Medicina

American Society for Reproductive Medicine

Fertilidade - ter, 02/20/2018 - 21:15

Mantendo associação com sociedade americana de reprodução humana.

ASRM
Categorias: Medicina

Gestação de substituição (barriga de aluguel)

Fertilidade - ter, 02/06/2018 - 12:17
Barriga de aluguel

Barriga solidária

Nos Estados Unidos, recorrer a uma barriga de aluguel para realizar o sonho de ser mãe ou pai é algo relativamente corriqueiro. Lá o processo é controlado por agências especializadas e não há restrições quanto a quem pode gerar o(s) bebê(s) de quem; havendo um acordo formal – e normalmente financeiro – entre os pais biológicos e a mulher que se propõe a engravidar por eles, tudo é feito tranquilamente sob a segurança juridica contratual desde o momento da inseminação artificial até a entrega do(s) bebê(s). A maturidade do processo é evidenciada na segurança do resultado além do biológico.

No Brasil, o processo é bem diferente e ainda está sendo discutido, criado, testado e aplicado. Veja bem, o procedimento médico-biológico, é perfeitamente factível. Temos a tecnologia. Temos o pessoal. Temos o conhecimento. Agora, o entendimento ético está amadurecendo, o processo juridico também, e, portando, a segurança do resultado não-biológico, para o médico,  para o laboratório e equipe, para a doadora, para o bebê e para o casal. São tantos envolvidos, tantas variáveis, que tudo tem que ser bem planejado.

Vamos começar pelo começo: o termo correto é gestação de substituição, não barriga de aluguel.

Embora o nome corriqueiro desse processo seja barriga de aluguel, ele não poderia estar mais distante da realidade brasileira. Todas as palavras estão erradas. Isso porque no Brasil é proibido cobrar para emprestar o útero para uma gestação ou querer pagar para convencer uma mulher a fazer isso. Simples assim. O termo correto por aqui é gestação de substituição. Ou, também pode ser barriga solidária, para ficar mais simples e condizer com nossa realidade.

Não existem leis que guiem o processo de gestação de substituição ou barriga solidária no Brasil: tudo é regido por resoluções do CFM que são seguidas pela Justiça. O CFM adiantou-se nessa questão, de modo que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) tenta acompanhar suas decisões, mas a legislação brasileira em si ainda é muito conservadora.

As resoluções sobre gestação de substituição vêm sendo criadas e modernizadas desde 1992. Sendo a mais recente, de 2017 (Resolução CFM nº 2.168/2017), a que vale atualmente.

VII - SOBRE A GESTAÇÃO DE SUBSTITUIÇÃO (CESSÃO TEMPORÁRIA DO ÚTERO)

As clínicas, centros ou serviços de reprodução assistida podem usar técnicas de RA para criarem a situação identificada como gestação de substituição, desde que exista um problema médico que impeça ou contraindique a gestação na doadora genética, em união homoafetiva ou pessoa solteira.

1. A cedente temporária do útero deve pertencer à família de um dos parceiros em parentesco consanguíneo até o quarto grau (primeiro grau - mãe/filha; segundo grau - avó/irmã; terceiro grau - tia/sobrinha; quarto grau - prima). Demais casos estão sujeitos à autorização do Conselho Regional de Medicina.

2. A cessão temporária do útero não poderá ter caráter lucrativo ou comercial.

3. Nas clínicas de reprodução assistida, os seguintes documentos e observações deverão constar no prontuário da paciente:

3.1. Termo de consentimento livre e esclarecido assinado pelos pacientes e pela cedente temporária do útero, contemplando aspectos biopsicossociais e riscos envolvidos no ciclo gravídico-puerperal, bem como aspectos legais da filiação;

3.2. Relatório médico com o perfil psicológico, atestando adequação clínica e emocional de todos os envolvidos;

3.3. Termo de Compromisso entre o (s) paciente (s) e a cedente temporária do útero (que receberá o embrião em seu útero), estabelecendo claramente a questão da filiação da criança;

3.4. Compromisso, por parte do (s) paciente (s) contratante (s) de serviços de RA, de tratamento e acompanhamento médico, inclusive por equipes multidisciplinares, se necessário, à mãe que cederá temporariamente o útero, até o puerpério;

3.5. Compromisso do registro civil da criança pelos pacientes (pai, mãe ou pais genéticos), devendo esta documentação ser providenciada durante a gravidez;

3.6. Aprovação do cônjuge ou companheiro, apresentada por escrito, se a cedente temporária do útero for casada ou viver em união estável.

Portanto, o que pode e o que não pode em barriga solidária no Brasil?

O ponto principal do processo de gestação de substituição no Brasil é que ele não pode ser tratado como uma transação comercial, ou seja, não pode envolver dinheiro. Além disso, a resolução 2121, de 2015, determina que familiares de até quarto grau (primas) da mulher ou do homem podem ceder o útero para uma gestação e fazer uma FIV (fertilização in vitro) em clínica de reprodução assistida, sem necessidade de uma autorização do CFM.

