua fertilidade, e o que pode ser feito para preservar a fertilidade
  • ter tempo suficiente para tomar sua decisão.

Em situações de emergência

Se rompeu a trompa de Falópio, a cirurgia de emergência é necessária para parar o sangramento. Isto é conseguido pela remoção da trompa de Falópio rompida e da gravidez.

Esta operação é muitas vezes um salva-vidas. Seus médicos precisarão agir rapidamente e isso pode significar que eles terão que tomar uma decisão de operar em seu nome. Nessa situação você pode precisar de uma transfusão de sangue.

Consultas de acompanhamento: o que acontece depois?

É importante que você vá para suas consultas de acompanhamento. Os check-ups e exames que você tiver vão depender do tratamento que você recebeu.

Tratamento expectante

Seu médico vai precisar verificar os seus níveis de hCG no sangue por uns dias até se atingirem os níveis normais. Isso é para garantir que a gravidez tenha terminado completamente. Você pode precisar de mais exames de ultrassom.

Tratamento medicamentoso

Você precisará retornar duas vezes na primeira semana e depois uma vez por semana para verificar os seus níveis de hCG no sangue. Podem levar algumas semanas para garantir que a gravidez tenha terminado completamente, e pode precisar de mais exames de ultrassom. Durante este tempo, não deve ter relação sexual. Você deve evitar ficar grávida usando contracepção confiável durante pelo menos 3 meses.

Tratamento cirúrgico

Pode ser necessário consulta de acompanhamento com seu ginecologista, especialmente se você fez uma operação de emergência. Se você não teve sua trompa de Falópio removida, precisará ter o seu nível de hCG verificado até que tudo volte ao normal.

E quanto a futuras gravidezes?

Para a maioria das mulheres, uma gravidez ectópica ocorre como um evento 'único' e não ocorrerá novamente. A chance de ter uma gravidez bem sucedida no futuro é boa.

Mesmo se você tiver apenas uma trompa uterina, sua chance de engravidar é apenas ligeiramente reduzida. A chance global de ter uma gravidez ectópica da próxima vez é entre 7 e 10 em cada 100 (7 a 10%). No entanto, isto depende do tipo de cirurgia que você fez e de qualquer dano subjacente para os tubos restantes.

Em uma futura gravidez, pode ser oferecida uma ultrassonografia entre 6 a 8 semanas para confirmar que a gravidez está se desenvolvendo no útero.

Se você não quer engravidar, procure conselhos adicionais do seu médico pois algumas formas de contracepção podem ser mais apropriadas após uma gestação ectópica.

Como me sentirei depois?

O impacto de uma gravidez ectópica pode ser muito significativo. Pode significar chegar a um acordo sobre a perda de um bebê, com o potencial impacto sobre a fertilidade futura ou com o fato de que você poderia ter perdido a sua vida. Cada mulher lida à sua maneira – uma gravidez ectópica é uma experiência muito pessoal. Esta experiência pode afetar o seu parceiro e outros membros em sua família, bem como amigos íntimos.

É importante lembrar que a gravidez não poderia ter continuado sem causar um risco grave para sua saúde.

Antes de tentar ter outro bebê, é importante esperar até que você se sinta preparada emocionalmente e fisicamente.

Por mais traumática que tenha sido a sua experiência de uma gravidez ectópica, pode ajudar saber que a possibilidade de uma gravidez normal da próxima vez é muito maior do que a possibilidade de ter outra gravidez ectópica. Se você tiver alguma dúvida, certifique-se de falar com seu médico ginecologista obstetra.

 

gravidezcomplicaçãoO que você achou deste conteúdo?:  5 Average: 5 (1 vote)
Categorias: Medicina

Embolização de miomas melhora vida sexual

Fertilidade - qua, 11/22/2017 - 15:10

Artigo muito interessante "Evaluation of Changes in Sexual Function Related to Uterine Fibroid Embolization (UFE): Results of the EFUZEN Study" publicado em março deste ano na revista CardioVascular and Interventional Radiology por equipe francesa mostrou que a embolização de miomas  melhora a vida sexual das pacientes após o procedimento, além de diminuir os miomas e melhorar os sintomas a eles relacionados.

A qualidade da vida sexual foi mensurada a partir do questionário Female Sexual Function Index (FSFI) por Rosen. Se você quiser saber o impacto dos miomas na sua vida sexual também pode preencher esse questionário. No trabalho acima referido, a melhora neste questionario ocorreu em 78% das pacientes que realizaram embolização de miomas.

 

questionário adaptado para portugues por Pacagnella et al.

embolizaçãomiomaendovascular
Categorias: Medicina

Embolização de miomas melhora vida sexual

Fertilidade - qua, 11/22/2017 - 15:10

Artigo muito interessante "Evaluation of Changes in Sexual Function Related to Uterine Fibroid Embolization (UFE): Results of the EFUZEN Study" publicado em março deste ano na revista CardioVascular and Interventional Radiology por equipe francesa mostrou que a embolização de miomas  melhora a vida sexual das pacientes após o procedimento, além de diminuir os miomas e melhorar os sintomas a eles relacionados.

A qualidade da vida sexual foi mensurada a partir do questionário Female Sexual Function Index (FSFI) por Rosen. Se você quiser saber o impacto dos miomas na sua vida sexual também pode preencher esse questionário. No trabalho acima referido, a melhora neste questionario ocorreu em 78% das pacientes que realizaram embolização de miomas.

 

questionário adaptado para portugues por Pacagnella et al.

embolizaçãomiomaendovascular
Categorias: Medicina

Úlceras Venosas (úlcera de estase, úlcera varicosa)

Vascular Pro - seg, 11/20/2017 - 20:00

As úlceras venosas são feridas crônicas dos membros inferiores. Por ficarem abertas estão sujeitas a infecções e complicações. Devido às secreções, mal cheiro e aparência, as pessoas que sofrem dessa efermidade passam a se isolar do convivio social, de modo que além de ser um problema grave de saúde, também é um problema social importante. Devido ao isolamento e necessidade de repouso, essas pessoas não conseguem trabalhar, passando também a ser um problema econômico. 

 

O especialista indicado para indicar o melhor tratamento é o cirurgião vascular. Converse com seu médico.    

 

Video: Técnica para criar a espuma de polidocanol

 

Para entender melhor a úlcera venosa, leia sobre a Insuficiência Venosa Crônica. O tratamento da causa é essencial e, para isso leia sobre o Tratamento Conservador Da Doença Venosa e Tratamento Corretivo Da Doença Venosa.

 

*Relato de caso: Relato de caso é um tipo de estudo epidemiológico onde não há comparação entre métodos e não é considerado evidência científica. Tem seu valor para ilustrar possibilidades evolutivas ou demonstrar casos infrequentes.

Anatomia: 

Membros Inferiores

Causa: 

Existem diversas causas de úlcera de membros inferiores, dentre elas, a úlcera venosa é uma das mais frequentes e a comentada nesse artigo, sendo causada pelo aumento da pressão venosa. A úlcera de origem venosa representa 70% de todas as feridas crônicas dos membros inferiores entre pacientes adultos. Pode acontecer como consequencia de uma síndrome pós trombótica, ou seja, anos após uma trombose venosa profunda, a constante pressão venosa não tratada determina a formação de feridas que acabam cronificando; ou pode ocorrer após anos e anos de varizes descompensadas não tratadas. Outras causas menos frequentes também existem.

 

Diagnóstico Diferencial: 
  • Pé Diabético
  • Aterosclerose
  • Isquemia
Epidemiologia: 

Prevalência entre 0,5 a 1%
Entre 75 a 80% de todas as úlceras de membros inferiores são de etiologia venosa.

Fatores de Risco: 
  • Todos os fatores de risco da doença venosa.
  • Trombose Venosa Profunda anterior
Prevenção Primária: 

Uso de meias elásticas, exercicio físico, fisioterapia.

Sinais ou Sintomas: 

Feridas que não cicatrizam em membros inferiores, com alterações tróficas da pele: manchas, eczema, lipedermatoesclerose - endurecimento da pele.

Prognóstico: 

Sem o tratamento da causa, a úlcera não costuma fechar, e, quando fecha, pode abrir novamente.

Tratamentos Possíveis: 

O tratamento local da úlcera é essencial, mas não é suficiente, pois a ferida continuará aberta ou será facilmente reaberta por causa da hipertensão venosa. A causa da pressão venosa aumentada deve ser tratada também, caso contrário, mesmo fechando a úlcera, logo ela abrirá novamente. Não adianta tratar somente a consequencia da doença, a causa também deve ser eliminada. Muitos tratamentos foram propostos e cada um com a sua indicação: repouso com membros elevados, medicamentos hemorreolíticos, terapia compressiva com faixas elásticas/inelásticas e meias elásticas próprias, cirurgia de ligadura das perfurantes insuficientes, ligadura de croça da safena, bota de Unna, laser transdérmico, endolaser: laser endovenoso (laser de safenas e perfurantes), tratamento das varizes tronculares, radiofrequencia e outras. 
espuma de polidocanol associada a ligadura cirúrgica de croça de safena tem se mostrado efetiva no tratamento das úlceras venosas, eliminando o refluxo venoso do sistema superficial em casos selecionados. Certamente que os cuidados locais devem ser mantidos e incentivados e a associação de tratamentos é mais efetiva.
O curativo deve ser realizado por profissional e ensinado ao paciente ou cuidador de modo que possa ser reproduzido em casa e que a úlcera mantenha-se sempre limpa.

Complicações Possíveis: 
  • Infecção
  • trombose
Código: I83.0 Select ratingGive Úlceras Venosas (úlcera de estase, úlcera varicosa) 1/5Give Úlceras Venosas (úlcera de estase, úlcera varicosa) 2/5Give Úlceras Venosas (úlcera de estase, úlcera varicosa) 3/5Give Úlceras Venosas (úlcera de estase, úlcera varicosa) 4/5Give Úlceras Venosas (úlcera de estase, úlcera varicosa) 5/5 Average: 4.5 (2 votes) venosoúlceracirurgiaespuma
Categorias: Medicina

Úlceras Venosas (úlcera de estase, úlcera varicosa)

Vascular Pro - seg, 11/20/2017 - 20:00

As úlceras venosas são feridas crônicas dos membros inferiores. Por ficarem abertas estão sujeitas a infecções e complicações. Devido às secreções, mal cheiro e aparência, as pessoas que sofrem dessa efermidade passam a se isolar do convivio social, de modo que além de ser um problema grave de saúde, também é um problema social importante. Devido ao isolamento e necessidade de repouso, essas pessoas não conseguem trabalhar, passando também a ser um problema econômico. 

 

O especialista indicado para indicar o melhor tratamento é o cirurgião vascular. Converse com seu médico.    

 

Video: Técnica para criar a espuma de polidocanol

 

Para entender melhor a úlcera venosa, leia sobre a Insuficiência Venosa Crônica. O tratamento da causa é essencial e, para isso leia sobre o Tratamento Conservador Da Doença Venosa e Tratamento Corretivo Da Doença Venosa.

 

*Relato de caso: Relato de caso é um tipo de estudo epidemiológico onde não há comparação entre métodos e não é considerado evidência científica. Tem seu valor para ilustrar possibilidades evolutivas ou demonstrar casos infrequentes.

Anatomia: 

Membros Inferiores

Causa: 

Existem diversas causas de úlcera de membros inferiores, dentre elas, a úlcera venosa é uma das mais frequentes e a comentada nesse artigo, sendo causada pelo aumento da pressão venosa. A úlcera de origem venosa representa 70% de todas as feridas crônicas dos membros inferiores entre pacientes adultos. Pode acontecer como consequencia de uma síndrome pós trombótica, ou seja, anos após uma trombose venosa profunda, a constante pressão venosa não tratada determina a formação de feridas que acabam cronificando; ou pode ocorrer após anos e anos de varizes descompensadas não tratadas. Outras causas menos frequentes também existem.

 

Diagnóstico Diferencial: 
  • Pé Diabético
  • Aterosclerose
  • Isquemia
Epidemiologia: 

Prevalência entre 0,5 a 1%
Entre 75 a 80% de todas as úlceras de membros inferiores são de etiologia venosa.

Fatores de Risco: 
  • Todos os fatores de risco da doença venosa.
  • Trombose Venosa Profunda anterior
Prevenção Primária: 

Uso de meias elásticas, exercicio físico, fisioterapia.

Sinais ou Sintomas: 

Feridas que não cicatrizam em membros inferiores, com alterações tróficas da pele: manchas, eczema, lipedermatoesclerose - endurecimento da pele.

Prognóstico: 

Sem o tratamento da causa, a úlcera não costuma fechar, e, quando fecha, pode abrir novamente.

Tratamentos Possíveis: 

O tratamento local da úlcera é essencial, mas não é suficiente, pois a ferida continuará aberta ou será facilmente reaberta por causa da hipertensão venosa. A causa da pressão venosa aumentada deve ser tratada também, caso contrário, mesmo fechando a úlcera, logo ela abrirá novamente. Não adianta tratar somente a consequencia da doença, a causa também deve ser eliminada. Muitos tratamentos foram propostos e cada um com a sua indicação: repouso com membros elevados, medicamentos hemorreolíticos, terapia compressiva com faixas elásticas/inelásticas e meias elásticas próprias, cirurgia de ligadura das perfurantes insuficientes, ligadura de croça da safena, bota de Unna, laser transdérmico, endolaser: laser endovenoso (laser de safenas e perfurantes), tratamento das varizes tronculares, radiofrequencia e outras. 
espuma de polidocanol associada a ligadura cirúrgica de croça de safena tem se mostrado efetiva no tratamento das úlceras venosas, eliminando o refluxo venoso do sistema superficial em casos selecionados. Certamente que os cuidados locais devem ser mantidos e incentivados e a associação de tratamentos é mais efetiva.
O curativo deve ser realizado por profissional e ensinado ao paciente ou cuidador de modo que possa ser reproduzido em casa e que a úlcera mantenha-se sempre limpa.

Complicações Possíveis: 
  • Infecção
  • trombose
Código: I83.0 Select ratingGive Úlceras Venosas (úlcera de estase, úlcera varicosa) 1/5Give Úlceras Venosas (úlcera de estase, úlcera varicosa) 2/5Give Úlceras Venosas (úlcera de estase, úlcera varicosa) 3/5Give Úlceras Venosas (úlcera de estase, úlcera varicosa) 4/5Give Úlceras Venosas (úlcera de estase, úlcera varicosa) 5/5 Average: 5 (1 vote) venosoúlceracirurgiaespuma
Categorias: Medicina

Trombose Venosa Profunda (TVP)

Fertilidade - qua, 11/15/2017 - 14:51
Trombose Venosa Profunda

A você paciente, nossos cumprimentos. Se está lendo este pequeno texto, isto significa que está interessado na sua saúde. Para se aprofundar no assunto ou avaliar a sua situação, passe em consulta com um cirurgião vascular.

 

A palavra trombose, que tanto nos assusta, significa a coagulação, uma espécie de solidificação do sangue dentro dos vasos sanguíneos. Muitas pessoas confundem a trombose venosa com a arterial, ou seja, aquela que ocorre nos vasos responsáveis pela condução do sangue para nutrir as extremidades. Não é. A trombose venosa ocorre nos vasos sanguíneos responsáveis pelo retorno do sangue ao coração e pulmões, depois de passar pelos tecidos de nosso corpo. Ao contrario da trombose nas artérias, a trombose venosa raramente é causa de amputação, ainda assim, está longe de ser doença benigna.

 

Complicações ligadas à trombose venosa:

 

Existem pelo menos duas complicações importantes, uma de curto prazo e outra de longo prazo ligadas a TVP. Na fase aguda (que dura alguns dias), pode ocorrer o deslocamento do trombo ou a formação de novo trombo a partir do local de formação (90% se inicia nas pernas) e este material viaja através do sistema venoso até causar a oclusão de um vaso no pulmão. Isto é chamado embolia pulmonar. Se a oclusão for múltipla ou em vasos pulmonares maiores, há risco de falência cardíaca, infarto pulmonar e até morte. Passada a fase aguda, o trombo na veia costuma se estabilizar e a chance de embolia pulmonar diminui drasticamente. Entretanto, se a trombose na perna não for tratada adequadamente, a dificuldade do retorno do sangue ao longo dos anos pode causar o represamento do sangue nessa perna e isso é a causa da segunda complicação, a chamada síndrome pós trombótica. Esta é caracterizada pelo inchaço crônico, sensação de peso ou dor de forma geral, escurecimento das pernas e, nos estágios mais graves, a abertura de feridas geralmente próximas aos tornozelos. Podendo demorar meses ou até mesmo anos para cicatrizar, essa síndrome é fonte considerável de sofrimento ao portador.

 

Qual a origem da TVP?

