Medicina

O que é a circulação periférica?

Vascular Pro - qui, 03/18/2021 - 10:11

Chamamos de circulação sanguínea o trajeto que o sangue faz dentro do nosso corpo, levando a todos os órgãos e tecidos o oxigênio e demais substâncias necessárias para o desempenho de suas funções. O coração é o responsável pelo bombeamento de sangue na área central do corpo. Quando essa circulação acontece na parte inferior do corpo e nos membros superiores, ela é chamada de circulação periférica e pode apresentar diversos problemas quando o fluxo sanguíneo se torna irregular. A seguir, vamos saber mais sobre circulação periférica, doenças relacionadas, sintomas e medidas de prevenção.

 

Circulação periférica: o que é

Circulação periférica é aquela que acontece em partes específicas do corpo como pernas, braços e abdômen. É isso que a diferencia da circulação geral, aquela que percorre todo o corpo humano, incluindo a região da cabeça.

Sempre que falamos em circulação é comum que as pessoas confundam com aquela que acontece no coração, uma vez que esse é o órgão responsável pelo bombeamento e distribuição geral de sangue. Então, para facilitar o entendimento, podemos dizer que ao falarmos em periférico, estamos nos referindo ao fluxo sanguíneo que não acontece no coração.

É importante fazer essa diferenciação porque ela elimina uma confusão também muito comum que é associar um problema de circulação periférica a problemas cardíacos, simplesmente porque envolvem o sistema circulatório. Fato que o nome “cardiovascular” ajuda a aumentar essa confusão. Contudo, não são problemas obrigatoriamente relacionados.

A circulação periférica pode ser comprometida por muitas doenças que não tem relação com problemas cardíacos, mas por insuficiência venosa provocada por lesões, doenças arteriais periféricas ou mau funcionamento de veias e vasos.

 

Má circulação periférica: o que é e por que acontece

A má circulação acontece quando o fluxo sanguíneo não segue o seu curso natural, sendo interrompido ou prejudicado por alguma doença que atinge os vasos sanguíneos. O resultado deste comprometimento é a ausência ou quantidade insuficiente de sangue nas pernas e pés.

Como vimos, o funcionamento correto do nosso corpo só acontece quando a circulação sanguínea segue seu fluxo normal. A má circulação periférica impede que pernas, pés e abdômen recebam o oxigênio necessário.

Sem oxigênio, os tecidos ficam comprometidos, fazendo surgir diversos sintomas. Em alguns casos mais graves, esses tecidos podem morrer, de fato, levando à amputação de membros inferiores. É uma situação muito comum em quem sofre com diabetes, por exemplo, e não mantém a doença controlada.

 

Causas da má circulação

A principal causa da má circulação periférica é o endurecimento das artérias, provocado por doenças como a aterosclerose. Nesse tipo de enfermidade, placas de gordura se acumulam dentro das artérias, bloqueando a passagem de sangue e, consequentemente, de oxigênio.

A aterosclerose provoca também a doença arterial periférica (DAP ou DAOP), que se caracteriza pela diminuição do sangue nas artérias dos membros inferiores e que pode evoluir para a necrose dos tecidos afetados.

Outros fatores que causam a má circulação são as veias doentes, que também dificultam o fluxo sanguíneo, fazendo surgir um problema muito conhecido, especialmente, das mulheres que são as varizes. Estas são as principais consequências da insuficiência venosa.

 

Como identificar problemas na circulação periférica

Quando a má circulação sanguínea atinge a região periférica do corpo, existem alguns sintomas que logo indicam a presença de algum problema que merece ser investigado. Podemos citar:

  • Dor e cansaço nas pernas e pés;
  • Inchaço (edema);
  • Vermelhidão ou escurecimento da pele;
  • Presença de varizes e microvasos;
  • Pequenos ferimentos nas pernas e nos pés;
  • Sensação de formigamento nas pernas;
  • Cãibras;
  • Fadiga;
  • Fraqueza nas pernas;
  • Úlceras de difícil cicatrização etc.

 

Como prevenir a má circulação sanguínea e periférica

Não existe uma maneira que seja totalmente eficaz para evitar a má circulação sanguínea, contudo existem alguns cuidados que podem retardar o aparecimento ou evitar que algumas alterações surjam ou se agravem. Seguem as dicas:

 

Manter uma alimentação saudável

Focar em uma alimentação balanceada, com ingestão de alimentos naturais e evitando processados e industrializados. Evitar também alimentos muito calóricos ricos em açúcar e gordura.

Veja alimentos antiinflamatórios

 

Fazer atividade física

Um fator que influencia diretamente a má circulação sanguínea é o sedentarismo. Ficar muito tempo sem mexer o corpo compromete o fluxo dos líquidos corporais.

 

Perder peso

O sobrepeso e a obesidade geram uma sobrecarga enorme para pernas e pés, piorando quadros já existentes de doenças e estimulando o aparecimento de outras. Dieta e exercícios são eficazes para a redução do percentual de gordura no corpo.

 

Combater o alcoolismo e o tabagismo

Beber e fumar são hábitos que comprometem severamente o funcionamento do corpo humano, especialmente seus órgãos internos, pois aceleram a morte precoce das células.

 

Evitar ficar muito tempo na mesma posição

Seja deitado ou em pé, ficar muito tempo em uma única posição é prejudicial à circulação sanguínea. Pessoas que trabalham o dia inteiro em pé ou sentadas ou em recuperação pós-cirurgia podem sofrer com problemas de circulação e insuficiência venosa como as varizes.

 

Consultar um médico vascular

O cirurgião vascular é a especialidade responsável pelo tratamento e cuidado das doenças relacionadas à má circulação periférica. Logo que sentir algum desconforto ou identificar alguma alteração na pele, a orientação é buscar o diagnóstico para facilitar o tratamento.

 

Cirurgião vascular ou cirurgião cardíaco? Qual procurar?

O cirurgião vascular trata do sistema circulatório, mas o coração não está entre os órgãos acompanhados por essa especialidade médica. Como dissemos, o cirurgião vascular cuida de problemas arteriais periféricos, que podem também atingir o coração, mas que, nesse caso, são tratados por outra especialidade, que é o cirurgião cardíaco ou cardiologista.

Em todo o caso, o indivíduo precisa procurar ajuda médica sempre que notar algum sintoma que sinalize o surgimento de alguma doença, seja ela de ordem periférica ou cardíaca. Caso o médico que o atenda verifique que o caso deve ser acompanhado por outra especialidade, ele mesmo fará essa recomendação ou encaminhamento do paciente.

Como vimos, a circulação periférica é aquela que percorre as áreas mais extremas do corpo como pernas, pés, abdômen e órgãos adjacentes. O coração, portanto, não está incluso. Assim, o médico que trata as doenças arteriais periféricas, cirurgião vascular, não é o mesmo que opera o coração que, no caso, é o cirurgião cardíaco.

Para evitar essas doenças, é preciso ficar atento aos sinais da má circulação sanguínea na região periférica do corpo, observando alterações desconfortáveis nas pernas e buscando ajuda médica logo que perceber algo fora do normal. E, claro, não se esquecer de cultivar hábitos saudáveis, fundamentais para a saúde não só do sistema vascular e circulatório, mas de todo o corpo humano.

 

O post O que é a circulação periférica? apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

Por que é importante fazer exame de sífilis quando se está planejando uma gestação?

Fertilidade - seg, 03/15/2021 - 19:11

Durante o tratamento de gravidez, geralmente na primeira consulta, o médico que está atendendo aquele casal que deseja engravidar solicita uma série de exames para saber como está a saúde dos dois. E um deles é o exame de sífilis. É um exame simples e fácil de ser realizado, mas que muitas mulheres ficam um pouco apreensivas ao realizá-lo. Afinal, é preciso mesmo fazer esse exame? Qual a importância do exame de sífilis quando se está planejando uma gestação?

O que é a Sífilis?

A sífilis é uma doença infecciosa e sexualmente transmissível, causada por uma bactéria. Ela provoca ferimentos, geralmente indolores, na região íntima do homem e da mulher. Além da transmissão sexual, há também a transmissão vertical, em que o bebê é infectado pela mãe ainda dentro do útero, através da placenta.

Quando é transmitida da mãe para o feto, a doença recebe o nome de sífilis congênita e é uma das principais causas de abortos, malformações e partos prematuros, trazendo riscos tanto para a mãe quanto para o bebê.

Felizmente, a sífilis é uma doença curável, mas precisa ser detectada o mais rápido possível, visto que pode se tornar uma doença crônica. O exame de sífilis é a melhor maneira de fazer esse diagnóstico, especialmente se a mulher estiver em tratamento para gravidez.

Exame de sífilis: o que é e como fazer?

O exame de sífilis mais comum e requisitado pelos médicos é o VDRL, um exame de sangue que atesta a presença de anticorpos combatentes da bactéria causadora da sífilis. É um exame simples e rápido, além de muito eficaz.

Além do VDRL, o médico também pode fazer um exame clínico, caso a gestante apresente alguma lesão, sinal ou sintoma que possa indicar a presença da sífilis. Geralmente, essa avaliação é feita a partir de uma análise da área lesionada.

Esse e outros exames devem ser realizados antes da gestação e ainda durante a gravidez, para garantir que a mulher e o bebê estejam livres da doença. A sífilis possui uma fase em que chamamos de latente, quando a bactéria não é detectada pelo exame.

Logo, o VDRL precisa ser refeito após dois ou três meses mesmo que o exame apresente resultado negativo.

Por que é tão importante fazer um exame de sífilis?

Como vimos, a sífilis é uma doença grave, com alto poder de transmissão entre casais que se relacionam sem proteção e entre mãe e filho durante a gestação. Apesar de ser uma doença muito conhecida por médicos e sociedade em geral, a sífilis ainda consegue infectar muitas pessoas.

A sífilis congênita, por exemplo, que passa de mãe para filho por meio da placenta, alcança índices altíssimos de transmissão. Uma das principais causas desse número elevado é o fato de a gestante não saber que tem a doença. Mas, se é uma doença tão conhecida, por que isso acontece?

A sífilis não costuma apresentar sinais claros, principalmente quando está em estágio inicial, mas é nesse período que a transmissão acontece com mais velocidade. Nas mulheres, geralmente, a doença se instala no canal vaginal, ânus ou colo do útero provocando ferimentos que não sangram e nem doem.

Até nas fases seguintes, a sífilis não provoca sintomas fáceis de perceber. Assim, a mulher não sabe que está doente, inicia uma gestação, permanece sem aparentar os sintomas e provavelmente só descobrirá a doença após algum problema no parto ou com o bebê.

Principais riscos da sífilis para o bebê

A sífilis pode ser transmitida da mãe para o bebê através da placenta ou na hora do parto, caso a lesão no canal vaginal esteja ativa. Os principais problemas apresentados são:

  • Aborto;
  • Bebê pode vir a óbito pouco tempo depois do parto;
  • Parto prematuro;
  • Malformação congênita ou tardia. Ou seja, a criança pode nascer com alguma deformação ou pode adquirir algum problema no futuro;
  • Malformação na região da boca como dentes, céu da boca ou fissura nos lábios;
  • Bebê com baixo peso;
  • Surdez;
  • Dificuldade de aprendizagem;
  • Deficiência mental;
  • Problemas ósseos.

Por todos esses motivos é que o exame de sífilis não pode ser negligenciado pelo médico e nem pelo casal que está pretendendo ter filhos. O resultado do exame sai rapidamente e caso seja positivo, é hora de fazer o tratamento adequado.

O resultado deu positivo para sífilis. E agora?

A sífilis é uma doença grave, mas que tem cura. O tratamento deve ser orientado pelo médico obstetra que acompanha a família e pode ser realizado, inclusive, durante a gestação. Se executado de forma precoce e corretamente, o tratamento da sífilis impede que o bebê seja infectado também.

Por isso, se o resultado do exame de sífilis der positivo, não há razão para desistir da gravidez ou acreditar que o bebê terá problemas ao nascer. O tratamento para a sífilis é eficaz no combate à doença e pode garantir uma gravidez segura para a gestante e para a criança.

Ao ser diagnosticada com a doença, a mulher deve se submeter ao tratamento, assim como o homem, uma vez que ambos podem estar igualmente infectados.

Contudo, é preciso saber que o tratamento cura a doença, mas não impede que a mulher seja infectada novamente, caso mantenha contato com a bactéria posteriormente. Por isso, a prevenção é essencial, com uso de preservativo durante todas as relações sexuais com o parceiro.

Exame de sífilis no bebê

Após o nascimento, o bebê, cuja mãe realizou tratamento para sífilis, também deve ser submetido ao exame VDRL a fim de identificar a presença de antígenos, os anticorpos que combatem a bactéria que causa a doença. O exame é mais uma medida de precaução para afastar de vez o risco da doença na criança.

É possível amamentar mesmo tendo sífilis?

Sim, a mãe pode amamentar o seu bebê desde que não existam ferimentos ou lesões nas auréolas, referentes à doença.

Vale salientar que, em alguns casos, mulheres que descobrem a sífilis durante a gravidez não terminam o tratamento e nem alcançam a cura da doença antes do nascimento da criança. Por isso, é fundamental ter esse cuidado ao amamentar o recém-nascido e não infectá-lo.

Como vimos, o exame de sífilis é essencial quando se está planejando uma gravidez porque, caso o resultado seja positivo, é possível começar o tratamento e impedir que o bebê seja infectado pela doença e venha sofrer sérias consequências antes e após o parto. A sífilis é uma doença grave, mas tem cura e o diagnóstico precoce é a melhor forma de controlá-la.

O post Por que é importante fazer exame de sífilis quando se está planejando uma gestação? apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Dieta para um tratamento de gravidez saudável

Fertilidade - sex, 03/12/2021 - 15:54

Muitos casais que desejam engravidar buscam uma dieta que garanta um tratamento de gravidez mais eficaz e saudável. Nós sabemos que um cardápio baseado em alimentos naturais, com ingredientes variados e de boa origem é fundamental para a saúde do nosso corpo em geral. Quando falamos em fertilidade, esse cuidado deve ser ainda maior.

Contudo, isso não quer dizer que exista uma fórmula alimentar que consiga eliminar todos os riscos e elevar cem por cento as chances de uma gravidez dar certo. O que existem são alguns alimentos e hábitos que podem influenciar de forma positiva ou negativa no tratamento para engravidar. Veja a seguir algumas dicas de alimentação que podem ser incluídas no seu dia a dia e melhorar a fertilidade.


Assine o melhor canal de saúde no Youtube

Dieta ideal para uma gravidez saudável

O objetivo de uma alimentação saudável é manter o indivíduo bem nutrido, com consumo equilibrado de fibras, vitaminas e outras substâncias essenciais ao bom funcionamento do corpo humano. 

Além de ter um corpo bem disposto e resistente a doenças, a boa alimentação também ajuda nos processos naturais do indivíduo como o processo de gravidez. Vamos às dicas:

Inclua proteína animal na sua dieta

Alguns estudos já identificaram uma redução considerável dos níveis de fertilidade em pessoas que se alimentam apenas de proteína vegetal em detrimento da proteína animal. Isso não quer dizer, contudo, que vegetarianos ou veganos não podem engravidar, mas sim que precisam encontrar outras maneiras de melhorar a fertilidade.

Quem já consome proteína animal não precisa aumentar a ingestão do alimento, apenas continuar mantendo-a no seu cardápio, até três vezes por semana. Além da carne bovina, inclua carne de frango, carne suína, ovos e peixes.

Evite o excesso de café e de álcool

Nada em excesso é benéfico e o mesmo acontece com o álcool e com o café, especialmente para quem está tentando engravidar. Então, quem é fã de um cafezinho diário ou de uma taça de vinho à noite, não precisa eliminar esses hábitos, mas diminuir a quantidade ingerida para garantir um tratamento mais saudável.