Em situações de gestação de substituição em que não haja parentesco é preciso entrar com um processo e conseguir a autorização da CFM para que a FIV seja feita. Será analisado o histórico do caso e das pessoas envolvidas. Todos envolvidos, tanto as mulheres quanto seus parceiros ou parceiras, caso existam, terão que assinar documentos atestando que estão de pleno acordo para a realização da gestação, havendo também avaliação psicológica. Sem a autorização, nenhuma clínica séria realizará o procedimento. O que guia a gestação de substituição é a ética. Leia os limites da ética em reprodução humana.

Há medidas legais que desestimulam as tentativas de fazer o procedimento por vias dúbias: o artigo 3º do Código Civil veta a cessão de órgãos e o artigo 15º determina que ninguém pode ser constrangido a um tratamento médico ou cirurgia. Os dois artigos, de certa forma, podem ser usados para coibir uma barriga de aluguel, a comercialização do serviço.

Um último aspecto burocrático é o registro do parentesco do(s) bebê(s). Independentemente da origem dos embriões, a Declaração de Nascido Vivo via de regra sai no nome da parturiente, ou seja, da mulher que emprestou a barriga. Para a certidão de nascimento ser feita no nome dos pais biológicos, bastará apresentar no cartório documentos que comprovem a legalidade do procedimento. A lei de registros, de 1973, não prevê gestação de substituição, mas o CNJ faz valer as resoluções do CFM, e os cartórios seguem as determinações do CNJ.

Havendo vontade ou necessidade de partir para uma gestação de substituição, portanto, o conselho é que a lei seja seguida, obviamente. Passe em consulta com especialista em reprodução humana que pode orientar todo o processo. É um processo relativamente simples. Curiosamente, é justamente a burocracia da adoção no Brasil que tem incentivado muitos casais a procurarem a barriga solidária nos últimos anos.

infertilidadetratamentobarriga aluguelO que você achou deste conteúdo?:  0 No votes yet
Categorias: Medicina

Aborto espontâneo precoce

Fertilidade - ter, 02/06/2018 - 12:05
Aborto precoce

Esta informação é para você que saber mais sobre aborto nos primeiros 3 meses da gravidez. Também pode ser útil se você é parente ou amigo de alguém que teve aborto espontâneo precoce.

Explicamos os cuidados que necessários após um aborto espontâneo precoce confirmado. 

Perder um bebê é uma experiência profundamente pessoal que afeta as pessoas de forma diferente. Pode ser muito angustiante... e depois pode ser necessário apoio psicológico. 

O que é um aborto precoce?

Se você perder seu bebê nos primeiros 3 meses da gravidez, é chamado de aborto espontâneo precoce. Na maioria das mulheres ocorre sangramento vaginal, mas, às vezes, pode não haver nenhum sintoma. Se este for o caso, o aborto pode acabar sendo diagnosticado numa ultra-sonografia.

Por que acontecem os primeiros abortos?

Na maioria dos casos, não é possível dar uma razão para um aborto precoce. A causa mais comum é um problema com os cromossomos do bebê (as estruturas genéticas dentro das células do corpo que herdamos dos nossos pais). Se um bebê não tiver o número certo de cromossomos, ele não se desenvolverá adequadamente e a gravidez pode acabar em um aborto espontâneo.

Quais são as minhas chances de ter um aborto espontâneo?

Infelizmente, os abortos precoces são muito comuns. Muitos abortos precoces ocorrem antes que a mulher perca sua primeira menstruação ou antes de sua gravidez ter sido confirmada, ou seja, nem fica sabendo. Nos primeiros 3 meses, uma em cada cinco mulheres terá um aborto espontâneo, sem motivo aparente, após um teste de gravidez positivo.

O risco de aborto espontâneo é aumentado por:

  • sua idade - aos 30 anos de idade, o risco de aborto espontâneo é de um em cada cinco (20%); com mais de 40 anos, o risco de aborto espontâneo é de um em cada dois (50%)
  • problemas médicos como diabetes mal controlada
  • fatores de estilo de vida, como tabagismo, excesso de peso ou consumo excessivo de álcool.

Não há evidências de que o estresse possa causar um aborto espontâneo. E o sexo durante a gravidez não está associado a aborto precoce.

O que devo fazer se eu tiver sangramento e/ou dor nos primeiros 3 meses?

O sangramento vaginal e/ou a dor de cólicas nos estágios iniciais da gravidez são comuns e nem sempre significam que existe um problema. No entanto, hemorragias e/ou dor podem ser um sinal de aborto espontâneo.

Se você tiver algum sangramento e/ou dor, você pode obter ajuda médica e conselhos de:

  • seu médico
  • o médico do pronto socorro

Como é diagnosticado um aborto precoce?

Um aborto precoce geralmente é diagnosticado por uma ultra-sonografia. Você pode ser aconselhada a fazer um exame transvaginal (onde uma sonda é suavemente inserida na vagina) ou uma varredura transabdominal (onde a sonda é colocada no abdômen) ou ocasionalmente ambos. Um exame transvaginal pode ser recomendado, pois dá uma imagem mais clara. Nenhum desses exames aumentam o risco de ter um aborto espontâneo.

Podem ser oferecidos exames de sangue que poderiam incluir a verificação do nível do seu hormônio da gravidez (βhCG).

Se você estiver sangrando ou com dor, pode ser efetuado um exame vaginal. Você também poderá trazer alguém para apoiá-la durante seu exame ou verificação.

Algumas mulheres vão abortar muito rapidamente, mas para os outras o diagnóstico e tratamento contínuo podem levar várias semanas.