 

A TVP pode ocorrer sem um motivo aparente, mas a maioria (7 em cada 10) pode ser relacionada a algum fator de risco como:

  • Cirurgia recente, em especial as prolongadas, ortopédicas, por câncer e em pacientes acima de 40 anos
  • Traumatismos, principalmente associado a fratura
  • Câncer em atividade
  • Imobilização prolongada
  • Insuficiência cardíaca
  • Trombose venosa prévia
  • Gestação no último trimestre, e logo após o parto
  • Familiares (pais e irmãos) com TVP sem causa identificada
  • E a hospitalização. A TVP é uma das principais causas de mortalidade – não ligada à doença primária da internação durante a hospitalização – que é passível de prevenção

 

Quais são os sintomas da TVP?

 

Um aspecto difícil com relação a esta doença é o fato de metade dos casos não apresentarem sintomas. Por outro lado, quando estes existem, em especial na presença de fatores de risco, devem ser valorizados. Dor em peso ou aperto associado ao inchaço em apenas uma das extremidades – que pode ser superior (braços), mas 90% dos casos envolvem os inferiores (pernas) – devem chamar a atenção para a possibilidade de TVP. Inchaços em ambos os lados sugerem outras causas, frequentemente sistêmicas como insuficiência cardíaca, renal, hepática, alterações da tireóide e outras.

 

Como se trata a TVP?

 

A TVP, quando diagnosticada e tratada precocemente, geralmente evolui bem, bastando o uso de anticoagulantes, que atualmente podem ser administrados por via injetável e/ou por via oral. O uso destes anticoagulantes diminui a chance das complicações como embolia pulmonar e síndrome pós trombótica, ou ao menos minimiza seu impacto. O tempo de tratamento pode variar de poucas semanas até indefinidamente dependendo de sua origem, e pode envolver mais do que um tipo de medicação ao longe desse tempo.

Com relação a viagens, a chance exata de desenvolver trombose não está bem estabelecida. Sabemos que não é muito frequente, mas os portadores dos fatores de risco e, particularmente, em viagens aéreas de longa duração devem receber atenção especial. Beber agua em abundância, movimentar-se de hora em hora e, eventualmente, utilizar meias de compressão são medidas interessantes e suficientes para a maioria dos viajantes.

 

Dica:

 

Se você tem dúvidas sobre a prevenção, diagnóstico ou tratamento de trombose, converse com seu cirurgião vascular. Ele é o especialista que tem conhecimento sobre as melhores técnicas de investigação, prevenção e tratamento podendo, em conjunto com o paciente, definir a melhor forma de controlar esse problema.

 

Veja no vídeo o coágulo se formando. Veja os sintomas da trombose venosa.

A trombose venosa profunda é assunto recorrente aqui simplesmente pela sua importância e gravidade. 1 em cada 10 mortes em hospital ocorrem decorrentes da embolia pulmonar, sua principal complicação. Leia nossos outros artigos também:

 

Autor: Prof. Dr. Alexandre Amato

Fonte: SBACV, Trombose Venosa Profunda. 2015

tromboseLocal do corpo: veias profundas
Categorias: Medicina

Trombose Venosa Profunda (TVP)

Fertilidade - qua, 11/15/2017 - 14:51
Trombose Venosa Profunda

A você paciente, nossos cumprimentos. Se está lendo este pequeno texto, isto significa que está interessado na sua saúde. Para se aprofundar no assunto ou avaliar a sua situação, passe em consulta com um cirurgião vascular.

 

A palavra trombose, que tanto nos assusta, significa a coagulação, uma espécie de solidificação do sangue dentro dos vasos sanguíneos. Muitas pessoas confundem a trombose venosa com a arterial, ou seja, aquela que ocorre nos vasos responsáveis pela condução do sangue para nutrir as extremidades. Não é. A trombose venosa ocorre nos vasos sanguíneos responsáveis pelo retorno do sangue ao coração e pulmões, depois de passar pelos tecidos de nosso corpo. Ao contrario da trombose nas artérias, a trombose venosa raramente é causa de amputação, ainda assim, está longe de ser doença benigna.

 

Complicações ligadas à trombose venosa:

 

Existem pelo menos duas complicações importantes, uma de curto prazo e outra de longo prazo ligadas a TVP. Na fase aguda (que dura alguns dias), pode ocorrer o deslocamento do trombo ou a formação de novo trombo a partir do local de formação (90% se inicia nas pernas) e este material viaja através do sistema venoso até causar a oclusão de um vaso no pulmão. Isto é chamado embolia pulmonar. Se a oclusão for múltipla ou em vasos pulmonares maiores, há risco de falência cardíaca, infarto pulmonar e até morte. Passada a fase aguda, o trombo na veia costuma se estabilizar e a chance de embolia pulmonar diminui drasticamente. Entretanto, se a trombose na perna não for tratada adequadamente, a dificuldade do retorno do sangue ao longo dos anos pode causar o represamento do sangue nessa perna e isso é a causa da segunda complicação, a chamada síndrome pós trombótica. Esta é caracterizada pelo inchaço crônico, sensação de peso ou dor de forma geral, escurecimento das pernas e, nos estágios mais graves, a abertura de feridas geralmente próximas aos tornozelos. Podendo demorar meses ou até mesmo anos para cicatrizar, essa síndrome é fonte considerável de sofrimento ao portador.

 

Qual a origem da TVP?

 

A TVP pode ocorrer sem um motivo aparente, mas a maioria (7 em cada 10) pode ser relacionada a algum fator de risco como:

  • Cirurgia recente, em especial as prolongadas, ortopédicas, por câncer e em pacientes acima de 40 anos
  • Traumatismos, principalmente associado a fratura
  • Câncer em atividade
  • Imobilização prolongada
  • Insuficiência cardíaca
  • Trombose venosa prévia
  • Gestação no último trimestre, e logo após o parto
  • Familiares (pais e irmãos) com TVP sem causa identificada
  • E a hospitalização. A TVP é uma das principais causas de mortalidade – não ligada à doença primária da internação durante a hospitalização – que é passível de prevenção

 

Quais são os sintomas da TVP?

 

Um aspecto difícil com relação a esta doença é o fato de metade dos casos não apresentarem sintomas. Por outro lado, quando estes existem, em especial na presença de fatores de risco, devem ser valorizados. Dor em peso ou aperto associado ao inchaço em apenas uma das extremidades – que pode ser superior (braços), mas 90% dos casos envolvem os inferiores (pernas) – devem chamar a atenção para a possibilidade de TVP. Inchaços em ambos os lados sugerem outras causas, frequentemente sistêmicas como insuficiência cardíaca, renal, hepática, alterações da tireóide e outras.

 

Como se trata a TVP?

 

A TVP, quando diagnosticada e tratada precocemente, geralmente evolui bem, bastando o uso de anticoagulantes, que atualmente podem ser administrados por via injetável e/ou por via oral. O uso destes anticoagulantes diminui a chance das complicações como embolia pulmonar e síndrome pós trombótica, ou ao menos minimiza seu impacto. O tempo de tratamento pode variar de poucas semanas até indefinidamente dependendo de sua origem, e pode envolver mais do que um tipo de medicação ao longe desse tempo.

Com relação a viagens, a chance exata de desenvolver trombose não está bem estabelecida. Sabemos que não é muito frequente, mas os portadores dos fatores de risco e, particularmente, em viagens aéreas de longa duração devem receber atenção especial. Beber agua em abundância, movimentar-se de hora em hora e, eventualmente, utilizar meias de compressão são medidas interessantes e suficientes para a maioria dos viajantes.

 

Dica:

 

Se você tem dúvidas sobre a prevenção, diagnóstico ou tratamento de trombose, converse com seu cirurgião vascular. Ele é o especialista que tem conhecimento sobre as melhores técnicas de investigação, prevenção e tratamento podendo, em conjunto com o paciente, definir a melhor forma de controlar esse problema.

 

Veja no vídeo o coágulo se formando. Veja os sintomas da trombose venosa.

A trombose venosa profunda é assunto recorrente aqui simplesmente pela sua importância e gravidade. 1 em cada 10 mortes em hospital ocorrem decorrentes da embolia pulmonar, sua principal complicação. Leia nossos outros artigos também:

 

Autor: Prof. Dr. Alexandre Amato

Fonte: SBACV, Trombose Venosa Profunda. 2015

tromboseLocal do corpo: veias profundas
Categorias: Medicina

Trombofilia

Vascular Pro - qua, 11/15/2017 - 14:32
Trombofilia: formação de coágulo

Trombofilia é uma condição em que o sangue tem uma maior tendência a formar coágulos. Os coágulos de sangue podem causar problemas como a trombose venosa profunda (TVP) ou embolia pulmonar. Existem diferentes tipos de trombofilia - algumas são hereditárias e algumas são adquiridas, o que significa que elas geralmente se desenvolvem na vida adulta. Muitas vezes a trombofilia é leve. Muitas pessoas com trombofilia não têm problemas relacionados à essa condição. Exames de sangue que avaliam a "cascata da coagulação" podem diagnosticar alguns problemas, mas nem todos. A trombofilia nem sempre requer tratamento, mas algumas pessoas precisam tomar antiagregantes e/ou anticoagulantes, como aspirina, varfarina, xarelto ou outro anticoagulante. Não se auto-medique de maneira nenhuma, este artigo não substitui o seu médico. Consulte o cirurgião vascular ou hematologista. Se você tem trombofilia, aprenda sobre os sintomas de um coágulo de sangue e busque tratamento imediatamente.
O que é trombofilia?
Trombofilia refere-se a um grupos de condições onde o sangue coagula (forma mais trombos) mais facilmente do que o normal. Isso pode levar à formação de coágulos sanguíneos indesejados (chamados de trombose), dentro dos vasos sanguíneos. Estes coágulos podem causar problemas como a trombose venosa profunda (TVP) ou embolia pulmonar. 
O que é uma trombose?
Um coágulo de sangue que se forma dentro de um vaso sanguíneo é conhecido medicamente como um trombo. A trombose é o processo que ocorre para formar um trombo. Um trombo pode bloquear um vaso sanguíneo - esse bloqueio agora também é conhecido como uma tromboseTromboses é a versão no plural para trombose (ou seja, mais de uma).
Quais são os diferentes tipos de trombofilia?
Trombofilias podem ser classificadas como hereditárias ou adquiridas. As hereditárias são genéticas e podem ser transmitidas de pai/mãe para filho/a.
Trombofilias adquiridas não são hereditárias, ou seja, elas não têm nada a ver com seus genes. Geralmente, as trombofilias adquiridas aparecem na idade adulta, decorrentes de algum problema de saúde. Podem acontecer como resultado de outros problemas médicos que se desenvolveram, ou podem ser devido a problemas com o sistema imunológico.
É possível ter um misto de trombofilias, devido em parte a fatores genéticos e em parte à não-genéticos. E a somatória de causas multiplica o risco de trombose.
Conselhos gerais para pessoas com trombofilia

  • Se você estiver em tratamento médico ou planejamento de cirurgia, informe o seu médico/enfermeiro/farmacêutico sobre a trombofilia.
  • Esteja ciente dos sintomas de um aviso de coágulo de sangue - obtenha ajuda médica imediatamente se você suspeitar de um (Veja sintomas).
  • Evite a falta de líquido no corpo (desidratação) bebendo quantidades adequadas de fluidos. Desidratação pode contribuir para a formação de coágulos sanguíneos.
  • Mantenha-se ativo e evite ficar imóvel por longos períodos - imobilidade ajuda a causar coágulos sanguíneos nas pernas (TVP).
  • Cuidado com a medicação: alguns medicamentos aumentam o risco de um coágulo de sangue. Por exemplo, o contraceptivo oral combinado (COC) comprimido ou adesivo e terapia de reposição hormonal (TRH). Você pode ser aconselhada a evitar certos medicamentos, ou mudar para um que não afete a coagulação do sangue.
  • Mantenha um peso saudável - estar com sobrepeso ou obesidade aumenta o risco de coágulos de sangue nas pernas.
  • Para manter os vasos sanguíneos saudáveis (artérias em particular), não fume. Isto é importante se você tem trombofilia de um tipo que pode causar coágulos de sangue nas artérias, já que fumar também promove os coágulos arteriais.

Exame de Parentes
Se você ou sua família tem uma forma hereditária (genética) de trombofilia, você pode ser convidado a considerar exames para si mesmo ou seus parentes próximos. Isto serve para ver se você ou outras pessoas da família têm a mesma condição. No entanto, os benefícios da procura de pessoas com trombofilia que não tiveram um coágulo de sangue ainda, não foram provados. É por isso que existem orientações claras sobre quem deve ser testado.
 
 
 
ARTIGOS RELACIONADOS

 
 
 

Anatomia: 

Veias e artérias periféricas

Causa: 

O que causa trombofilia?
O corpo tem um processo natural de coagulação no sangue, cientificamente chamado de cascata da coagulação, onde um evento quimico desencadeia outro evento até a formação do coágulo. Na trombofilia algum ponto dessa cascata é alterada.
O processo de coagulação normal é chamado hemostasia. E ela faz parte do equilibrio natural, pois a coagulação também é muito importante que ocorra no momento certo. A hemostasia ajuda a parar o sangramento caso você sofra uma lesão, como um corte. Quando um vaso sanguíneo é lesado, o processo de coagulação é ativado. Isto é chamado de cascata de coagulação. É uma reação em cadeia de diferentes substâncias químicas no sangue que são chamadas de fatores de coagulação. A cascata de coagulação faz com que o sangue solidifique em um coágulo, que se adere à parte lesada do vaso sanguíneo. Pequenas partículas no sangue, chamadas plaquetas, também ajudam a formar o coágulo.
Existem também substâncias químicas naturais no sangue que agem contra o sistema de coagulação, para impedir o sangue de coagular demais. 
A trombofilia ocorre se o equilíbrio normal do sistema de coagulação for perturbado. Pode haver muito de um fator de coagulação, ou muito pouco de uma substância que se opõe a coagulação.
 
A trombofilia pode causar coágulos sanguíneos indesejados (tromboses). Isso não significa que todas as pessoas com trombofilia irão desenvolver um coágulo de sangue. Mas, isso significa que você tem um risco maior do que o normal de ter coágulos. O risco extra vai depender do tipo de trombofilia que você possui.
Quais são os diferentes tipos de trombofilia?
Aqui explicamos os tipos mais comuns de trombofilia, embora não abranja todas as condições.
Trombofilias hereditárias
 
