Medicina

Discectomia Endoscópica Percutânea Lombar

Neurocirurgia - qui, 02/07/2019 - 13:41

Artigo publicado pelo Dr. Marcelo Amato e equipe nos Arquivos Brasileiros de Neurocirurgia:

Radiation Exposure during Percutaneous Endoscopic Lumbar Discectomy: Interlaminar versus Transforaminal

Exposição à radiação durante discectomia endoscópica lombar percutânea : interlaminar versus transforaminal

Acesso através do link:

https://thieme-connect.com/products/ejournals/abstract/10.1055/s-0038-16...

Categorias: Medicina

Modelo Experimental para Cirurgia Endoscópica

Neurocirurgia - qui, 02/07/2019 - 12:01

Experimental Model for Transforaminal Endoscopic Spine Procedures

Artigo publicado pela nossa equipe com o intuito de facilitar o ensino da endoscopia de coluna no Brasil e no mundo. 

Artigo grátis através dos links abaixo:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30624513

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-86502018001...

Categorias: Medicina

Estenose das artérias carótidas

Vascular Pro - sab, 01/26/2019 - 21:08

Estenose da Artéria Carótida

Estenose da artéria carótida é um estreitamento das grandes artérias em ambos os lados do pescoço que levam o sangue para a cabeça, o rosto e o cérebro. Este estreitamento é geralmente o resultado de um acúmulo de placa calcificada dentro das artérias, uma condição chamada de aterosclerose. A estenose pode piorar com o tempo até bloquear completamente a artéria, ou desprender pequenos fragmentos que podem levar à um acidente vascular cerebral (derrame).

Seu médico pode solicitar um ultrassom de carótidas (ecodoppler), TC angiografia (AngioTC), angiografia de ressonância magnética (AngioRM) ou angiografia cervical e cerebral para determinar a presença e a localização da estenose. O tratamento para melhorar ou restaurar o fluxo sanguíneo pode incluir angioplastia e implante de stent vascular ou, em casos graves, cirurgia.

 

O que é estenose da artéria carótida?

Estenose da artéria carótida é um estreitamento nas artérias grandes localizadas em cada lado do pescoço que levam o sangue para a cabeça, o rosto e o cérebro. O estreitamento geralmente resulta da aterosclerose, ou acúmulo de placa no interior das artérias. Ao longo do tempo, a estenose pode avançar para o bloqueio completo da artéria.

Fatores de risco para estenose da artéria carótida incluem idade, tabagismo, hipertensão arterial, diabetes, obesidade e estilo de vida inativo.

Algumas pessoas com estenose da artéria carótida podem sentir tontura, visão turva e desmaio, que podem ser sinais de que o cérebro não está recebendo sangue e oxigênio suficiente. Em muitos casos, o primeiro sintoma é um ataque isquêmico transitório (AIT) ou um derrame porque um pequeno coágulo pode se formar na área do vaso que é afetado pela aterosclerose. Quando um pequeno coágulo se torna desprende, pode viajar para o cérebro e tapar uma artéria menor que um pedaço específico do cérebro depende para o seu funcionamento e, em última análise, sobrevivência. Os sintomas de um AIT e derrames são semelhantes: paralisia ou dormência de um lado do corpo, visão turva, dor de cabeça, problemas de fala e dificuldade em responder aos outros. O AIT é geralmente breve e não deixa nenhum dano duradouro; é devido a uma pequena e temporária oclusão de uma pequena artéria, mas muitas vezes é um sinal de aviso. Um acidente vascular cerebral é frequentemente associado com a morte de uma parte do cérebro devido à perda de seu suprimento de sangue e pode resultar em incapacidade grave ou morte.

Como a estenose da artéria carótida é avaliada?

Estenose da artéria carótida, por vezes, provoca um som anormal, um ruído ou sopro, na artéria que pode ser ouvida com um estetoscópio. Exames de imagem para diagnosticar, localizar e medir a estenose incluem:

  • Ultrassom de carótidas (incluindo ultrassom Doppler): este teste utiliza ondas sonoras para criar imagens em tempo real das artérias e localizar bloqueios. O Doppler é uma técnica de ultrassom especial que pode detectar áreas de fluxo de sangue restringido na artéria.
  • Angiografia por Tomografia Computadorizada (CTA): CTA usa um scanner TC para produzir visualizações detalhadas das artérias em qualquer lugar no corpo – neste caso, no pescoço. O teste é particularmente útil para pacientes com marcapassos ou stents.
  • Angiografia de ressonância magnética (ARM): este teste não-invasivo dá informações semelhantes ao CTA, sem o uso de radiação ionizante.
  • Angiografia cerebral: Também conhecida como angiografia de subtração digital intra-arterial (IADSA), a angiografia cerebral é um teste minimamente invasivo em que um cateter é guiado através de uma artéria para a área de interesse. Material de contraste é injetado através do tubo e imagens são capturadas com raios-x.

Como é tratada a estenose da artéria carótida?

Casos graves de estenose geralmente exigem endarterectomia carotídea, em que um cirurgião faz uma incisão para remover a placa de qualquer parte doente da artéria, enquanto o paciente está sob anestesia geral. Uma opção menos invasiva inclui:

  • Implante de stent e angioplastia de artéria carótida: Durante este procedimento, um cateter é enfiado através de uma incisão na virilha até o local do bloqueio, onde a ponta do balão é inflada para abrir a artéria. Um stent pode ser colocado na artéria para expandi-la e segurá-la aberta.

Leia também:

E como eu faço para decidir entre endarterectomia carotídea ou angioplastia com stent de carótida ?