Quais são minhas escolhas... se for confirmado um aborto?

Se a ecografia mostra que você tem um aborto e não resta nada no seu ventre, pode não ser necessário qualquer tratamento adicional.

Se o aborto for confirmado, mas algum ou todo conteúdo da gravidez ainda está dentro de seu ventre, seu profissional de saúde vai falar com você sobre as melhores opções. Você pode escolher esperar e deixar a natureza seguir seu curso, ou usar medicamentos ou mesmo fazer uma operação.

Deixar a natureza seguir seu curso (tratamento expectante de um aborto espontâneo)

Isto é bem sucedido em cerca de 50 em cada 100 mulheres que escolhem esta opção. Pode demorar algum tempo antes de começar a sangrar e isto pode continuar por até 3 semanas. Pode ser pesado e você pode sentir dor de cólicas. Se você tem dor ou sangramento muito intenso, pode precisar ser internada em um hospital.

Deve fazer uma consulta de acompanhamento, cerca de 2 semanas depois:

  • Se o sangramento e a dor se estabeleceu por essa altura, é provável que toda a gravidez tenha saído. Você será aconselhada a fazer um teste de gravidez de urina 1 semana depois disso. Se ainda der positivo, você deve contatar seu serviço local de avaliação de gravidez precoce.
  • Se o sangramento falhar em iniciar no prazo de 7 a 14 dias ou for persistente ou ficar mais pesado, será receberá uma outra ecografia. As opções de continuar o tratamento expectante, tratamento médico ou ser operada em seguida serão discutidas com você.

 

Tomar a medicação (tratamento médico de um aborto espontâneo)

Isso é bem sucedido em 85 em cada 100 mulheres e evita um anestésico.

Você tomará um medicamento. A medicação ajuda o colo do útero (colo do útero) a abrir e permite que o restante da gravidez vá embora. Vai demorar algumas horas... e haverá um pouco de dor com sangramento ou de coagulação (como uma menstruação pesada). Será oferecido alívio para dor e medicação anti-doença. Algumas mulheres podem experimentar diarreia e vômitos.

Se o sangramento não tiver iniciado 24 horas após o tratamento, deve contactarseu médico ou hospital.

Após o tratamento, você pode sangrar por até 3 semanas. Se o sangramento for pesado, você deve contatar seu médico ou hospital local.

Você será recomendada a fazer um teste de gravidez 3 semanas mais tarde. Se este der positivo, você deve contatar seu serviço de avaliação de gravidez precoce para organizar uma consulta de acompanhamento. Se o tratamento não funcionou, você terá a opção de ser operada.

 

Ter uma operação (tratamento cirúrgico de um aborto espontâneo)

A operação pode ser executada sob anestesia geral ou local. É bem sucedido em 95 em cada 100 mulheres.

A gravidez é removida através do colo do útero. Você pode receber comprimidos para engolir ou  vaginal antes da operação para amolecer o colo do útero.

A cirurgia geralmente terá lugar dentro de alguns dias do seu aborto, mas você pode ser recomendada para a cirurgia imediatamente se:

  • Estiver sangrando fortemente e continuamente
  • Existir sinais de infecção
  • O tratamento clínico para remover a gravidez não teve êxito.

A operação é segura, mas há um pequeno risco de complicações, incluindo sangramento pesado, infecção ou danos ao útero. Uma operação de repetição às vezes é necessária. O risco de infecção é o mesmo, se você escolher o tratamento médico ou cirúrgico.

 

O que acontece com os restos da gravidez?

Alguns tecidos removidos no momento da cirurgia podem ser enviados para testes em laboratório. Os resultados podem confirmar que a gravidez estava dentro do útero e que não era uma gravidez ectópica (quando a gravidez está crescendo fora do útero). Também testa para quaisquer alterações anormais na placenta (gravidez molar).

Algumas mulheres que abortam em casa optam por trazer os restos de gravidez para o hospital, para que eles possam ser testados.

Opções para a eliminação dos restos serão discutidas com você e seu parceiro.

Eu gostaria de ter um memorial para o meu bebê. Como eu posso organizar isso?

Dependendo da sua unidade e sua própria situação individual, você pode escolher o sepultamento ou cremação. Muitos hospitais têm um livro de recordações. Se você quiser mais informações, converse com seu médico ou enfermeiro sobre as opções no seu hospital.

O que acontece a seguir?

Sangramento vaginal

Você pode esperar ter algum sangramento vaginal por 1-2 semanas após o aborto. Isto é como uma menstruação pesada no primeiro dia, mais ou menos. Isto deve diminuir e pode tornar-se de cor marrom. Você deve usar absorventes ao invés de tampões, já que usar tampões poderia aumentar o risco de infecção.

Se você normalmente tem menstruações regulares, sua próxima menstruação será geralmente dentro de 4-6 semanas. A ovulação ocorre antes, então você pode estar fértil no primeiro mês após um aborto. Portanto, se você não quiser engravidar, você precisará usar contracepção.