Fator V Leiden
Esta é pronunciada como 'fator V de Leiden'. É bastante comum em pessoas de origem europeia - cerca de 1 em cada 20 europeus têm gene fator V de Leiden. Este gene afeta a parte do fator V da cascata da coagulação, tornando o processo de coagulação prolongado. Aumenta o risco de um coágulo de sangue em uma veia em cerca de oito vezes. Ainda é um risco relativamente baixo de não desenvolver problemas, para a maioria das pessoas com fator V de Leiden. Algumas pessoas herdam dois genes de fator V de Leiden - um gene de cada pai (conhecido como 'homozigoto para o fator V de Leiden'). Isso é menos comum, mas torna o risco muito maior - cerca de oitenta vezes o risco normal.
Protrombina 20210
Protrombina é um fator de coagulação, e pessoas com o gene 20210 têm uma mudança em sua protrombina que torna mais fácil ter coágulo. Cerca de 1 em 50 pessoas de origem europeia têm este gene; é mais comum em pessoas de origem sul-europeia. Aumenta o risco de ter um coágulo de sangue em uma veia para o dobro do risco normal. Este é um risco relativamente baixo, de modo que a maioria das pessoas com a protrombina 20210 não desenvolve um coágulo de sangue.
Deficiência de proteína C
A proteína C é um anticoagulante natural químico no sangue. A deficiência pode ser genética, ou devido a outras condições, tais como a doença renal. Com deficiência de proteína C hereditária, o risco de formar um coágulo de sangue varia entre as famílias. Isso ocorre porque cada família tem uma alteração diferente no gene da proteína C. A melhor referência para o seu nível de risco é se você ou seus parentes tiveram um coágulo de sangue. Se uma criança herda dois genes com deficiência de proteína C (um de cada pai - isto é muito raro), ela terá um problema mais grave. Ela terá coágulos de sangue na pele logo após o nascimento (uma condição chamada púrpura fulminante neonatal). Isto é tratado com concentrados de proteínas C e medicação para afinar o sangue (anticoagulante).
Deficiência de proteína S
A proteína S é também um anticoagulante natural químico no sangue. Deficiência de proteína S é rara. O risco de formar um coágulo de sangue varia entre as famílias. O melhor guia para seu risco é ver se outros parentes tiveram um coágulo de sangue.
Deficiência de antitrombina
Antitrombina é outro dos produtos químicos anticoagulantes naturais no sangue. Existem diferentes tipos de deficiência de antitrombina, genética e devido a outras doenças. A forma hereditária é rara, afetando cerca de 1 em 2.000 pessoas.
A deficiência de antitrombina é um tipo bastante grave de trombofilia. O risco de ter um coágulo de sangue varia entre as famílias, mas pode ser aumentado em 25 a 50 vezes o risco normal. Com essa condição, um coágulo de sangue pode ocorrer não apenas nas pernas ou pulmão, mas também nas veias dos braços, barriga, cérebro ou fígado. Cerca de 1 em 2 pessoas com deficiência de antitrombina desenvolvem um coágulo de sangue antes da idade de 30 anos. Outros, no entanto, podem chegar a idade idosa sem problemas.
Com esta condição, se você desenvolver um coágulo de sangue, você pode ser aconselhado a tomar a medicação de varfarina a longo prazo. No entanto, isto deve ser decidido em uma base individual. Também, pode ser dado tratamento com concentrados de antitrombina, quando há um risco maior de ter um coágulo de sangue - por exemplo, se você fizer uma grande cirurgia.
Com a gravidez, o tratamento anticoagulante com heparina é geralmente necessário. Tratamento com concentrados de antitrombina também podem ser usados.
Nota: as crianças podem ter deficiência de antitrombina; os pais precisam estar cientes para que possam detectar sinais de um coágulo de sangue. Embora a maioria das crianças não desenvolvam um coágulo de sangue, elas estão em risco de situações tais como a cirurgia. Alguns bebês recém-nascidos desenvolvem coágulos de sangue também. Pode ser necessário tratamento anticoagulante ou concentrado de antitrombina. Os pais que têm deficiência de antitrombina em si e estão esperando um filho, devem discutir isto com seu médico.
Disfibrinogenemia
Este é um defeito genético raro onde um químico que dissolve o coágulo chamado fibrinogênio não funciona normalmente. Pode haver aumento de coagulação, aumento no sangramento ou ambos.
Combinado com trombofilia hereditária
Algumas pessoas herdam mais de um gene de trombofilia - por exemplo, fator V Leiden e mais protrombina 20210. Com trombofilias combinadas, o risco de desenvolver um coágulo sanguíneo é multiplicado e há um risco muito maior do que em qualquer condição sozinha.
Trombofilias adquiridas
Trombofilias adquiridas não são hereditárias e geralmente começam na idade adulta.
Síndrome antifosfolípide (APS). Esta é também conhecida como síndrome de Hughes. É causada por certas substâncias químicas no sistema imunológico (anticorpos) no sangue, que são chamados de anticorpos antifosfolipídios. APS pode causar a formação de um coágulo de sangue nas artérias e em pequenos vasos sanguíneos, bem como nas veias. APS pode afetar a gravidez em alguns casos. Muitas mulheres com APS não tem problemas na gravidez. No entanto, a APS pode causar aborto, ou outros problemas - restrição de crescimento fetal, pré-eclâmpsia ou, raramente, morte fetal. Estes problemas podem ser reduzidos pelo tratamento.
A APS/AAF pode ser tratada com aspirina em baixa dose, que é útil na gravidez. Se você teve um coágulo de sangue, então, é geralmente aconselhada a varfarina em vez disso (ou heparina se você estiver grávida). 
Outras condições adquiridas
Outras condições podem aumentar o risco de um coágulo de sangue. Alguns médicos as classificam como trombofilias. Exemplos são determinados por distúrbios que afetam as plaquetas, transtornos na medula óssea, alguns problemas renais, doença inflamatória intestinal e câncer avançado.
Misto de trombofilias hereditárias/adquiridas
Estas são devidas à genética e a causas não-genéticas.
Hiper-homocisteinemia
Esta se trata de um nível elevado no sangue de uma substância química chamada homocisteína, que serve para aumentar o risco de coágulos de sangue arteriais e venosos. Danifica os vasos sanguíneos. Esta é uma condição relativamente leve, mas pode adicionar ter um coágulo de sangue aos fatores de risco. Vitamina B12 e ácido fólico podem ajudar.
Hemoglobinúria paroxística noturna
Esta é uma condição rara que afeta a medula óssea. Pode levar à coágulos de sangue venosos, muitas vezes em locais incomuns tais como as veias do intestino, fígado ou cérebro. Pode ser necessária a anticoagulação e existem outros tratamentos também para essa condição.
Níveis elevados de fator VIII 
É pronunciado como 'fator 8'. É devido a níveis anormalmente elevados de fator VIII, que é uma das substâncias que promove a coagulação do sangue. Dependendo do nível real de fator VIII, pode aumentar o risco de coagulação por cerca de seis vezes - este é um risco relativamente baixo para o desenvolvimento de um coágulo de sangue.

Diagnóstico Diferencial: 

Como é diagnosticada a trombofilia?
Pode haver suspeita de Trombofilia se um parente de sangue teve um coágulo sanguíneo em uma idade jovem (menos de 40 anos). Também pode haver suspeita se você desenvolver um coágulo de sangue que não seria esperado, dado a sua idade e saúde geral.
Uma das coisas mais importantes é que exames de trombofilia não são feitos rotineiramente em todo mundo que tem um coágulo de sangue. Somente certas pessoas precisam fazer estes exames - onde o resultado vai mudar a forma como você é tratado. Os exames são caros e às vezes não se sabe como o resultado afetará suas chances no futuro de ter um coágulo de sangue. Isto pode ser muito difícil de entender, mas muitas vezes, se você acabou de ter um coágulo de sangue, você fará tratamento (anticoagulante) para diluir o sangue, e evitar novos trombos, em todo o caso. Isto vai ser feito se você tiver ou não tiver uma trombofilia. Se você teve um coágulo de sangue não provocado uma vez (o que significa que aconteceu sem causa aparente), você será classificado como tendo um risco mais elevado de um coágulo de sangue no futuro, de qualquer maneira. Este será o caso de ter ou não um exame positivo para trombofilia.
Quais são os exames para trombofilia?
A trombofilia é diagnosticada por exames de sangue.
Os exames são feitos algumas semanas ou meses depois de ter uma TVP ou embolia pulmonar, já que a presença dessas condições pode afetar os resultados. Normalmente você tem que esperar até que você tenha tido a diluição da medicação (anticoagulante), como a varfarina, por 4-6 semanas. Se você recentemente esteve grávida, os exames podem ter que ser adiados por oito semanas. Isso ocorre porque os resultados na gravidez podem ser muito mais difíceis de entender.
Uma amostra de sangue é tomada e um número de diferentes exames serão feitos sobre ela, para verificar as diferentes partes do processo de coagulação. Geralmente, os exames são feitos em dois estágios. O primeiro exame é uma sequencia de trombofilia que consiste em alguns exames básicos de coagulação. Se os resultados sugerem que a trombofilia é possível, em seguida, outra amostra de sangue será tirada para exames mais detalhados.
Você pode ser encaminhado para um médico especializado em doenças do sangue (hematologista) ou para o cirurgião vascular. Geralmente, o médico irá perguntar sobre seu histórico e histórico familiar. Isso ajudará com a interpretação dos resultados do exame.
Todas as trombofilias podem ser diagnosticadas em exames?
É provável que existam alguns tipos de trombofilia que ainda não podemos identificar ou testar. Isso ocorre porque existem algumas pessoas ou famílias que têm mais coágulos de sangue do que normalmente seria esperado, ainda que dê negativo nos exames de trombofilia. Nessa situação, pode ser aconselhável fazer tratamento de trombofilia, mesmo se você não tiver um diagnóstico definitivo.
Portanto, exames negativos não excluem a possibilidade de que você tenha herdado um risco aumentado de ter coágulos de sangue. Existem fatores desconhecidos ainda.
Quem deve ser testado para trombofilia?
As diretrizes atuais sugerem que exames de trombofilia devem ser considerados nas seguintes situações:

  • Se você teve uma trombose venosa profunda ou embolia pulmonar com menos de 40.
  • Se você teve repetidos episódios de trombose venosa profunda ou embolia pulmonar ou veias inflamadas (tromboflebite).
  • Se você teve uma trombose venosa em um local incomum (por exemplo, a barriga  - abdômen - ou cérebro) - em algumas circunstâncias, pois estas podem ser causadas por outras condições.
  • Tromboses inexplicáveis em bebês recém-nascidos.
  • Bebês ou crianças com uma doença rara chamada púrpura fulminante neonatal.
  • Se você desenvolver necrose de pele, onde partes da pele são perdidas devido a coágulos em ou sob a pele, devido a medicamentos como a varfarina.
  • Se você tem uma trombose arterial ocorrendo com idade inferior a 40 anos.
  • Se você é um parente de sangue de alguém com certos tipos de trombofilia de alto risco - com as deficiências de proteína C e proteína S, em algumas circunstâncias.
  • Algumas mulheres grávidas que tiveram uma trombose no passado devido a um fator provocador leve. (No entanto, uma mulher grávida com um histórico de trombose não provocada não necessita de exame, já que ela precisa de medicação para afinar o sangue (anticoagulantes) de qualquer forma durante a gravidez).
  • Se você tem um histórico familiar de trombose venosa em pelo menos dois parentes.
  • Se você tiver determinados resultados no exame de sangue: um tempo prolongado de tromboplastina parcial ativada (TTPA) inexplicável - um resultado anormal em um determinado tipo de exame de coagulação do sangue. Algumas pessoas com outras condições médicas (porque às vezes, estas podem estar ligadas a trombofilia):

Mesmo se houver uma trombofilia conhecida na família, você pode não ser testado para isso se for leve, e se você não teve um coágulo de sangue. Isto porque você é assintomático (não têm sintomas). Saber se você tem esse defeito herdado não vai mudar como você é tratado. Você provavelmente não precisará de anticoagulantes porque não se sabe quão aumentado é o seu risco de coagulação anormal do sangue. O tratamento com medicação anticoagulante deve ser cuidadosamente avaliado, já que seu uso também tem certos riscos, como o sangramento.

 

Epidemiologia: 

Em termos epidemiológicos, a associação de dois ou mais fatores de risco congênitos gera aumento na incidência de trombose. Assim, a ocorrência de um fator de risco, não congênito, nos pacientes afetados, age cumulativamente e aumenta o risco da doença trombótica.

Fatores de Risco: 

Doenças genéticas da cascata da coagulação e doenças adquiridas.

Evolução Natural: 

Geralmente, não há nenhuma complicação, pois estatísticamente há muito mais casos de trombofilias leves do que graves. Muitas formas de trombofilia são leves, de modo que muitas pessoas com trombofilia não têm problemas gerados pela sua condição. Também, o tratamento feito com êxito pode prevenir complicações em muitos casos.

Prevenção Primária: 

Prevenção da TVP
Certas situações temporariamente podem colocá-lo em alto risco de ter um coágulo de sangue, e nessas situações, você pode ser aconselhado a ter um tratamento extra por um tempo. Exemplos disso são a gravidez e após o parto, uma doença grave, uma grande cirurgia, ou qualquer coisa que o imobilize, tal como viagens ou uma operação. Meias especiais como as meias de vôo ou meias de compressão também podem ser recomendadas para ajudar a prevenir uma TVP.
Veja também: Prevenção de trombose em viagem de avião.

 

Sinais ou Sintomas: 

Quais são os sintomas da trombofilia?
Não há nenhum sintoma a não ser a trombofilia resultante de um coágulo sanguíneo (trombose). Ou seja, muitas pessoas com trombofilia não irão desenvolver um coágulo de sangue e não apresentam sintomas. Os sintomas aparecem após a formação do trombo.
Quais são os sintomas de coágulos sanguíneos?
Coágulos de sangue podem se formar nas artérias e veias. As artérias são vasos sanguíneos que levam sangue para longe do coração, para os órgãos e tecidos do corpo. As veias são vasos sanguíneos que trazem o sangue do resto do corpo de volta ao coração.
Veja: TVP
 
 
 
Um coágulo de sangue em uma veia é o problema mais comum com a trombofilia - isso é chamado de trombose venosa. Sintomas possíveis são:

  • Dor e inchaço em uma perna. Isso ocorre se você tem um coágulo de sangue em uma grande veia em uma perna. Isto é comumente conhecido como uma trombose venosa profunda (TVP). Uma TVP pode ocorrer em qualquer veia do seu corpo, mas afeta mais frequentemente uma veia da perna.
  • O coágulo de sangue pode viajar para o coração e entrar em um pulmão, causando embolia pulmonar. Possíveis sintomas são dor no peito, dor na respiração profunda, falta de ar ou, raramente, colapso.
  • Alguns tipos de trombofilia podem provocar um coágulo sanguíneo em um local incomum, como o cérebro, intestino ou fígado. Isso pode causar sintomas na cabeça ou na barriga (abdômen). Um coágulo de sangue nas veias hepáticas é chamado de síndrome de Budd-Chiari.

Um coágulo de sangue em uma artéria pode ocorrer com alguns tipos de trombofilia. Isso é chamado de trombose arterial. Dependendo de qual artéria é afetada, um coágulo de sangue em uma artéria pode causar um acidente vascular cerebral, ataque cardíaco ou problemas com a placenta durante a gravidez. Portanto, os sintomas possíveis de trombose arterial devido à trombofilia são:

  • Ter um acidente vascular cerebral em uma idade relativamente jovem.
  • Abortos espontâneos repetidos.
  • Problemas de gravidez: pré-eclâmpsia, redução do crescimento fetal ou, raramente, morte fetal (morte fetal ou morte intrauterina).
  • Um ataque cardíaco.

É importante lembrar que todas estas condições podem ser devido a causas que não sejam a trombofilia. Por exemplo, tabagismo, hipertensão arterial, diabetes e colesterol alto são os principais fatores de risco para o desenvolvimento de problemas, tais como ataques cardíacos e derrames.
Por este motivo, nem todo mundo com um derrame ou ataque cardíaco é testado para trombofilia, pois não é uma causa comum.

 

Prognóstico: 

A doença genética não pode ser tratada. Não há terapia de genes para mudar os seus. O tratamento é feito para evitar a doença e suas complicações. Portanto, o prognóstico depende muito do tipo de trombofilia, da quantidade de fatores envolvidos e do tratamento necessário.

Tratamentos Possíveis: 

Sempre procure seu médico para indicar o melhor tratamento. Não faça auto medicação.

 
Qual é o tratamento para a trombofilia?
O primeiro passo que você e seu médico devem considerar é quanto risco há para o desenvolvimento de um coágulo de sangue. Esse risco depende de uma combinação de coisas, tais como:

  • Que tipo de trombofilia você tem (algumas são de mais alto risco de coágulo sanguíneo do que outras).
  • Sua idade, peso, estilo de vida e outras condições médicas.
  • Se você esteve grávida ou se tiver dado à luz recentemente.
  • Se você já teve um coágulo de sangue.
  • Histórico da sua família - se parentes próximos tiveram um coágulo de sangue.

Esta informação vai ajudar o médico a avaliar quanto risco você tem de desenvolver um coágulo de sangue e que tipo de coágulo de sangue poderia ocorrer. Então você e seu médico podem discutir os prós e contras do tratamento e, se necessário, qual o tipo de tratamento a tomar.
Possíveis tratamentos para trombofilia são:
 
Aspirina em baixa dose
Aspirina em baixa dose inibe a ação de plaquetas, para que possa ajudar a prevenir coágulos sanguíneos. Ela também pode ajudar a prevenir abortos ou problemas na gravidez, em alguns tipos de trombofilia.
 
Tratamento anticoagulante
A anticoagulação é muitas vezes chamada de afinamento do sangue. No entanto, ela não afina o sangue realmente. Ela altera certas substâncias químicas no sangue para impedir que coágulos de sangue se formem tão facilmente - com efeito, retarda o processo de coagulação. Ela não dissolve um coágulo de sangue (como algumas pessoas incorretamente pensam). Os mecanismos de cura do corpo podem então começar a trabalhar para romper qualquer coágulo de sangue existente.
A anticoagulação pode reduzir significativamente a chance de formação de um coágulo de sangue. Medicação anticoagulante é comumente usada para tratar uma trombose venosa (tal como uma TVP) ou uma embolia pulmonar.
Para trombofilia, a medicação anticoagulante pode ser recomendada se:

  • Você teve um coágulo de sangue, para evitar mais um.
  • Você não teve um coágulo de sangue... mas tem um alto risco de desenvolver um.
  • Você tem uma situação temporária que o coloca em risco elevado de um coágulo de sangue. Este pode ser o caso se você estiver grávida, no prazo de seis semanas após o parto, ou se esteve imóvel por um longo período.