 

Veja as perguntas frequentes sobre estenose nas carótidas

Tags: carótidaartériaarterialaterosclerose Select ratingGive Estenose das artérias carótidas 1/5Give Estenose das artérias carótidas 2/5Give Estenose das artérias carótidas 3/5Give Estenose das artérias carótidas 4/5Give Estenose das artérias carótidas 5/5 Sem avaliações
Categorias: Medicina

Fertilização in Vitro por ICSI

Fertilidade - ter, 01/22/2019 - 07:59

Qual o custo de uma FIV/ICSI? O que é a FIV ICSI? Como é feita? Tem mais chance de gêmeos?

Micro Manipulação de Gametas

é introduzido o espermatozóide dentro do óvulo com uma agulha mais fina que o diâmetro de um fio de cabelo humano

ICSI significa Intra Citoplasmatic Sperm Inject – Micro Manipulação de Gametas. A técnica faz uso de microscópio e micromanipuladores, introduzindo o espermatozóide dentro do óvulo com uma agulha sete ou mais vezes mais fina que o diâmetro de um fio de cabelo humano. Isso tudo é uma complementação da própria técnica de FIV. Atualmente é utilizado nos casos de óvulos com zona pelúcida “enrijecida” (mulher > 40). 

O espermatozóide que vai fertilizar o óvulo é selecionado com uma micro agulha e depois é injetado dentro do óvulo.

Esta técnica é utilizada quando existem alterações na quantidade, na motilidade ou na forma dos espermatozóides, o que poderia impedir sua entrada no óvulo de maneira natural. Também se utiliza esta técnica quando o homem apresenta azoospermia e os espermatozóides devem ser recuperados por coleta alternativa. Também se utiliza esta técnica em pacientes com vasectomia.

A paciente recebe medicações que vão estimular o crescimento dos folículos ovarianos. Os ovários são avaliados periodicamente até os folículos apresentarem tamanho adequado para agendar o dia da fertilização. Ao final da indução da ovulação, é administrada uma medicação que vai terminar de amadurecer os óvulos e aproximadamente 35hs após este procedimento é agendada a aspiração dos óvulos (punção folicular).

A punção folicular é realizada sob sedação (anestesia). O médico utiliza o ultrassom com uma agulha e aspira os folículos ovarianos via transvaginal. Os óvulos são encontrados dentro do líquido aspirado. No mesmo dia, o homem colhe o sêmen através da masturbação. Após algumas horas, o casal é liberado.

No laboratório, o óvulo é injetado com uma microagulha com ajuda de um equipamento especial (micromanipulador). Após dois ou três dias, em alguns casos até cinco dias, a paciente retorna para transferência embrionária. A transferência não requer anestesia. Os embriões são colocados dentro do útero com um catéter especial com ou sem auxílio de uma ultra-sonografia pélvica via supra-púbica. Após 12 a 14 dias já se pode saber o resultado através do teste de gravidez (beta-hCG).

A chance de sucesso é semelhante à FIV e a taxa de gravidez por tentativa depende da idade da mulher e do diagnóstico do casal.

 

Qual o custo de uma FIV ICSI? Na avaliação inicial o médico pode informar valores atualizados que compreendem os medicamentos, o laboratório, os exames, o procedimento e os profissionais envolvidos.

 

Aonde fazer fertilização in vitro com icsi? Marque consulta com Dra Juliana Amato. Tel (11) 5053-2222

Autor: Dra. Juliana Amato

Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

 

Leia também:

icsitratamentotécnicaLocal do corpo: ÚteroCuidados pós procedimento: Repouso relativo e uso hormonal (indicado pelo médico)Preparo: Preparo hormonal e monitorização de cicloTipo de procedimento: NoninvasiveStatus: Bem definido
Categorias: Medicina

Tratamento de Varizes

Vascular Pro - dom, 01/20/2019 - 18:28



 

Olá, eu sou o Dr. Alexandre Amato e hoje quero acabar com todos os mitos que existem quando o assunto é varizes.

Vou te contar qual é o segredo para que você possa ter novamente uma perna lisa, bonita e livre das varizes incômodas. Tudo isso de uma forma segura, e livre de desconfortos.

Então, assista ao vídeo até o final se quiser descobrir tudo sobre varizes e como tratá-las.

Pelo que posso perceber dentro da nossa clínica ainda existe muita desinformação, muitas soluções supostamente milagrosas, mas com nenhuma comprovação cientifica.

E isso faz com que muitas mulheres sofram por mais tempo com as varizes, mesmo hoje, já existindo ótimas soluções.

Bom, mas quem sou eu para falar sobre esse assunto?

Eu sou médico, cirurgião vascular e endovascular, professor universitário, autor de livros e tive alguns artigos importantes sendo publicados em revistas internacionais.

Atualmente sou diretor administrativo do Amato - Instituto de Medicina Avançada.

Nós estamos há mais de 35 anos atendendo no Amato Consultório Médico, mas nossa história na medicina é muito anterior: são 4 gerações de médicos.

Nós estivemos presentes no início das especialidades médicas, e podemos dizer que nossa história se confunde com a história da medicina no Brasil.

Pois bem, dentro do Instituto Amato um dos vários procedimentos que realizamos há décadas é o combate às varizes.

Esse tipo de tratamento é cada vez mais procurado, principalmente, por aquelas mulheres que já tentaram de tudo. Receitas, chás, cremes e tantos outros métodos estéticos que não tratam de verdade o problema.

O fato é que não há nenhuma comprovação a respeito dessas técnicas alternativas e, mais do que isso, algumas delas podem até prejudicar o estado das varizes.