Desconforto

Você pode esperar algumas cólicas (como fortes dores de menstruação) em seu abdômen inferior no dia do seu aborto. Você pode ter cólicas mais leves ou uma dor um ou dois dias depois. Se o desconforto não é aliviado por analgésicos simples da farmácia e você experimenta os seguintes sintomas, você deve consultar o seu médico, serviço de avaliação de gravidez precoce ou o hospital onde você teve os seus cuidados:

  • Sangramento vaginal forte ou prolongado, corrimento vaginal malcheiroso e dor abdominal:

Se você também tem uma temperatura elevada (febre) e sintomas como a gripe, você pode ter uma infecção do revestimento do útero (útero). Isso ocorre em duas ou três em cada 100 mulheres. Pode ser tratado com antibióticos. Estes sintomas também podem indicar que algum tecido permanece desde a gravidez (veja acima).

  • Aumento da dor abdominal e você não se sente bem: se você também tiver uma temperatura alta (febre), perdeu o apetite e tem vômitos, isto pode ser devido a danos ao útero. Você pode precisar ser internada em hospital.

Recuperação emocional

Um aborto afeta todas as mulheres de forma diferente e pode ser devastador para o parceiro dela também. Algumas mulheres concordam com o que aconteceu dentro de semanas; para outras, leva mais tempo. Muitas mulheres se sentem chorosas e emocionais por pouco tempo depois. Algumas mulheres experimentam dor intensa por mais tempo.

Sua família e amigos podem ser capazes de ajudar. Fale com seu médico se você sentir que você não está lidando bem. 

Retorno ao trabalho

Quando você retornará ao trabalho dependerá de você e como você se sente. É aconselhável descansar por alguns dias antes de iniciar suas atividades de rotina, mas retornar ao trabalho dentro de um ou dois dias não causará mal se você se sente bem o suficiente. A maioria das mulheres vai voltar a trabalhar em uma semana, mas você pode precisar de mais tempo para se recuperar emocionalmente.

Se assim for, pode ser útil falar com seu médico ou conselheiro de saúde ocupacional.

Fazendo sexo

Assim que os dois se sentirem prontos, você pode fazer sexo. É importante que você esteja se sentindo bem e que qualquer dor e sangramento tenha reduzido significativamente.

Quando podemos tentar ter outro bebê?

Você pode tentar ter um bebê tão logo você e seu parceiro se sintam fisicamente e emocionalmente prontos.

Estou em maior risco de um aborto espontâneo na próxima vez?

Não está em maior risco de outro aborto se você teve um ou dois abortos precoces. A maioria dos abortos ocorrem como um evento único e há uma boa chance de ter uma gravidez bem sucedida no futuro.

Um número muito pequeno de mulheres têm uma condição que as faz mais propensas a perder o bebê. Se este for o caso, a medicação pode ajudar. 

Há mais alguma coisa que eu deva saber?

Como qualquer outra pessoa planejando ter um bebê, você deve:

  • tomar 400 microgramas de ácido fólico todos os dias desde quando você começa a tentar até 12 semanas de gravidez, para reduzir o risco de seu bebê nascer com um defeito do tubo neural (espinha bífida)
  • ser tão saudável quanto possível – dieta equilibrada e parar de fumar
  • não beber bebidas alcoólicas, já que isto pode aumentar sua chance de aborto 

Pontos-chave

  • Abortos precoces são muito comuns e uma em cada cinco mulheres tem um aborto sem motivo aparente.
  • Hemorragia e/ou dor no início da gravidez pode ser um sinal de aviso de aborto e você deve consultar um médico se você está nesta situação.
  • Podem ser oferecidos testes incluindo uma ultra-sonografia para verificar a sua gravidez.
  • Uma vez que um aborto é diagnosticado, seu médico dirá sobre suas opções, que incluem o tratamento expectante, médico ou cirúrgico.
  • A maioria dos abortos são um evento único e há uma boa chance de uma gravidez bem sucedida no futuro.
abortoO que você achou deste conteúdo?:  0 No votes yet
Categorias: Medicina

Varicocele e infertilidade

Fertilidade - dom, 01/28/2018 - 19:46

Varicocele

Varicocele consiste na formação de varizes nas veias da região do escroto, onde estão alojados os testículos. A dilatação dessas veias prejudica o fluxo sanguíneo local, a troca de nutrientes e leva ao acúmulo de substâncias tóxicas e ao aumento de temperatura. Esses fatores podem provocar alterações na quantidade - oligozoospermia - e qualidade dos espermatozóides.

Varicocele e infertilidade: fator de relevância masculino para a dificuldade de engravidar.

A varicocele geralmente não causa danos e não requer tratamento. Se for necessária, pode ser feita uma cirurgia devido à infertilidade ou atrofia testicular, neste caso, a aparência final pode ser boa ou cursar com hidrocele. A remoção da varicocele pode fazer com que as temperaturas testiculares fiquem normais e que haja produção aumentada de espermatozóides. O tratamento do varicocele é cirúrgico e no procedimento "fecham-se" as veias do plexo venoso testicular, curando o varicocele. 

Causas

Doença genética que ocorre pela falência das válvulas existentes na veia testicular. Ocorre o acúmulo de substâncias nocivas nos testículos e, consequentemente, o aumento de sua temperatura, gerando a diminuição da produção de espermatozóides. Esta diminuição afeta diretamente a fertilização dos óvulos.