Medicamentos anticoagulantes também são dados por injeção (por exemplo, heparina) ou podem ser tomados como um comprimido. A varfarina é o medicamento anticoagulante em comprimido mais comumente utilizado. Outros anticoagulantes tomados em forma de comprimido incluem apixaban, edoxaban, dabigatran (pradaxa) e rivaroxabana (xarelto).
Varfarina é o anticoagulante usual. No entanto, leva alguns dias para os comprimidos de varfarina funcionarem plenamente. Portanto, injeções de heparina (dadas frequentemente sob a pele) são usadas junto com varfarina nos primeiros dias (normalmente, cinco dias) para efeito imediato se você atualmente tiver um coágulo de sangue. Se você está começando a varfarina e não tem um coágulo de sangue (ou seja, é apenas para evitar um), você não vai precisar de injeções de heparina no começo.
O objetivo é apenas conseguir a dose de varfarina correta, para que o sangue não possa coagular facilmente. Muita varfarina pode causar problemas de sangramento. Para obter a dose certa, você vai precisar de um exame de sangue regular, chamado de Índice Internacional Normalizado (IINR), enquanto você toma varfarina. A dose é ajustada individualmente de acordo com o resultado deste exame de sangue. O INR é um exame de sangue que mede a sua capacidade de coagulação do sangue. Você precisa fazer os exames muitas vezes no início, mas fará menos frequentemente uma vez que a dose correta é encontrada.
Um INR de 2,5 é geralmente o objetivo se você tomar varfarina para impedir um coágulo de sangue na trombofilia ou para tratar uma TVP ou embolia pulmonar. No entanto, qualquer lugar na faixa de 2-3 geralmente é bom. Se você teve TVP recorrente, ou teve uma embolia pulmonar, enquanto na varfarina, talvez seja necessário um INR maior (um sangue ainda mais ‘fino’). Exames de sangue de INR geralmente podem ser feitos em um ambulatório, ou às vezes através do seu clínico geral. Você pode ser aconselhado a tomar varfarina ao longo da vida para prevenir coágulos sanguíneos, se você tiver trombofilia. Ou, você pode fazer tratamento a curto prazo para a sua atual TVP ou embolia pulmonar (geralmente 3-6 meses).
A heparina é um anticoagulante injetável. A heparina padrão é administrada por via intravenosa (IV), o que significa que é diretamente na veia - geralmente no braço. Este tipo de heparina é dada no hospital e monitorada com exames de sangue.
Heparina de baixo peso molecular (HBPM) é injetada na pele sobre a barriga inferior (abdômen). Pode ser dada em casa, ou por uma enfermeira local, ou você pode ser ensinado a se auto-injetar (ou um cuidador pode fazer por você). Não precisa de exames de sangue para monitorá-la. Doses diferentes são usadas para o tratamento de um coágulo de sangue existente e prevenção (profilaxia). Existem diferentes marcas de injeção de heparina; as mais comuns que você pode ver sendo usadas são Clexane® e Fragmin®.
 
Tratamento na gravidez
Se você está... grávida ou planejando uma gravidez, discuta com seu médico e informe sua parteira e o seu médico especializado em gravidez e parto (obstetra) sobre a trombofilia. O tratamento para trombofilia pode ser diferente na gravidez porque:

  • Algumas mulheres com certos tipos de trombofilia são aconselhadas a tomar aspirina em baixa dose durante a gravidez, para ajudar a evitar problemas de aborto ou gravidez.
  • A gravidez em si aumenta o risco de uma trombose venosa profunda - isso se aplica a toda a gravidez e especialmente nas seis semanas após o parto. Então você pode ser aconselhado a iniciar o tratamento anticoagulante durante a gravidez ou após o parto. Isso vai depender do seu tipo de trombofilia e do seu histórico médico.
  • Se você estava tomando varfarina, normalmente seria aconselhável mudar para heparina em vez disso. Isso porque a heparina é mais segura para o feto (há uma chance significativa de que a varfarina possa causar anormalidades fetais). Tanto heparina quanto a varfarina são seguras para amamentar.
Complicações Possíveis: 

Quais são as complicações da trombofilia - e qual é a perspectiva (prognóstico)?
Uma embolia pulmonar, acidente vascular cerebralataque cardíaco ou um coágulo de sangue no cérebro ou na barriga (abdômen) pode ser uma condição fatal. O tratamento precoce pode ser o seu salva-vidas e reduz as complicações. Portanto, é importante estar ciente dos sintomas e procurar tratamento imediatamente se você suspeitar de qualquer tipo de coágulo de sangue.
Como mencionado acima, alguns tipos (não todos) de trombofilia podem aumentar a chance de problemas na gravidez. Seu médico pode aconselhá-la, vai depender do tipo de trombofilia e também varia entre indivíduos. No entanto, muitas mulheres com trombofilia têm gestações bem sucedidas.
Também podem haver complicações devido ao tratamento para afinar o sangue (anticoagulantes). Aspirina, heparina, varfarina e xarelto, podem ter efeitos colaterais, principalmente sangramentos indesejados, como hemorragia interna no revestimento do estômago. Por este motivo, é importante para você e seu médico ponderar os prós e contras do tratamento. Sua situação individual e preferências precisam ser levadas em conta.

 

Código: D68 Select ratingGive Trombofilia 1/5Give Trombofilia 2/5Give Trombofilia 3/5Give Trombofilia 4/5Give Trombofilia 5/5 Average: 5 (3 votes) trombofiliahematologiasanguevascular
Categorias: Medicina

Trombofilia

Vascular Pro - qua, 11/15/2017 - 14:32
Trombofilia: formação de coágulo

Trombofilia é uma condição em que o sangue tem uma maior tendência a formar coágulos. Os coágulos de sangue podem causar problemas como a trombose venosa profunda (TVP) ou embolia pulmonar. Existem diferentes tipos de trombofilia - algumas são hereditárias e algumas são adquiridas, o que significa que elas geralmente se desenvolvem na vida adulta. Muitas vezes a trombofilia é leve. Muitas pessoas com trombofilia não têm problemas relacionados à essa condição. Exames de sangue que avaliam a "cascata da coagulação" podem diagnosticar alguns problemas, mas nem todos. A trombofilia nem sempre requer tratamento, mas algumas pessoas precisam tomar antiagregantes e/ou anticoagulantes, como aspirina, varfarina, xarelto ou outro anticoagulante. Não se auto-medique de maneira nenhuma, este artigo não substitui o seu médico. Consulte o cirurgião vascular ou hematologista. Se você tem trombofilia, aprenda sobre os sintomas de um coágulo de sangue e busque tratamento imediatamente.
O que é trombofilia?
Trombofilia refere-se a um grupos de condições onde o sangue coagula (forma mais trombos) mais facilmente do que o normal. Isso pode levar à formação de coágulos sanguíneos indesejados (chamados de trombose), dentro dos vasos sanguíneos. Estes coágulos podem causar problemas como a trombose venosa profunda (TVP) ou embolia pulmonar. 
O que é uma trombose?
Um coágulo de sangue que se forma dentro de um vaso sanguíneo é conhecido medicamente como um trombo. A trombose é o processo que ocorre para formar um trombo. Um trombo pode bloquear um vaso sanguíneo - esse bloqueio agora também é conhecido como uma tromboseTromboses é a versão no plural para trombose (ou seja, mais de uma).
Quais são os diferentes tipos de trombofilia?
Trombofilias podem ser classificadas como hereditárias ou adquiridas. As hereditárias são genéticas e podem ser transmitidas de pai/mãe para filho/a.
Trombofilias adquiridas não são hereditárias, ou seja, elas não têm nada a ver com seus genes. Geralmente, as trombofilias adquiridas aparecem na idade adulta, decorrentes de algum problema de saúde. Podem acontecer como resultado de outros problemas médicos que se desenvolveram, ou podem ser devido a problemas com o sistema imunológico.
É possível ter um misto de trombofilias, devido em parte a fatores genéticos e em parte à não-genéticos. E a somatória de causas multiplica o risco de trombose.
Conselhos gerais para pessoas com trombofilia

  • Se você estiver em tratamento médico ou planejamento de cirurgia, informe o seu médico/enfermeiro/farmacêutico sobre a trombofilia.
  • Esteja ciente dos sintomas de um aviso de coágulo de sangue - obtenha ajuda médica imediatamente se você suspeitar de um (Veja sintomas).
  • Evite a falta de líquido no corpo (desidratação) bebendo quantidades adequadas de fluidos. Desidratação pode contribuir para a formação de coágulos sanguíneos.
  • Mantenha-se ativo e evite ficar imóvel por longos períodos - imobilidade ajuda a causar coágulos sanguíneos nas pernas (TVP).
  • Cuidado com a medicação: alguns medicamentos aumentam o risco de um coágulo de sangue. Por exemplo, o contraceptivo oral combinado (COC) comprimido ou adesivo e terapia de reposição hormonal (TRH). Você pode ser aconselhada a evitar certos medicamentos, ou mudar para um que não afete a coagulação do sangue.
  • Mantenha um peso saudável - estar com sobrepeso ou obesidade aumenta o risco de coágulos de sangue nas pernas.
  • Para manter os vasos sanguíneos saudáveis (artérias em particular), não fume. Isto é importante se você tem trombofilia de um tipo que pode causar coágulos de sangue nas artérias, já que fumar também promove os coágulos arteriais.

Exame de Parentes
Se você ou sua família tem uma forma hereditária (genética) de trombofilia, você pode ser convidado a considerar exames para si mesmo ou seus parentes próximos. Isto serve para ver se você ou outras pessoas da família têm a mesma condição. No entanto, os benefícios da procura de pessoas com trombofilia que não tiveram um coágulo de sangue ainda, não foram provados. É por isso que existem orientações claras sobre quem deve ser testado.
 
 
 
ARTIGOS RELACIONADOS

 
 
 

Anatomia: 

Veias e artérias periféricas

Causa: 

O que causa trombofilia?
O corpo tem um processo natural de coagulação no sangue, cientificamente chamado de cascata da coagulação, onde um evento quimico desencadeia outro evento até a formação do coágulo. Na trombofilia algum ponto dessa cascata é alterada.
O processo de coagulação normal é chamado hemostasia. E ela faz parte do equilibrio natural, pois a coagulação também é muito importante que ocorra no momento certo. A hemostasia ajuda a parar o sangramento caso você sofra uma lesão, como um corte. Quando um vaso sanguíneo é lesado, o processo de coagulação é ativado. Isto é chamado de cascata de coagulação. É uma reação em cadeia de diferentes substâncias químicas no sangue que são chamadas de fatores de coagulação. A cascata de coagulação faz com que o sangue solidifique em um coágulo, que se adere à parte lesada do vaso sanguíneo. Pequenas partículas no sangue, chamadas plaquetas, também ajudam a formar o coágulo.
Existem também substâncias químicas naturais no sangue que agem contra o sistema de coagulação, para impedir o sangue de coagular demais. 
A trombofilia ocorre se o equilíbrio normal do sistema de coagulação for perturbado. Pode haver muito de um fator de coagulação, ou muito pouco de uma substância que se opõe a coagulação.
 
A trombofilia pode causar coágulos sanguíneos indesejados (tromboses). Isso não significa que todas as pessoas com trombofilia irão desenvolver um coágulo de sangue. Mas, isso significa que você tem um risco maior do que o normal de ter coágulos. O risco extra vai depender do tipo de trombofilia que você possui.
Quais são os diferentes tipos de trombofilia?
Aqui explicamos os tipos mais comuns de trombofilia, embora não abranja todas as condições.
Trombofilias hereditárias
 
Fator V Leiden
Esta é pronunciada como 'fator V de Leiden'. É bastante comum em pessoas de origem europeia - cerca de 1 em cada 20 europeus têm gene fator V de Leiden. Este gene afeta a parte do fator V da cascata da coagulação, tornando o processo de coagulação prolongado. Aumenta o risco de um coágulo de sangue em uma veia em cerca de oito vezes. Ainda é um risco relativamente baixo de não desenvolver problemas, para a maioria das pessoas com fator V de Leiden. Algumas pessoas herdam dois genes de fator V de Leiden - um gene de cada pai (conhecido como 'homozigoto para o fator V de Leiden'). Isso é menos comum, mas torna o risco muito maior - cerca de oitenta vezes o risco normal.
Protrombina 20210
Protrombina é um fator de coagulação, e pessoas com o gene 20210 têm uma mudança em sua protrombina que torna mais fácil ter coágulo. Cerca de 1 em 50 pessoas de origem europeia têm este gene; é mais comum em pessoas de origem sul-europeia. Aumenta o risco de ter um coágulo de sangue em uma veia para o dobro do risco normal. Este é um risco relativamente baixo, de modo que a maioria das pessoas com a protrombina 20210 não desenvolve um coágulo de sangue.
Deficiência de proteína C
A proteína C é um anticoagulante natural químico no sangue. A deficiência pode ser genética, ou devido a outras condições, tais como a doença renal. Com deficiência de proteína C hereditária, o risco de formar um coágulo de sangue varia entre as famílias. Isso ocorre porque cada família tem uma alteração diferente no gene da proteína C. A melhor referência para o seu nível de risco é se você ou seus parentes tiveram um coágulo de sangue. Se uma criança herda dois genes com deficiência de proteína C (um de cada pai - isto é muito raro), ela terá um problema mais grave. Ela terá coágulos de sangue na pele logo após o nascimento (uma condição chamada púrpura fulminante neonatal). Isto é tratado com concentrados de proteínas C e medicação para afinar o sangue (anticoagulante).
Deficiência de proteína S
A proteína S é também um anticoagulante natural químico no sangue. Deficiência de proteína S é rara. O risco de formar um coágulo de sangue varia entre as famílias. O melhor guia para seu risco é ver se outros parentes tiveram um coágulo de sangue.
Deficiência de antitrombina
Antitrombina é outro dos produtos químicos anticoagulantes naturais no sangue. Existem diferentes tipos de deficiência de antitrombina, genética e devido a outras doenças. A forma hereditária é rara, afetando cerca de 1 em 2.000 pessoas.
A deficiência de antitrombina é um tipo bastante grave de trombofilia. O risco de ter um coágulo de sangue varia entre as famílias, mas pode ser aumentado em 25 a 50 vezes o risco normal. Com essa condição, um coágulo de sangue pode ocorrer não apenas nas pernas ou pulmão, mas também nas veias dos braços, barriga, cérebro ou fígado. Cerca de 1 em 2 pessoas com deficiência de antitrombina desenvolvem um coágulo de sangue antes da idade de 30 anos. Outros, no entanto, podem chegar a idade idosa sem problemas.
Com esta condição, se você desenvolver um coágulo de sangue, você pode ser aconselhado a tomar a medicação de varfarina a longo prazo. No entanto, isto deve ser decidido em uma base individual. Também, pode ser dado tratamento com concentrados de antitrombina, quando há um risco maior de ter um coágulo de sangue - por exemplo, se você fizer uma grande cirurgia.
Com a gravidez, o tratamento anticoagulante com heparina é geralmente necessário. Tratamento com concentrados de antitrombina também podem ser usados.
Nota: as crianças podem ter deficiência de antitrombina; os pais precisam estar cientes para que possam detectar sinais de um coágulo de sangue. Embora a maioria das crianças não desenvolvam um coágulo de sangue, elas estão em risco de situações tais como a cirurgia. Alguns bebês recém-nascidos desenvolvem coágulos de sangue também. Pode ser necessário tratamento anticoagulante ou concentrado de antitrombina. Os pais que têm deficiência de antitrombina em si e estão esperando um filho, devem discutir isto com seu médico.
Disfibrinogenemia
Este é um defeito genético raro onde um químico que dissolve o coágulo chamado fibrinogênio não funciona normalmente. Pode haver aumento de coagulação, aumento no sangramento ou ambos.
Combinado com trombofilia hereditária
Algumas pessoas herdam mais de um gene de trombofilia - por exemplo, fator V Leiden e mais protrombina 20210. Com trombofilias combinadas, o risco de desenvolver um coágulo sanguíneo é multiplicado e há um risco muito maior do que em qualquer condição sozinha.
Trombofilias adquiridas
Trombofilias adquiridas não são hereditárias e geralmente começam na idade adulta.
Síndrome antifosfolípide (APS). Esta é também conhecida como síndrome de Hughes. É causada por certas substâncias químicas no sistema imunológico (anticorpos) no sangue, que são chamados de anticorpos antifosfolipídios. APS pode causar a formação de um coágulo de sangue nas artérias e em pequenos vasos sanguíneos, bem como nas veias. APS pode afetar a gravidez em alguns casos. Muitas mulheres com APS não tem problemas na gravidez. No entanto, a APS pode causar aborto, ou outros problemas - restrição de crescimento fetal, pré-eclâmpsia ou, raramente, morte fetal. Estes problemas podem ser reduzidos pelo tratamento.
A APS/AAF pode ser tratada com aspirina em baixa dose, que é útil na gravidez. Se você teve um coágulo de sangue, então, é geralmente aconselhada a varfarina em vez disso (ou heparina se você estiver grávida). 
Outras condições adquiridas
Outras condições podem aumentar o risco de um coágulo de sangue. Alguns médicos as classificam como trombofilias. Exemplos são determinados por distúrbios que afetam as plaquetas, transtornos na medula óssea, alguns problemas renais, doença inflamatória intestinal e câncer avançado.
Misto de trombofilias hereditárias/adquiridas
Estas são devidas à genética e a causas não-genéticas.
Hiper-homocisteinemia
Esta se trata de um nível elevado no sangue de uma substância química chamada homocisteína, que serve para aumentar o risco de coágulos de sangue arteriais e venosos. Danifica os vasos sanguíneos. Esta é uma condição relativamente leve, mas pode adicionar ter um coágulo de sangue aos fatores de risco. Vitamina B12 e ácido fólico podem ajudar.
Hemoglobinúria paroxística noturna
Esta é uma condição rara que afeta a medula óssea. Pode levar à coágulos de sangue venosos, muitas vezes em locais incomuns tais como as veias do intestino, fígado ou cérebro. Pode ser necessária a anticoagulação e existem outros tratamentos também para essa condição.
Níveis elevados de fator VIII 
É pronunciado como 'fator 8'. É devido a níveis anormalmente elevados de fator VIII, que é uma das substâncias que promove a coagulação do sangue. Dependendo do nível real de fator VIII, pode aumentar o risco de coagulação por cerca de seis vezes - este é um risco relativamente baixo para o desenvolvimento de um coágulo de sangue.