Perca peso e fique longe da obesidade

A obesidade também diminui a fertilidade em homens e mulheres. A mulher, quando está muito acima do peso, apresenta ciclo anovulatórios, ou seja, não ovulam, e isso compromete bastante a fertilização e a gravidez porque menos óvulos são liberados.

Já os homens, quando obesos, têm os seus hormônios alterados, o que interfere na saúde e na quantidade dos espermatozóides liberados.

Então, a dica para quem está tentando engravidar e está acima do peso é emagrecer através de hábitos saudáveis, melhorando a alimentação e fazendo atividade física. Diante da dificuldade em perder peso, é interessante buscar um endocrinologista.

Vitaminas podem ajudar

O uso de polivitamínicos é muito comum por mulheres que desejam engravidar e, de fato, eles podem ajudar a manter o corpo mais saudável, já que possuem doses equilibradas de várias vitaminas. Contudo, a melhora na fertilidade com o uso de polivitamínicos é bem pequena. Utilize polivitamínicos somente sob prescrição médica.

Ácido fólico

Já o ácido fólico é uma vitamina que não deve faltar e precisa estar em quantidades normais no organismo para evitar defeitos no tubo neural, durante a gestação. A ausência ou deficiência dessa vitamina pode contribuir para malformações fetais.

O ácido fólico está presente em folhas de cor escura como couve, espinafre e salsinha. Também é encontrado no brócolis, na beterraba, feijão, ervilha e lentilha.

Devido à baixa ingestão dessa vitamina pela gestante, muito comum, aliás, é recomendada a suplementação do ácido fólico durante a gestação para garantir a saúde do bebê.

Vitamina A

Temos também a vitamina A que, em excesso, pode estar associada a defeitos congênitos, segundo alguns estudos realizados. Por outro lado, a carência de vitamina A também pode influenciar no surgimento de doenças infecciosas.

Portanto, o ideal é sempre evitar os excessos, até mesmo de vitaminas, e tentar manter o equilíbrio no consumo de todas elas. A orientação de um nutricionista é fundamental antes e durante todo o processo de gravidez.

Reduza os laticínios

Os laticínios também são associados à diminuição da concentração de espermatozoides no esperma do homem. Por isso, devem ser consumidos com moderação e na sua versão mais magra, que são os desnatados.

São exemplos de laticínios o leite e seus derivados como a manteiga, o requeijão, o queijo e similares.

Consuma frutas e vegetais orgânicos

Em uma dieta saudável para tratamento da gravidez é muito importante ficar longe de alimentos que contenham algum vestígio de pesticidas, pois eles alteram a morfologia do espermatozóide do homem.

Evite a magreza excessiva

Se a obesidade atrapalha a fertilidade, a magreza em excesso também não ajuda. Quando têm um percentual de gordura muito baixo, essas mulheres deixam de menstruar e, consequentemente, não ovulam diminuindo as chances da gravidez, seja de maneira natural ou através de tratamento.

Inclua alimentos ricos em ômega 3 na sua dieta

O ômega 3 aumenta a produção de espermatozoides e eleva os níveis de fertilidade no homem. Além disso, previne doenças cardiovasculares, diabetes, inflamações e melhora a função cerebral sendo uma substância muito valiosa tanto para homens quanto para mulheres.

São fontes de ômega 3 os peixes, as sementes de chia, linhaça e girassol, além das castanhas e nozes.

Tenha hábitos saudáveis diários

Além de manter uma alimentação balanceada, é preciso que o casal que deseja engravidar mantenha hábitos igualmente saudáveis, com prática diária de atividades físicas, uma boa rotina do sono, mantendo o estresse sob controle e buscando ajuda médica sempre que perceber alguma alteração no organismo.

Lembrando que esses alimentos indicados para a melhora da fertilidade devem ser consumidos diariamente, mas de maneira equilibrada, dentro de uma alimentação amplamente saudável. As refeições devem ser diversificadas, com alimentos variados para melhor aproveitamento de todos os benefícios.

Como pudemos perceber, não existe uma dieta específica que possa garantir um tratamento de gravidez saudável, mas sim práticas e hábitos saudáveis tanto na alimentação quanto nos cuidados com o corpo em geral. Assim, em resumo, é importante evitar o consumo de produtos processados e industrializados, consumir frutas e vegetais livre de substâncias nocivas à saúde, incluir proteínas animais no cardápio, inclusive o peixe, e manter o peso equilibrado. Por fim, não esquecer de ficar longe do cigarro e do álcool em excesso e fugir do sedentarismo.

O post Dieta para um tratamento de gravidez saudável apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Quais são as doenças vasculares periféricas?

Vascular Pro - sex, 03/12/2021 - 15:11

As doenças vasculares periféricas também são conhecidas como doenças arteriais periféricas e, como o nome sugere, são aquelas que atingem a extremidade do corpo, mais precisamente as pernas e os pés. Veja a seguir quais são os principais tipos dessa doença, seus fatores de risco e o que você pode fazer para evitar que elas surjam.

O que são doenças vasculares periféricas?

As doenças vasculares periféricas, (DVP), são distúrbios que afetam a circulação periférica do corpo, ou seja, a região das pernas e dos pés. A doença provoca estreitamento das artérias localizadas na região dos membros inferiores, prejudicando a circulação sanguínea local.

Quando não recebe o sangue de forma adequada, essa parte do corpo também não recebe oxigênio, essencial para a saúde e sobrevivência dos tecidos. A consequência da ausência de oxigênio, portanto, é a fragilidade dos tecidos que demoram a se recuperar após alguma lesão.

Mas, o que provoca esse estreitamento das artérias? A principal causa do comprometimento dos vasos sanguíneos é a formação de placas de gordura que, além de bloquear o fluxo sanguíneo, também endurece e lesiona as artérias por onde o sangue circula.

Além disso, existem alguns fatores de risco que aumentam a probabilidade do indivíduo sofrer com a doença vascular periférica. Falaremos mais sobre esses fatores de risco no final deste artigo.

 

Principais doenças vasculares periféricas

As doenças vasculares periféricas que mais atingem a população são:

Insuficiência venosa (varizes)

A insuficiência venosa é uma doença extremamente comum que atinge especialmente a região das pernas de homens e mulheres. O público feminino, contudo, é o que mais sofre com esse problema. A doença é provocada por má circulação nos vasos sanguíneos, geralmente ocasionada por bloqueios ou mau funcionamento das veias.

As varizes são uma das complicações da insuficiência venosa. São veias saltadas e tortuosas, que podem surgir como pequenos vasinhos e evoluir para condições mais graves da doença. A presença de varizes nas pernas é sinal de que há algum problema com a saúde dos vasos sanguíneos.

Sintomas

Além de veias aparentes e saltadas, outros sintomas da insuficiência venosa são veias de coloração arroxeada ou avermelhada, dor, cansaço e formigamento nas pernas, sensação de peso e desconforto geral na área afetada.

Quando não tratadas corretamente e precocemente, as varizes podem evoluir para complicações mais graves como trombose, úlceras e outras doenças.

Aterosclerose

A aterosclerose é a principal causa das doenças vasculares periféricas já que ela é responsável pelo acúmulo de placas de gordura dentro dos vasos sanguíneos, bloqueando a passagem do sangue e evitando que o oxigênio, o sangue e outros nutrientes cheguem aos órgãos e tecidos.

A aterosclerose pode atingir várias partes do corpo e as pernas são um exemplo de área atingida com frequência.

Sintomas

O acúmulo de gordura nos vasos acontece ao longo da vida do indivíduo e, nem sempre, oferece sinais que indiquem um problema.

Quando está em estágio mais avançado e acontece o rompimento dessas placas é que a pessoa começa a sentir que algo não vai bem com o seu corpo. Além disso, os sintomas podem variar de acordo com a área afetada. 

Quando atinge as artérias do pescoço e da região da cabeça, a aterosclerose pode provocar acidente vascular cerebral (AVC), morte súbita e infarto.

A aterosclerose, quando atinge as veias localizadas nas pernas, costuma provocar desconforto, cansaço e dor sem causa aparente e até durante períodos de descanso, dor ao caminhar e também ferimentos.

Trombose venosa

A trombose venosa é causada pela presença de coágulos nas veias mais internas das pernas, por isso também é chamada de trombose venosa profunda. Geralmente, o trombo se instala na região da panturrilha, responsável pelo bombeamento de sangue para os membros inferiores.

A trombose venosa pode evoluir para uma complicação bem mais grave que é a embolia pulmonar. Acontece quando o coágulo presente nas veias das pernas se desprende e segue o fluxo da corrente sanguínea chegando até os pulmões, bloqueando as artérias do órgão, provocando falta de ar e dor no peito. A embolia pulmonar é uma das causas mais comuns de morte repentina.

Temos também a trombose arterial, que é quando o coágulo bloqueia uma artéria. Uma das principais consequências dessa doença é o AVC (Acidente Vascular Cerebral). É uma doença perigosa que precisa ser diagnosticada o mais rápido possível.

Mas, o que provoca a trombose venosa?

A trombose normalmente se manifesta quando uma pessoa passa muito tempo imóvel, em uma mesma posição. É o que acontece em voos muito longos, após a realização de cirurgias ou quando a pessoa tem alguma condição que a obriga a ficar por muito tempo sem se movimentar.

Além disso, como vimos, a trombose pode ser causada por alguma lesão ou mau funcionamento de veias e artérias que dificultam a passagem de sangue, formando os trombos. É o que caracteriza as doenças vasculares periféricas.

Sintomas

Os principais sintomas da trombose são: dor, inchaço local, vermelhidão, calor e musculatura rígida.

Fatores de risco para as doenças vasculares periféricas

Existem alguns fatores de risco que podem aumentar a chance de uma pessoa sofrer com uma doença vascular periférica. São eles:

  • Predisposição genética;
  • Sedentarismo ou longos períodos em posição imóvel;
  • Obesidade;
  • Tabagismo;
  • Alcoolismo;
  • Uso prolongado de anticoncepcionais;
  • Idade avançada;
  • Doenças cardiovasculares e respiratórias;
  • Diabetes;
  • Altas taxas de colesterol;
  • Alimentação rica em gorduras e industrializados;
  • Varizes (fator de risco para a trombose);
  • Estresse.
Como prevenir

Não existe uma maneira cem por cento segura de prevenir o surgimento dessas doenças, mas é possível reduzir o risco de ser afetado por elas. O primeiro passo é conhecer todos os fatores de risco e tentar ficar longe deles.

Assim, é preciso melhorar a alimentação, perder peso, deixar de lado os hábitos pouco saudáveis, fazer atividade física e driblar o estresse realizando atividades relaxantes. Além disso, é preciso tratar doenças já existentes como diabetes, hipertensão e doenças cardíacas.

Por fim, realizar uma consulta com um médico vascular logo que identificar alguma alteração no corpo ou após os 35 anos de idade, especialmente se houver algum caso na família de doença vascular periférica ou similares.

Como pudemos perceber, as doenças que afetam o sistema vascular periférico são extremamente nocivas ao indivíduo causando não só problemas estéticos, como é o caso das varizes, mas, principalmente, impedindo uma vida com mais qualidade e mais longa, que é o mais importante.

 

O post Quais são as doenças vasculares periféricas? apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

O que são distúrbios vasculares?

Vascular Pro - ter, 03/09/2021 - 18:06

Chamamos de distúrbios vasculares qualquer doença que comprometa de alguma forma os vasos sanguíneos, responsáveis pelo transporte de oxigênio, sangue e demais líquidos por todo o corpo humano.

Assim, todos os distúrbios vasculares, ao atingirem o sistema cardiovascular, também chamado de sistema circulatório, acaba atingindo também o sistema arterial, o sistema venoso e o sistema linfático, visto que eles se relacionam nas funções que executam.

Distúrbios vasculares: o que são?

Como vimos, distúrbios vasculares são doenças que atingem os sistemas venoso, arterial e linfático prejudicando o correto funcionamento de vasos, veias e artérias. Algumas doenças em outros órgãos também podem surgir por causa de vasos lesionados ou doentes, essa característica peculiar da especialidade que abrange todo o corpo humano.

Em resumo, toda e qualquer alteração que se instale e atrapalhe a função desses sistemas são chamados de distúrbios vasculares. A seguir, veremos alguns exemplos:

 

Quais os principais distúrbios vasculares?

O sistema cardiovascular pode sofrer com a incidência de vários tipos de doenças. Apesar dos pontos em comum, elas não são todas iguais. Confira.

Doenças do sistema linfático

O sistema linfático é o responsável pelo transporte de líquidos presentes nos tecidos para o sistema circulatório. É um sistema importante para o corpo porque transporta proteínas não absorvidas pelos vasos capilares, atua na função imunológica e auxilia na filtragem do sangue.

As doenças mais comuns que atacam o sistema linfático e que são frequentemente tratadas pelo cirurgião vascular são:

Erisipela

A erisipela é uma infecção dermatológica provocada por uma bactéria que atinge os vasos linfáticos. A doença ataca a parte mais externa da pele e compromete especialmente a região das pernas e dos pés. Também é conhecida como vermelhidão por causa da aparência do local atingido.

Outros sintomas da erisipela são as feridas em tons avermelhados, inflamação e dor local. Se não for tratada, a erisipela pode evoluir e provocar ferimentos maiores e de difícil cicatrização. E se surgir com frequência, essa doença também pode gerar complicações causando a temida elefantíase.

A melhor forma de prevenção da erisipela é manter pernas e pés saudáveis, longe de infecções, ferimentos e micoses que podem ser porta de entrada para micro-organismos, causadores deste e de outros problemas.

Linfedema

O linfedema também é uma doença cardiovascular cuja principal característica é o inchaço provocado pelo acúmulo de líquido proteico em diferentes partes do corpo, especialmente nas pernas e nos braços.

Esse acúmulo geralmente é ocasionado por alguma interrupção no fluxo da linfa pelos vasos, que pode acontecer por causa de algum obstáculo ou por causa de alguma alteração nas paredes dos vasos por onde a linfa circula.

Quando atinge as pernas, o linfedema pode ser resultado da erisipela de repetição, ou seja, quando ocorre muitas vezes em seguida, cada vez com sintomas mais fortes.

Já quando os braços são mais atingidos pelo linfedema, o inchaço costuma ter relação com tratamentos de câncer de mama, em que a cirurgia para retirar o nódulo maligno acaba também removendo alguns linfonodos, prejudicando o funcionamento do sistema linfático.

 

Doenças do sistema arterial

O sistema arterial é composto por vasos que saem do coração e se ramificam por toda a extensão do corpo. As principais doenças que o atingem são:

Aterosclerose

Uma doença muito comum que atinge o sistema arterial é a aterosclerose. Com o passar da idade, as artérias ficam mais endurecidas, estreitas e comprometidas, bloqueando o fluxo sanguíneo natural. Esse bloqueio provoca isquemias em diferentes partes do corpo como coração, pescoço e pernas.

Isquemias

Quando atinge as artérias do coração, a isquemia provoca diversas reações, dentre elas o ataque cardíaco. Já quando a isquemia acontece nas artérias do pescoço, o resultado é o AVCI (Acidente Vascular Cerebral Isquêmico). O AVCI é uma doença que pode levar a óbito em pouquíssimo tempo, além de deixar sequelas que comprometem muito a vida do indivíduo. Portanto, o socorro nesses casos deve ser urgente.

Por fim, temos a isquemia nas pernas, chamada de doença arterial obstrutiva periférica – DAOP, que também é provocada pela má circulação sanguínea. A isquemia causa dor e cansaço nas pernas, mesmo em repouso, ferimentos no local e coloração arroxeada ou azulada nas pontas dos dedos.

Essa doença arterial é bastante grave e, se não for tratada, pode levar a amputações dos membros inferiores. Além disso, é um fator de risco para a incidência de outras doenças arteriais como o AVC.

Estenose

A estenose é o estreitamento das artérias impedindo a livre circulação de sangue e oxigênio para órgãos como o coração. É uma das causas de outras doenças vasculares como o AVC.