As varicoceles quando ocorrem mais frequentemente do lado esquerdo, por causa da posição da veia testicular esquerda; a incidência no lado esquerdo ocorre em 80 a 95%, bilateralmente entre 25 a 45%, e raramente apenas no lado direito. Apesar dessa questão da lateralidade, quando ocorre em só um testículo pode afetar a produção de espermatozóides em ambos os testículos.

Ocorre em 25% dos homens que tenham qualquer alteração seminal e em 11% nos que possuem análise seminal normal. Aqueles homens com infertilidade primária, a taxa de ocorrência é de 35% a 40%, enquanto nos que têm infertilidade secundária, a taxa é de 70% a 80%, que evidencia o caráter progressivo da lesão.

A varicocele tem início na adolescência, entre os 15 e 16 anos. Na infância não ocorre e o pico de incidência da varicocele é até os 25 anos. A aparição súbita de uma varicocele em homens mais velhos pode ser causada por tumor renal, que também pode comprimir e bloquear o fluxo sanguíneo.

Dificilmente a doença faz parte das preocupações de um garoto na puberdade, e, diferente das meninas que são acompanhadas pelo ginecologista, os meninos não tem o costume de acompanhamento.

Sintomas

A maioria dos pacientes portadores de varicocele são assintomáticos. Quando têm sintomas, o paciente da Varicocele poderá sentir:

  • Dor no testículo, o sintoma mais comum.
  • Sensação de peso no(s) testículo(s): com piora e alivio ao deitar.
  • Diminuição (atrofia) do(s) testículo(s).
  • Veia aumentada visível ou palpável.

A varicocele pode ser causa de impotência sexual ou infertilidade?
Além dos sintomas acima descritos, outro bastante comum é a infertilidade. A varicocele pode ser encontrada na pesquisa pela causa da infertilidade. A disfunção erétil é rara, mas pode ocorrer nos casos de varicocele avançada bilateral e de grau III. Quando isso acontecer, é preciso procurar tratamento e, se não houver, é possível também ocorrer a atrofia dos testículos. Esta atrofia diminui a produção de testosterona, que é a conhecida causa de impotência.

Tratamento

Qual o tratamento? A Varicocele tem cura?
A varicocele pode ser tratada com remédios, ou por procedimento cirúrgico, e sim, possui cura. A medicação melhora a circulação sanguínea, a fertilidade e alivia a dor e desconforto, para isto podem ser indicados diversos medicamentos:

  • Flavonoides fraccionados purificados e micronizados, compressas de gelo e natação também podem ajudar.
  • L-carnitina, para auxiliar na fertilidade, mas não é tão eficaz quanto a cirurgia.

Outro tipo de tratamento pode ser:

Embolização de varicocele: processo não cirúrgico, semelhante a um cateterismo, no qual não é preciso anestesia geral (na maioria das vezes apenas sedação). Tem duração de 1 hora em média. É um procedimento bastante recente e não é o urologista que realiza, mas o cirurgião endovascular.

Procedimento cirúrgico para Varicocele
As veias do plexo venoso testicular são ligadas (fechadas), curando o varicocele. Contudo, a cirurgia pode ter complicações, sendo 5% a 29% dos casos a porcentagem de ocorrência. Também é indicada a cirurgia quando há concomitância de hidrocele.

Não há como prever qual paciente terá uma melhora significativa do espermograma, podendo considerar razoável a cirurgia para os casos de pacientes jovens com dificuldades de terem filhos.

Prevenção

Como prevenir?
Não existe prevenção para a varicocele. O que o paciente pode fazer é sempre consultar o médico para que ele verifique o avanço da doença e indique tratamento adequado.

É recomendado pelo Ministério da Saúde que os homens até os 40 anos, se não houver sinais de doença, consultem um médico pelo menos uma vez a cada 2 anos. Após essa idade, a frequência deve aumentar para uma vez por ano.

 

Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

 

Leia também: 

urologiavaricoceletratamentomasculinotestículoinfertilidadepacientesO que você achou deste conteúdo?:  5 Average: 5 (1 vote)
Categorias: Medicina

Posso doar minha meia elástica?

Vascular Pro - qui, 01/18/2018 - 13:08

O Dr Alexandre Amato (CRM 108651) explica porque a meia elástica para o tratamento da insuficiência venosa é de uso pessoal. Não é possível doar sua meia, ou mesmo usar a meia de outra pessoa.

Tags: videoamatotvvarizesmeia elástica Select ratingGive Posso doar minha meia elástica? 1/5Give Posso doar minha meia elástica? 2/5Give Posso doar minha meia elástica? 3/5Give Posso doar minha meia elástica? 4/5Give Posso doar minha meia elástica? 5/5 No votes yet
Categorias: Medicina

Posso doar minha meia elástica?

Vascular Pro - qui, 01/18/2018 - 13:08

O Dr Alexandre Amato (CRM 108651) explica porque a meia elástica para o tratamento da insuficiência venosa é de uso pessoal. Não é possível doar sua meia, ou mesmo usar a meia de outra pessoa.