Muitas mulheres também já tentaram outros tratamentos, pagaram caro, e não tiveram resultados. Na maioria das vezes, esses procedimentos foram feitos por profissionais que nem eram da área da saúde.

É preciso, antes de tudo, entender o que realmente são as varizes e, a partir disso, definir como tratá-las.

As varizes são dilatações ou tortuosidades das veias do corpo humano. As mais comuns são as varizes dos membros inferiores

Como sabemos elas são incomodas, prejudicam a sua aparência e podem também ser prejudiciais a sua saúde, se não tratadas corretamente. Em alguns casos, as varizes podem evoluir para a formação de coágulos nas veias das pernas, a temida trombose.

Estimativas mostram que cerca de 40% das mulheres sofrem com a doença.

Boa parte delas acaba enfrentando uma série de dilemas.

Muitas acabam tendo vergonha e insegurança para colocar um shorts ou uma saia, por exemplo.

E, quando chega o verão, a situação se torna ainda pior. Por sentir vergonha muitas acabam usando calça comprida mesmo nos dias mais quentes.

Para elas usar um shorts ou vestido é algo possível apenas dentro de casa.

Além da insegurança, e da vergonha, as varizes também podem trazer muitas dores nas pernas, muito desconforto e coceira.

Mas o pior de tudo isso é ter a sensação de que o seu problema não tem solução..

Quem tem varizes acaba ouvindo opiniões e conselhos de todo mundo. E esses conselhos, em boa parte das vezes, são prejudiciais.

As pessoas não fazem por mal, mas a desinformação acaba atrapalhando você de ter um tratamento adequado.

Muita gente tem medo de fazer a cirurgia, da anestesia, do pós-operatório, das varizes voltarem depois, etc.

Só que nada disso hoje é motivo de preocupação.

A medicina já possui uma série de procedimentos que são muito eficientes, que tratam problema de verdade e sem trazer complicações para a paciente.

Tratar as varizes, não só é possível, como vai lhe trazer muitos benefícios  principalmente com relação a qualidade de vida.

Um estudo publicado no Journal of Vascular Surgery mostrou que após o tratamento foi possível perceber uma melhora na qualidade de vida dos pacientes em apenas 6 semanas.

O tratamento bem executado acaba com o desconforto, eleva a autoestima da mulher e a faz sentir melhor de uma maneira geral.

Ou seja, um método muitas vezes simples pode, em poucas semanas, acabar com o sofrimento de uma vida inteira.

Não há nada melhor do que se sentir bonita, sem constrangimento em mostrar as pernas em público e usando a roupa que quiser.

E o primeiro passo para resolver o problema é procurar um profissional adequado que vai conseguir te orientar em busca da melhor solução.

O mais recomendado é que você procure um cirurgião vascular já que as varizes são veias e, portanto, precisam ser cuidadas por quem entende do assunto.

Existem vários procedimentos para tratar varizes. Para cada caso há uma solução mais eficiente.

Para o tratamento dos vasinhos menores como reticulares, veias tributarias e colaterais, a microcirurgia e a técnica de Müller podem ser realizadas.

Bom, mas do que se trata exatamente a microcirurgia?

A microcirurgia é uma modificação da técnica de Müller e consiste em fazer pequenos furinhos e, através deles, retirar as veias.

Para você ter uma ideia como esses furos são realmente pequenos, eles não precisam nem de pontos.

Essa microcirurgia pode ser realizada com uma anestesia local sem a necessidade de hospital ou de uma anestesia geral.

Em outros casos, onde ocorre a insuficiência venosa de veias maiores como safena, safena magna, safena parva ou safenas acessórias, o mais indicado é a cirurgia a laser ou por radiofrequência.

Antigamente era feito outra cirurgia, em que se colocava um fio de aço para arrancar essa veia, mas hoje de acordo com as grandes diretrizes internacionais, essa já não é mais a solução primaria para o problema de varizes.

As técnicas termo ablativas, que é como chamamos o laser, e a radiofrequência, têm um resultado melhor e são as mais indicadas atualmente.

Ambas causam a oclusão da veia pelo calor, seja pela energia luminosa do laser ou do calor usado pela energia de micro-ondas, no caso da radiofrequência.

Então, quando falamos em tratamento de varizes, cada caso pede uma solução adequada e que vai trazer os melhores resultados.

E, somente sendo atendida por um profissional capacitado, que entenda do assunto, é que você poderá ter tranquilidade e segurança de que escolheu o procedimento correto.

É exatamente esse atendimento que nós oferecemos a você aqui no Instituto Amato.

Estamos localizados aqui na Av. Brasil, 2283, em São Paulo, SP. O Lugar é de fácil acesso, com metrô próximo, no Cruzamento da Rebouças com a Av Brasil.

A consulta leva entre 40 minutos a 1 hora,  e pode se estender se os exames forem realizados no mesmo momento.

Nossa clínica trabalha com os melhores tratamentos e tecnologia para cuidar de você da melhor maneira possível.

O seu tratamento iniciará primeiramente com uma consulta médica com um especialista em cirurgia vascular.

A partir dessa primeira análise, faremos uma série de exames para se aprofundar mais no seu problema e entender quais são exatamente as veias que precisam ser retiradas.

Como você já sabe existem diversos tratamentos como cirurgia, microcirurgia, com laser, sem laser e as famosas aplicações, espuma, e outros.

Ao não se orientar com um profissional qualificado, você corre o risco de fazer um procedimento inadequado, que não vai cuidar do problema, que será apenas um paliativo ou que vai lhe causar desconfortos desnecessários.