Aneurismas

As artérias também podem ficar dilatadas, provocando aneurismas. Essa dilatação é responsável pelo enfraquecimento dos vasos que, por sua vez, podem romper e causar hemorragias. Os principais tipos de aneurisma são:

  • Aneurisma de aorta: primeiro tipo de aneurisma mais comum e que pode atingir a região do tórax (aneurisma de aorta torácico) ou do abdômen (aneurisma de aorta abdominal), esse último caso sendo o mais comum.
  • Aneurisma de ilíaca: segundo tipo de aneurisma mais comum e que atinge as ramificações da aorta, na região abdominal.
  • Aneurisma de vasos viscerais: terceiro tipo mais comum de aneurisma e atinge órgãos específicos como fígado, intestino, rim e baço, ou seja, as vísceras abdominais.
  • Aneurisma de carótida: atinge as artérias localizadas ao lado do pescoço.
  • Aneurisma de artéria renal: compromete especificamente os rins.
Doenças do sistema venoso

O sistema nervoso é responsável pelo transporte do sangue das extremidades do corpo até o coração. 

Varizes

Dentre as doenças que atingem o sistema venoso, a principal delas são as varizes. As varizes se apresentam como veias dilatadas, saltadas e irregulares, que surgem nos membros inferiores de mulheres, grupo mais atingido.

Apesar de muitas pessoas considerarem as varizes como um problema apenas quando elas estão em estágio avançado, é preciso destacar que até os vasinhos pequenos, que aparecem como pequenas ramificações na pele, já são indícios de distúrbios vasculares e precisam de cuidados médicos.

As varizes provocam dor, cansaço, sensação de peso e outros desconfortos, especialmente quando a pessoa fica muito tempo em pé ou sentada. Quando não tratadas, as varizes podem evoluir para doenças mais graves, causando, inclusive, úlceras de difícil cicatrização.

Outras doenças do sistema venoso são:

Como vimos, os distúrbios vasculares podem se apresentar em uma enorme diversidade de doenças, atingindo sistemas diferentes, porém complementares. Diante de qualquer sintoma que possa sinalizar algum problema de circulação, o indivíduo precisa entrar em contato com o cirurgião vascular para identificar o problema e começar o tratamento antes da evolução da doença.

 

O post O que são distúrbios vasculares? apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

Por quanto tempo um embrião pode ficar congelado

Fertilidade - ter, 03/09/2021 - 08:09

O congelamento de embriões é uma técnica bastante comum realizada durante um tratamento de gravidez. É uma medida de precaução que tem o objetivo de conservar a fertilidade e aumentar as chances de uma mulher engravidar no futuro, se houver esse interesse. É um procedimento que levanta muitas dúvidas e uma das mais recorrentes diz respeito ao tempo em que um embrião pode ficar congelado, além da qualidade desse embrião após certo tempo. É sobre isso que falaremos a partir de agora.

O que é e como funciona o congelamento de embriões?

O congelamento de embriões, também chamado de criopreservação, é um procedimento médico, realizado em uma clínica especialista em fertilidade, no qual alguns embriões são congelados, estando à disposição da mulher quando esta desejar engravidar novamente.

Normalmente, esses embriões são aqueles não fertilizados durante o processo de Fertilização in vitro. Nesse tipo de tratamento, alguns óvulos são capturados e fecundados fora do corpo da mulher. Depois, alguns são introduzidos no útero para que o bebê seja gerado.

Contudo, é importante saber que sempre há uma fecundação maior de óvulos externamente. Entretanto, nem todos são inseridos na mulher porque há o risco de gestação múltipla, o que não é recomendado por questões médicas e legais.

Assim, alguns embriões não são utilizados naquele momento, mas podem ser congelados para uso posterior.

Quando é indicado o congelamento de embriões?

O congelamento de embriões não acontece de forma aleatória. Existem algumas situações em que a criopreservação é muito útil e, por vezes, necessária. Vejamos a seguir:

Nova tentativa de fertilização

Quando um ou mais óvulos fecundados são injetados na mulher, a esperança de todos é que a gravidez, de fato, se confirme. Contudo, isso pode não acontecer e, em breve, a mulher terá que passar pelo mesmo processo de ovulação estimulada, captura de óvulos e recebimento de embriões.

Com os embriões congelados, as duas primeiras etapas são puladas e o primeiro passo se torna a introdução dos embriões, antes congelados, dentro do útero em uma nova tentativa de gravidez.

Mulher com muita produção de óvulos

Quando passa por um processo de tratamento de gravidez, a mulher pode ter uma superprodução de óvulos o que também viabiliza o congelamento de embriões para gestações futuras ou novas tentativas de fertilização in vitro.

Homem ou mulher pode ter algum problema de fertilização futura

Existem algumas doenças que, quando tratadas, podem prejudicar a fertilidade de homens e mulheres ou comprometer o sistema reprodutor de ambos. É o caso do câncer, por exemplo. Sabendo disso, o casal pode optar pelo congelamento de embriões, enquanto estes ainda estão saudáveis e fortes para a gestação.

Como é feito o congelamento de embriões?

A criopreservação acontece em três etapas, conforme veremos a seguir:

  • A primeira etapa é a inserção desse embrião em um ambiente que evita a formação de cristais de gelo dentro das células.
  • O segundo passo é o armazenamento desse embrião em um recipiente resfriado com nitrogênio líquido. Esse resfriamento acontece muito rapidamente para garantir o máximo de qualidade desses embriões e sobrevivência deles após o descongelamento.
  • Na última etapa, os embriões são etiquetados e permanecem no nitrogênio durante o tempo necessário até a sua utilização.

Assine o melhor canal de saúde no Youtube

 

Por quanto tempo um embrião fica congelado?

Não há um tempo limite para o congelamento de embriões. Temos casos de embriões congelados há mais de 30 anos. Esse período pode ser maior ou menor, dependendo das necessidades e interesses da pessoa interessada no processo de fertilização.

Uma dúvida muito comum é em relação à qualidade desses embriões após o tempo de congelamento, principalmente quando é um período muito longo. Podemos afirmar que esses embriões congelados são tão fortes e aptos para uma gestação quanto os embriões frescos.

Há casos, inclusive, que comprovam que a gravidez a partir de embriões congelados tem mais chance de dar certo porque a mulher não precisa mais se expor à estimulação de produção de óvulos, uma das etapas do tratamento de fertilização.

Apesar de essencial para o sucesso do tratamento, essa superestimulação provocada pelo uso de medicamentos específicos poderia causar pequenos danos às paredes do útero, interferindo na eficiência da gestação.

O que pode influenciar a qualidade desses embriões é o processo de congelamento, armazenamento e descongelamento, que é uma responsabilidade da clínica de fertilização. Daí a importância de buscar uma equipe médica e um consultório responsável e compromissado com os protocolos de segurança e qualidade dos procedimentos que realiza.

No geral, estima-se que 95% dos embriões congelados sobrevivam ao período de armazenamento, o que significa uma perda muito pequena, confirmando a importância da criopreservação.

Sucesso da gravidez a partir de embriões congelados

Como dissemos, os embriões congelados têm a mesma qualidade daqueles considerados frescos, produzidos naquele momento. Contudo, sempre há a possibilidade da mulher não conseguir engravidar com o uso desses embriões, o que também acontece quando são usados óvulos “novos”.

O sucesso dessa gravidez não depende exclusivamente da saúde dos embriões, mas também da idade da mulher e também das suas condições de saúde durante o recebimento dos embriões e no período de gestação.

O que acontece com o embrião congelado e não utilizado?

O congelamento dos embriões tem um objetivo. Contudo, quando a mulher ou o casal não deseja mais manter aquele embrião congelado há, basicamente, três maneiras de solucionar essa questão.

1. Doação para pesquisas de célula-tronco

Embriões com mais de três anos de preservação podem ser doados para pesquisas que estudam as células-tronco embrionárias.

2. Doação para outros casais

Outro casal que deseja engravidar pode receber o embrião congelado, se esse for o interesse de ambas as partes interessadas. A doação pode ocorrer com embriões congelados há mais de três anos e não pode ter fins lucrativos. Ou seja, não é permitido vender os embriões.

3. Descarte

Segundo o que consta na lei, após três anos de congelamento os embriões podem ser descartados definitivamente se nenhuma das opções anteriores fizer sentido para o casal, dono dos óvulos fecundados.

Como vimos, o congelamento de embriões é um procedimento bastante comum realizado nas clínicas de fertilização e não há tempo limite para esse armazenamento, que pode passar de 30 anos. Desde que seja realizado de maneira correta, a criopreservação é um método seguro, não prejudica a qualidade dos embriões, havendo, inclusive, casos de taxas maiores de gravidez com o uso de embriões congelados. A adesão, contudo, deve ser feita após acordo entre equipe médica e os pais, responsáveis pelo material armazenado.

 

O post Por quanto tempo um embrião pode ficar congelado apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

O que é um médico vascular?

Vascular Pro - seg, 03/08/2021 - 08:59

Você sabe o que é um médico vascular e qual o caminho que ele percorreu para alcançar esse posto e essa titulação? Hoje, falaremos um pouco sobre toda a trajetória do médico e cirurgião vascular, desde a graduação até as especializações. Veremos também por que é importante que o médico esteja atualizado constantemente dentro do seu ramo de atuação e como isso pode interferir na escolha do paciente na hora em que ele precisa tratar de alguma doença vascular.

Como é a formação do Médico Cirurgião Vascular

A formação do médico vascular começa quando ele decide que quer cursar medicina na faculdade e, para isso, se prepara para o vestibular de uma instituição de ensino superior que oferta o curso. Os vestibulares para as faculdades de medicina são sempre muito concorridos e, para conseguir uma vaga, é preciso muita dedicação.

Graduação e Internato

A graduação do médico vascular dura cerca de seis anos. Na graduação, o médico vai formar toda a sua bagagem teórica, aprendendo nos livros e com os professores, tudo relacionado às doenças humanas, seus sintomas e tratamentos.

Esses seis anos da graduação são divididos em quatro anos na faculdade de medicina e os dois últimos anos no internato, dentro do hospital, já cuidando dos pacientes e de suas doenças. Nessa fase, o médico é chamado de interno.

Residência em Cirurgia geral

Após o internato, vem a residência que é outro período em que o médico já atua dentro do hospital, dessa vez se dedicando à cirurgia geral. O período de residência na cirurgia geral dura entre 2 e 4 anos e o médico também é avaliado mediante uma prova final.

Nessa fase da residência, o médico já começa a buscar a sua subespecialização. Ou seja, ele já começa a decidir sobre qual área deseja atuar após a formação completa. Quem deseja atuar como cirurgião vascular precisa fazer a residência médica na cirurgia geral. Já quem deseja se tornar um angiologista, pode fazer a residência na clínica médica.

Após essa fase, o médico já tem a formação em cirurgia geral, concluída ao final da residência, e já pode tratar doenças como hérnia, hemorroidas, apendicite e outras doenças abdominais.

Residência em Cirurgia Vascular

A segunda residência que o médico tem que enfrentar para se tornar um médico vascular é a residência em cirurgia vascular que também dura entre 2 e 4 anos, com mais uma prova no final desse período.

Esse momento é bem mais dedicado à subespecialidade da cirurgia vascular. Ou seja, o médico está especificando mais ainda as doenças com as quais ele deseja lidar enquanto médico e já está se qualificando bastante com as experiências.

Nessa fase, ele vai tratar doenças vasculares que envolvem o sistema arterial, o sistema venoso e o sistema linfático. No sistema arterial, algumas doenças comuns são a aterosclerose, o aneurisma e as estenoses.

As doenças venosas mais comuns do sistema venoso são as varizes e a trombose. Por fim, o sistema linfático apresenta as doenças linfáticas como o linfedema e a erisipela.

Subespecialização

Após passar pela graduação, internato, residência em cirurgia médica e pela residência em cirurgia vascular, o profissional já é médico, já é cirurgião geral e cirurgião vascular. Agora ele também pode se subespecializar em:

  • Cirurgia endovascular: nesta especialização, o médico aprende os tratamentos mais modernos realizados dentro dos vasos como a colocação de stents e a fazer a embolização, além de outros procedimentos minimamente invasivos. É o que também chamamos de angiorradiologia.
  • Ecografia vascular: especialização em que o médico aprende a realizar exames ultrassonográficos e ecográficos dentro das patologias vasculares. Também é outro título que o médico vascular pode conseguir e acrescentar no seu currículo.

Quem regula essas titulações médicas

O MEC (Ministério da Educação) é o órgão federal que regula a profissão através das graduações e das residências. As faculdades que oferecem o curso de medicina, por exemplo, precisam passar pelo crivo do MEC antes de começarem as suas atividades. Isto é, precisam ser reconhecidas pelo órgão.

Já os títulos médicos que o profissional vai recebendo durante a sua carreira, como o de cirurgião vascular, especialista em cirurgia endovascular e outros, são ofertados pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV).

Carreira acadêmica

Outra opção disponível para o médico vascular é a carreira acadêmica. Após a graduação e todas as residências e especializações já listadas aqui, o médico pode fazer mestrado, doutorado, pós-doutorado e, assim, se tornar professor em uma universidade pública ou privada.

Também é uma alternativa muito interessante e extremamente importante porque ele repassa para outros futuros médicos uma carga enorme de conhecimento, se tornando fundamental para a formação com excelência de outros profissionais.


A medicina avança e o médico deve estar preparado

O fato é que, para um médico vascular, assim como para outros especialistas, o estudo nunca acaba. Reunir um bom pacote de especializações pode durar até 12 anos ou mais até chegar naquilo que ele deseja para a sua vida de médico.

A medicina avança muito rapidamente e o médico precisa ficar atento a todas as novidades que surgirem para aprender e aplicar tudo na solução do problema que o seu paciente apresenta.

Muitos procedimentos que hoje são realizados de forma natural e contínua não são ensinados nem no período de graduação e nem nas residências. Muitas dessas inovações surgem depois da formação de muitos profissionais ou ainda não estão disponíveis aqui no nosso país.

Um exemplo é a cirurgia de varizes com laser que é uma técnica nova que chegou aqui no Brasil recentemente e começamos a fazer antes de outros profissionais.

Outro exemplo de procedimento novo é a cirurgia endovascular que também não era realizada no Brasil, mas que fomos procurar saber como funcionava em outros países como a Itália. E de lá trouxemos conhecimentos valiosos a respeito.

Por fim, e não menos importante, temos o lipedema. Um assunto sobre o qual praticamente ninguém falava nada e que conseguimos trazer para o público não apenas informações precisas que facilitam o diagnóstico, mas também excelentes maneiras de tratar a doença.

 

Escolhendo o seu médico vascular

O cirurgião vascular é ultraespecializado em tratamento vascular, arterial, venoso e linfático. Passou por muitos testes de aprendizagem e é capaz de lidar com diversas doenças que afetam as pessoas. Por isso, é importante buscar um cirurgião que tenha passado por todas essas fases, que tenha um bom currículo (que pode ser visto no sistema do curriculo lattes) respaldado pelo MEC e pela SBACV e que entenda que estudar faz parte de toda a vida de um médico. Se aperfeiçoar, buscar conhecimento demonstra comprometimento com o seu trabalho e também com as pessoas que depositam nele a solução dos seus problemas.


Assine o melhor canal de saúde no Youtube

 

O post O que é um médico vascular? apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

Como prevenir as doenças vasculares?

Vascular Pro - seg, 03/08/2021 - 08:44

Prevenir a instalação de doenças vasculares é um fator importante na busca diária por uma vida mais saudável e longeva. As doenças vasculares são problemas graves responsáveis por uma porcentagem considerável de mortes no país. Além disso, seus sintomas e complicações comprometem severamente a mobilidade, a realização de atividades diárias, a estética e a saúde mental do indivíduo. Veja a seguir quais são as principais doenças vasculares e o que fazer para preveni-las.

O que são doenças vasculares?