Tags: videoamatotvvarizesmeia elástica Select ratingGive Posso doar minha meia elástica? 1/5Give Posso doar minha meia elástica? 2/5Give Posso doar minha meia elástica? 3/5Give Posso doar minha meia elástica? 4/5Give Posso doar minha meia elástica? 5/5 No votes yet
Categorias: Medicina

Endometrioma: cistos de endometriose no ovário

Fertilidade - ter, 01/16/2018 - 14:41
Endometrioma

Endometrioma são cistos de endometriose no ovário. Esses cistos têm um conteúdo achocolatado e podem ser chamados de cistos de chocolate. Pacientes com endometriose no estado avançado normalmente podem ter esses endometriomas que alteram a reserva folicular da mulher e com isso diminuir sua reserva ovariana. Assista ao vídeo e veja mais detalhes com a Dra. Juliana Amato (CRM 106072).

endometriomavídeoamatotvO que você achou deste conteúdo?:  0 No votes yet
Categorias: Medicina

Miomas: tumores benignos causados por disfunções hormonais

Fertilidade - ter, 01/16/2018 - 14:34

Miomas uterinos são tumores benignos que aparecem de 20 a 40% das mulheres em idade reprodutiva. Eles acontecem mais entre as idades de 30 a 50 anos, e podem ser afetadas por disfunções hormonais e de origem genética. Os miomas uterinos estão associados com o aumento do crescimento do útero, aumento do fluxo menstrual e pode estar relacionado a infertilidade. Assista ao vídeo e saiba as regiões que podem ser afetadas pelos miomas com a Dra. Juliana Amato (CRM 106072).

miomasvídeoamatotvO que você achou deste conteúdo?:  0 No votes yet
Categorias: Medicina

Aplicação de anticoagulante: tratamento para trombofilia e trombose

Vascular Pro - ter, 01/16/2018 - 14:17

Várias pessoas precisam usar anticoagulante por diversos motivos, entre eles, gestantes e pacientes com trombofilia e trombose. A técnica de aplicação, ou de autoaplicação, é muito importante, e deve ser feita de maneira subcutânea se for realizada pelo paciente. A melhor região para a aplicação é a abdominal, além de ser primordial a limpeza da área antes da injeção de anticoagulante. Assista ao vídeo e saiba mais com o Dr. Alexandre Amato (CRM 108.651).

Tags: vascularamatotvvideoantocoagulantedicatrombose Select ratingGive Aplicação de anticoagulante: tratamento para trombofilia e trombose 1/5Give Aplicação de anticoagulante: tratamento para trombofilia e trombose 2/5Give Aplicação de anticoagulante: tratamento para trombofilia e trombose 3/5Give Aplicação de anticoagulante: tratamento para trombofilia e trombose 4/5Give Aplicação de anticoagulante: tratamento para trombofilia e trombose 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categorias: Medicina

Aplicação de anticoagulante: tratamento para trombofilia e trombose

Vascular Pro - ter, 01/16/2018 - 14:17

Várias pessoas precisam usar anticoagulante por diversos motivos, entre eles, gestantes e pacientes com trombofilia e trombose. A técnica de aplicação, ou de autoaplicação, é muito importante, e deve ser feita de maneira subcutânea se for realizada pelo paciente. A melhor região para a aplicação é a abdominal, além de ser primordial a limpeza da área antes da injeção de anticoagulante. Assista ao vídeo e saiba mais com o Dr. Alexandre Amato (CRM 108.651).

Tags: vascularamatotvvideoantocoagulantedicatrombose Select ratingGive Aplicação de anticoagulante: tratamento para trombofilia e trombose 1/5Give Aplicação de anticoagulante: tratamento para trombofilia e trombose 2/5Give Aplicação de anticoagulante: tratamento para trombofilia e trombose 3/5Give Aplicação de anticoagulante: tratamento para trombofilia e trombose 4/5Give Aplicação de anticoagulante: tratamento para trombofilia e trombose 5/5 No votes yet
Categorias: Medicina

Úlceras: causas e cuidados

Vascular Pro - ter, 01/16/2018 - 14:08

Úlceras são feridas de longas durações de várias causas, as venosas são as mais frequentes. As orientações podem variar conforme o paciente e o médico que estiver atendendo, mas basicamente os cuidados locais da úlcera venosa é deixa-la sempre limpa para evitar infecções. Assista ao vídeo e saiba mais com o Dr. Alexandre Amato (CRM 108.651).

Tags: úlceravideoamatotv Select ratingGive Úlceras: causas e cuidados 1/5Give Úlceras: causas e cuidados 2/5Give Úlceras: causas e cuidados 3/5Give Úlceras: causas e cuidados 4/5Give Úlceras: causas e cuidados 5/5 No votes yet
Categorias: Medicina

Úlceras: causas e cuidados

Vascular Pro - ter, 01/16/2018 - 14:08

Úlceras são feridas de longas durações de várias causas, as venosas são as mais frequentes. As orientações podem variar conforme o paciente e o médico que estiver atendendo, mas basicamente os cuidados locais da úlcera venosa é deixa-la sempre limpa para evitar infecções. Assista ao vídeo e saiba mais com o Dr. Alexandre Amato (CRM 108.651).

Tags: úlceravideoamatotv Select ratingGive Úlceras: causas e cuidados 1/5Give Úlceras: causas e cuidados 2/5Give Úlceras: causas e cuidados 3/5Give Úlceras: causas e cuidados 4/5Give Úlceras: causas e cuidados 5/5 No votes yet
Categorias: Medicina

Dermatite Ocre: manchas nas pernas

Vascular Pro - ter, 01/16/2018 - 14:01

Dermatite Ocre são manchas de tonalidade mostarda, que surgem nas pernas ocasionadas pela insuficiência venosa. Essa insuficiência acaba causando uma hipertensão nas veias resultando no extravasamento do conteúdo do sangue para o subcutâneo desse paciente. Assista ao vídeo e conheça mais detalhes com o Dr. Alexandre Amato (CRM 108.651).