Aqui no Instituto de Medicina Avançado - Amato nós trabalhamos seguindo as diretrizes nacionais e internacionais para o tratamento padrão ouro, ou seja, a melhor indicação para cada caso.

Somente com esse tipo de garantia é que você pode ter a certeza que vai ter melhor solução para o seu problema.

É por isso que indicamos que você marque uma consulta no Instituto Amato e se livre de vez das varizes.

Basta ligar para o número (11) 50532222 ou entrar em contato via Whatsapp através do (11) 944729599 e marcar a sua consulta.

Antes de encerrar essa apresentação eu gostaria, conforme prometido, acabar com alguns mitos que existem sobre o tratamento de varizes.

O primeiro mito que existe é que somente a cirurgia tradicional pode acabar com as varizes.

Bom, como já vimos, cada caso exige um tratamento diferente, mas para uma grande parte das pacientes um procedimento como a microcirurgia é mais do que suficiente para se livrar do problema de vez.

Outro fator que precisa ser esclarecido é com relação a casos de reaparecimento das varizes depois de feito algum procedimento.

Quando isso acontece é porque normalmente o procedimento utilizado não foi adequado, ou houve evolução da doença genética.

E, mesmo nos casos em que a doença volta por algum motivo, o mais recomendável é procurar um tratamento o mais rápido possível. O acumulo de varizes acaba só aumentando o trabalho que precisará ser feito depois.

Um mito também muito comum é com relação ao pós-operatório da cirurgia.

Antigamente, os procedimentos realmente traziam muitas complicações, e a paciente precisava ficar em repouso por um mês.

Só que agora a situação é completamente diferente. O pós-operatório da cirurgia é muito mais rápido, entre 2 e 7 dias.

Além disso, a paciente não necessita ficar repousando na cama e as dores nesse período praticamente não existem.

Durante a cirurgia também é tudo muito tranquilo, afinal de contas, você estará dormindo.

Outro mito muito comum é a respeito da anestesia da cirurgia. Talvez você tenha algum receio de tomar anestesia geral ou mesmo a raquianestesia ou peridural.

Para a sua tranquilidade, tanto a microcirurgia quanto a cirurgia a laser, não se utilizam mais desse tipo de anestesia.

Em nossos procedimentos a paciente recebe anestesia local e uma sedação, assim como, em um procedimento de endoscopia.

Assim, ao acordar você já estará movimentando as suas pernas normalmente.

Outro mito que se criou foi de que alguns tratamentos poderiam piorar o estado das varizes.

Veja bem, todo procedimento visa uma melhoria, mas o que ocorre em boa parte das vezes é um erro de avaliação do profissional. As varizes podem ser sintomas de outros problemas.

Então, muitos pacientes são submetidos a procedimentos inadequados e nesses casos, as varizes podem sim se agravar.

Por isso, volto a ressaltar que a importância de se consultar com um profissional competente para assegurar o melhor tratamento.

O último mito que gostaria de destacar é com relação à trombose e a embolia. Esses são riscos de qualquer procedimento e, por isso mesmo, tomamos todas as medidas necessárias para evitar esse tipo de complicação.

Um detalhe a se observar é que a recuperação e movimentação desses procedimentos são muito rápidas e isso diminui drasticamente qualquer risco de trombose ou embolia.

Bom, outro mito que existe é com relação ao valor do investimento para cuidar das varizes.

Você já ouviu aquela frase: “O barato saí caro”?

Então, isso se aplica perfeitamente aos procedimentos com varizes. Os métodos que teoricamente baratos não resolvem o seu problema, e até podem lhe prejudicar.

Agora que suas dúvidas já foram esclarecidas você já pode marcar a sua consulta. Basta ligar para: (11) 50532222 ou entre em contato via Whatsapp através do (11) 944729599.

Dependendo da época do ano, principalmente quando se aproxima o verão, a procura pelo tratamento de varizes aumenta e temos uma fila de espera grande.

Por isso, é melhor marcar a sua consulta o quanto antes.

Não perca mais tempo e venha agora mesmo fazer o método que vai permitir a você usar um shorts, uma saia, um vestido ou até mesmo um biquíni quando quiser.

Eu, Dr. Alexandre Amato, estou esperando você aqui no Amato - Instituto de Medicina Avançada para tratar as suas varizes.

 

Tags: varizestratamento Select ratingGive Tratamento de Varizes 1/5Give Tratamento de Varizes 2/5Give Tratamento de Varizes 3/5Give Tratamento de Varizes 4/5Give Tratamento de Varizes 5/5 Average: 5 (2 votes)
Categorias: Medicina

Tratamento de Varizes

Vascular Pro - dom, 01/20/2019 - 18:28



Olá, eu sou o Dr. Alexandre Amato e hoje quero acabar com todos os mitos que existem quando o assunto é varizes.

Vou te contar qual é o segredo para que você possa ter novamente uma perna lisa, bonita e livre das varizes incômodas. Tudo isso de uma forma segura, e livre de desconfortos.

Então, assista ao vídeo até o final se quiser descobrir tudo sobre varizes e como tratá-las.

Pelo que posso perceber dentro da nossa clínica ainda existe muita desinformação, muitas soluções supostamente milagrosas, mas com nenhuma comprovação cientifica.

E isso faz com que muitas mulheres sofram por mais tempo com as varizes, mesmo hoje, já existindo ótimas soluções.

Bom, mas quem sou eu para falar sobre esse assunto?

Eu sou médico, cirurgião vascular e endovascular, professor universitário, autor de livros e tive alguns artigos importantes sendo publicados em revistas internacionais.