Doenças vasculares são aquelas que atingem e prejudicam o bom funcionamento do sistema vascular, formado pelos vasos sanguíneos responsáveis pelo transporte de sangue e outras substâncias por toda a extensão do corpo humano.

O principal efeito das doenças vasculares é a interrupção da circulação sanguínea pelo corpo, causando complicações graves como acúmulo de líquido, acúmulo de sangue, formação de coágulos e lesões nas veias e nas artérias.

 

Principais doenças vasculares e como prevenir

Existe uma série de doenças que atingem o sistema vascular e o bom funcionamento dos vasos sanguíneos. As principais serão listadas a seguir com suas respectivas medidas de prevenção.

Varizes

As varizes talvez sejam as doenças vasculares mais comuns e mais conhecidas da população em geral. Caracterizam-se por veias dilatadas, saltadas e avermelhadas, algumas com formatos semelhantes a teias de aranha e que provocam dor, inchaço e cansaço nas pernas.

As varizes podem ser de dois tipos: primárias, de origem genética e secundárias, adquiridas devido a algum fator externo.

Prevenção de varizes de origem genética

Ao identificar alguém na família com histórico de varizes, a mulher já deve tomar precauções para evitar que esse problema também a atinja, já que ela está dentro do fator de risco. O primeiro passo é procurar um cirurgião vascular para investigar e antecipar o tratamento da veia doente.

Outra técnica de prevenção é o uso da meia elástica de leve compressão. É um hábito que reduz bastante o surgimento das varizes. As meias de compressão estimulam a circulação sanguínea e aliviam sintomas como o inchaço e o cansaço, muito comum naquelas pessoas que ficam muito tempo em pé ou passam o dia sentadas por conta do trabalho.

A prática de hábitos saudáveis também é outra forma de prevenir as varizes. Portanto, é importante fazer atividade física, exercitar os músculos, especialmente da panturrilha e evitar hábitos nocivos como o uso do cigarro e o álcool em excesso.

Prevenção das varizes de origem secundária

As varizes secundárias geralmente são adquiridas após algum trauma ou devido a complicações como a trombose venosa. Nesse caso, é preciso evitar esses acidentes e tratar qualquer complicação vascular previamente identificada para evitar as varizes. E, claro, levar uma vida ativa com prática de hábitos saudáveis.


Assine o melhor canal de saúde no Youtube

 

Trombose venosa

A trombose venosa se caracteriza pela presença de coágulos dentro dos vasos sanguíneos, impedindo a circulação. Pode ser superficial quando atinge a parte mais externa das veias e pode ser profunda quando está entre os músculos das pernas.

Por ser uma doença que também tem um fator genético forte, uma das medidas de prevenção é buscar orientação de um cirurgião vascular antes que surjam os primeiros sintomas. A trombose pode ser uma complicação das varizes e, por isso, é preciso ficar atento.

Outro ponto importante de prevenção é perder peso. A obesidade é uma das causas da trombose venosa. Além disso, é recomendado o uso de meias elásticas e a prática de atividades físicas de forma constante.

 

Aneurisma periférico

O aneurisma periférico caracteriza-se pela dilatação de uma artéria na região das pernas, devido à presença de coágulos, impedindo a circulação. Pode causar inchaço, dor e vermelhidão local, além de outros problemas de circulação.

A melhor prevenção é a consulta com o cirurgião vascular para diagnóstico precoce da doença, bem como o início do tratamento o quanto antes.

 

Pé diabético

O pé diabético é uma doença que atinge pessoas que têm diabetes e os principais sintomas são: calos, rachaduras, micoses, ferimentos, mudança na tonalidade da pele, dor e infecções. A má circulação sanguínea é um dos grandes causadores dessa doença.

Como medida de prevenção, o primeiro passo é manter o diabetes controlado. Aliado a isso, é necessário redobrar os cuidados com os pés usando calçados confortáveis, evitando andar descalço, evitar cortes na região dos membros inferiores, secar bem os pés para evitar micoses e tratar com urgência qualquer feridinha que possa surgir.

 

Doença arterial obstrutiva periférica

Ocorre quando há alguma obstrução ou estreitamento das artérias dos membros inferiores. Geralmente é provocada pelo acúmulo de placas de gordura no sangue, além do envelhecimento natural do corpo.

Algumas medidas de prevenção consistem em: controlar os índices de colesterol, manter uma alimentação saudável, perder peso, evitar o tabagismo, controlar o diabetes e a hipertensão e sair do sedentarismo.

Além disso, é fundamental buscar ajuda médica, já que a doença apresenta sintomas leves, porém, desconfortáveis e que exigem o tratamento correto.

 

Quais são os fatores de risco para as doenças vasculares

Além das causas comuns das doenças vasculares, existem os fatores de risco. São situações, hábitos ou condições que envolvem o indivíduo aumentando o risco da incidência dessas doenças. É importante conhecer esses fatores para aprender a lidar melhor com eles.

  • Obesidade
  • Tabagismo
  • Consumo excessivo de álcool
  • Ficar muito tempo em pé
  • Ficar muito tempo sentado
  • Alimentação rica em gordura, frituras e demais alimentos pouco saudáveis
  • Histórico familiar de doenças vasculares
  • Sedentarismo
  • Hipertensão
  • Diabetes
  • Altos índices de colesterol
  • Idade avançada
  • Ter sofrido com outras doenças vasculares no passado
  • Problemas cardíacos

 

É muito importante estar ciente desses fatores de risco porque eles também podem funcionar como um método de prevenção geral para as doenças vasculares. Ao analisar os seus hábitos e o seu estilo de vida, o indivíduo pode promover mudanças na sua rotina e afastar o surgimento dessas e de outras enfermidades.

Como vimos, existem diferentes tipos de doenças vasculares e a prevenção de cada uma delas depende do conhecimento prévio das suas causas. Contudo, algumas orientações são básicas e comuns a todas, como a consulta periódica com um médico vascular, profissional especializado no tratamento dessas doenças e que pode antecipar o diagnóstico de algum problema, antes do surgimento dos sintomas. Além disso, é fundamental manter hábitos saudáveis e tentar evitar, dentro do possível, os fatores de risco que também influenciam no surgimento e agravamento da doença.

 

O post Como prevenir as doenças vasculares? apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

Quais as chances de ter gêmeos na inseminação artificial?

Fertilidade - sab, 03/06/2021 - 08:40

Quando opta pela inseminação artificial para conseguir engravidar, a mulher não experimenta apenas a satisfação pela busca de um sonho, mas também a preocupação pela possibilidade de ter uma gestação múltipla, ou seja, engravidar de gêmeos. Na maioria das vezes, não é esse o objetivo da mulher, uma vez que a gravidez gemelar provoca realmente uma mudança bastante radical na vida da família, além dos riscos provocados. Mas, quais são, de fato, as chances de uma mulher ter uma gestação múltipla durante o processo de inseminação artificial? Vamos falar um pouco mais sobre isso?

Como ocorre a gestação múltipla espontânea

Em primeiro lugar, precisamos saber por quais razões uma mulher tem uma gestação múltipla. Entendemos por gestação múltipla, ou gravidez gemelar, aquela em que mais de um óvulo é fecundado, podendo gerar dois ou mais bebês de uma única vez.

A gravidez gemelar ocorre, geralmente, 1 vez a cada 80 gestações. Além disso, ela também acontece de forma espontânea de acordo com alguns fatores específicos:

Idade da mulher

A partir dos 35 anos de idade, o ovário da mulher já não funciona de forma equilibrada como antes e passa por momentos de grande produção do hormônio FSH, que é o hormônio responsável por regular e selecionar os óvulos considerados mais saudáveis para a fecundação.

Ao executar essa ação, o FSH pode recrutar mais de um óvulo que se encontra perfeito para a fecundação, resultando em uma gestação múltipla naturalmente espontânea.

Casos de gravidez múltipla na família

Outra razão para a gravidez gemelar espontânea é a presença de casos na família. Isso se deve às questões de hereditariedade. Não é uma regra, mas as chances de uma mulher engravidar de gêmeos, tendo ela algum caso na família, são maiores.

Tratamento de fertilidade

Os tratamentos de fertilidade e reprodução assistida também influenciam na gestação múltipla porque os especialistas criam uma situação mais favorável para a fecundação dos óvulos. Há um tratamento antes, durante e depois da fecundação para garantir que a gravidez, de fato, aconteça.

Por que a inseminação artificial aumenta as chances de ter gêmeos?

Na inseminação artificial a mulher recebe a injeção de hormônios como o FSH que estimula a ovulação, a maturação dos óvulos e seleciona naturalmente aqueles mais fortes para receber o espermatozoide.

Por causa da atuação desse e de outros hormônios, a mulher pode liberar mais de um óvulo saudável e pronto para a fecundação e é por isso que ela pode alcançar uma gravidez gemelar.

A reprodução assistida consiste em um trabalho amplo, em conjunto com os pais, para o alcance de um objetivo em comum: a gravidez saudável.

Para isso, são realizados procedimentos diversos para que o homem produza espermatozoides saudáveis e fortes e a mulher ovule com toda a sua capacidade natural. Potencializando o funcionamento do próprio corpo, as chances de acontecer uma gravidez de gêmeos são bem maiores.

Probabilidade de ter gêmeos na inseminação artificial

Mas, então quais são as chances de ter gêmeos em uma inseminação artificial? Uma gravidez múltipla espontânea pode ocorrer entre 10% e 20% dos casos de gestação. Quando há inseminação artificial, esse número sobe um pouco mais.

De acordo com estudos e resultados já obtidos, as chances de mulheres engravidarem de gêmeos em uma inseminação artificial aumenta para 20% e 30% dos casos assistidos. Obviamente, esse número não é estático e nem definitivo e diversos fatores podem influenciar nessa porcentagem.

Quando uma mulher tem uma gravidez múltipla, com mais de dois bebês, normalmente as pessoas associam o acontecimento a algum tratamento de reprodução assistida. E, de fato, há mais chances de isso acontecer pelos motivos já citados.

Posso escolher ter gêmeos em uma inseminação artificial?

Como já dissemos, tratamentos de fertilidade aumentam as chances de ocorrer uma gestação gemelar. Contudo, apesar de muitos casais terem o sonho de ter filhos gêmeos, essa não é uma opção recomendada e nem permitida pelo Conselho Federal de Medicina.

Na fertilização in vitro, em que há introdução de óvulos fecundados no útero da mulher, existe uma quantidade limite de óvulos injetados. 

  • Em mulheres com até 35 anos de idade, podem ser inseridos até 2 óvulos;
  • Mulheres com idade entre 35 e 40 podem ter até 3 óvulos introduzidos no útero;
  • Em mulheres acima dos 40 anos, o CFM permite a aplicação de apenas 4 óvulos no útero.

Mas, por que esse cuidado? Para evitar que a gestação múltipla aconteça de forma recorrente, já que há uma possibilidade maior de isso acontecer com os tratamentos de fertilidade. E nem sempre esse é o desejo da mulher, além de todos os riscos que esse tipo de gravidez envolve.

Gravidez de gêmeos é de risco?

Gravidez múltipla aumenta sim as probabilidades de riscos diversos tanto para a mulher quanto para os bebês. Bebês gêmeos podem não se desenvolver todos ao mesmo tempo, além de vários tipos de doenças que podem surgir durante os nove meses de gestação.

Por esses motivos é que existe o controle do Conselho Federal de Medicina em relação à injeção de óvulos no útero da mulher e, claro, a não permissão de que casais possam escolher ter filhos gêmeos em uma inseminação artificial ou na fertilização in vitro.

Contudo, cabe salientar que na inseminação artificial a gravidez de gêmeos acontece de maneira natural, com a liberação de dois ou mais óvulos fortes e prontos para a fecundação. Ainda assim, pode implicar em algum risco por causa de inúmeros fatores já conhecidos pela mulher durante o tratamento, como idade, situação do útero e ovários, dentre outros.

Como reduzir os riscos de uma gravidez múltipla?

Além de evitar a fecundação de muitos óvulos, é fundamental o acompanhamento completo da gravidez através de um pré-natal bem realizado e bem orientado por toda a equipe que acompanha a gestante. É o que chamamos de pré-natal de risco.

Assim, a gestante precisa visitar o médico com frequência, realizar um número maior de exames e seguir todas as orientações relatadas pelo médico como ter repouso, manter uma boa alimentação e evitar fazer muito esforço físico.

Hoje vimos que a inseminação artificial aumenta a probabilidade da mulher ter gêmeos. Contudo, essa informação não deve preocupar a mulher e nem afastá-la do sonho de ser mãe. É importante que ela saiba de todas as possibilidades existentes para, junto com a equipe médica, seguir todas as orientações recomendadas. Afinal, o objetivo da reprodução assistida é que a mulher tenha não só um sonho realizado, mas uma gestação saudável para todos.

O post Quais as chances de ter gêmeos na inseminação artificial? apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Como é a primeira consulta para um tratamento de gravidez?

Fertilidade - sab, 03/06/2021 - 08:32

A primeira consulta para um tratamento de gravidez é sempre envolta em muitas dúvidas, ansiedade e medo, mas também é cheia de esperança. Afinal, um grande sonho está prestes a ser realizado e é sempre muito difícil lidar com tantas transformações que estão por vir.

Pensando nisso, resolvemos falar um pouco mais sobre o primeiro encontro da família que pretende engravidar com o médico escolhido para participar desse processo tão delicado. O intuito é sanar algumas dúvidas e aliviar a ansiedade muito frequente nessa fase.

Primeira consulta para tratamento de gravidez: o que esperar?

Bem, o primeiro contato que a família terá com o médico responsável pelo processo de gravidez é básico e, ao mesmo tempo, é bem completo. É um acolhimento básico porque o médico precisa colher informações gerais sobre os futuros papais para ter uma visão ampla do caso.

E também é um encontro completo porque são captados dados essenciais ao sucesso do tratamento. São informações sobre a saúde do casal, doenças hereditárias e pontos similares.

Além disso, o médico pode usar esse encontro para explicar os diferentes tipos de tratamento para engravidar, riscos, possibilidades, sugestões e orientações, impedimentos físicos e legais, dentre outras dúvidas que sempre surgem a respeito. Veja tudo com mais detalhes a seguir.

Investigando a saúde do casal

Normalmente, quando o casal procura uma clínica de fertilidade é porque as tentativas de engravidar naturalmente não deram certo. Nesse momento, eles precisam de ajuda profissional para identificar o que está acontecendo de errado.

Sabendo disso, o médico inicia a conversa tentando entender como foram as tentativas de engravidar, quais técnicas já foram utilizadas, qual é o nível de conhecimento da mulher sobre o seu período de ovulação etc.

Depois, ele procura saber como está a saúde do casal, levando em conta a idade de cada um, sintomas frequentes, hábitos e estilo de vida. Esse momento exige muita honestidade e relato verdadeiro das informações. É a partir desses dados que o médico traçará um plano de ação para alcançar o resultado esperado.

O passo seguinte é o diagnóstico de possíveis impedimentos a uma gravidez natural. O médico solicita alguns exames para saber de onde vem o problema. Nem sempre a pessoa sabe que tem alguma dificuldade interna que impede a gravidez, o que só pode ser constatado através de exames.

Informações sobre a presença de doenças hereditárias

Outro ponto levantado é a existência de alguma doença hereditária na família que, também pode estar afetando algum dos pais, comprometendo a gravidez. Diante de alguma suposição do tipo, o médico também solicita exames para averiguar e confirmar ou não o diagnóstico.

Informações sobre familiares com dificuldade para engravidar

Casos de infertilidade na família também devem ser relatados porque podem estar relacionados a alguma doença genética. Portanto, é importante o casal fazer essa pesquisa com seus familiares para facilitar a análise médica.

Casos de menopausa precoce costumam ser averiguados, uma vez que é uma situação que pode se repetir entre as mulheres do mesmo grupo familiar. E também é um ponto que pode interferir na gravidez.