Diagnóstico Diferencial: 

Como é diagnosticada a trombofilia?
Pode haver suspeita de Trombofilia se um parente de sangue teve um coágulo sanguíneo em uma idade jovem (menos de 40 anos). Também pode haver suspeita se você desenvolver um coágulo de sangue que não seria esperado, dado a sua idade e saúde geral.
Uma das coisas mais importantes é que exames de trombofilia não são feitos rotineiramente em todo mundo que tem um coágulo de sangue. Somente certas pessoas precisam fazer estes exames - onde o resultado vai mudar a forma como você é tratado. Os exames são caros e às vezes não se sabe como o resultado afetará suas chances no futuro de ter um coágulo de sangue. Isto pode ser muito difícil de entender, mas muitas vezes, se você acabou de ter um coágulo de sangue, você fará tratamento (anticoagulante) para diluir o sangue, e evitar novos trombos, em todo o caso. Isto vai ser feito se você tiver ou não tiver uma trombofilia. Se você teve um coágulo de sangue não provocado uma vez (o que significa que aconteceu sem causa aparente), você será classificado como tendo um risco mais elevado de um coágulo de sangue no futuro, de qualquer maneira. Este será o caso de ter ou não um exame positivo para trombofilia.
Quais são os exames para trombofilia?
A trombofilia é diagnosticada por exames de sangue.
Os exames são feitos algumas semanas ou meses depois de ter uma TVP ou embolia pulmonar, já que a presença dessas condições pode afetar os resultados. Normalmente você tem que esperar até que você tenha tido a diluição da medicação (anticoagulante), como a varfarina, por 4-6 semanas. Se você recentemente esteve grávida, os exames podem ter que ser adiados por oito semanas. Isso ocorre porque os resultados na gravidez podem ser muito mais difíceis de entender.
Uma amostra de sangue é tomada e um número de diferentes exames serão feitos sobre ela, para verificar as diferentes partes do processo de coagulação. Geralmente, os exames são feitos em dois estágios. O primeiro exame é uma sequencia de trombofilia que consiste em alguns exames básicos de coagulação. Se os resultados sugerem que a trombofilia é possível, em seguida, outra amostra de sangue será tirada para exames mais detalhados.
Você pode ser encaminhado para um médico especializado em doenças do sangue (hematologista) ou para o cirurgião vascular. Geralmente, o médico irá perguntar sobre seu histórico e histórico familiar. Isso ajudará com a interpretação dos resultados do exame.
Todas as trombofilias podem ser diagnosticadas em exames?
É provável que existam alguns tipos de trombofilia que ainda não podemos identificar ou testar. Isso ocorre porque existem algumas pessoas ou famílias que têm mais coágulos de sangue do que normalmente seria esperado, ainda que dê negativo nos exames de trombofilia. Nessa situação, pode ser aconselhável fazer tratamento de trombofilia, mesmo se você não tiver um diagnóstico definitivo.
Portanto, exames negativos não excluem a possibilidade de que você tenha herdado um risco aumentado de ter coágulos de sangue. Existem fatores desconhecidos ainda.
Quem deve ser testado para trombofilia?
As diretrizes atuais sugerem que exames de trombofilia devem ser considerados nas seguintes situações:

  • Se você teve uma trombose venosa profunda ou embolia pulmonar com menos de 40.
  • Se você teve repetidos episódios de trombose venosa profunda ou embolia pulmonar ou veias inflamadas (tromboflebite).
  • Se você teve uma trombose venosa em um local incomum (por exemplo, a barriga  - abdômen - ou cérebro) - em algumas circunstâncias, pois estas podem ser causadas por outras condições.
  • Tromboses inexplicáveis em bebês recém-nascidos.
  • Bebês ou crianças com uma doença rara chamada púrpura fulminante neonatal.
  • Se você desenvolver necrose de pele, onde partes da pele são perdidas devido a coágulos em ou sob a pele, devido a medicamentos como a varfarina.
  • Se você tem uma trombose arterial ocorrendo com idade inferior a 40 anos.
  • Se você é um parente de sangue de alguém com certos tipos de trombofilia de alto risco - com as deficiências de proteína C e proteína S, em algumas circunstâncias.
  • Algumas mulheres grávidas que tiveram uma trombose no passado devido a um fator provocador leve. (No entanto, uma mulher grávida com um histórico de trombose não provocada não necessita de exame, já que ela precisa de medicação para afinar o sangue (anticoagulantes) de qualquer forma durante a gravidez).
  • Se você tem um histórico familiar de trombose venosa em pelo menos dois parentes.
  • Se você tiver determinados resultados no exame de sangue: um tempo prolongado de tromboplastina parcial ativada (TTPA) inexplicável - um resultado anormal em um determinado tipo de exame de coagulação do sangue. Algumas pessoas com outras condições médicas (porque às vezes, estas podem estar ligadas a trombofilia):

Mesmo se houver uma trombofilia conhecida na família, você pode não ser testado para isso se for leve, e se você não teve um coágulo de sangue. Isto porque você é assintomático (não têm sintomas). Saber se você tem esse defeito herdado não vai mudar como você é tratado. Você provavelmente não precisará de anticoagulantes porque não se sabe quão aumentado é o seu risco de coagulação anormal do sangue. O tratamento com medicação anticoagulante deve ser cuidadosamente avaliado, já que seu uso também tem certos riscos, como o sangramento.

 

Epidemiologia: 

Em termos epidemiológicos, a associação de dois ou mais fatores de risco congênitos gera aumento na incidência de trombose. Assim, a ocorrência de um fator de risco, não congênito, nos pacientes afetados, age cumulativamente e aumenta o risco da doença trombótica.

Fatores de Risco: 

Doenças genéticas da cascata da coagulação e doenças adquiridas.

Evolução Natural: 

Geralmente, não há nenhuma complicação, pois estatísticamente há muito mais casos de trombofilias leves do que graves. Muitas formas de trombofilia são leves, de modo que muitas pessoas com trombofilia não têm problemas gerados pela sua condição. Também, o tratamento feito com êxito pode prevenir complicações em muitos casos.

Prevenção Primária: 

Prevenção da TVP
Certas situações temporariamente podem colocá-lo em alto risco de ter um coágulo de sangue, e nessas situações, você pode ser aconselhado a ter um tratamento extra por um tempo. Exemplos disso são a gravidez e após o parto, uma doença grave, uma grande cirurgia, ou qualquer coisa que o imobilize, tal como viagens ou uma operação. Meias especiais como as meias de vôo ou meias de compressão também podem ser recomendadas para ajudar a prevenir uma TVP.
Veja também: Prevenção de trombose em viagem de avião.

 

Sinais ou Sintomas: 

Quais são os sintomas da trombofilia?
Não há nenhum sintoma a não ser a trombofilia resultante de um coágulo sanguíneo (trombose). Ou seja, muitas pessoas com trombofilia não irão desenvolver um coágulo de sangue e não apresentam sintomas. Os sintomas aparecem após a formação do trombo.
Quais são os sintomas de coágulos sanguíneos?
Coágulos de sangue podem se formar nas artérias e veias. As artérias são vasos sanguíneos que levam sangue para longe do coração, para os órgãos e tecidos do corpo. As veias são vasos sanguíneos que trazem o sangue do resto do corpo de volta ao coração.
Veja: TVP
 
 
 
Um coágulo de sangue em uma veia é o problema mais comum com a trombofilia - isso é chamado de trombose venosa. Sintomas possíveis são:

  • Dor e inchaço em uma perna. Isso ocorre se você tem um coágulo de sangue em uma grande veia em uma perna. Isto é comumente conhecido como uma trombose venosa profunda (TVP). Uma TVP pode ocorrer em qualquer veia do seu corpo, mas afeta mais frequentemente uma veia da perna.
  • O coágulo de sangue pode viajar para o coração e entrar em um pulmão, causando embolia pulmonar. Possíveis sintomas são dor no peito, dor na respiração profunda, falta de ar ou, raramente, colapso.
  • Alguns tipos de trombofilia podem provocar um coágulo sanguíneo em um local incomum, como o cérebro, intestino ou fígado. Isso pode causar sintomas na cabeça ou na barriga (abdômen). Um coágulo de sangue nas veias hepáticas é chamado de síndrome de Budd-Chiari.

Um coágulo de sangue em uma artéria pode ocorrer com alguns tipos de trombofilia. Isso é chamado de trombose arterial. Dependendo de qual artéria é afetada, um coágulo de sangue em uma artéria pode causar um acidente vascular cerebral, ataque cardíaco ou problemas com a placenta durante a gravidez. Portanto, os sintomas possíveis de trombose arterial devido à trombofilia são:

  • Ter um acidente vascular cerebral em uma idade relativamente jovem.
  • Abortos espontâneos repetidos.
  • Problemas de gravidez: pré-eclâmpsia, redução do crescimento fetal ou, raramente, morte fetal (morte fetal ou morte intrauterina).
  • Um ataque cardíaco.

É importante lembrar que todas estas condições podem ser devido a causas que não sejam a trombofilia. Por exemplo, tabagismo, hipertensão arterial, diabetes e colesterol alto são os principais fatores de risco para o desenvolvimento de problemas, tais como ataques cardíacos e derrames.
Por este motivo, nem todo mundo com um derrame ou ataque cardíaco é testado para trombofilia, pois não é uma causa comum.

 

Prognóstico: 

A doença genética não pode ser tratada. Não há terapia de genes para mudar os seus. O tratamento é feito para evitar a doença e suas complicações. Portanto, o prognóstico depende muito do tipo de trombofilia, da quantidade de fatores envolvidos e do tratamento necessário.

Tratamentos Possíveis: 

Sempre procure seu médico para indicar o melhor tratamento. Não faça auto medicação.

 
Qual é o tratamento para a trombofilia?
O primeiro passo que você e seu médico devem considerar é quanto risco há para o desenvolvimento de um coágulo de sangue. Esse risco depende de uma combinação de coisas, tais como:

  • Que tipo de trombofilia você tem (algumas são de mais alto risco de coágulo sanguíneo do que outras).
  • Sua idade, peso, estilo de vida e outras condições médicas.
  • Se você esteve grávida ou se tiver dado à luz recentemente.
  • Se você já teve um coágulo de sangue.
  • Histórico da sua família - se parentes próximos tiveram um coágulo de sangue.

Esta informação vai ajudar o médico a avaliar quanto risco você tem de desenvolver um coágulo de sangue e que tipo de coágulo de sangue poderia ocorrer. Então você e seu médico podem discutir os prós e contras do tratamento e, se necessário, qual o tipo de tratamento a tomar.
Possíveis tratamentos para trombofilia são:
 
Aspirina em baixa dose
Aspirina em baixa dose inibe a ação de plaquetas, para que possa ajudar a prevenir coágulos sanguíneos. Ela também pode ajudar a prevenir abortos ou problemas na gravidez, em alguns tipos de trombofilia.
 
Tratamento anticoagulante
A anticoagulação é muitas vezes chamada de afinamento do sangue. No entanto, ela não afina o sangue realmente. Ela altera certas substâncias químicas no sangue para impedir que coágulos de sangue se formem tão facilmente - com efeito, retarda o processo de coagulação. Ela não dissolve um coágulo de sangue (como algumas pessoas incorretamente pensam). Os mecanismos de cura do corpo podem então começar a trabalhar para romper qualquer coágulo de sangue existente.
A anticoagulação pode reduzir significativamente a chance de formação de um coágulo de sangue. Medicação anticoagulante é comumente usada para tratar uma trombose venosa (tal como uma TVP) ou uma embolia pulmonar.
Para trombofilia, a medicação anticoagulante pode ser recomendada se:

  • Você teve um coágulo de sangue, para evitar mais um.
  • Você não teve um coágulo de sangue... mas tem um alto risco de desenvolver um.
  • Você tem uma situação temporária que o coloca em risco elevado de um coágulo de sangue. Este pode ser o caso se você estiver grávida, no prazo de seis semanas após o parto, ou se esteve imóvel por um longo período.

Medicamentos anticoagulantes também são dados por injeção (por exemplo, heparina) ou podem ser tomados como um comprimido. A varfarina é o medicamento anticoagulante em comprimido mais comumente utilizado. Outros anticoagulantes tomados em forma de comprimido incluem apixaban, edoxaban, dabigatran (pradaxa) e rivaroxabana (xarelto).
Varfarina é o anticoagulante usual. No entanto, leva alguns dias para os comprimidos de varfarina funcionarem plenamente. Portanto, injeções de heparina (dadas frequentemente sob a pele) são usadas junto com varfarina nos primeiros dias (normalmente, cinco dias) para efeito imediato se você atualmente tiver um coágulo de sangue. Se você está começando a varfarina e não tem um coágulo de sangue (ou seja, é apenas para evitar um), você não vai precisar de injeções de heparina no começo.
O objetivo é apenas conseguir a dose de varfarina correta, para que o sangue não possa coagular facilmente. Muita varfarina pode causar problemas de sangramento. Para obter a dose certa, você vai precisar de um exame de sangue regular, chamado de Índice Internacional Normalizado (IINR), enquanto você toma varfarina. A dose é ajustada individualmente de acordo com o resultado deste exame de sangue. O INR é um exame de sangue que mede a sua capacidade de coagulação do sangue. Você precisa fazer os exames muitas vezes no início, mas fará menos frequentemente uma vez que a dose correta é encontrada.
Um INR de 2,5 é geralmente o objetivo se você tomar varfarina para impedir um coágulo de sangue na trombofilia ou para tratar uma TVP ou embolia pulmonar. No entanto, qualquer lugar na faixa de 2-3 geralmente é bom. Se você teve TVP recorrente, ou teve uma embolia pulmonar, enquanto na varfarina, talvez seja necessário um INR maior (um sangue ainda mais ‘fino’). Exames de sangue de INR geralmente podem ser feitos em um ambulatório, ou às vezes através do seu clínico geral. Você pode ser aconselhado a tomar varfarina ao longo da vida para prevenir coágulos sanguíneos, se você tiver trombofilia. Ou, você pode fazer tratamento a curto prazo para a sua atual TVP ou embolia pulmonar (geralmente 3-6 meses).
A heparina é um anticoagulante injetável. A heparina padrão é administrada por via intravenosa (IV), o que significa que é diretamente na veia - geralmente no braço. Este tipo de heparina é dada no hospital e monitorada com exames de sangue.
Heparina de baixo peso molecular (HBPM) é injetada na pele sobre a barriga inferior (abdômen). Pode ser dada em casa, ou por uma enfermeira local, ou você pode ser ensinado a se auto-injetar (ou um cuidador pode fazer por você). Não precisa de exames de sangue para monitorá-la. Doses diferentes são usadas para o tratamento de um coágulo de sangue existente e prevenção (profilaxia). Existem diferentes marcas de injeção de heparina; as mais comuns que você pode ver sendo usadas são Clexane® e Fragmin®.
 
Tratamento na gravidez
Se você está... grávida ou planejando uma gravidez, discuta com seu médico e informe sua parteira e o seu médico especializado em gravidez e parto (obstetra) sobre a trombofilia. O tratamento para trombofilia pode ser diferente na gravidez porque:

  • Algumas mulheres com certos tipos de trombofilia são aconselhadas a tomar aspirina em baixa dose durante a gravidez, para ajudar a evitar problemas de aborto ou gravidez.
  • A gravidez em si aumenta o risco de uma trombose venosa profunda - isso se aplica a toda a gravidez e especialmente nas seis semanas após o parto. Então você pode ser aconselhado a iniciar o tratamento anticoagulante durante a gravidez ou após o parto. Isso vai depender do seu tipo de trombofilia e do seu histórico médico.
  • Se você estava tomando varfarina, normalmente seria aconselhável mudar para heparina em vez disso. Isso porque a heparina é mais segura para o feto (há uma chance significativa de que a varfarina possa causar anormalidades fetais). Tanto heparina quanto a varfarina são seguras para amamentar.
Complicações Possíveis: 

Quais são as complicações da trombofilia - e qual é a perspectiva (prognóstico)?
Uma embolia pulmonar, acidente vascular cerebralataque cardíaco ou um coágulo de sangue no cérebro ou na barriga (abdômen) pode ser uma condição fatal. O tratamento precoce pode ser o seu salva-vidas e reduz as complicações. Portanto, é importante estar ciente dos sintomas e procurar tratamento imediatamente se você suspeitar de qualquer tipo de coágulo de sangue.
Como mencionado acima, alguns tipos (não todos) de trombofilia podem aumentar a chance de problemas na gravidez. Seu médico pode aconselhá-la, vai depender do tipo de trombofilia e também varia entre indivíduos. No entanto, muitas mulheres com trombofilia têm gestações bem sucedidas.
Também podem haver complicações devido ao tratamento para afinar o sangue (anticoagulantes). Aspirina, heparina, varfarina e xarelto, podem ter efeitos colaterais, principalmente sangramentos indesejados, como hemorragia interna no revestimento do estômago. Por este motivo, é importante para você e seu médico ponderar os prós e contras do tratamento. Sua situação individual e preferências precisam ser levadas em conta.