Tags: varizesinsuficiência venosavideoamatotv Select ratingGive Dermatite Ocre: manchas nas pernas 1/5Give Dermatite Ocre: manchas nas pernas 2/5Give Dermatite Ocre: manchas nas pernas 3/5Give Dermatite Ocre: manchas nas pernas 4/5Give Dermatite Ocre: manchas nas pernas 5/5 No votes yet
Categorias: Medicina

Dermatite Ocre: manchas nas pernas

Vascular Pro - ter, 01/16/2018 - 14:01

Dermatite Ocre são manchas de tonalidade mostarda, que surgem nas pernas ocasionadas pela insuficiência venosa. Essa insuficiência acaba causando uma hipertensão nas veias resultando no extravasamento do conteúdo do sangue para o subcutâneo desse paciente. Assista ao vídeo e conheça mais detalhes com o Dr. Alexandre Amato (CRM 108.651).

Tags: varizesinsuficiência venosavideoamatotv Select ratingGive Dermatite Ocre: manchas nas pernas 1/5Give Dermatite Ocre: manchas nas pernas 2/5Give Dermatite Ocre: manchas nas pernas 3/5Give Dermatite Ocre: manchas nas pernas 4/5Give Dermatite Ocre: manchas nas pernas 5/5 No votes yet
Categorias: Medicina

Embolia de miomas: tumores não malignos no útero

Vascular Pro - ter, 01/16/2018 - 13:54

Os miomas são tumores não malignos que nascem na parede do útero. Eles podem causar diversos sintomas que podem variar desde sangramento menstrual exagerado, dor abdominal, entre outras dores que abrangem muitas das queixas femininas. Assista ao vídeo e saiba como eles podem ser tratados com o Dr. Alexandre Amato (CRM 108.651).

Tags: embolizaçãomiomaamatotvvideo Select ratingGive Embolia de miomas: tumores não malignos no útero 1/5Give Embolia de miomas: tumores não malignos no útero 2/5Give Embolia de miomas: tumores não malignos no útero 3/5Give Embolia de miomas: tumores não malignos no útero 4/5Give Embolia de miomas: tumores não malignos no útero 5/5 No votes yet
Categorias: Medicina

Embolia de miomas: tumores não malignos no útero

Vascular Pro - ter, 01/16/2018 - 13:54

Os miomas são tumores não malignos que nascem na parede do útero. Eles podem causar diversos sintomas que podem variar desde sangramento menstrual exagerado, dor abdominal, entre outras dores que abrangem muitas das queixas femininas. Assista ao vídeo e saiba como eles podem ser tratados com o Dr. Alexandre Amato (CRM 108.651).

Tags: embolizaçãomiomaamatotvvideo Select ratingGive Embolia de miomas: tumores não malignos no útero 1/5Give Embolia de miomas: tumores não malignos no útero 2/5Give Embolia de miomas: tumores não malignos no útero 3/5Give Embolia de miomas: tumores não malignos no útero 4/5Give Embolia de miomas: tumores não malignos no útero 5/5 No votes yet
Categorias: Medicina

Video do procedimento de ICSI

Fertilidade - qua, 01/10/2018 - 09:45
Categorias: Medicina

Retrospectiva 2017

Fertilidade - dom, 12/31/2017 - 15:27

2017 será mais um ano que ficará na história da equipe Fertilidade.org. Depois de tantos bebês colocados no mundo, temos que meditar nesse período do ano e traçar a rota que será seguida em 2018, sempre com o objetivo de ajudar mais mulheres a se tornarem mamães. Foi um ano que deixou sua marca, com muitas dificuldades, mas também com muitas vitórias. 
Para nosso site não foi diferente. Mais de 778.829 visitas ao nosso conteúdo, 8566 curtidas no Facebook (curta você também), 8573 seguidores, com avaliação 4,1 estrelas. Criamos uma playlist no Youtube com dicas de Reprodução Humana. Sempre buscando a melhor informação em reprodução humana para você.
Os artigos mais lidos em 2017 foram:

  1. Calculadora de Fertilidade
  2. Como o esperma chega ao óvulo
  3. Calculadora Gestacional
  4. Histerossalpingografia
  5. Reprodução Humana Assistida
  6. Inseminação artificial
  7. Fertilização in vitro (FIV)
  8. Atendimento gratuito para infertilidade
  9. Idade e a Fertilidade feminina
  10. Os principais tratamentos para infertilidade

Os artigos onde os usuários ficaram mais tempo lendo foram:

Se você ainda não leu, não perca a chance de ler os artigos vencedores.

Desejamos a todos muita saúde e muitos bebês em 2018.

 

Equipe Fertilidade.org

retrospectivaartigos
Categorias: Medicina

Tenho que estar menstruando antes de usar Clomid?

Fertilidade - sab, 12/23/2017 - 15:54

É possivel ovular sem a menstruação.