Solicitação de exames de diagnóstico

Os exames são solicitados para que o médico tenha uma visão mais próxima possível da saúde do casal que deseja engravidar. Tanto o homem quanto a mulher precisam ser examinados em busca de pontos que possam dificultar uma gravidez.

Muitas vezes a mulher acredita que o problema está com ela, mas isso não é uma afirmação correta. O homem também pode ser o responsável pela não gestação. A ausência de sintomas não significa uma saúde em perfeito estado.

Portanto, o casal não deve se assustar com a quantidade ou com o tipo de exames solicitados pelo médico. Todos eles são necessários para um diagnóstico amplo, preciso e completo sobre a saúde de ambos.

Esclarecimentos e dúvidas

A primeira consulta para tratamento da gravidez também deve ser o momento utilizado pelo casal para tirar todas as suas dúvidas ou, pelo menos, aquelas que surgiram faz tempo.

Então, o casal é informado sobre os métodos de fertilidade existentes, possibilidades de uma gravidez múltipla, possíveis riscos da gestação, probabilidade de sucesso do tratamento dentre outras dúvidas que possam surgir.

É importante destacar que a primeira consulta não é utilizada para a indicação do tratamento ideal de gravidez. Apenas com o resultado dos exames em mãos é que o médico pode apresentar as opções que melhor se encaixam na realidade daquele casal.

Como se preparar para a primeira consulta?

Veja a seguir algumas dicas simples que facilitarão muito a sua primeira conversa com o médico responsável pelo seu tratamento.

Busque informações e anote as suas dúvidas

O primeiro contato com o médico tem o objetivo de formar uma base, o pilar do tratamento que será iniciado. Portanto, é importante que o casal tenha uma preparação prévia a respeito do assunto, que pode ser através de leituras e outras fontes de informação.

Em caso de dúvidas, estas podem e devem ser listadas para que, durante o encontro com o médico, elas sejam esclarecidas. Ter o cuidado de listar as dúvidas é importante porque impede o esquecimento momentâneo e a frustração depois.

Informe-se sobre a saúde da sua família

Outro ponto importante é a coleta de informações sobre a família. Fazer uma pesquisa ampla sobre a saúde geral dos familiares, saber se alguma mulher teve dificuldades para engravidar ou teve menopausa precoce é fundamental para ajudar o médico a fazer um diagnóstico mais preciso.

Seja honesto na entrega de informações

Por fim, precisamos destacar a honestidade nas informações e o cumprimento correto das solicitações. Como dissemos, o tratamento para gravidez cria um laço forte entre médico e casal e essa relação exige o compromisso com a verdade.

Então, é necessário responder a todos os questionamentos, ser verdadeiro nas respostas, ser paciente com a coleta de dados, realizar os exames solicitados e seguir todas as outras orientações repassadas pelo médico.

Como vimos, a primeira consulta para o tratamento de gravidez é um dos momentos mais importantes dessa nova fase na vida do casal que deseja ter um filho. É o momento de conhecer mais sobre o assunto, esclarecer dúvidas e alinhar expectativas. Também é hora de verificar como está a saúde desse casal e identificar o que está impedindo a gravidez espontânea. Por tudo isso, é essencial que a futura mamãe e o futuro papai estejam comprometidos com esse momento para que, juntos com a equipe médica, alcancem o objetivo tão aguardado que é a chegada de um lindo bebê.

 

O post Como é a primeira consulta para um tratamento de gravidez? apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Cuidado com as complicações das varizes

Vascular Pro - sab, 02/27/2021 - 09:32

As varizes são veias tortuosas e dilatadas que surgem, especialmente nas pernas de mulheres, por conta de vasos doentes. Apesar de gerar um desconforto estético muito grande, esse não é o problema mais grave que as varizes podem causar. Existem outras complicações muito mais danosas causadas pelas varizes e é sobre elas que falaremos a partir de agora.


Assine o melhor canal de saúde no Youtube

 

Principais complicações causadas pelas varizes

De imediato, quem sofre com varizes relata como a principal insatisfação o aspecto estético do corpo que fica comprometido. As varizes são muito mais comuns nas pernas de mulheres e essa é uma região que fica exposta com muito mais frequência, principalmente nos dias mais quentes.

Portanto, as veias tortas, sobressalentes, com formatos variados costumam mesmo constranger bastante. Muitas mulheres mudam o seu jeito de se vestir para esconder essas imperfeições na pele. Sendo assim, o efeito estético é sim uma complicação das varizes, mas não é a mais grave como as que serão relatadas a seguir.

 

Úlcera venosa

Essa é a pior complicação de todas. A úlcera é uma grande ferida que surge na perna varicosa quando a doença já está no estágio final. São ferimentos profundos, de difícil cicatrização e que provocam muita dor e desconforto.

A úlcera venosa costuma aparecer quando a pessoa que sofre com varizes passa muito tempo sem tratar o problema, que vai se agravando até chegar nesse ponto crítico. Pessoas que têm uma grave insuficiência venosa também são mais propícias a sofrerem com as úlceras venosas.

As úlceras podem ser únicas, mas também podem surgir de formas múltiplas, mais especificamente na região dos tornozelos. Há um risco alto de infecção que também favorece o surgimento de outros problemas de saúde. Por isso, é fundamental evitar que as varizes cheguem até esse estado.

 

Trombose

A segunda maior complicação das varizes é a trombose, uma doença que se caracteriza pela presença de coágulos sanguíneos em lugares que não sofreram traumas e nem sangramentos. As varizes podem provocar dois tipos de trombose: a venosa profunda e a superficial.

 

Trombose venosa profunda

A trombose venosa profunda é a mais perigosa porque apresenta coágulos sanguíneos, mais precisamente na região das pernas. Devido à textura rígida desse coágulo, alguma parte dele pode se desprender e seguir em direção à região dos pulmões, através do fluxo natural sanguíneo.

Ao chegar nos pulmões, esse coágulo pode causar entupimentos graves dependendo do seu tamanho e o resultado é a tão temida embolia pulmonar. A embolia pulmonar é, portanto, uma complicação grave das varizes e pode levar à morte súbita do paciente.

Os principais sintomas da trombose são:

  • Dor e inchaço local;
  • Pele avermelhada ou arroxeada;
  • Pernas mais quentes e com aspecto mais rígido do que o normal.

 

Trombose venosa superficial

A segunda variação da trombose é a tromboflebite superficial. É um pouco parecida com a trombose venosa, mas como o próprio nome diz, atinge a parte mais superficial da pele. Por isso, não é tão perigosa quanto a trombose venosa, apesar de também merecer muita atenção.

A tromboflebite é uma inflamação das veias menos profundas provocada pela presença de coágulos sanguíneos. As veias aparecem como verdadeiros cordões na pele, causando ao paciente alguns sintomas incômodos como dores, vermelhidão e inchaço.

 

Dermatite ocre

A dermatite ocre apresenta na região dos pés manchas de aspecto escurecido provocadas pela insuficiência venosa. Por causa dessa má circulação local, o sangue fica estagnado na região aumentando a pressão e causando as manchas.

Tais manchas são muito difíceis de serem removidas, mesmo após o tratamento das varizes. Por isso, é fundamental que se busque ajuda o mais rápido possível para evitar mais esse incômodo estético na pele.

 

Eczema

O eczema parece muito como uma descamação da pele, que pode vir acompanhado de uma coceira. Essa coceira, que parece inofensiva, pode virar uma ferida que, por sua vez, pode se transformar em uma úlcera venosa em um futuro bem próximo, se o tratamento tardar.

O paciente começa a sentir um desconforto na pele varicosa, coça a pele para aliviar esse incômodo, a coceira provoca feridinhas que podem evoluir para um problema mais grave como as úlceras. Mais uma vez, o tratamento das varizes é fundamental para evitar esse efeito colateral.

 

Varicorragia: veias que sangram

A varicorragia pode ser definida como uma veia saltada da pele que pode sangrar por qualquer motivo. É um acontecimento muito comum que se origina por causa da fragilidade das veias doentes.

Como há insuficiência venosa na perna que apresenta varizes, essa região fica com uma quantidade maior de sangue represado, aumentando a pressão local. Assim, as veias podem arrebentar sem um motivo aparente, exemplificando um caso de varicorragia.

É um episódio que acontece muito quando o indivíduo está tomando banho e é surpreendido por uma quantidade de sangue no chão que ele não sabe ao certo de onde vem, até identificar que o sangramento está partindo da perna que apresenta varizes.

Ao se deparar com uma situação como essas, o recomendado é que o paciente deite-se com as pernas elevadas, pressione o local para evitar a perda de mais sangue e faça, em seguida, um curativo para estancar o sangramento.

Depois, obviamente, é preciso procurar a orientação de um médico vascular. A varicorragia é uma complicação das varizes e um sinal de algo que já não estava bem, está começando a piorar.

 

Fator estético

Como já dissemos, a questão estética também é um fator a ser levado em consideração quando falamos em complicações das varizes. Quanto mais doente for a perna varicosa, quanto mais varizes ela tiver, mais vasinhos surgirão se espalhando pela região dos membros inferiores.

As varizes vêm acompanhadas de dores, inchaço, peso nas pernas e podem evoluir para doenças mais graves, como vimos ao longo deste artigo.

Então, a orientação sempre é procurar ajuda médica para tratar as varizes o quanto antes para que não surjam as complicações. Estas são muito mais agressivas, podendo, inclusive, levar o paciente a óbito, como é o caso da embolia pulmonar provocada pela trombose venosa. Portanto, observe o seu corpo e logo que constatar a presença de varizes, procure um médico. As varizes têm tratamento e buscar ajuda evita muitos incômodos futuros.

 

O post Cuidado com as complicações das varizes apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

Vein Camera – filtro do instagram

Vascular Pro - ter, 02/23/2021 - 15:33

Já havia criado há alguns anos o aplicativo Vein Camera para iPhone e iPad que permitia o realce de veias varicosas usando a camera de alta definição desses aparelhos. Infelizmente estava sem tempo de desenvolver o mesmo para o Android.

Mas uma tecnologia nova chegou, atrelada ao Instagram e ampliou as possibilidades. Aproveitei e criei um filtro para ver veias e varizes superficiais que roda em todos os dispositivos que tenham a última versão do Instagram instalado e funcionando.

Para acessar esse filtro, entre nesse link: Vein Camera para Instagram.

Siga-me no instagram para mais dicas e atualidadoes sobre doenças vasculares.

O post Vein Camera – filtro do instagram apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

Tornozelos e pés inchados: principais causas e o que fazer

Vascular Pro - ter, 02/23/2021 - 10:49

O inchaço, nome popular dado ao edema, é, basicamente, o acúmulo de líquido em determinada região do corpo. Quando ataca pés e tornozelos, pode ser o sinal de alguma doença venosa, linfática, resultado da má circulação sanguínea ou apenas consequência de maus hábitos. Veja a seguir as principais causas do inchaço e o que fazer para amenizar o problema.

Como identificar o inchaço nos pés e tornozelos?

A principal característica do inchaço é o aumento do volume da superfície afetada. Outro sinal de inchaço é o brilho da pele que se torna mais intenso. Além disso, a pessoa pode sentir peso nas pernas, cansaço excessivo, desconforto e até dor, dependendo da motivação do edema.

Uma técnica manual para identificar o inchaço é pressionar a área possivelmente inchada. Havendo uma depressão no local é sinal de que há sim acúmulo de líquido e é o momento, então, de procurar um médico, buscar o diagnóstico correto e começar o tratamento o quanto antes. (Sinal de Godet)

 

Principais causas do inchaço

Existem várias causas para o inchaço nos pés e nos tornozelos. Na maioria das vezes, não chega a ser algo grave e um dia é suficiente para que o edema desapareça. Contudo, quando vem acompanhado de outros sintomas como dor, ferimentos e vermelhidão e também quando dura muitos dias, o inchaço precisa ser analisado com mais cuidado por um especialista.

 

Insuficiência venosa (varizes)

A insuficiência venosa é uma das principais causas do inchaço nos pés e nos tornozelos e também é um dos problemas mais delicados, que exigem atenção redobrada. A insuficiência venosa indica uma má circulação na região das pernas e dos pés.

Isso quer dizer que o sangue que deveria circular normalmente pelos membros inferiores não está conseguindo fazer esse trajeto devido a algum bloqueio, como os coágulos sanguíneos, refluxo, que seria o retorno do sangue, por falha das válvulas venosas, ou devido ao mau funcionamento dos músculos da panturrilha, responsável por bombear o sangue.

A má circulação nos membros inferiores originam as varizes que nada mais são do que veias doentes, com algumas variações de tamanho e grau de risco. Quando não tratadas, as varizes podem evoluir para úlceras doloridas e mais difíceis de serem curadas.

 

Linfedema

O linfedema é caracterizado pelo acúmulo de um líquido formado basicamente por proteínas, gorduras e água chamado de linfa. A linfa também é responsável pelo transporte das células de defesa do nosso corpo, os glóbulos brancos.

Os responsáveis pelo transporte da linfa são os vasos linfáticos que têm a ajuda dos gânglios linfáticos para purificar esse líquido e levá-lo de volta ao sangue, de onde a linfa se originou.

Quando acontece algum problema nos vasos ou nos gânglios, esse transporte não acontece e a linfa se acumula, geralmente na região inferior do corpo como as pernas e os pés.

O linfedema tem causa congênita, mas também pode surgir ao longo do tempo devido a inflamações e infecções locais como a erisipela. Também pode aparecer após a realização de cirurgias que comprometam os gânglios linfáticos, dentre outras razões.

O linfedema geralmente não causa dor, apenas o inchaço que pode comprometer um ou os dois pés. Apesar de não ter cura, o linfedema tem tratamento e quanto mais cedo o problema for diagnosticado, melhores serão os resultados.

 

Lipedema

O lipedema é uma doença muito confundida com a obesidade e também com o linfedema. Porém, tem causas e características diferentes. O lipedema é causado pelo acúmulo desproporcional de gordura doente em regiões específicas do corpo, mais precisamente nos membros inferiores e na região dos quadris.

O lipedema afeta principalmente as mulheres e pode surgir após fases de grande movimentação dos hormônios como a adolescência, a menopausa e a gravidez, por exemplo. Além do inchaço, o lipedema pode gerar dor na região afetada e assimetria no corpo. A parte de cima do tronco fica bastante desproporcional em relação à parte de baixo do corpo.

Como não é uma doença provocada pelo acúmulo de gordura normal, dietas e exercícios não direcionados não conseguem eliminar o lipedema, apenas reduzir um pouco o excesso. O tratamento envolve uma série de medidas, dentre elas a cirurgia para aspiração de gordura.

Além das doenças venosas, existem outras causas para o inchaço dos pés e tornozelos. Por exemplo:

  • Doenças renais;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Diabetes;
  • Doenças hepáticas;
  • Gestação;
  • Uso excessivo de sal;
  • Ficar muito tempo em pé;
  • Artrose;
  • Traumas;
  • Uso de medicamentos para o tratamento de doenças etc.

Diante de tantas origens do inchaço, é muito importante que o indivíduo conheça o seu corpo e logo que identifique alguma alteração, procure um médico para encontrar a raiz do problema.

 

O que fazer para controlar o inchaço nos pés e tornozelos?

Depois de feito o diagnóstico, é preciso seguir as orientações do médico especialista para reduzir o inchaço e os outros sintomas que o acompanham. Lembrando que cada doença tem um tratamento específico e cabe ao médico prescrever o método mais adequado.

Algumas orientações que podem ser úteis em todos os casos são as relacionadas a seguir:

Fazer exercícios físicos: além de favorecer a circulação, se exercitar contribui para a perda de peso que também é excelente para diminuir o inchaço.

Manter uma alimentação saudável: beber bastante água, reduzir o sal, consumir menos industrializados, comer mais produtos naturais são maneiras de reduzir o acúmulo de líquido. Veja a dieta antiinflamatória.

Elevar as pernas: à noite, antes de dormir, ponha um travesseiro sob as pernas e mantenha-as elevadas para facilitar a circulação do sangue.