 

Código: D68 Select ratingGive Trombofilia 1/5Give Trombofilia 2/5Give Trombofilia 3/5Give Trombofilia 4/5Give Trombofilia 5/5 Average: 5 (1 vote) trombofiliahematologiasanguevascular
Categorias: Medicina

Restrições para FIV

Fertilidade - qua, 11/15/2017 - 13:28
Restrições

FIV

Existem algumas restrições para pacientes que farão a FIV:

  • Atividade fisica: evitar atividade extenuante que envolva o levantamento de objetos pesados, certos exercicios aerobicos, corridas e levantamento de peso durante a estimulação ovariana
  • Medicações: Se estiver tomando medicamentos, é importante avisar seu médico especialista em reprodução humana porque as medicações podem interferir com as medicações de fertilidade, ovulação ou mesmo na implantação do embrião durante o ciclo de FIV
  • Álcool e Tabaco: É importante que você não consuma nenhum alcool a partir do momento que você começa os medicamentos de fertilidade até o teste de gravidez, e também após
fivorientaçõesO que você achou deste conteúdo?:  5 Average: 5 (1 vote)
Categorias: Medicina

Restrições para FIV

Fertilidade - qua, 11/15/2017 - 13:28
Restrições

FIV

Existem algumas restrições para pacientes que farão a FIV:

  • Atividade fisica: evitar atividade extenuante que envolva o levantamento de objetos pesados, certos exercicios aerobicos, corridas e levantamento de peso durante a estimulação ovariana
  • Medicações: Se estiver tomando medicamentos, é importante avisar seu médico especialista em reprodução humana porque as medicações podem interferir com as medicações de fertilidade, ovulação ou mesmo na implantação do embrião durante o ciclo de FIV
  • Álcool e Tabaco: É importante que você não consuma nenhum alcool a partir do momento que você começa os medicamentos de fertilidade até o teste de gravidez, e também após
fivorientaçõesO que você achou deste conteúdo?:  5 Average: 5 (1 vote)
Categorias: Medicina

Aborto recorrente e tardio: exames e tratamento de casais

Fertilidade - qua, 11/15/2017 - 13:28

Sofrer um aborto pode ser muito angustiante. Ter vários abortos ou um aborto tardio pode ser devastador. Esta página é para você que teve três ou mais abortos precoces ou um ou mais abortos tardios.

Vamos falar sobre

  • o que sabemos sobre as razões do aborto recorrente e aborto tardio
  • recomendações para exames e tratamento para casais nesta situação.

Assim você pode se ajudar e a sua equipe de saúde pode tomar as melhores decisões sobre seus cuidados. Não substitui o aconselhamento de um médico.

O que é um aborto?

Se você perder um bebê antes das 24 semanas de gravidez, isso é chamado de aborto espontâneo. Se isso acontecer nos primeiros 3 meses da gravidez, é conhecido como um aborto precoce. Infelizmente, os abortos precoces são comuns, ocorrendo em cerca de 10 a 20 em cada 100 gestações (10-20%).

Abortos tardios, que ocorrem depois de 3 meses de gravidez, mas antes de 24 semanas, são menos comuns: 1 a 2 em cada 100 (1-2%) gestações culminam em aborto tardio.

O que é um aborto recorrente?

Quando um aborto espontâneo acontece três ou mais vezes seguidas, é chamado de aborto espontâneo recorrente. O aborto recorrente afeta 1 em cada 100 (1%) casais tentando ter um bebê.

Por que o aborto recorrente e o aborto tardio acontecem?

Às vezes, há uma causa encontrada para o aborto recorrente e tardio. Em outros casos, não há problema subjacente que possa ser descoberto. A maioria dos casais provavelmente terá uma gravidez bem sucedida no futuro, particularmente se os resultados dos exames e acompanhamento com médico estejam normais.

Há uma série de fatores que podem desempenhar um papel na causa do aborto recorrente e tardio:

  • Idade

Quanto mais idade, maior o risco de ter um aborto espontâneo. Se a mulher tem mais de 40 anos, mais de 1 em cada 2 gestações terminam em um aborto espontâneo. Abortos espontâneos também podem ser mais comuns se o pai for mais velho.

  • Síndrome antifosfolípide (APS)

APS (uma síndrome que torna o seu sangue mais provável coagular) é incomum, mas é uma causa de aborto recorrente e aborto tardio.

  • Trombofilia

Trombofilia (uma condição hereditária - genética ou não - que significa que seu sangue está mais sujeito a coagular) pode causar aborto recorrente e, em particular, abortos tardios.

  • Fatores genéticos

Em aproximadamente 2 a 5 em cada 100 casais (2-5%) com aborto recorrente, um dos parceiro terá uma anormalidade em um dos seus cromossomos (estruturas genéticas dentro de nossas células que contêm o nosso DNA e as características que herdamos de nossos pais). Embora essa alteração possa não afetar o pai, às vezes pode causar um aborto.

  • Colo do útero fraco (insuficiência/imcompetência do colo uterino)

Fraqueza do colo do útero é conhecida por ser uma das causas de aborto entre 14 e 23 semanas de gravidez. Isto pode ser difícil de diagnosticar quando você não está grávida. Pode ser uma suspeita se em uma gestação anterior sua bolsa rompeu cedo, ou se o colo do útero abriu sem qualquer dor.

  • Problemas de desenvolvimento do bebê

Algumas anomalias do bebê podem levar a um aborto, mas é improvável que seja a causa de aborto espontâneo recorrente.

  • Infecção

Qualquer infecção que te fez muito mal pode provocar um aborto. Infecções mais leves que afetam o bebê também podem provocar um aborto. Desconhece-se o papel das infecções no aborto recorrente.

  • Forma do útero

Não é claro quanto um útero de forma anormal contribui para o aborto recorrente ou abortos tardios. No entanto, pequenas variações não parecem provocar aborto.

  • Problemas de tiroide e diabetes

Diabetes ou distúrbios da tireoide podem ser fatores dos abortos. Eles não causam aborto recorrente, enquanto são tratados e mantidos sob controle.

  • Fatores imunológicos

Tem sido sugerido que algumas mulheres abortam porque seu sistema imunológico não responde ao bebê da forma habitual. Isso é conhecido como uma reação auto-imune. Não há nenhuma evidência para apoiar essa teoria no momento. Pesquisa adicional é necessária.

Existem outros fatores de risco?

Excesso de peso aumenta o risco de aborto. Fumar e tomar muita cafeína também podem aumentar o risco. Excesso de álcool é conhecido por ser prejudicial para um bebê em desenvolvimento e beber cinco ou mais unidades por semana pode aumentar o risco de aborto.

A chance de mais um aborto aumenta ligeiramente com cada aborto. As mulheres com três abortos consecutivos têm uma chance de 4 em cada 10 de ter outro. Isto significa que 6 em cada 10 mulheres (60%) nesta situação vão ter um bebê na próxima vez.

Por que as investigações são úteis?

Descobrir se há uma causa para seu aborto recorrente ou aborto tardio é importante, pois assim seu médico será capaz de lhe dar uma ideia sobre a sua probabilidade de ter uma gravidez bem sucedida. Em um pequeno número de casos pode haver tratamento disponível para ajudá-la.

Que investigações/exames podem ser feitos?

Exames de sangue:

  • Para APS. APS é diagnosticada se der positivo em duas ocasiões com 12 semanas de intervalo, antes de você engravidar novamente.
  • Para trombofilia. Se você teve um aborto tardio, você pode fazer exames de sangue para certas trombofilias hereditárias.
  • Para checar os seus cromossomos e do seu parceiro para anormalidades. Você pode ser fazer este exame se seu bebê tiver demonstrado ter cromossomos anormais.

Exames para anomalias no bebê

Você pode precisar fazer exames para verificar se há anormalidades nos cromossomos de seu bebê. Isto não é sempre possível, mas pode ajudar a determinar a sua chance de abortar novamente.

Se você teve um aborto tardio, também pode ser indicado um exame pós-morte do seu bebê. Isto não acontecerá sem o seu consentimento, e você terá a oportunidade de discutir isso de antemão com sua equipe de saúde.

Exames para anormalidades na forma do seu útero.

Uma ultra-sonografia pélvica para verificar se há qualquer anormalidade na forma do seu útero. Se houver suspeita de uma anormalidade, outras investigações podem incluir uma histeroscopia (um procedimento para examinar o útero através de uma pequena câmera que é passada através da vagina e do colo do útero) ou uma laparoscopia (um procedimento no qual um cirurgião usa uma câmera bem fina para olhar dentro do abdômen e da pelve).

Exames para infecção

Se você já teve um aborto tardio, exames como amostras de sangue e papanicolau podem ser colhidos no momento para procurar por qualquer fonte de infecção.

Quais são minhas opções de tratamento?

Tratamento para APS

Se você tem APS e teve aborto irregular recorrente ou um aborto tardio, o tratamento com comprimidos de aspirina em baixa dose e injeções de heparina na gravidez podem aumentar sua chance de ter um bebê, desde que não tenha contra-indicações. Aspirina e heparina tornam o seu sangue menos provável de coagular e são seguras para tomar durante a gravidez.

Ter APS significa que você está com risco aumentado de complicações durante a gravidez, como pré-eclâmpsia, problemas com o crescimento do seu bebê e parto prematuro. Você deve ser monitorada cuidadosamente para que possa ser receber tratamento para quaisquer problemas que possam surgir.

Tratamento para trombofilia

Se você tem uma tendência genética de hipercoagulação do sangue (trombofilia) e teve um aborto espontâneo entre 12 e 24 semanas de gravidez, pode ser necessário receber tratamento com heparina.

Neste momento não há evidências suficientes para dizer se a heparina irá reduzir suas chances de aborto espontâneo, se você teve abortos precoces (até 12 semanas de gravidez). No entanto, você pode ser ainda indicada ao tratamento para reduzir o risco de um coágulo de sangue durante a gravidez. Seu médico irá discutir o que seria recomendado no seu caso em particular.

Encaminhamento para aconselhamento genético

Se você ou seu parceiro tem uma anomalia cromossômica, você deve ser indicada a oportunidade de ver um especialista chamado de geneticista clínico. Ele discutirá com você quais são suas chances para futuras gestações e irá explicar quais são as suas escolhas. Isso é conhecido como aconselhamento genético.

Monitoramento e tratamento para um colo do útero fraco

Se você já teve um aborto espontâneo entre 14 e 24 semanas e teve um diagnóstico de colo do útero fraco, pode ser necessário para uma cirurgia para colocar um ponto no colo do seu útero (cerclagem). Isso geralmente é feito através da vagina às 13 ou 14 semanas de gravidez sob anestesia geral ou raquianestesia. Seu médico deve discutir a cirurgia com você.

Se não está claro se seu aborto tardio foi causado por um cérvix fraco, podem ser indicados exames de ultra-som vaginal durante a gravidez para medir o comprimento do seu colo do útero. Isso pode dar informações sobre quão provável você está de abortar. Se o seu colo uterino é menor do que deveria ser antes de 24 semanas de gravidez, pode ser indicada uma operação para colocar um ponto no colo do seu útero.

Cirurgia do útero

Se uma anomalia é encontrada em seu útero, pode ser indicada uma operação para corrigir isso.

Tratamento hormonal

Foi tentado progesterona ou hormônios de gonadotrofina coriônica humana no início da gestação para evitar aborto recorrente, porém mais evidências são necessárias para mostrar se isso funciona.

Imunoterapia

O tratamento para prevenir ou modificar a resposta do sistema imunológico (conhecido como imunoterapia) não é recomendado para mulheres com aborto recorrente. Não foi provado que funciona, não melhora as chances de um nascimento vivo e pode levar a sérios riscos (incluindo a reação à transfusão, choque alérgico e hepatite).

E se nenhuma causa é encontrada?

Onde não há uma causa para o aborto recorrente ou aborto tardio, não há, atualmente, nenhuma evidência de que o tratamento de heparina e aspirina reduza a chance de um outro aborto espontâneo. Por esse motivo, este tratamento não é recomendado habitualmente, embora tenha relatos de êxito.

O que isso significa para nós no futuro?

Você e seu parceiro devem ser vistos juntos por um especialista em fertilidade. Dentro de uma clínica dedicada.

Seu médico conversará com você tanto sobre sua situação particular quanto a sua probabilidade de sofrer um novo aborto e uma gravidez bem sucedida. Se a causa foi encontrada, as opções possíveis de tratamento serão oferecidas para melhorar suas chances de uma gravidez bem sucedida.

As mulheres que têm cuidados de apoio com médico especialista desde o início da gravidez, têm mais chances de um parto bem sucedido. Para casais onde nenhuma causa para o aborto recorrente foi encontrada, 75 em cada 100 (75%) terão uma gravidez bem sucedida com este cuidado.

Vale lembrar que, estatisticamente, a maioria dos casais terá uma gravidez bem sucedida na próxima vez, mesmo depois de três abortos consecutivos

abortotratamentoO que você achou deste conteúdo?:  0 No votes yet
Categorias: Medicina

Aborto recorrente e tardio: exames e tratamento de casais

Fertilidade - qua, 11/15/2017 - 13:28

Sofrer um aborto pode ser muito angustiante. Ter vários abortos ou um aborto tardio pode ser devastador. Esta página é para você que teve três ou mais abortos precoces ou um ou mais abortos tardios.

Vamos falar sobre

  • o que sabemos sobre as razões do aborto recorrente e aborto tardio
  • recomendações para exames e tratamento para casais nesta situação.

Assim você pode se ajudar e a sua equipe de saúde pode tomar as melhores decisões sobre seus cuidados. Não substitui o aconselhamento de um médico.

O que é um aborto?

Se você perder um bebê antes das 24 semanas de gravidez, isso é chamado de aborto espontâneo. Se isso acontecer nos primeiros 3 meses da gravidez, é conhecido como um aborto precoce. Infelizmente, os abortos precoces são comuns, ocorrendo em cerca de 10 a 20 em cada 100 gestações (10-20%).

Abortos tardios, que ocorrem depois de 3 meses de gravidez, mas antes de 24 semanas, são menos comuns: 1 a 2 em cada 100 (1-2%) gestações culminam em aborto tardio.

O que é um aborto recorrente?

Quando um aborto espontâneo acontece três ou mais vezes seguidas, é chamado de aborto espontâneo recorrente. O aborto recorrente afeta 1 em cada 100 (1%) casais tentando ter um bebê.

Por que o aborto recorrente e o aborto tardio acontecem?

Às vezes, há uma causa encontrada para o aborto recorrente e tardio. Em outros casos, não há problema subjacente que possa ser descoberto. A maioria dos casais provavelmente terá uma gravidez bem sucedida no futuro, particularmente se os resultados dos exames e acompanhamento com médico estejam normais.

Há uma série de fatores que podem desempenhar um papel na causa do aborto recorrente e tardio:

  • Idade

Quanto mais idade, maior o risco de ter um aborto espontâneo. Se a mulher tem mais de 40 anos, mais de 1 em cada 2 gestações terminam em um aborto espontâneo. Abortos espontâneos também podem ser mais comuns se o pai for mais velho.

  • Síndrome antifosfolípide (APS)

APS (uma síndrome que torna o seu sangue mais provável coagular) é incomum, mas é uma causa de aborto recorrente e aborto tardio.

  • Trombofilia

Trombofilia (uma condição hereditária - genética ou não - que significa que seu sangue está mais sujeito a coagular) pode causar aborto recorrente e, em particular, abortos tardios.

  • Fatores genéticos

Em aproximadamente 2 a 5 em cada 100 casais (2-5%) com aborto recorrente, um dos parceiro terá uma anormalidade em um dos seus cromossomos (estruturas genéticas dentro de nossas células que contêm o nosso DNA e as características que herdamos de nossos pais). Embora essa alteração possa não afetar o pai, às vezes pode causar um aborto.

  • Colo do útero fraco (insuficiência/imcompetência do colo uterino)

Fraqueza do colo do útero é conhecida por ser uma das causas de aborto entre 14 e 23 semanas de gravidez. Isto pode ser difícil de diagnosticar quando você não está grávida. Pode ser uma suspeita se em uma gestação anterior sua bolsa rompeu cedo, ou se o colo do útero abriu sem qualquer dor.

  • Problemas de desenvolvimento do bebê

Algumas anomalias do bebê podem levar a um aborto, mas é improvável que seja a causa de aborto espontâneo recorrente.

  • Infecção

Qualquer infecção que te fez muito mal pode provocar um aborto. Infecções mais leves que afetam o bebê também podem provocar um aborto. Desconhece-se o papel das infecções no aborto recorrente.

  • Forma do útero

Não é claro quanto um útero de forma anormal contribui para o aborto recorrente ou abortos tardios. No entanto, pequenas variações não parecem provocar aborto.