Atualmente sou diretor administrativo do Amato - Instituto de Medicina Avançada.

Nós estamos há mais de 35 anos atendendo no Amato Consultório Médico, mas nossa história na medicina é muito anterior: são 4 gerações de médicos.

Nós estivemos presentes no início das especialidades médicas, e podemos dizer que nossa história se confunde com a história da medicina no Brasil.

Pois bem, dentro do Instituto Amato um dos vários procedimentos que realizamos há décadas é o combate às varizes.

Esse tipo de tratamento é cada vez mais procurado, principalmente, por aquelas mulheres que já tentaram de tudo. Receitas, chás, cremes e tantos outros métodos estéticos que não tratam de verdade o problema.

O fato é que não há nenhuma comprovação a respeito dessas técnicas alternativas e, mais do que isso, algumas delas podem até prejudicar o estado das varizes.

Muitas mulheres também já tentaram outros tratamentos, pagaram caro, e não tiveram resultados. Na maioria das vezes, esses procedimentos foram feitos por profissionais que nem eram da área da saúde.

É preciso, antes de tudo, entender o que realmente são as varizes e, a partir disso, definir como tratá-las.

As varizes são dilatações ou tortuosidades das veias do corpo humano. As mais comuns são as varizes dos membros inferiores

Como sabemos elas são incomodas, prejudicam a sua aparência e podem também ser prejudiciais a sua saúde, se não tratadas corretamente. Em alguns casos, as varizes podem evoluir para a formação de coágulos nas veias das pernas, a temida trombose.

Estimativas mostram que cerca de 40% das mulheres sofrem com a doença.

Boa parte delas acaba enfrentando uma série de dilemas.

Muitas acabam tendo vergonha e insegurança para colocar um shorts ou uma saia, por exemplo.

E, quando chega o verão, a situação se torna ainda pior. Por sentir vergonha muitas acabam usando calça comprida mesmo nos dias mais quentes.

Para elas usar um shorts ou vestido é algo possível apenas dentro de casa.

Além da insegurança, e da vergonha, as varizes também podem trazer muitas dores nas pernas, muito desconforto e coceira.

Mas o pior de tudo isso é ter a sensação de que o seu problema não tem solução..

Quem tem varizes acaba ouvindo opiniões e conselhos de todo mundo. E esses conselhos, em boa parte das vezes, são prejudiciais.

As pessoas não fazem por mal, mas a desinformação acaba atrapalhando você de ter um tratamento adequado.

Muita gente tem medo de fazer a cirurgia, da anestesia, do pós-operatório, das varizes voltarem depois, etc.

Só que nada disso hoje é motivo de preocupação.

A medicina já possui uma série de procedimentos que são muito eficientes, que tratam problema de verdade e sem trazer complicações para a paciente.

Tratar as varizes, não só é possível, como vai lhe trazer muitos benefícios  principalmente com relação a qualidade de vida.

Um estudo publicado no Journal of Vascular Surgery mostrou que após o tratamento foi possível perceber uma melhora na qualidade de vida dos pacientes em apenas 6 semanas.

O tratamento bem executado acaba com o desconforto, eleva a autoestima da mulher e a faz sentir melhor de uma maneira geral.

Ou seja, um método muitas vezes simples pode, em poucas semanas, acabar com o sofrimento de uma vida inteira.

Não há nada melhor do que se sentir bonita, sem constrangimento em mostrar as pernas em público e usando a roupa que quiser.

E o primeiro passo para resolver o problema é procurar um profissional adequado que vai conseguir te orientar em busca da melhor solução.

O mais recomendado é que você procure um cirurgião vascular já que as varizes são veias e, portanto, precisam ser cuidadas por quem entende do assunto.

Existem vários procedimentos para tratar varizes. Para cada caso há uma solução mais eficiente.

Para o tratamento dos vasinhos menores como reticulares, veias tributarias e colaterais, a microcirurgia e a técnica de Müller podem ser realizadas.

Bom, mas do que se trata exatamente a microcirurgia?

A microcirurgia é uma modificação da técnica de Müller e consiste em fazer pequenos furinhos e, através deles, retirar as veias.

Para você ter uma ideia como esses furos são realmente pequenos, eles não precisam nem de pontos.

Essa microcirurgia pode ser realizada com uma anestesia local sem a necessidade de hospital ou de uma anestesia geral.

Em outros casos, onde ocorre a insuficiência venosa de veias maiores como safena, safena magna, safena parva ou safenas acessórias, o mais indicado é a cirurgia a laser ou por radiofrequência.

Antigamente era feito outra cirurgia, em que se colocava um fio de aço para arrancar essa veia, mas hoje de acordo com as grandes diretrizes internacionais, essa já não é mais a solução primaria para o problema de varizes.

As técnicas termo ablativas, que é como chamamos o laser, e a radiofrequência, têm um resultado melhor e são as mais indicadas atualmente.

Ambas causam a oclusão da veia pelo calor, seja pela energia luminosa do laser ou do calor usado pela energia de micro-ondas, no caso da radiofrequência.

Então, quando falamos em tratamento de varizes, cada caso pede uma solução adequada e que vai trazer os melhores resultados.

E, somente sendo atendida por um profissional capacitado, que entenda do assunto, é que você poderá ter tranquilidade e segurança de que escolheu o procedimento correto.

É exatamente esse atendimento que nós oferecemos a você aqui no Instituto Amato.

Estamos localizados aqui na Av. Brasil, 2283, em São Paulo, SP. O Lugar é de fácil acesso, com metrô próximo, no Cruzamento da Rebouças com a Av Brasil.