Meias de compressão: também são alternativas para estimular a circulação e aliviar o cansaço e o peso nas pernas.

Drenagem linfática: ótima indicação para eliminar líquidos, dissolver nódulos e aliviar as dores locais. Porém, vale lembrar que a drenagem deve ser feita por um profissional e é diferente daquela realizada por motivos estéticos.

Evite diuréticos: muitas pessoas tomam diuréticos na intenção de reduzir o inchaço, mas isso é um erro que deve ser evitado, principalmente sem avaliação médica. O diurético elimina água, mas também joga fora minerais e outras substâncias importantes para o corpo, causando a desidratação. Seu uso é restrito para algumas situações muito específicas.

Logo que o seu corpo consumir água novamente, volta à mesma situação anterior. O inchaço é apenas um sintoma e não a doença. Portanto, foque em tratar a causa do inchaço e não o sintoma.

O inchaço nos pés e nos tornozelos nem sempre é considerado um sintoma grave, mas dependendo da proporção, do tempo de duração e de outros sinais que o acompanham podem sim indicar uma doença que inspire cuidados imediatos, como as doenças venosas. O melhor a fazer é procurar orientação médica o quanto antes para solucionar de vez o problema.

 

O post Tornozelos e pés inchados: principais causas e o que fazer apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

Quais os sintomas de problemas no sistema linfático

Vascular Pro - sab, 02/20/2021 - 10:54

O sistema linfático é um conjunto de vasos e linfonodos responsáveis por fazer o transporte de linfa, presente nos tecidos, para o sistema circulatório. Também é um sistema de defesa, com atuação direta na proteção de células e absorção de substâncias importantes para o corpo humano. Como a principal função do sistema linfático é o transporte de líquido, não é difícil identificar o momento em que essa atividade não está sendo executada corretamente. Logo que esse transporte é interrompido ou sofre algum dano, o corpo apresenta sinais e é sobre esses indicadores que falaremos mais adiante.

Sintomas de problemas no sistema linfático

Como saber se o seu sistema linfático está normal ou se está sofrendo com alguma alteração anormal? Conhecendo os sinais que o seu corpo apresenta. Vejamos agora quais são.

Edema (inchaço)

O edema, popularmente chamado de inchaço, é a principal demonstração de que há alguma coisa errada com o nosso sistema linfático. Ora, se os vasos linfáticos realizam o transporte de linfa pelo corpo é compreensível que, diante de uma falha, esse líquido fique estagnado.

O resultado é o acúmulo desse material dentro dos vasos, resultando no inchaço. Esse acúmulo pode ser gerado devido ao mal funcionamento dos vasos e também por algum tipo de obstrução local ou lesão.

Assim, sempre que o indivíduo apresenta inchaço no corpo de forma prolongada, sem uma causa aparente ou após alguma intervenção cirúrgica, precisa consultar um médico especialista para verificar a causa real desse edema.

Quando atinge pernas e pés, o edema é facilmente perceptível a olho nu e também quando a área afetada é pressionada. O retorno gradual da pele após a pressão indica o maior ou menor grau do problema.

O linfedema é uma das doenças mais comuns do sistema linfático que provoca inchaço, membros assimétricos e erisipela, da qual falaremos adiante.

Erisipela

A erisipela é uma infecção que atinge a parte mais externa da pele do indivíduo, provocada por uma bactéria. Essa bactéria entra no organismo através de pequenas fissuras como ferimentos, rachaduras e até mesmo micoses.

A erisipela atinge basicamente pernas e pés e os idosos são os mais propensos a sofrer com a doença por causa da fragilidade do sistema linfático. Os principais sintomas dessa infecção são:

  • Vermelhidão;
  • Inchaço;
  • Dor;
  • Sensação de peso;
  • Pele escurecida;
  • Febre;
  • Bolhas e ferimentos, nos casos mais graves.

Alguns pacientes também relatam sintomas como febre, indisposição, fadiga e mal-estar generalizado antes mesmo de surgirem os primeiros sintomas físicos da erisipela.

Elefantíase

A elefantíase é o nome popular da Filariose, uma infecção provocada por um verme que entra na pele do indivíduo através da picada de um mosquito contaminado. Esse verme chega até os vasos linfáticos, provocando alterações na circulação local ocasionando o inchaço completamente anormal de um dos membros inferiores.

A perna afetada por essa infecção apresenta uma aparência deformada e rígida, extremamente diferente da perna não atingida, se assemelhando a pata de um elefante. Por isso, a popularização do nome “elefantíase”.

A elefantíase é uma das doenças mais incapacitantes do sistema linfático, além de causar no paciente severas crises de insatisfação com o próprio corpo, devido à deformidade estética.

Ausência de dor

A dor não é um sintoma clássico nas doenças do sistema linfático. É muito comum os pacientes não relatarem esse tipo de desconforto quando procuram um médico. Aliás, a dor é um excelente sintoma que ajuda a diferenciar do lipedema. Contudo, a ausência de dor não indica a ausência de um problema.

No caso do linfedema, por exemplo, o inchaço provocado pela distribuição irregular da linfa pelos vasos linfáticos, não causa dor ao paciente. Isso acaba por fazer com que ele pense que está tudo normal. Mesmo sem dor, é preciso observar os outros sintomas e procurar o médico diante de qualquer alteração significativa.

É importante lembrar que a dor pode aparecer caso haja alguma infecção local, como a própria erisipela, da qual falamos anteriormente. Por isso é tão importante ficar atento aos sinais e analisar cada novidade que o corpo apresentar.

Assimetria: uma perna diferente da outra

Outro sintoma muito comum das doenças do sistema linfático é a assimetria das pernas. Isto é, as pernas do paciente atingido não têm a mesma aparência quando comparadas entre si. Geralmente, uma é mais inchada do que a outra, evidenciando o acúmulo de líquido naquele local específico.

Nem sempre esse sintoma vem acompanhado de outros. O indivíduo pode não relatar dor, alteração de cor, ferimentos e nenhuma outra característica que sinalize algum problema a não ser uma perna mais grossa do que a outra. Porém, esse sintoma já é um sinal do linfedema, o inchaço provocado pela má circulação da linfa.

Pés também são atingidos

O corpo inteiro pode apresentar sintomas de que o sistema linfático não vai bem, inclusive os pés. Em muitos casos, inclusive, é observando os próprios tornozelos que o indivíduo percebe que há algo de errado com o seu corpo, que existe um inchaço anormal nos membros inferiores.

Com o passar do tempo, e na ausência de tratamento, esse inchaço pode se agravar, reduzindo cada vez mais a mobilidade do indivíduo que acaba ficando mais cansado ao executar atividades rotineiras, tendo que depender cada vez mais de outras pessoas.

Paciente sente piora ao ficar de pé

A posição vertical dos membros inferiores piora a situação de quem tem alguma doença do sistema linfático. O motivo é a dificuldade que os vasos apresentam em realizar o transporte do líquido de baixo para cima, uma vez que estão lesionados ou em mal funcionamento.

Por isso, ficar muito tempo em pé não é recomendado, pois é um hábito que sobrecarrega o sistema circulatório, além de provocar dores, cansaço nas pernas, além de outros desconfortos.

Paciente sente melhora ao elevar as pernas

Se ficar muito tempo em pé é desconfortável, elevar os membros inferiores gera um verdadeiro alívio para quem apresenta linfedema ou alguma outra doença linfática. Manter as pernas elevadas estimula a circulação, favorece o trajeto do líquido pelo corpo, de baixo para cima, reduzindo o inchaço.

O ideal é que o paciente apoie as pernas sobre algum travesseiro macio na hora de dormir e eleve as pernas outras vezes ao longo do dia para evitar o cansaço extremo e diminuir a retenção líquida.

Como vimos, os problemas do sistema linfático são facilmente perceptíveis através da observação minuciosa e atenta dos sinais que as doenças apresentam. Obviamente, é preciso uma consulta com um médico especialista para confirmar ou eliminar suspeitas. Contudo, é muito importante que o paciente aprenda a observar o seu corpo em busca de alterações que indiquem algum problema de saúde e busque ajuda logo que perceber alguma anormalidade.


Assine o melhor canal de saúde no Youtube

 

 

 

O post Quais os sintomas de problemas no sistema linfático apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

O que o linfedema pode causar?

Vascular Pro - ter, 02/16/2021 - 12:51

O linfedema se caracteriza pelo tamanho irregular de determinada região do corpo, provocado pelo acúmulo anormal de um líquido rico em proteínas, chamado linfa. O indivíduo que sofre com o linfedema apresenta inchaços, mais precisamente na região inferior do corpo. Além de todo o desconforto motivado por esse inchaço, o linfedema também pode causar complicações como a erisipela e a elefantíase. Saiba mais sobre as consequências do linfedema a seguir.

O que é o linfedema?

O linfedema é uma doença que provoca o acúmulo de linfa em todo o corpo, mas com foco maior nas pernas e nos pés. Esse excesso de linfa acontece quando os vasos linfáticos possuem alguma obstrução ou lesão que impede a circulação normal dessa substância.

Assim, o corpo não consegue fazer a drenagem correta do líquido, fazendo com que ele fique armazenado dentro dos canais linfáticos, causando o inchaço, principal sintoma da doença.

O linfedema pode ser de origem primária, quando tem causa genética e também pode ser resultado de uma intervenção externa, como procedimentos cirúrgicos, caracterizando assim uma origem secundária.

Apesar de não ter cura, o linfedema tem tratamento. Os cuidados começam com a visita ao médico e cumprimento das orientações repassadas que, geralmente, são:

  • A prática regular de atividade física;
  • O uso de roupas de compressão;
  • Drenagem linfática manual;
  • Cirurgia.

Todas as medidas de tratamento têm como objetivo reduzir a quantidade de líquido acumulado e assim garantir ao paciente uma vida com mais qualidade.

Complicações do linfedema?

Quando não tratado corretamente, o linfedema pode causar diversas complicações ao paciente. Dentre elas, destacamos o escurecimento da pele, dor local, vermelhidão, ferimentos, coceira, indisposição e baixa mobilidade. Além disso, outras duas complicações do linfedema merecem uma atenção especial: a erisipela de repetição e a elefantíase. Saiba mais a seguir.

Erisipela de repetição

A erisipela é uma infecção comum, causada por uma bactéria que se localiza no membro inferior, no tecido subcutâneo da pele. A infecção causada pela doença provoca vermelhidão na pele, também chamada de hiperemia.

A hiperemia é a grande circulação ou a congestão sanguínea em um local específico da pele.

Para que essa bactéria cause infecção, ela precisa de uma porta de entrada, um meio para chegar até a região interna do corpo humano. Esse acesso existe quando o paciente apresenta algum ferimento ou fissura na pele que, por menor que seja, permite a entrada da bactéria.

Até mesmo a micose, muito comum nos pés, pode ser porta de entrada para a ação da bactéria causadora da erisipela, uma vez que os fungos causadores da micose geram pequenas rachaduras na pele, favorecendo a entrada desses micro-organismos.

Além da pele avermelhada, a pessoa que sofre com erisipela pode apresentar:

  • Febre;
  • Calafrios;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Bolhas;
  • Pele com ferimentos indicando a necrose dos tecidos locais.

O tratamento da erisipela deve ser rápido com o uso de antibióticos orais indicados pelo médico, além de muito repouso e elevação do membro afetado para tentar reduzir o inchaço.

O profissional indicado para tratar essa doença é o cirurgião vascular, mas o médico que atende no posto de saúde pode perfeitamente fazer um acolhimento e acompanhamento inicial.

Isso porque a recomendação é procurar ajuda médica o quanto antes para evitar que o dano se torne maior e com consequências mais graves para o indivíduo.

Por isso, se você apresenta sinais da erisipela e a consulta com o seu médico vascular vai demorar, não espere. Procure um clínico geral o mais rápido possível. Quanto mais cedo o tratamento começar, melhor para o paciente, pois ele sofrerá menos danos futuros.

Erisipela de repetição

Sabemos que aquele que tem erisipela, futuramente apresentará inchaço na pele, além da erisipela por repetição. A erisipela por repetição atinge o indivíduo que possui alguma doença venosa, insuficiência ou alteração vascular que serve como fator de risco para novos casos.

Além do linfedema, pessoas que têm diabetes descontrolada ou obesidade também estão mais suscetíveis à erisipela de repetição. A razão é a má circulação sanguínea, uma das consequências dessas enfermidades.

A erisipela é considerada de repetição porque se torna resistente aos medicamentos e aparece frequentemente, sempre que o linfedema ou outra doença venosa apresenta sinais mais aparentes, quando está em crise, por exemplo.

Vale lembrar que a erisipela é uma doença grave que pode levar o indivíduo a óbito, uma vez que a necrose de tecidos pode atingir regiões mais profundas da pele, elevando os níveis de amputações e de infecções.

Elefantíase

A elefantíase é a segunda consequência do linfedema, embora muitas vezes seja confundida com a própria doença. Ou seja, muitas pessoas acreditam que o linfedema e a elefantíase são a mesma coisa. Na verdade, a elefantíase pode ser uma complicação do linfedema.

A elefantíase é caracterizada pelo acúmulo anormal de líquido em algumas partes do corpo, deixando a região atingida totalmente disforme e irregular, em comparação com outras áreas. Geralmente, as pernas são as mais atingidas.

A doença é provocada, normalmente, por um parasita que entra no organismo através da picada de um mosquito. Contudo, ela também é resultado do linfedema secundário, aquele que surge após alguma intervenção cirúrgica no corpo.

Também chamada de filariose, a elefantíase deixa a pele afetada com um aspecto muito enrugado e inchado, muito semelhante à pele de um elefante. Daí vem a denominação da doença.

Devido ao inchaço extremo, a elefantíase compromete gravemente a mobilidade do indivíduo, interferindo na sua autonomia, além de prejudicar bastante a estética e a autoestima do paciente. Outros sintomas da elefantíase são:

  • Coceira na pele;
  • Dor local;
  • Pele avermelhada e inchada;
  • Dores em diversos locais como cabeça, músculos e membros inferiores;
  • Febre e mal-estar.

O linfedema é uma doença que causa inchaço em regiões diferentes do corpo, mas atinge especialmente os membros inferiores. Caracteriza-se pelo acúmulo anormal de líquido nos vasos linfáticos devido a alguma obstrução ou lesão local. As causas podem ser de origem genética ou devido a procedimentos cirúrgicos para tratamento de doenças como o câncer de mama, por exemplo. O linfedema deve ser tratado o quanto antes para evitar as complicações, das quais destacamos a erisipela por repetição e a elefantíase. Se você apresenta algum dos sintomas listados aqui, procure orientação médica o quanto antes.

 

O post O que o linfedema pode causar? apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

“Você é infértil”: como apresentar este diagnóstico a quem sonha engravidar

Fertilidade - seg, 02/08/2021 - 14:16

Descobrir que é infértil é um momento muito difícil para as mulheres e homens que desejam ter filhos, pois esse diagnóstico dificulta a realização de um sonho. Mas, esse momento não é difícil só para eles.

Dar o diagnóstico de infertilidade para quem sonha engravidar também é uma ocasião complicada para os médicos. Afinal, eles precisam ser muito cuidadosos e dar a notícia da maneira mais adequada já que ela mexe com o emocional dos pacientes.

Por isso, é importante que os profissionais conheçam a forma correta de dar essa informação. Sendo assim, continue lendo nosso artigo para conferir 7 dicas sobre como apresentar o diagnóstico de infertilidade para seus pacientes.

Dê a notícia em um local reservado

Dizer “você é infértil” para seu paciente com certeza vai mexer com o emocional dele. Um casal pode, por exemplo, ficar sem reação, chorar ou demorar alguns minutos para digerir a informação.

Então, é fundamental que todos os pacientes tenham privacidade nesse momento difícil. Por isso, sempre dê a notícia em um local reservado, como seu consultório. Além disso, lembre-se de dar total atenção aos pacientes nessa ocasião, ou seja, converse olhando diretamente para eles e não fique mexendo em papéis, no computador ou celular.