  • Problemas de tiroide e diabetes

Diabetes ou distúrbios da tireoide podem ser fatores dos abortos. Eles não causam aborto recorrente, enquanto são tratados e mantidos sob controle.

  • Fatores imunológicos

Tem sido sugerido que algumas mulheres abortam porque seu sistema imunológico não responde ao bebê da forma habitual. Isso é conhecido como uma reação auto-imune. Não há nenhuma evidência para apoiar essa teoria no momento. Pesquisa adicional é necessária.

Existem outros fatores de risco?

Excesso de peso aumenta o risco de aborto. Fumar e tomar muita cafeína também podem aumentar o risco. Excesso de álcool é conhecido por ser prejudicial para um bebê em desenvolvimento e beber cinco ou mais unidades por semana pode aumentar o risco de aborto.

A chance de mais um aborto aumenta ligeiramente com cada aborto. As mulheres com três abortos consecutivos têm uma chance de 4 em cada 10 de ter outro. Isto significa que 6 em cada 10 mulheres (60%) nesta situação vão ter um bebê na próxima vez.

Por que as investigações são úteis?

Descobrir se há uma causa para seu aborto recorrente ou aborto tardio é importante, pois assim seu médico será capaz de lhe dar uma ideia sobre a sua probabilidade de ter uma gravidez bem sucedida. Em um pequeno número de casos pode haver tratamento disponível para ajudá-la.

Que investigações/exames podem ser feitos?

Exames de sangue:

  • Para APS. APS é diagnosticada se der positivo em duas ocasiões com 12 semanas de intervalo, antes de você engravidar novamente.
  • Para trombofilia. Se você teve um aborto tardio, você pode fazer exames de sangue para certas trombofilias hereditárias.
  • Para checar os seus cromossomos e do seu parceiro para anormalidades. Você pode ser fazer este exame se seu bebê tiver demonstrado ter cromossomos anormais.

Exames para anomalias no bebê

Você pode precisar fazer exames para verificar se há anormalidades nos cromossomos de seu bebê. Isto não é sempre possível, mas pode ajudar a determinar a sua chance de abortar novamente.

Se você teve um aborto tardio, também pode ser indicado um exame pós-morte do seu bebê. Isto não acontecerá sem o seu consentimento, e você terá a oportunidade de discutir isso de antemão com sua equipe de saúde.

Exames para anormalidades na forma do seu útero.

Uma ultra-sonografia pélvica para verificar se há qualquer anormalidade na forma do seu útero. Se houver suspeita de uma anormalidade, outras investigações podem incluir uma histeroscopia (um procedimento para examinar o útero através de uma pequena câmera que é passada através da vagina e do colo do útero) ou uma laparoscopia (um procedimento no qual um cirurgião usa uma câmera bem fina para olhar dentro do abdômen e da pelve).

Exames para infecção

Se você já teve um aborto tardio, exames como amostras de sangue e papanicolau podem ser colhidos no momento para procurar por qualquer fonte de infecção.

Quais são minhas opções de tratamento?

Tratamento para APS

Se você tem APS e teve aborto irregular recorrente ou um aborto tardio, o tratamento com comprimidos de aspirina em baixa dose e injeções de heparina na gravidez podem aumentar sua chance de ter um bebê, desde que não tenha contra-indicações. Aspirina e heparina tornam o seu sangue menos provável de coagular e são seguras para tomar durante a gravidez.

Ter APS significa que você está com risco aumentado de complicações durante a gravidez, como pré-eclâmpsia, problemas com o crescimento do seu bebê e parto prematuro. Você deve ser monitorada cuidadosamente para que possa ser receber tratamento para quaisquer problemas que possam surgir.

Tratamento para trombofilia

Se você tem uma tendência genética de hipercoagulação do sangue (trombofilia) e teve um aborto espontâneo entre 12 e 24 semanas de gravidez, pode ser necessário receber tratamento com heparina.

Neste momento não há evidências suficientes para dizer se a heparina irá reduzir suas chances de aborto espontâneo, se você teve abortos precoces (até 12 semanas de gravidez). No entanto, você pode ser ainda indicada ao tratamento para reduzir o risco de um coágulo de sangue durante a gravidez. Seu médico irá discutir o que seria recomendado no seu caso em particular.

Encaminhamento para aconselhamento genético

Se você ou seu parceiro tem uma anomalia cromossômica, você deve ser indicada a oportunidade de ver um especialista chamado de geneticista clínico. Ele discutirá com você quais são suas chances para futuras gestações e irá explicar quais são as suas escolhas. Isso é conhecido como aconselhamento genético.

Monitoramento e tratamento para um colo do útero fraco

Se você já teve um aborto espontâneo entre 14 e 24 semanas e teve um diagnóstico de colo do útero fraco, pode ser necessário para uma cirurgia para colocar um ponto no colo do seu útero (cerclagem). Isso geralmente é feito através da vagina às 13 ou 14 semanas de gravidez sob anestesia geral ou raquianestesia. Seu médico deve discutir a cirurgia com você.

Se não está claro se seu aborto tardio foi causado por um cérvix fraco, podem ser indicados exames de ultra-som vaginal durante a gravidez para medir o comprimento do seu colo do útero. Isso pode dar informações sobre quão provável você está de abortar. Se o seu colo uterino é menor do que deveria ser antes de 24 semanas de gravidez, pode ser indicada uma operação para colocar um ponto no colo do seu útero.

Cirurgia do útero

Se uma anomalia é encontrada em seu útero, pode ser indicada uma operação para corrigir isso.

Tratamento hormonal

Foi tentado progesterona ou hormônios de gonadotrofina coriônica humana no início da gestação para evitar aborto recorrente, porém mais evidências são necessárias para mostrar se isso funciona.

Imunoterapia

O tratamento para prevenir ou modificar a resposta do sistema imunológico (conhecido como imunoterapia) não é recomendado para mulheres com aborto recorrente. Não foi provado que funciona, não melhora as chances de um nascimento vivo e pode levar a sérios riscos (incluindo a reação à transfusão, choque alérgico e hepatite).

E se nenhuma causa é encontrada?

Onde não há uma causa para o aborto recorrente ou aborto tardio, não há, atualmente, nenhuma evidência de que o tratamento de heparina e aspirina reduza a chance de um outro aborto espontâneo. Por esse motivo, este tratamento não é recomendado habitualmente, embora tenha relatos de êxito.

O que isso significa para nós no futuro?

Você e seu parceiro devem ser vistos juntos por um especialista em fertilidade. Dentro de uma clínica dedicada.

Seu médico conversará com você tanto sobre sua situação particular quanto a sua probabilidade de sofrer um novo aborto e uma gravidez bem sucedida. Se a causa foi encontrada, as opções possíveis de tratamento serão oferecidas para melhorar suas chances de uma gravidez bem sucedida.

As mulheres que têm cuidados de apoio com médico especialista desde o início da gravidez, têm mais chances de um parto bem sucedido. Para casais onde nenhuma causa para o aborto recorrente foi encontrada, 75 em cada 100 (75%) terão uma gravidez bem sucedida com este cuidado.

Vale lembrar que, estatisticamente, a maioria dos casais terá uma gravidez bem sucedida na próxima vez, mesmo depois de três abortos consecutivos

abortotratamentoO que você achou deste conteúdo?:  0 No votes yet
Categorias: Medicina

Lipedema

Vascular Pro - sex, 11/10/2017 - 18:04

Definição: lipedema (síndrome gordurosa dolorosa) é uma doença crônica que ocorre na maioria das vezes em mulheres. É caracterizada por ser bilateral, com excesso simétrico de tecido gorduroso principalmente nas pernas e tornozelos, combinado a uma tendência de inchaço que piora ao ficar de pé. O lipedema em homens é raro. Frequentemente o lipedema é confundido com o linfedema de membros inferiores ou simplesmente obesidade.

 

Etiologia

A etiologia do lipedema e outros tipos de deposição gordurosa ainda é desconhecido, embora suspeite-se de uma causa genética. Outras possíveis causas de lipedema incluem metabólico, inflamatório e envolvimento hormonal.

 

Sintomas

Sintomas variam de acordo com cada pessoa, e nem todas possuem todos os sintomas

  • Apresentação simétrica, envolvendo ambas as pernas 1
  • Dor em tecido mole no repouso, ao caminhar ou ao tocar. Hipersensibilidade ao toque.1
  • Acúmulo de gordura lipêmica da cintura até os joelhos ou tornozelos, as vezes com uma marca anelar acima do tornozelo, com os pés livres de acometimento2
  • Hiper mobilidade2
  • Coxins gordurosos acima, medial e abaixo dos joelhos e na região lateral alta de coxas1
  • Nodulos gordurosos ou coxins podem aumentar estresse na articulação causando marcha anormal e/ou dor aumentada nas articulações2
  • Problemas nos joelhos que podem levar a alteração da marcha1
  • Acúmulo de gordura lipedêmica nos braços, as vezes com grande quantidade de gordura pendurada quando braço está esticado, pesquisa mostra que entre 30 a 90% das pessoas com lipedema tem braços também afetados2
  • Acúmulo de gordura lipedemica nos braços, causando um efeito de “blusa” com um anel distinto de grdura acima do pulso2
  • Perda da elasticidade da pele1
  • Edema não depressível no inicio; posteriormente pode tornar-se lipo-linfema (estágio IV)1
  • Edema depressível pode ocorrer na ortostase prolongada e melhora ao elevar membros2
  • Dieta de restrição calórica tem pouco efeito na gordura lipedêmica1
  • Hematomas fáceis e frequentes1
  • Sinal de Stemmer negativo nos pés e mãos1
  • Temperatura diminuída nos membros3
  • Cansaço geral3
  • Sensibilidade à pressão3
  • Textura do membro é borrachosa3
  • O inicio dos sintomas ocorrem na puberdade, gravidez ou menopausa1
  • Aparecimento ou exacerbação pode ocorrer após cirurgia com anestesia geral3
  • Pés e mãos geralmente são poupados antes do estagio IV de lipo-linfedema1
  • Estagios iniciais: a parte superior do corpo pode permanecer delgada a medida que o corpo inferior aumenta e a gordura se acumula nos quadris, coxas e pernas1
  • Estagios tardios: gordura lipedemica também pode acumular no peito, torso, abdome e extremidades superiores3
  • Envolvimento linfático evidente nos estágios tardios2
  • Dor crônica e constrangimento pode levar a depressão e/ou transtornos alimentares2,3
  • Deterioração progressiva da mobilidade se não tratado1
  • Gordura torna-se fibrótica4
  • Baixa de vitamina D, ferro e/ou B124
  • Às vezes ocorrem bolsões de gordura/fluido abaixo do joelho3

 

1 – citado em vários trabalhos 2 – citado em alguns trabalhos 3 – respostas em pesquisas com pacientes 4 – relatos de caso

 

Estágios do lipedema

·      Estágio I

  • Pele é lisa/suave
  • O inchaço aumenta durante o dia e pode resolver com o descanso e elevação dos membros
  • Responde bem ao tratamento

·      Estágio II

  • Pele tem marcas “identações”
  • Lipomas podem ocorrer
  • Eczema e erisipelas podem estar presentes
  • Edema aumenta durante o dia, com melhora parcial após repouso e elevação dos membros
  • Pode responder bem ao tratamento

·      Estágio III

  • Tecido conectivo endurecido, fibroesclerose
  • Edema presente e consistente
  • Grandes áreas e massas de pele e gordura que se sobrepõe
  • Menos responsivo a algumas modalidades de tratamento

·      Estágio IV

  • Fibroesclerose, possivelmente elefantíase
  • Edema consistente presente
  • Grandes áreas e massas de pele e gordura que se sobrepõe
  • Tambem conhecido como Lipo-linfedema
  • Menos responsivo a algumas modalidades de tratamento

 

Diagnóstico diferencial

 

Doença

Lipedema

Linfedema

Obesidade

Lipo-linfedema

Insuficiencia Venosa

Característica

Depositos de gordura, edema em pernas e braços, mas não em mãos e pés

Depósitos de gordura, edema em um membro incluindo pés e mãos

Deposito de gordura generalizado

Depósito de gordura, edema generalizado em pernas, braços e torso

Edema próximo do tornozelo, dermatite ocre, pouco edema

Sexo

F

M/F

M/F

F

M/F

Quando inicia

Durante mudanças hormonais (puberdade, gravidez, menopausa)

Após cirurgia que aferta o sistema linfático ou ao nascimento

Qualquer idade

Durante mudanças hormonais

Em torno do inicio da obesidade, diabetes, gravidez, hipertensão

Associação com dieta

Dieta com restrição calórica inefetiva

Dieta com restrição calórica inefetiva

Dieta e perda de peso são efetivas

Dieta com restrição calórica inefetiva

Sem relação com a ingestão calórica

Edema/Inchaço

Edema não depressível

Edema depressível

Sem edema

Muito edema, um pouco depressível, alguma fibrose

Frequentemente edema, mas também pode ocorrer sem edema nos estágios iniciais

Sinal típico no exame físico

Sinal de Stemmer negativo

Sinal de Stemmer positivo

Sinal de Stemmer negativo

Sinal de Stemmer negativo ou positivo

 

Dor?

Provavelmente dor nas áreas afetadas

Sem dor inicialmente

Sem dor

Dor em áreas afetadas

Provavelmente dor

Frequencia na população

Melhor estimativa é de 11% das mulheres adultas

Baixa

>30% dos norte americanos

Desconhecido

30% dos norte americanos

Celulite/Erisipela

Sem história de celulite

História possível de celulite ou erisipela

 

Provavelmente história de celulite

Frequente coceira e manchas na pelo confundidas com celulite

Genética/Hereditariedade

Provavelmente história famíliar

História familiar não provável a não ser que seja linfedema familiar

Provavelmente história famíliar

Provavelmente história famíliar de lipedema

Provavelmente história famíliar

 

Diferenciação entre lipedema e linfedema

Para se aprofundar na explanação do lipedema, é necessário comparar com o linfedema. Linfedema é frequentemente assimétrico e pode ser adquirido (secundário a cirurgia, trauma, infecção que danifica o sistema linfático) ou congênito (mudanças hereditárias o sistema linfático). A medida que o edema condinua e se espalha das extremidades inferiores para outras partes do corpo, o edema é provavelmente causado pelo fluxo linfático lento e mudanças da estrutura linfática causada pela pressão no membro lipedematoso. Isso é conhecido como lipo-linfedema. Lipo-linfedema também pode ocorrer concomitantemente com insuficiência venosa crônica e outras doenças vasculares.

 

Diagnóstico

Atualmente, a melhor maneira de diagnosticas lipedema é com o exame físico e anamnese feitas por médico treinado. Alguns médicos estão familiarizados com a distinção entre lipedema, linfedema e obesidade. Após a palpação da gordura o médico pode sentir nódulos. Com o avanço da doença, os nódulos podem aumentar de tamanho e de númeor e podem formar sequencias de nódulos. Comunicação entre pacientes e médicos deve ser estimulada.

O teste sanguíneo definitivo para diagnostico de lipedema não existe, entretanto alguns médicos recomendam tratar doenças concomitantes que costumam agravar o quadro e sintomas do lipedema. Os testes são: dosagem hormonal tireoideana, marcadores inflamatórios, dosagem de vitamina B e D. Em alguns estágios da doença, pode ser possível ver evidência do lipedema ou lipo-linfedema pelo ultrassom Ressonância Magnética, linfografia e/ ou linfocintilografia. Entretanto, deve haver muito cuidado devido ao falso resultado NORMAL nas fases iniciais do lipedema. Algumas ferramentas diagnósticas podem ajudar o médico a definir o protocolo de tratamento.

Schmeller distingue lipedema de lipohipertrofia que pode se apresentar com forma corporal semelhante, mas sem edema ou dor. Ele postula que essa condição pode levar a outra e que pessoas podem mover de um estado a outro. Mais pesquisa se faz necessária para determinar se lipedema e lipohipertrofia são a mesma condição ou se são diferentes uma da outra.

 

Tratamento

Embora o lipedema tenha sido diagnosticado e identificado inicialmente na Mayo Clinic em 1940, a maioria dos médicos não está familiarizado com a doença. Não há cura identificada no momento para o lipedema, entretanto a detecção precoce e o tratamento pode reduzir os danos progressivos ao paciente. Mudanças precoces de peso e dieta com nutrição e exercício podem ajudar a reduzir a gordura não  lipedemica e reduzir a inflamação. Dessa forma pode prevenir o aumento da parte inferior do corpo, que seria pior se o paciente também fosse obeso. Entretanto, mesmo com dieta rígida e regime de exercícios a doença também pode progredir e tratamentos futuros podem ser necessários.

Embora não haja tratamento comprovadamente efetivo para o lipedema, o edema pode ser controlado com a compressão, certos medicamentos, drenagem linfática manual e terapia de descongestao completa. A compressão pode ajudar no retorno linfático, mas dificilmente é tolerado pela dor que os pacientes apresentam, por isso é necessário o tratamento com médico especializado também na escolha da melhor compressão.