A consulta leva entre 40 minutos a 1 hora,  e pode se estender se os exames forem realizados no mesmo momento.

Nossa clínica trabalha com os melhores tratamentos e tecnologia para cuidar de você da melhor maneira possível.

O seu tratamento iniciará primeiramente com uma consulta médica com um especialista em cirurgia vascular.

A partir dessa primeira análise, faremos uma série de exames para se aprofundar mais no seu problema e entender quais são exatamente as veias que precisam ser retiradas.

Como você já sabe existem diversos tratamentos como cirurgia, microcirurgia, com laser, sem laser e as famosas aplicações, espuma, e outros.

Ao não se orientar com um profissional qualificado, você corre o risco de fazer um procedimento inadequado, que não vai cuidar do problema, que será apenas um paliativo ou que vai lhe causar desconfortos desnecessários.

Aqui no Instituto de Medicina Avançado - Amato nós trabalhamos seguindo as diretrizes nacionais e internacionais para o tratamento padrão ouro, ou seja, a melhor indicação para cada caso.

Somente com esse tipo de garantia é que você pode ter a certeza que vai ter melhor solução para o seu problema.

É por isso que indicamos que você marque uma consulta no Instituto Amato e se livre de vez das varizes.

Basta ligar para o número (11) 50532222 ou entrar em contato via Whatsapp através do (11) 944729599 e marcar a sua consulta.

Antes de encerrar essa apresentação eu gostaria, conforme prometido, acabar com alguns mitos que existem sobre o tratamento de varizes.

O primeiro mito que existe é que somente a cirurgia tradicional pode acabar com as varizes.

Bom, como já vimos, cada caso exige um tratamento diferente, mas para uma grande parte das pacientes um procedimento como a microcirurgia é mais do que suficiente para se livrar do problema de vez.

Outro fator que precisa ser esclarecido é com relação a casos de reaparecimento das varizes depois de feito algum procedimento.

Quando isso acontece é porque normalmente o procedimento utilizado não foi adequado, ou houve evolução da doença genética.

E, mesmo nos casos em que a doença volta por algum motivo, o mais recomendável é procurar um tratamento o mais rápido possível. O acumulo de varizes acaba só aumentando o trabalho que precisará ser feito depois.

Um mito também muito comum é com relação ao pós-operatório da cirurgia.

Antigamente, os procedimentos realmente traziam muitas complicações, e a paciente precisava ficar em repouso por um mês.

Só que agora a situação é completamente diferente. O pós-operatório da cirurgia é muito mais rápido, entre 2 e 7 dias.

Além disso, a paciente não necessita ficar repousando na cama e as dores nesse período praticamente não existem.

Durante a cirurgia também é tudo muito tranquilo, afinal de contas, você estará dormindo.

Outro mito muito comum é a respeito da anestesia da cirurgia. Talvez você tenha algum receio de tomar anestesia geral ou mesmo a raquianestesia ou peridural.

Para a sua tranquilidade, tanto a microcirurgia quanto a cirurgia a laser, não se utilizam mais desse tipo de anestesia.

Em nossos procedimentos a paciente recebe anestesia local e uma sedação, assim como, em um procedimento de endoscopia.

Assim, ao acordar você já estará movimentando as suas pernas normalmente.

Outro mito que se criou foi de que alguns tratamentos poderiam piorar o estado das varizes.

Veja bem, todo procedimento visa uma melhoria, mas o que ocorre em boa parte das vezes é um erro de avaliação do profissional. As varizes podem ser sintomas de outros problemas.

Então, muitos pacientes são submetidos a procedimentos inadequados e nesses casos, as varizes podem sim se agravar.

Por isso, volto a ressaltar que a importância de se consultar com um profissional competente para assegurar o melhor tratamento.

O último mito que gostaria de destacar é com relação à trombose e a embolia. Esses são riscos de qualquer procedimento e, por isso mesmo, tomamos todas as medidas necessárias para evitar esse tipo de complicação.

Um detalhe a se observar é que a recuperação e movimentação desses procedimentos são muito rápidas e isso diminui drasticamente qualquer risco de trombose ou embolia.

Bom, outro mito que existe é com relação ao valor do investimento para cuidar das varizes.

Você já ouviu aquela frase: “O barato saí caro”?

Então, isso se aplica perfeitamente aos procedimentos com varizes. Os métodos que teoricamente baratos não resolvem o seu problema, e até podem lhe prejudicar.

Agora que suas dúvidas já foram esclarecidas você já pode marcar a sua consulta. Basta ligar para: (11) 50532222 ou entre em contato via Whatsapp através do (11) 944729599.

Dependendo da época do ano, principalmente quando se aproxima o verão, a procura pelo tratamento de varizes aumenta e temos uma fila de espera grande.

Por isso, é melhor marcar a sua consulta o quanto antes.

Não perca mais tempo e venha agora mesmo fazer o método que vai permitir a você usar um shorts, uma saia, um vestido ou até mesmo um biquíni quando quiser.

Eu, Dr. Alexandre Amato, estou esperando você aqui no Amato - Instituto de Medicina Avançada para tratar as suas varizes.

 

Tags: varizestratamento Select ratingGive Tratamento de Varizes 1/5Give Tratamento de Varizes 2/5Give Tratamento de Varizes 3/5Give Tratamento de Varizes 4/5Give Tratamento de Varizes 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categorias: Medicina

Cirurgia de Varizes com Laser

Vascular Pro - dom, 01/20/2019 - 18:07
Cirurgia de Varizes com Laser

 

Com o avanço tecnológico, os procedimentos cirúrgicos tendem a se tornar cada vez mais seguros e menos invasivos. A cirurgia minimamente invasiva, feita por incisões cada vez menores, diminui a agressão ao organismo. Cirurgias antes realizadas sob anestesia geral, em que os pacientes eram abertos para a retirada de órgãos doentes, foram substituidas por técnicas que permitem o tratamento com o paciente acordado, ou apenas sedado.