Dessa forma, você vai passar mais segurança, credibilidade e tranquilidade para os pacientes.

Use uma linguagem simples

Durante a conversa, é essencial usar sempre uma linguagem simples e clara. Assim, os pacientes vão entender de primeira o que você está dizendo e vão poder assimilar a informação dada.

Então, evite usar palavras rebuscadas ou ficar dando voltas na conversa para comunicar qual é o diagnóstico dos exames. Enrolar para dar a notícia ou passá-la de uma forma difícil é ruim não somente porque os pacientes podem não compreender a mensagem, mas também pois eles podem ficar ainda mais ansiosos e angustiados tentando entendê-la.

Ademais de se preocupar com a linguagem, tenha sempre em mente que é necessário explicar bem para os pacientes o motivo da infertilidade para que os pacientes entendam também mais sobre o caso deles.

Repita as informações quando os pacientes não entenderem

Receber o diagnóstico de infertilidade mexe muito com as emoções de quem sonha engravidar. Essa notícia pode trazer, por exemplo, sentimento de frustração, tristeza, ansiedade, estresse e medo.

Então, é comum que durante a conversa a paciente ou o casal fique confuso e não compreenda bem todas as explicações fornecidas. Por isso, pergunte sempre se seus pacientes entenderam tudo.

Dê um tempo para eles e repita as informações, caso seja necessário. Lembre-se de que o importante é que eles não só recebam o diagnóstico, mas saiam de seu consultório entendendo o caso deles e conhecendo as melhores opções para os seus próximos passos.

Reconheça e acolha as emoções dos pacientes

Além de fornecer as informações necessárias sobre o diagnóstico, é muito importante também que os pacientes se sintam acolhidos em seu consultório nesse momento complicado.

Dessa maneira, eles vão se sentir mais confortáveis, compreendidos e melhores em sua companhia. Então, primeiro o ideal é que essa consulta não tenha que acabar rapidamente. Ou seja, separe um tempo maior para ela, porque pode ser necessário.

E, segundo, reconheça e acolha as emoções expressadas pelos pacientes. Isto é, mostre que elas são perfeitamente normais e dê um tempo para que eles assimilem tudo o que foi dito. Assim, você vai fazer com que esse momento seja um pouco mais fácil para eles.

Apresente outras maneiras adequadas de engravidar

Dar o diagnóstico de infertilidade é difícil, mas é nessa hora que você também pode dar esperanças para os pacientes de acordo com cada caso. Após explicar a situação, dar o tempo e espaço necessário para cada um deles, fale também das opções de tratamento de fertilidade que são adequadas para o cenário em questão.

Deixe bem claro qual é a melhor opção para a paciente ou o casal, diga como esse tratamento funciona, quais são as chances de ele ser bem-sucedido no caso, quanto tempo dura e até o valor do procedimento.

Se houver mais de uma opção interessante, apresente todas elas e mostre quais têm mais chances de sucesso no caso em questão para que o casal ou paciente possa analisá-las de maneira consciente.

Aconselhe a procura de um psicólogo

Como foi dito, o diagnóstico de infertilidade pode mexer bastante com os sentimentos de quem sonha engravidar. Por isso, é importante recomendar a procura de um psicólogo para que os pacientes consigam aceitar a realidade, lidar com o sofrimento e até passar por um tratamento de fertilidade, se desejarem.

Um psicólogo é o profissional mais adequado para esse trabalho, porque ele sabe como orientar os pacientes nesse momento. E, caso os indivíduos desejem passar por um tratamento, cuidar do emocional é uma tarefa ainda mais essencial.

Isso é fundamental, porque os medos e expectativas podem interferir na fertilidade e, consequentemente, nas chances de as pessoas terem filhos.

Fale da importância do apoio de amigos e familiares

Além de indicar um psicólogo para seus pacientes, fale também da importância dos amigos e familiares nesse período. É comum que algumas pessoas não sintam vontade de contar para os conhecidos sobre o diagnóstico, mas explique que esse desabafo para determinados indivíduos queridos pode ajudar.

Ter o apoio de pessoas queridas pode auxiliar, porque os pacientes conseguem se sentir mais leves após dar a notícia, ademais de ganharem alguém para conversar sobre suas dúvidas e para pedir ajuda com o tratamento no dia a dia. Um amigo ou familiar pode, por exemplo, acompanhar o paciente em um exame ou procedimento.

Se é um casal que está enfrentando esse diagnóstico e pensando em realizar um tratamento, fale ainda da importância de eles se apoiarem durante esse momento. Esse apoio é muito significativo, pois ajuda o casal a não se culpar e carregar mágoas do outro. Ele também auxilia os parceiros a dividirem o peso do diagnóstico e do tratamento.

Se você aplicar essas dicas e, principalmente, respeitar seus pacientes para dizer que eles são inférteis, essa ocasião será mais fácil para todos. Então, não se esqueça delas na hora de dar um diagnóstico de infertilidade.

Agora que você sabe como dizer “você é infértil” para quem sonha engravidar, veja também qual é a taxa de sucesso de inseminação artificial para mostrá-la aos seus pacientes!

 

O post “Você é infértil”: como apresentar este diagnóstico a quem sonha engravidar apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Qual é a taxa de sucesso da inseminação artificial?

Fertilidade - sex, 02/05/2021 - 18:59

A inseminação intrauterina (IIU), que também é conhecida como inseminação artificial, é um tratamento de baixa complexidade que auxilia casais a engravidar. Como ela não é uma opção tão complexa, muitos casais optam por esse tratamento para tentar ter um filho.

Antes de fazer essa escolha, os pacientes precisam se certificar de que a inseminação artificial é indicada para o caso deles e saber mais sobre o tratamento para que eles não tenham dúvidas sobre o procedimento. Dessa forma, o período do tratamento pode ser mais tranquilo.

Existem diversas informações importantes para o casal conferir sobre a inseminação intrauterina, sendo que uma delas é a taxa de sucesso do tratamento. É importante conhecê-la para entender qual é a ajuda que ela fornece e até para descobrir quais atividades podem auxiliar ou prejudicar essa taxa.

Então, neste artigo você vai conferir qual é a taxa de sucesso da inseminação artificial e quais fatores influenciam nesse valor. Assim, o seu tratamento e de seu parceiro poderá ser mais seguro e tranquilo.

Taxa de sucesso da inseminação artificial

As taxas de sucesso de reprodução humana e de fertilidade variam de acordo com o país e com as clínicas em que os tratamentos são realizados. Afinal, as populações de cada local têm características diferentes, assim como os profissionais de cada clínica.

Um médico especialista em reprodução assistida que atua há bastante tempo, por exemplo, tem mais experiência que um profissional que acabou de começar a carreira e isso pode influenciar nas taxas de suas clínicas.

Por isso, é difícil determinar uma taxa exata de sucesso para os procedimentos. Mas, de acordo com estimativas feitas por especialistas, a taxa de sucesso da inseminação artificial na primeira tentativa oscila entre 15% e 20%.

Esse é um valor relativamente alto, o que é ótimo para quem está tentando engravidar. Mas, além da localização geográfica e da clínica, essa porcentagem também pode variar de acordo com as características do casal.

Fatores que influenciam na taxa de sucesso

Existem fatores que influenciam na taxa de sucesso da inseminação artificial e, ainda, há fatores que impedem que esse tratamento seja uma opção para o casal. É fundamental conhecer esses elementos para entender, por exemplo, se você e seu parceiro vão ter essa taxa de 15% a 20% de sucesso, se ela será mais baixa e até se a inseminação não é uma boa alternativa para o seu caso.

Os principais fatores que influenciam na taxa de sucesso da inseminação são:

  •         A idade da mulher;
  •         Qualidade do sêmen;
  •         A causa da infertilidade do casal.

A inseminação artificial não é indicada para mulheres com mais de 35 anos. Então, uma mulher de 37 anos, por exemplo, vai ter uma taxa de sucesso menor que a média.

Já a qualidade do sêmen do parceiro é importante, porque se ele não tiver espermatozoides suficientes ou estes tiverem problemas de mobilidade, ou na morfologia, dificilmente haverá a fecundação no útero da mulher.

A infertilidade do casal pode diminuir a taxa de sucesso quando ela interfere na permeabilidade das trompas ou quando o casal tem mais de um fator que provoca a infertilidade.

Mas, quando é uma infertilidade sem causa aparente, por exemplo, estudos indicam que a taxa de sucesso é de aproximadamente 19,9%. Ou seja, ela continua sendo relativamente alta.

Fatores que interferem na fertilidade

Além de fatores que influenciam especificamente na inseminação artificial, existem aqueles que interferem na fertilidade da mulher e também podem diminuir as chances de um tratamento para engravidar ser bem-sucedido.

Um exemplo é o peso da paciente. As taxas de fertilidade costumam diminuir em mulheres que são obesas ou muito magras. Os dados sobre o efeito de diversas dietas nesses casos ainda são escassos, mas existem determinadas ações que interferem na fertilidade e devem ser evitadas por quem está tentando engravidar.

Fumar ou beber regularmente bebidas alcoólicas, por exemplo, diminui os espermatozoides no homem e pode afetar a saúde do bebê. Então, essas práticas devem ser evitadas tanto pelos homens quanto pelas mulheres.

Por outro lado, manter uma dieta saudável e praticar exercícios físicos frequentemente melhora a saúde do casal. Consequentemente, as chances de ocorrer a gravidez também são aprimoradas.

Como saber se a inseminação artificial é para você

Na inseminação intrauterina, o especialista introduz o espermatozoide qualificado na cavidade uterina da mulher, quando ela está ovulando, para que ocorra a fertilização. Esse tratamento é recomendado principalmente nos casos em que há problemas no muco cervical, o parceiro possui poucos espermatozoides ou estes têm problemas na mobilidade.

Mas, a inseminação também pode ser uma opção de tratamento em outros cenários. É importante lembrar apenas que a mulher deve ter permeabilidade em pelo menos uma das trompas e o homem tem que ter um número mínimo de bons espermatozoides para que a inseminação tenha chances de ser bem-sucedida. Sem esses itens, o tratamento não funciona, porque é muito difícil ocorrer a fecundação.

Então, caso você ou seu parceiro apresentem algum desses problemas, a inseminação artificial não é o procedimento indicado para sua situação. Contudo, para ter certeza de qual é o tipo de tratamento mais adequado para o seu caso é necessário consultar um profissional especialista em reprodução assistida.

Isso é essencial, porque o médico vai analisar o diagnóstico de infertilidade do casal.  Após essa análise qualificada, ele saberá dizer com mais propriedade qual é a taxa de sucesso da inseminação artificial para vocês ou se o melhor é fazer outro procedimento, como a fertilização in vitro.

Sendo assim, consulte um especialista na área para saber qual tratamento oferece a maior taxa de sucesso para vocês. Caso ainda não tenham feito exames para entender o motivo da dificuldade para engravidar, é necessário realizá-los para ter um diagnóstico.

Em seguida, o ideal é ir ao médico de reprodução assistida para saber qual é o melhor tratamento para vocês, saber mais sobre o procedimento e então decidir se vão realizá-lo.

A Clínica de Reprodução Humana do Amato – Instituto de Medicina Avançada possui uma equipe com profissionais de diferentes especialidades para ser capaz de oferecer uma ampla gama de tratamentos de fertilidade e, assim, ajudar diversos casais.

Então, se você e seu parceiro estão procurando um especialista na área, marque uma consulta conosco. Dessa forma, poderemos ajudá-los a encontrar o tratamento com a melhor taxa de sucesso para vocês. 

 

O post Qual é a taxa de sucesso da inseminação artificial? apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

O que é linfedema nas pernas?

Vascular Pro - sex, 02/05/2021 - 14:26

O linfedema é um problema de saúde causado pelo acúmulo de líquido nas pernas e também nos membros superiores. Apesar de ser uma doença bastante comum, não é tão divulgada como deveria, o que interfere negativamente no diagnóstico e impede o tratamento precoce. Veja a seguir o que é o linfedema, suas causas e tipos de tratamento.

O que é linfedema?

O linfedema, conhecido popularmente como inchaço nas pernas, é o acúmulo de líquido nos membros inferiores e também nos membros superiores, mais precisamente entre os vasos linfáticos. 

O líquido acumulado é chamado de linfa, uma mistura de proteínas, gorduras e outros componentes. Esse excesso de líquido é o que causa o inchaço nos braços e nas pernas, provocando um aumento no volume das regiões afetadas.

Quais são as causas do linfedema?

O linfedema pode ser de origem primária ou secundária. Dizemos que o linfedema é primário quando afeta o indivíduo desde o nascimento. Ou seja, existe uma má formação congênita, comprometendo os vasos linfáticos e causando o acúmulo de líquido.

Nesse caso, os sintomas do linfedema começam a aparecer antes dos 35 anos de idade e, por serem de origem congênita, surgem sem que haja qualquer intervenção no corpo.

Já o linfedema secundário surge devido a circunstâncias variadas, dentre elas:

  • Procedimentos cirúrgicos que provocam lesões na pele.
  • Processos inflamatórios e infecciosos que estimulam a produção de linfa, originando o excesso e o acúmulo.

Quando o linfedema ocorre nos membros superiores, geralmente é resultado de algum processo cirúrgico. Mulheres que passam pela cirurgia de mastectomia, para tratar o câncer de mama, por exemplo, costumam sofrer com linfedema nos braços, já que os gânglios linfáticos são retirados das axilas durante a operação cirúrgica.

Já quando o linfedema surge nos membros inferiores, a causa tem a ver com infecções de repetição e com a erisipela

A erisipela é uma infecção dermatológica provocada geralmente por bactérias. Essa infecção atinge a região dos vasos linfáticos provocando, além de dores, vermelhidão e ferimentos na pele, dentre outros sintomas incômodos.


Como é feito o diagnóstico do linfedema

Apesar de ser uma doença muito comum, o linfedema não é um problema amplamente estudado e, por isso, também não é facilmente diagnosticado.

Como o principal sintoma é o inchaço das pernas e dos braços, o linfedema é, muitas vezes, confundido com outras doenças que também provocam esse sintoma como a insuficiência cardíaca, a insuficiência venosa, o mixedema e os problemas de tireoide.

Portanto, para que seja feito o diagnóstico correto é necessário que o médico vascular trabalhe eliminando outras possíveis causas do inchaço, como as doenças listadas acima, para descobrir se o paciente está sofrendo, de fato, com o linfedema.


Existe tratamento para o linfedema?

Apesar de não ter cura, o linfedema tem tratamento cujo objetivo é controlar a doença e promover para o paciente uma vida com mais qualidade. O tratamento para o linfedema possui quatro pilares extremamente necessários e importantes. São eles:


Drenagem linfática manual

A drenagem linfática é uma massagem realizada por um profissional especializado, como o cirurgião vascular ou um fisioterapeuta. É um procedimento bem diferente daquele executado em clínicas de estética, o que exige muita atenção do paciente na hora de aderir a essa prática.


Exercícios que estimulam a drenagem linfática

O sistema linfático, ao contrário de outros sistemas do organismo, não possui um mecanismo de bombeamento próprio. Ele precisa ser estimulado e isso acontece por meio de pressões sobre os vasos linfáticos, presentes em todo o corpo humano.

Os exercícios funcionais são indicados para estimular a drenagem do líquido acumulado. Algumas sugestões são:

  • Respiração profunda, com estímulo dos vasos linfáticos presentes na região do tórax;
  • Contrações musculares como rotação do pescoço, da cabeça e dos ombros. Girar a cabeça em sentidos diferentes, contrair e soltar os ombros são exemplos de exercícios eficientes para estimular a musculatura.
  • Prática diária de exercícios aeróbicos como corrida, caminhada, natação, hidroginástica, ciclismo etc. 30 minutos por dia, de 3 a 5 vezes por semana são suficientes.
  • Musculação, dentro das limitações de cada um, também é uma técnica valiosa para combater o linfedema. Os treinos de força dão mais flexibilidade e exercitam a musculatura.
  • Por fim, sugerimos o alongamento que é um exercício simples, fácil de realizar e cumpre bem o papel de relaxar a musculatura.