Para muitos casais que sofrem de infertilidade, a jornada do tratamento começa com o Clomid (clomifeno). Essas pílulas da fertilidade estimulam a ovulação, e, quando usadas da maneira correta, indicada e acompanhada por médico especialista em reprodução humana, são seguras e efetivas como primeira linha de tratamento.

Uma das partes mais frustrantes de usar o Clomid é ter que esperar o ciclo menstrual para iniciar a medicação.

Tradicionalmente o Clomid é iniciado no terceiro ou quinto dia do ciclo menstrual, e não é incomum a proibição de medicações tipo progesterona para acelerar a vinda da menstruação. Se você está acompanhando com médico especialista, provavelmente esse será o caminho.

Parece que não é mais necessário ter menstruado para começar com os medicamentos de fertilidade.

Especialistas em fertilidade adotaram uma nova estratégia e maneira de pensar após a publicação de um artigo alguns anos atrás que sugeria que a menstruação não é necessária para que os medicamentos de tratar infertilidade funcionem. Não só isso mas as chances de êxito podem até diminuir se usadas na mestruação. Isso é chamado de "stair step protocol". O que isso significa?

O "Stair Step Protocol"significa menos tempo para fazer você ovular e menor tempo para a concepção.

Então porque meu médico não usa o clomifeno dessa maneira?

A maioria dos ginecologistas está treinada para usar o clomifeno da maneira tradicional, enquanto que os especialistas em reprodução humana estão mais atualizados com os últimos tratamentos e podem oferecer o protocolo mais moderno.

Isso significa que o clomifeno pode começar a qualquer momento?

Não. Seu especialista em reprodução humana deve determinar que não está grávida e ainda não ovulou logo antes do uso das drogas de fetilidade. O uso do medicamento no momento errado do ciclo pode causar mais prejuizo do que benéfices.

Fonte: Clomid stair-step protocol may shorten the time to ovulation but not to pregnancy: a randomized clinical trial Craig, L.B. et al. Fertility and Sterility , Volume 104 , Issue 3 , e97

O que você achou deste conteúdo?:  0 No votes yet
Categorias: Medicina

Lipedema: doença crônica do tecido adiposo

Vascular Pro - seg, 12/18/2017 - 10:59
O Lipedema é uma doença crônica do tecido adiposo, afetando geralmente as pernas, ancas e braços. É caracterizado por uma deposição maior de tecido gorduroso simétrico nos membros inferiores ou superiores, ocorrendo uma assimetria entre tronco e membros. Pode ser hereditária e ocorre quase exclusivamente em mulheres. Assista ao vídeo e veja mais detalhes com o Dr. Alexandre Amato (108651).  

--transcrição--     Olá! Sou doutor Alexandre Amato, cirurgião vascular do Instituto Amato e hoje vamos falar sobre lipedema, que é frequentemente confundido com o linfedema. O lipedema é uma doença crônica que atinge na maioria das vezes as mulheres. Aliás, é muito rara em homens.  É uma doença com características genéticas, hereditárias, embora não tenha sido identificado o gene específico, em que ocorre uma deposição maior de tecido gorduroso simétrico nos membros inferiores mais frequentemente, mas também nos membros superiores, ocorrendo uma assimetria entre a deposição de gordura no tronco e abdome com relação aos membros.  Então, são aquelas pessoas que têm as pernas muito gordas e têm dificuldade de perder o peso nas pernas quando fazem dieta, quando fazem exercício. Mas essa gordura também traz outros sintomas, sintomas que incomodam bastante. Sintomas como dor nos tecidos moles, tanto ao toque, com a sensibilidade maior, mas também uma dor generalizada nas pernas. Muitas vezes essa dor acaba se confundindo com outras causas de dor, como uma doença venosa, como o linfedema.  O paciente pode relatar também uma queixa de inchaço. Esses inchaço nas pernas que não diminui, não consegue controlar, pode estar associado ao lipedema.  Facilidade de formar hematomas, equimoses, qualquer pequena pancadinha forma grandes hematomas. Seria uma fragilidade capilar, mas isso também está associada ao lipedema. Normalmente os sintomas ocorrem após grandes alterações hormonais na mulher. Então após a puberdade, após a menopausa ou após uma gestação, pode acabar desencadeando a formação e a deposição de gordura do lipedema.  Existem outros sintomas que não são tão frequentes, mas que também estão associados, mas o importante é a gente diferenciar das outras causas de hedema de membros inferiores. Então a insuficiência venosa crônica, veja nosso vídeo sobre a insuficiência venosa crônica, e o linfedema, sobre o qual também temos um vídeo mostrando os principais sintomas.  Qualquer dúvida procure o cirurgião vascular. Se você curtiu esse vídeo, compartilhe. Tags: videolipedemaamatotv Select ratingGive Lipedema: doença crônica do tecido adiposo 1/5Give Lipedema: doença crônica do tecido adiposo 2/5Give Lipedema: doença crônica do tecido adiposo 3/5Give Lipedema: doença crônica do tecido adiposo 4/5Give Lipedema: doença crônica do tecido adiposo 5/5 No votes yet
Categorias: Medicina

Páginas

Subscrever Frases Fortes agregador - Medicina

Não perca Frases do Einstein selecionadas a dedo.

Conhece alguma frase legal? Envie-nos.

Vote agora nas frases e citações que você mais gosta.

delorean