O Laser vascular foi desenvolvido para termocoagular as células endoteliais da veia, causando fechamento do vaso doente. A lesão térmica causa o fechamento do vaso e posteriormente ocorre sua reabsorção. Outro mecanismo de ação é a contração do colágeno por coagulação proteica, que ocorre por volta de 50˚C.
A lesão térmica e a contração do colágeno atuam juntamente para a correção do problema e reabsorção da veia, retirando-a de circulação e eliminando o problema venoso decorrente da insuficiência valvular e varizes.

A cirurgia de varizes a laser pode não ser adequada a todos os casos. Portanto consulte seu cirurgião vascular para saber mais a respeito.

Vantagens da a cirurgia de varizes a Laser:

  • não é necessário hospital,
  • menor trauma operatório,
  • melhor evolução, 
  • excelente eficácia (99%) a curto prazo,
  • procedimento mais rápido,
  • menor incidência de complicações,
  • menor gravidade das complicações, 
  • retorno às atividades em até 2 ou 3 dias 

Você sabia que é possível fazer a cirurgia de varizes com laser pelo convênio através do reembolso? Apesar das operadoras ainda não cobrirem a tecnica mais avançada e moderna, ao usar o reembolso médico é possível conseguir a cobertura parcial ou total do procedimento.

Ao fazer sua cirurgia com equipe com ampla experiência no assunto os resultados são melhores: comprovado no trabalho científico internacional que publicamos. Após mais de 1 década realizando o procedimento di cirurgia de varizes com laser, adaptamos o método para os melhores resultados. Conheça nossa equipe vascular.

 

Recomenda-se para um resultado mais duradouro a utilização do laser em associação à fleboextração de pequenos vasos (microcirurgia dos vazinhos) e/ou o CLaCS (criolaser com crioglicose):

Veja no vídeo abaixo o método de funcionamento do laser, que tem a propriedade de ser absorvido apenas pelo tecido e pigmento adequado:

Tire todas suas dúvidas sobre varizes aqui:

Aqui estamos falando da cirurgia com laser para tratar varizes, ou seja, do laser emitido por dentro da veia. As técnicas de escleroterapia, principalmente CLaCs utiliza o laser por fora da pele para tratar vasinhos e algumas varizes menores.

 

 

* não é leiser heim pessoal, e muito menos lazer (lazer é diversão)

vasinhosvarizesvenosolaservazinhos Select ratingGive Cirurgia de Varizes com Laser 1/5Give Cirurgia de Varizes com Laser 2/5Give Cirurgia de Varizes com Laser 3/5Give Cirurgia de Varizes com Laser 4/5Give Cirurgia de Varizes com Laser 5/5 Average: 5 (2 votes)
Categorias: Medicina

Tratamento do Lipedema

Vascular Pro - qui, 01/17/2019 - 18:03

Não existe um tratamento único e definitivo. O controle e melhora da qualidade de vida se atinge ao direcionar o tratamento nos 5 pilares:

  • Reduzir a inflamação
  • Controle da dor
  • Melhorar o retorno linfático
  • Suporte emocional
  • Ajudando o corpo a lidar com o lipedema

 

Embora o lipedema tenha sido diagnosticado e identificado inicialmente na famosa Mayo Clinic em 1940, a maioria dos médicos não está familiarizado com a doença. Não há cura identificada no momento para o lipedema, entretanto a detecção precoce e o tratamento pode reduzir os danos progressivos ao paciente. Mudanças precoces de peso e dieta com nutrição e exercício podem ajudar a reduzir a gordura não  lipedêmica e reduzir a inflamação. Dessa forma pode prevenir o aumento da parte inferior do corpo, que seria pior se o paciente também fosse obeso. Entretanto, mesmo com dieta rígida e regime de exercícios a doença também pode progredir e tratamentos futuros podem ser necessários.

Embora não haja tratamento comprovadamente efetivo para o lipedema, o edema pode ser controlado com a compressão, certos medicamentos, drenagem linfática manual e terapia de descongestão completa. A compressão pode ajudar no retorno linfático, mas dificilmente é tolerado pela dor que os pacientes apresentam, por isso é necessário o tratamento com médico especializado também na escolha da melhor compressão e o melhor momento para inicia-la.

O Lipedema é acompanhado as vezes de outras doenças, que podem agravar a saúde do paciente. Doenças articulares, venosas, linfedema, obesidade, transtornos psicossociais são vistos frequentemente em pacientes com lipedema. Medicamentos para controle da dor, ansiedade e depressão são comuns nesta população, por isso recomenda-se associação a grupos de suporte. A cirurgia bariátrica para obesidade não reduz a gordura lipedemica, embora possa ajudar a tratar as co-morbidades que acompanham.