Lipoaspiração no tratamento do lipedema iniciou em 1980 e esta ficando cada vez mais comum. Embora tenha ajudado muitos pacientes quando feito por cirurgião treinado e consicente do lipedema, poucos médicos tem o conhecimento necessário, sendo um tratamento frequente na Europa, mas nem tanto nos Estados Unidos. Entre as técnicas de tratamento disponíveis, nem todas são adequadas para todos pacientes. A Lipoasiração assistida a agua (WAL – Water Assisted Liposuction) e a Lipoaspiração por tumescência (TLA – Tumescent Liposuction) são dois procedimentos realizados rotineiramente na Alemanha, Países Baixos, Inglaterra e Austria para pacientes com lipedema. Recomenda-se que os pacientes busquem informação aprofundada sobre as técnicas e os médicos antes da realização de qualquer procedimento.

Lipedema é acompanhada as vezes de outras doenças, que podem agravar a saúde do paciente. Doenças articulares, venosas, linfedema, obesidade, transtornos psicossociais são vistos frequentemente em pacientes com lipedema. Medicamentos para controle da dor, ansiedade e depressão são comuns nesta população, por isso recomenda-se associação a grupos de suporte. Cirurgia bariátrica não reduz a gordura lipedemica, embora possa ajudar a tratar as co-morbidades que acompanham.

 

Pesquisas atuais

Embora seja uma doença reconhecida, tratada e pesquisada na Europa, é pouco pesquisada nos Estados Unidos. Entretanto um aumento no reconhecimento do lipedema como condição médica é visto também na literatura médica. O interesse sobre lipedema tem aumentado nos anos. Dado que 11% da população adulta feminina pode sofrer desta doença, é vital que mais pesquisas sem feitas.

O lipedema é classificado no CID-10 como E882 (lipomatose)

 

Sinônimos
  • Lipalgia
  • Lipofilia Membralis
  • Adipose dolorosa
  • Adiposalgia
  • Lipohipertrofia dolorosa
  • Lipedema
  • Lipödem
  • Lipoedema

 

Bibliografia

1)  Chen, S. G., Hsu, S. D., Chen, T. M., Wang, H. J. Painful fat syndrome in a male patient. Br J Plast Surg 2004; 57(3):282-286 2)  http://www.tillysmidt.nl/LIPEDEMA%20%20Englisch%20for%20Lipoedeem.htm,  3)  Todd, Marie, Lipoedema: presentation and management. Chronic Oedema, 2010; 10-16 4)  Schmeller W, Meier-Vollrath I, Chapter 7 Lipedema, http://www.hanse-klinik.com/englisch/Lipoedema.pdf  5)  Allen E V, Hines E A, Lipoedema of the legs. A syndrome characterized by fat legs and edema. Proc Staff. Meet. Mayo Clinic 1940; 15:184  6)  C to provide 7)  Fife CE, Maus EA, Carter MJ, 2010 Lipedema: A Frequently Misdiagnoed and Misunderstood Fatty Deposition Syndrome. ADV SKIN WOUND CARE 2010;23:81-92; quiz 93-4. reported "However, in an unpublished epidemiological study conducted in 2001, Foeldi and Foeldi [28] claimed that lipedema is present in 11% of the female population". [28] corresponds to "Foeldi E, Foeldi M. Lipedema. In: Foeldi M, Foeldi E, eds. Foeldi’s Textbook of Lymphology. 2nd ed. Munich, Germany: Elsevier; 2006:417-27. 8) Trayes KP, Studdiford JS, Pickle S, Tully AS  “Edema: Diagnosis and Management” Am Fam Physican 2013:88(2):102-110 http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23939641  9) Herbst, Karen L “Rare adipose disorders (RADs) masquerading as obesity” Acta Pharmacol Sin. 2012 Feb;33(2):155-72. doi: 10.1038/aps.2011.153. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22301856  10) van der Krabben, Tatjana "Lipedema got a ICD-10 code!" http://blog.lipese.com/2016/12/lipedema-got-icd-10-code.html?utm_source=... 11) Lipedema / Lipoedema / Lipödem http://fatdisorders.org/fat-disorders/lipedema-lipoedema-description Tags: linfáticalinfáticoedemalipedema Select ratingGive Lipedema 1/5Give Lipedema 2/5Give Lipedema 3/5Give Lipedema 4/5Give Lipedema 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categorias: Medicina

Angioplastia de carótida

Neurocirurgia - ter, 10/31/2017 - 18:14
A angioplastia é realizada para a desobstrução de artérias, neste caso, da artéria carótida. É uma cirurgia simples, porém sofisticada e minimamente invasiva, realizada através apenas de punção. Entre outros benefícios, previne a ocorrência de isquemia cerebral (AVC ou derrame). Para realizar o procedimento, um cateter é colocado dentro da artéria para abrir espaço, facilitar o fluxo sanguíneo e desta forma, permitir que o sangue chegue ao cérebro adequadamente.   Leia nossa coletânea de perguntas frequentes sobre carótida e seus tratamentos.   A colocação de stent por método endovascular em carótida é normalmente acompanhado da dilatação endovascular antes ou após o procedimento. Os pacientes que podem fazer angioplastia antes do procedimento são aqueles onde a estenose é tão grave que o material endovascular não passa pelo estreitamento, e aqueles que fazem após o procedimento, o fazem para acomodar o stent na sua posição ideal. A restauração do fluxo pela angioplastia e pelo stent  libera a passagem do sangue para o cérebro através da obstrução na artéria carótida. A aterosclerose, doença que mais acomete as carótidas, é muito conhecida por também acometer as artérias do coração. A angioplastia de carótida possui um risco menor de infarto do que a cirurgia aberta de carótida, mas a indicação do melhor tratamento deve ser realizada em conjunto com o seu médico.

 

 

Autor: Dr. Alexandre Amato

Tags: vascularcarótida
Categorias: Medicina

Angioplastia de carótida

Neurocirurgia - ter, 10/31/2017 - 18:14
A angioplastia é realizada para a desobstrução de artérias, neste caso, da artéria carótida. É uma cirurgia simples, porém sofisticada e minimamente invasiva, realizada através apenas de punção. Entre outros benefícios, previne a ocorrência de isquemia cerebral (AVC ou derrame). Para realizar o procedimento, um cateter é colocado dentro da artéria para abrir espaço, facilitar o fluxo sanguíneo e desta forma, permitir que o sangue chegue ao cérebro adequadamente.   Leia nossa coletânea de perguntas frequentes sobre carótida e seus tratamentos.   A colocação de stent por método endovascular em carótida é normalmente acompanhado da dilatação endovascular antes ou após o procedimento. Os pacientes que podem fazer angioplastia antes do procedimento são aqueles onde a estenose é tão grave que o material endovascular não passa pelo estreitamento, e aqueles que fazem após o procedimento, o fazem para acomodar o stent na sua posição ideal. A restauração do fluxo pela angioplastia e pelo stent  libera a passagem do sangue para o cérebro através da obstrução na artéria carótida. A aterosclerose, doença que mais acomete as carótidas, é muito conhecida por também acometer as artérias do coração. A angioplastia de carótida possui um risco menor de infarto do que a cirurgia aberta de carótida, mas a indicação do melhor tratamento deve ser realizada em conjunto com o seu médico.

 

 

Autor: Dr. Alexandre Amato

Tags: vascularcarótida
Categorias: Medicina

A colher cheia de açúcar pode influenciar na sua fertilidade?

Fertilidade - seg, 10/30/2017 - 10:46
Açúcar e a fertilidade

Estudos recentes sugerem que bebidas açucaradas, mesmo aquelas com adoçantes artificiais podem influenciar negativamente as chances de gravidez . Não é só a gordura que influencia na dieta da fertilidade.

Açúcar e a fertilidade

Apesar de longe de ser conclusivo, diversos estudos sugerem que bebidas adoçadas podem afetar as chances de gestação, incluindo:

  • Médicos de Harvard viram que beber uma bebida açucarada por dia pode diminuir a taxa de sucesso na FIV em 12% e mais de uma bebida por dia diminui em 16%
  • Pesquisadores brasileiros mostraram que consumir bebidas açucaradas ou com adoçantes reduz a qualidade do embrião e as chances de implantação. 

Esse efeito não ocorreu com o café sem açucar/adoçante.

A razão para isso não está clara. Sabemos que obesidade e ovários policísticos estão associados com a infertilidade e aborto, além de mudanças em como o corpo lida com a açucar, que pode diminuir as chances de gravidez .

Então, o que fazer?

É uma boa idéia diminuir a quantidade de produtos açucarados/adoçados ingeridos diariamente para um mínimo quanto estiver tentando engravidar. Diminuir tanto o açúcar quanto os adoçantes.

Não entre em pânico. Mulheres que usam açúcar e adoçantes engravidam a todo momento, mesmo com chances menores. Ainda existem muitos fatores que influenciam a fertilidade , e os estudos estão longe de ser definitivos.

 

Fonte:

  1. ARTIFICIAL SWEETENERS - DO THEY BEAR AN INFERTILITY RISK?
  2. A Randomized Trial of Sugar-Sweetened Beverages and Adolescent Body Weight
dietafertilidadeO que você achou deste conteúdo?:  0 No votes yet
Categorias: Medicina

A colher cheia de açúcar pode influenciar na sua fertilidade?

Fertilidade - seg, 10/30/2017 - 10:46
Açúcar e a fertilidade

Estudos recentes sugerem que bebidas açucaradas, mesmo aquelas com adoçantes artificiais podem influenciar negativamente as chances de gravidez. Não é só a gordura que influencia na dieta da fertilidade.

Apesar de longe de ser conclusivo, diversos estudos sugerem que bebidas adoçadas podem afetar as chances de gestação, incluindo:

  • Médicos de Harvard viram que beber uma bebida açucarada por dia pode diminuir a taxa de sucesso na FIV em 12% e mais de uma bebida por dia diminui em 16%
  • Pesquisadores brasileiros mostraram que consumir bebidas açucaradas ou com adoçantes reduz a qualidade do embrião e as chances de implantação. Interessante.

Esse efeito não ocorreu com o café sem açucar/adoçante.

A razão para isso não está clara. Sabemos que obesidade e ovários policísticos estão associados com a infertilidade e aborto, além de mudanças em como o corpo lida com a açucar, que pode diminuir as chances de gravidez.

Então, o que fazer?

É uma boa idéia diminuir a quantidade de produtos açucarados/adoçados ingeridos diariamente para um mínimo quanto estiver tentando engravidar. Diminuir tanto o açúcar quanto os adoçantes.

Não entre em pânico. Mulheres que usam açúcar e aadoçantes engravidam a todo momento, mesmo com chances menores. Ainda existem muitos fatores que influenciam a fertilidade, e os estudos estão longe de ser definitivos.

 

 

Fonte:

  1. ARTIFICIAL SWEETENERS - DO THEY BEAR AN INFERTILITY RISK?
  2. A Randomized Trial of Sugar-Sweetened Beverages and Adolescent Body Weight
dietafertilidadeO que você achou deste conteúdo?:  0 No votes yet
Categorias: Medicina

Fístula Arteriovenosa para Hemodiálise (FAV)

Vascular Pro - ter, 10/24/2017 - 20:22

O que é uma FAV/fístula arterio venosa?
A FAV é uma anastomose (conexão) entre uma artéria fina e uma veia periférica também fina e superficial. É feita cirurgicamente mais frequentemente nos membros superiores, de preferência no antebraço não dominante – esquerdo nas pessoas dextras e direito nos canhotos.
Muitas vezes é confeccionada utilizando a artéria radial, já que temos outras artérias que irrigam a mão, como a ulnar.
Quanto mais distal for realizada melhor, de modo que um maior número de veias possam se desenvolver e maturar, oferecendo assim inúmeros locais de punção e tenha mais locais para realizar outras fístulas se necessário. Normalmente as fistulas do cotovelo desenvolvem uma rede vascular restrita e ocasionalmente podem dificultar a circulaçao da mão.
A fístula arteriovenosa (FAV) é o acesso vascular preferido para o tratamento de hemodiálise, para aqueles que tem insuficiência renal, pela sua facilidade de utilização e pelos poucos riscos que apresenta comparativamente com as outras opções.

O que são artérias?
Artérias são vasos sanguíneos que saem do coração e vão ramificando-se sucessivamente, cada ramo tem menor calibre que o anterior, até se tornarem em arteriolas e depois capilares, irrigando todo o organismo.
São vasos resistentes e muito elásticos, acostumados com a alta pressão gerada pelo coração. À palpação, verifica-se que as artérias pulsam. O pulso ocorre por causa da dilatação da artéria ao empurrar o fluxo sanguíneo ao ritmo dos batimentos cardiacos. Quando tem um sangramento proveniente de uma artéria, são jatos bem fortes.
A sua principal função é transportar e distribuir o sangue rico em oxigénio – sangue arterial – a todas as partes do organismo. O oxigénio que confere ao sangue arterial a sua cor típica vermelho vivo.

O que são veias?
As veias também são vasos sanguineos. Ao contrário das artérias, as veias transportam sangue vindo de todas as partes do corpo para o coração.
As paredes das veias são bem finas e frágeis. Isto porque o sangue dentro delas não está sob pressão. O sangue retorna ao coração de diversas formas e forças, a gravidade ajuda, o vácuo relativo que existe quando o coração relaxa e através da pressão positiva transmitida pelas artérias e a ação dos musculos (panturrilha por exemplo). Nos membros inferiores devido à distância e para vencer a gravidade, as veias têm válvulas que abrem e fecham direcionando o fluxo, facilitando a sua ascenção e impedindo que este volte para trás.
O sangue nas veias flui com menos pressão, então se tiver uma lesão o sangramento não é em jato.
As veias transportam sangue venoso. Este sangue encontra-se saturado de gás carbônico que resultou da atividade celular. Este gás é levado aos pulmões para ser eliminado durante a fase da expiração. A sua presença no sangue torna-o vinhosoo, vermelho escuro.

Que tipos de FAV existem?
Como regra geral, cada artéria é acompanhada por uma ou duas veias que se denominam de veia satélite. Tal como as artérias, as veias também se situam profundamente. Porém nos membros, além das veias profundas que acompanham as artérias, encontramos veias superficiais que se distribuem na região subcutânea em forma de rede.
Para a criação da fístula utiliza-se uma artéria do membro superior e uma veia superficial.
Existem várias fístulas possíveis, mas os três tipos mais comuns são.
No punho:

  • FAV rádio-cefálica (mais frequente)
  • FAV ulnar-basílica (rara)

No cotovelo:

  • FAV bráquio-cefálica

O que é a maturação da FAV?
O processo de arterialização das veias não é um processo imediato. Leva o seu tempo.
Utilizar uma fistula muito cedo leva à sua perda. Isto porque as veias ainda não estão preparadas para serem puncionadas.
O tempo de maturação da FAV é variável, mas em média considera-se que sempre que possivel uma FAV seja utilizada depois do dois meses após a sua confecção.
Se por um lado algumas fistulas ao fim deste tempo já desenvolveram uma rede venosa exuberante, outras demoram meses. Isto depende das características do individuo e de doenças que podem estar associadas, como é o caso da Diabetes.
Durante o processo de maturação, devem ser feitos alguns exercícios que ajudam a dilatar e a fortalecer as veias. 
Durante este tempo se for necessário realizar hemodiálise, devem ser utilizados os catéteres centrais tomo forma de acesso à circulação sanguínea.

Quais são as vantagens da FAV?

  • Ausência de tubos e catéteres penetrantes na superfície corporal
  • Uso normal do braço fora das sessões de hemodiálise
  • Não há necessidade de curativos (exceto logo após a hemodiálise)
  • Baixo risco de infecção e trombose.
  • Acesso simples e rápido à circulação sanguínea.

E as desvantagens?

  • Necessidade de punção
  • Necessidade de fazer a hemostasia (curativo e compressão para parar de sangrar)
  • Mau aspecto do braço devido à hipertrofia das veias e cicatrizes dos locais puncionados
  • Necessidade de tempo para a sua maturação
  • Risco de má permeabilização em caso de hematoma, por exemplo

 
Fonte: Amato, ACM. Fístula Arteriovenosa para Hemodiálise. In book: Procedimentos Médicos: Técnica e Tática, Edition: 2, Chapter: 22, Publisher: Grupo Gen, Editors: Alexandre Campos Moraes Amato, pp.117-122

vascularrenalcirurgia Select ratingGive Fístula Arteriovenosa para Hemodiálise (FAV) 1/5Give Fístula Arteriovenosa para Hemodiálise (FAV) 2/5Give Fístula Arteriovenosa para Hemodiálise (FAV) 3/5Give Fístula Arteriovenosa para Hemodiálise (FAV) 4/5Give Fístula Arteriovenosa para Hemodiálise (FAV) 5/5 No votes yet
Categorias: Medicina

Páginas

Subscrever Frases Fortes agregador - Medicina

Não perca Frases do Einstein selecionadas a dedo.

Conhece alguma frase legal? Envie-nos.

Vote agora nas frases e citações que você mais gosta.