Terapia de compressão

A terapia de compressão também faz parte do tratamento contra o linfedema e consiste no uso de meias elásticas para auxiliar a drenagem do líquido acumulado e, assim, reduzir o inchaço dos membros inferiores.

É um procedimento que deve ser indicado por um médico especialista, que também vai ofertar mais orientações a respeito.


Cuidados locais com a pele

Os cuidados com a pele são os mesmos sugeridos para o pé diabético. O objetivo é evitar que os membros inferiores sofram qualquer tipo de ferimento que possa favorecer uma infecção, provocando ou piorando a situação de um linfedema. As orientações são:

  • Examinar os pés em busca de pequenas lesões que possam crescer e causar ferimentos mais graves.
  • Lavar os pés e secar bem, especialmente entre os dedos.
  • Seguir um tratamento com um médico especialista como o cirurgião vascular ou o endocrinologista. Ambos são profissionais habilitados a lidar com esse tipo de problema.
  • Usar talcos e meias especiais para evitar infecção provocada por desenvolvimento de fungos e bactérias.
  • Usar sapatos confortáveis, sem costura interna, que não machuquem os pés.
  • Antes de calçar um sapato verificar se existe algum objeto que possa causar algum machucado ou ferimento nos pés.
  • Evitar andar descalço e assim reduzir o risco de ferimentos.
  • Evitar sandália de dedo que também pode machucar a pele. Optar por calçados próprios para pés sensíveis e diabéticos.
  • Redobrar o cuidado na hora de cortar as unhas e remover calos, evitando qualquer produto ou objeto que possa provocar ferimentos ou irritações graves na pele.
  • Largar o cigarro. O tabagismo é um fator de risco para o linfedema. Logo, é um hábito que deve ser eliminado o quanto antes pelo paciente que sofre com o inchaço nas pernas.

 

Como vimos, o linfedema é uma doença crônica que se caracteriza pelo acúmulo de líquido em diferentes áreas do corpo, especialmente nas pernas e nos braços. Apesar de não ter cura, o linfedema tem tratamento que consiste basicamente em sessões de drenagem linfática, uso de meias de compressão, fazer exercícios que estimulam a drenagem e ter cuidados com os pés. Para diagnóstico e tratamento corretos, busque sempre um médico especialista no assunto.

 

O post O que é linfedema nas pernas? apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

Quais os sinais para a detecção do lipedema?

Vascular Pro - seg, 02/01/2021 - 20:36

O lipedema é uma doença crônica que tem as mulheres como alvo principal. Raramente o lipedema atinge os homens. É um distúrbio que se caracteriza pelo acúmulo de gordura doente em regiões específicas do corpo como pernas, coxas e, às vezes, os braços. Apesar de ser uma doença comum, o diagnóstico não é tão fácil de ser realizado. Por isso, é importante que as mulheres fiquem atentas aos sinais para a detecção precoce do problema. Vamos descobrir agora quais são esses sinais.

Principais sintomas do lipedema

É muito importante que a mulher observe o seu corpo e perceba alterações que possam indicar o surgimento do lipedema. Os sintomas mais comuns são:

Dor nas pernas durante o toque ou compressão

Quem sofre com lipedema sempre reclama muito de dor nas pernas. É uma dor generalizada, sem um local preciso. Essa dor também é percebida quando as pernas são tocadas ou comprimidas com um pouco mais de força.

Isso acontece por causa do acúmulo de gordura doente, que causa o desconforto. Quando está em estágio mais avançado, até o uso de roupas mais apertadas provocam dor. Essas dores costumam ser confundidas com outras doenças venosas, por isso é importante identificar outros sintomas.

Inchaço simétrico nas pernas

O inchaço também é um sinal bem característico do lipedema. Acontece sempre nas duas pernas, fazendo com que esses membros tenham uma aparência simétrica, um aspecto regular de acúmulo de líquidos e gordura. Assim, é muito comum que as duas pernas das mulheres estejam inchadas e com tecido gorduroso, com distribuição de gordura de maneira semelhante.

Assimetria entre tronco e membros inferiores

Os membros inferiores de quem tem lipedema costumam acumular mais gordura do que o restante do corpo. Assim, enquanto as pernas estão grossas, o tronco tem uma aparência padrão, sem acúmulo de gordura no abdômen, barriga e seios, por exemplo.

Algumas mulheres apresentam a cintura bastante fina, aliás, já que a gordura se acumula na região inferior do corpo, enquanto a região do bumbum e das pernas apresentam bastante gordura.

Hematomas que surgem facilmente

O lipedema provoca a fragilidade capilar, ou seja, os vasos sanguíneos ficam mais frágeis e, por isso, se rompem mais facilmente provocando equimoses, popularmente chamadas de hematomas ou manchas roxas na pele. Essas manchas surgem com frequência e sem que a pessoa tenha sofrido alguma pancada que pudesse surtir esse efeito.

Pele com celulite (aspecto de casca de laranja)

A celulite é uma inflamação da pele e que tem a ver com o excesso de gordura no corpo. A celulite também é um sintoma do lipedema e se caracteriza como uma pele disforme, com furinhos, semelhante à casca de laranja.

Além dos furinhos, a pele pode apresentar nódulos mais rígidos e ondulações, bem como dores e inchaço local.

Condição genética

Se alguém da família apresenta o lipedema, é muito provável que outra pessoa do mesmo núcleo também sofra com essa doença. Como dissemos, o lipedema tem um forte fator genético que favorece o surgimento. É bom ficar atenta e observar todos esses sinais que estamos listando aqui também nas outras mulheres do grupo familiar.

Gordura acumulada nas coxas, pernas e nos braços

A gordura do lipedema não atinge o corpo inteiro, ela se acomoda nas pernas e nas coxas, além dos braços. Os pés, por exemplo, nem sempre são atingidos pelo lipedema. É isso que, como já dissemos, causa uma desproporcionalidade entre tronco e membros. Enquanto o tronco aparenta normalidade, os membros apresentam acúmulo de gordura.

Ausência de depressão na pele após compressão

O inchaço, como já foi dito, é um dos sinais do lipedema, mas também é um sinal de outras doenças venosas. Quando é resultado do lipedema, o local inchado não sofre depressão quando é comprimido. Para fazer o teste, basta pressionar a perna inchada, por exemplo, com o dedo.

Ao realizar esse toque, a área pressionada não sofre afundamento, como acontece com o linfedema, por exemplo. A região comprimida permanece na posição original ou retorna em menos de 10 segundos.

Sensação de cansaço generalizado

Esse sintoma não é comum a todas as mulheres, mas é relatado por algumas pacientes. Elas se queixam da falta de disposição, do cansaço físico e mental e pouco estímulo para fazer atividades corriqueiras.

Dificuldade em emagrecer mesmo fazendo dieta e exercício físico

O acúmulo de gordura é o principal sintoma do lipedema, contudo, essa gordura não é igual à gordura provocada pela obesidade. É uma gordura doente que só pode ser removida através de tratamento cirúrgico. Quem está acima do peso pode sim reduzir os depósitos de gordura através de dieta e de exercício físico, o que não acontece no caso do lipedema.

Assim, quem não sabe que tem lipedema e tenta insistentemente emagrecer por meio de dieta comum e atividade física não direcionada e não vê resultados, acaba se frustrando. Obviamente, melhorar a alimentação e sair do sedentarismo são estratégias benéficas para prevenir diversas doenças e melhoram alguns sintomas de quem sofre com lipedema, contudo, a gordura doente não vai ser eliminada desta forma.

O acúmulo de gordura começou após um período de forte atuação hormonal

O período de gestação, a adolescência e a menopausa são situações que fazem com que a mulher esteja mais propensa a desencadear o lipedema. Isso acontece porque nesses períodos existem alterações frequentes e importantes nos hormônios.

Por isso, caso a gordura acumulada nas pernas, coxas e braços tenha surgido depois ou durante algumas dessas fases, é mais um motivo para buscar informações precisas sobre o lipedema. Essa, aliás, é uma das constatações de que a doença afeta apenas mulheres, uma vez que o público feminino é o que sofre com questões hormonais.

O lipedema é um distúrbio considerado crônico e afeta basicamente as mulheres. A característica principal é o depósito simétrico de gordura nas pernas, quadris e braços. Além disso, provoca dores, cansaço e inchaço na região. O seu surgimento tem forte ligação com o fator genético e com a alteração nos hormônios, por isso essa gordura doente aparece durante a puberdade, a gestação e a menopausa. É importante conhecer todos os sintomas para fazer o diagnóstico correto. Procure um médico especialista e tire todas as suas dúvidas a respeito dessa doença.

 

O post Quais os sinais para a detecção do lipedema? apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categorias: Medicina

Conheça alguns famosos que tiveram filhos graças ao tratamento de fertilidade

Fertilidade - seg, 02/01/2021 - 20:29

Descobrir problemas de fertilidade não é um momento fácil para um casal, uma mulher ou um homem. Nessa ocasião, é normal que muitas pessoas se sintam sozinhas, acreditando que são umas das poucas a passarem por esse desafio.

Mas, isso não é realidade. Diversos casais enfrentam esse tipo de problema, até mesmo os famosos. É cada vez mais comum, inclusive, ver celebridades revelando que enfrentaram dificuldades para engravidar e realizaram tratamentos de fertilidade para atingir esse sonho.

Conhecer outros casos de infertilidade é importante para perceber que isso acontece com diversas pessoas e, ainda, para comprovar que tratamentos de fertilidade podem ajudar mulheres e homens a realizarem a vontade de serem pais.

Por isso, neste post listamos alguns famosos que divulgaram que tiveram filhos graças ao tratamento de fertilidade.

Famosas que fizeram tratamento de fertilidade Ivete Sangalo

A cantora Ivete Sangalo já tinha um filho, Marcelo, quando decidiu engravidar novamente. Aos 42 anos, ela começou a congelar óvulos para fazer a fertilização in vitro (FIV). Ivete gerou embriões com o marido por esse método e eles também foram congelados para que ela pudesse implantá-los no futuro.

Aos 45 anos, Ivete fez o procedimento da fertilização in vitro com alguns desses embriões e engravidou. Hoje, ela é mãe das gêmeas Marina e Helena graças a esse tratamento.

Nicole Kidman

Celebridades internacionais também passam por dificuldades para engravidar e um exemplo é a atriz Nicole Kidman. Ela tem dois filhos adotivos (Isabella Jane e Connor) com o ex-marido, Tom Cruise, e duas meninas de seu relacionamento com o cantor Keith Urban.

A primeira filha do relacionamento atual, Sunday Rose, nasceu em 2008. Nicole tinha 41 anos e engravidou graças a uma fertilização in vitro. A atriz disse que fez algumas tentativas antes de conseguir engravidar pela FIV. Sua filha mais nova, Faith, nasceu por meio de uma barriga de aluguel.

Carolina Ferraz

Vinte anos após engravidar de Valentina, sua primeira filha, Carolina Ferraz ficou grávida novamente aos 46 anos. Em entrevista, ela contou que chegou a engravidar de forma natural, mas perdeu o bebê.

Pela idade, Carolina disse que não ficou surpresa e decidiu fazer um tratamento de fertilidade. Ela ficou grávida na segunda tentativa e seu tratamento durou cerca de 4 meses. Hoje, ela é mãe de Isabel devido ao procedimento.

Fátima Bernardes

A apresentadora Fátima Bernardes é uma celebridade constantemente lembrada no Brasil quando se fala em reprodução assistida. Isso porque ela recorreu a um tratamento de fertilidade ainda nos anos 90, quando não era tão comum ver famosos falando sobre o assunto.

Depois de tentar engravidar de forma natural, a apresentadora, que tinha 35 anos e era casada com William Bonner, decidiu fazer um tratamento de fertilidade. Da FIV, nasceram os trigêmeos Vinícius, Laura e Beatriz.

Karina Bacchi

A apresentadora e atriz Karina Bacchi teve hidrossalpinge, uma doença em que as tubas uterinas ficam obstruídas devido a um acúmulo de líquido na região. A hidrossalpinge pode ocorrer por diferentes motivos, como endometriose, uma infecção ou ser resultante de uma cirurgia abdominal.

No caso da apresentadora, ela teve que retirar suas trompas devido a essa doença. Então, ela decidiu fazer a fertilização in vitro para realizar o sonho de ser mãe. Karina usou o espermatozoide de um doador anônimo e hoje é mãe de Enrico.

Bianca Rinaldi

Outro exemplo de famosa que teve filhos graças a um tratamento de fertilidade é a atriz Bianca Rinaldi. Ela e o marido, Eduardo Menga, tentaram ter um filho de maneira natural, mas não conseguiram.

Por isso, ela decidiu fazer a fertilização in vitro. Na época, ela tinha 35 anos e o marido 55. O sonho de Bianca era ser mãe de gêmeos, então o médico responsável pelo tratamento transferiu dois embriões para o útero da atriz no procedimento.  O tratamento deu certo e hoje Bianca é mãe das gêmeas Sofia e Beatriz.

Dira Paes

A atriz Dira Paes também já falou publicamente sobre sua dificuldade de engravidar e a decisão de fazer um tratamento para ter um filho. De acordo com ela, a ideia de ter um bebê veio de seu primeiro filho, Inácio.

Ela tentou engravidar por quatro anos e, inclusive, conseguiu duas vezes. Mas, em ambas, Dira perdeu os bebês com nove semanas de gravidez. Foi nesse momento que ela e o marido, Pablo Baião, começaram a amadurecer a ideia de fazer um tratamento de fertilidade. A atriz realizou a fertilização in vitro e engravidou aos 46 anos. Hoje, ela é mãe de Inácio e de Martim.

Além dessas famosas listadas aqui, existem outras que fizeram tratamentos para ter filhos. Essas histórias mostram que a infertilidade é um problema que afeta muitos casais e isso não significa que os parceiros não conseguirão mais ter filhos de forma nenhuma.

Então, não desanime caso você e seu parceiro tenham um diagnóstico de infertilidade. Lembre-se de que é possível conferir outros meios para engravidar e cabe a vocês a decisão de realizar ou não um procedimento para se tornarem pais.

Como decidir realizar um tratamento para engravidar

Para tomar a decisão de realizar um tratamento para ter um filho, você e seu parceiro precisam seguir certos passos. Em primeiro lugar, por exemplo, vocês devem consultar um especialista para confirmar se são inférteis.

Caso o diagnóstico seja positivo, vocês têm que se informar sobre os tipos de tratamento, saber como são os procedimentos, quanto tempo duram e quanto custam. Com essas informações em mente, será mais fácil decidir se o tratamento é a opção ideal para o cenário.

E, se vocês optarem por um tratamento de fertilidade, é muito importante conhecer a clínica e o profissional antes de iniciar o procedimento. Isso é essencial, porque o tratamento é um período cheio de medos e expectativas.

Sendo assim, você e seu parceiro precisam ter certeza de que estão escolhendo bons profissionais, com experiência e que também sejam adequados para seus perfis. Afinal, por mais que um médico tenha anos de experiência, se ele não der atenção para o caso da maneira que os pacientes esperam, dificilmente esse tratamento será eficiente.

Então, se você e seu parceiro desejam fazer um diagnóstico de infertilidade ou saber mais sobre as opções de tratamento, marque uma consulta conosco. Assim, nossa equipe pode lhes ajudar nesse período!

 

O post Conheça alguns famosos que tiveram filhos graças ao tratamento de fertilidade apareceu primeiro em Fertilidade.org.

Categorias: Medicina

Páginas

Subscrever Frases Fortes agregador - Medicina

Não perca Frases do Einstein selecionadas a dedo.

Conhece alguma frase legal? Envie-nos.

Vote agora nas frases e citações que você mais gosta.