Grupo de suporte no Facebook

Lipoaspiração:

O tratamento cirúrgico com lipoaspiração no tratamento do lipedema iniciou em 1980 e está ficando cada vez mais comum. Embora tenha ajudado muitos pacientes quando feito por cirurgião treinado e consciente do lipedema, poucos médicos tem o conhecimento necessário, sendo um tratamento frequente na Europa, mas nem tanto nos Estados Unidos. Entre as técnicas de tratamento disponíveis, nem todas são adequadas para todos pacientes. A Lipoasiração assistida a água (WAL – Water Assisted Liposuction) e a Lipoaspiração por tumescência (TLA – Tumescent Liposuction) são dois procedimentos realizados rotineiramente na Alemanha, Países Baixos, Inglaterra e Áustria para pacientes com Lipedema e no Brasil pelo Instituto Amato. Recomenda-se que os pacientes busquem informação aprofundada sobre as técnicas e os médicos antes da realização de qualquer procedimento.

 

 

 

 

Tags: lipedematratamento Select ratingGive Tratamento do Lipedema 1/5Give Tratamento do Lipedema 2/5Give Tratamento do Lipedema 3/5Give Tratamento do Lipedema 4/5Give Tratamento do Lipedema 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categorias: Medicina

Tratamento do Lipedema

Vascular Pro - qui, 01/17/2019 - 18:03

Não existe um tratamento único e definitivo. O controle e melhora da qualidade de vida se atinge ao direcionar o tratamento nos 5 pilares:

  • Reduzir a inflamação
  • Controle da dor
  • Melhorar o retorno linfático
  • Suporte emocional
  • Ajudando o corpo a lidar com o lipedema

 

Embora o lipedema tenha sido diagnosticado e identificado inicialmente na famosa Mayo Clinic em 1940, a maioria dos médicos não está familiarizado com a doença. Não há cura identificada no momento para o lipedema, entretanto a detecção precoce e o tratamento pode reduzir os danos progressivos ao paciente. Mudanças precoces de peso e dieta com nutrição e exercício podem ajudar a reduzir a gordura não  lipedêmica e reduzir a inflamação. Dessa forma pode prevenir o aumento da parte inferior do corpo, que seria pior se o paciente também fosse obeso. Entretanto, mesmo com dieta rígida e regime de exercícios a doença também pode progredir e tratamentos futuros podem ser necessários.

Embora não haja tratamento comprovadamente efetivo para o lipedema, o edema pode ser controlado com a compressão, certos medicamentos, drenagem linfática manual e terapia de descongestão completa. A compressão pode ajudar no retorno linfático, mas dificilmente é tolerado pela dor que os pacientes apresentam, por isso é necessário o tratamento com médico especializado também na escolha da melhor compressão e o melhor momento para inicia-la.

O Lipedema é acompanhado as vezes de outras doenças, que podem agravar a saúde do paciente. Doenças articulares, venosas, linfedema, obesidade, transtornos psicossociais são vistos frequentemente em pacientes com lipedema. Medicamentos para controle da dor, ansiedade e depressão são comuns nesta população, por isso recomenda-se associação a grupos de suporte. A cirurgia bariátrica para obesidade não reduz a gordura lipedemica, embora possa ajudar a tratar as co-morbidades que acompanham.

Grupo de suporte no Facebook

Lipoaspiração:

O tratamento cirúrgico com lipoaspiração no tratamento do lipedema iniciou em 1980 e está ficando cada vez mais comum. Embora tenha ajudado muitos pacientes quando feito por cirurgião treinado e consciente do lipedema, poucos médicos tem o conhecimento necessário, sendo um tratamento frequente na Europa, mas nem tanto nos Estados Unidos. Entre as técnicas de tratamento disponíveis, nem todas são adequadas para todos pacientes. A Lipoasiração assistida a água (WAL – Water Assisted Liposuction) e a Lipoaspiração por tumescência (TLA – Tumescent Liposuction) são dois procedimentos realizados rotineiramente na Alemanha, Países Baixos, Inglaterra e Áustria para pacientes com Lipedema e no Brasil pelo Instituto Amato. Recomenda-se que os pacientes busquem informação aprofundada sobre as técnicas e os médicos antes da realização de qualquer procedimento.

 

 

 

 

Tags: lipedematratamento Select ratingGive Tratamento do Lipedema 1/5Give Tratamento do Lipedema 2/5Give Tratamento do Lipedema 3/5Give Tratamento do Lipedema 4/5Give Tratamento do Lipedema 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categorias: Medicina

Veias Varicosas e Varizes

Vascular Pro - qui, 01/17/2019 - 17:54

Veias varicosas afetam a vida de milhões de pessoas. E por causa dessa frequência e divulgação, a maioria das pessoas reconhece facilmente as veias varicosas como veias dilatadas e tortuosas, visíveis a olho nu e que saltam por sobre a pele. O diagnóstico muitas vezes é feito pelo próprio paciente.
Mas você sabia que você pode ter veias varicosas não tão aparentes e nem ficar sabendo?
Muitas dessas veias estão abaixo da superfície da pele e não são visíveis. As teleangectasias visíveis e as veias varicosas às vezes são apenas a ponta do iceberg. Embora a maioria dos pacientes procure ajuda médica porque esta descontente com a parte estética das teleangectasias e das veias varicosas, isso pode esconder, de fato, um problema venoso muito maior.
As teleangectasias e veias varicosas podem ser um sinal externo, ou um aviso, de que há um problema interno que é conhecido como insuficiência venosa. Pacientes que têm dor crônica, desconforto, sensação de peso ou câimbras, são pacientes que têm mais chance de possuir insuficiência venosa.
As veias varicosas normalmente aparecem em adultos e podem ser causadas por uma variedade de fatores genéticos, ambientais e ocupacionais. O histórico familiar de veias varicosas, múltiplas gravidezes, exposição ao hormônio estrogênio com medicamentos, um estilo de vida sedentário, trauma de tecidos moles e algumas profissões que requerem muito tempo sentado ou de pé. Histórico de trombose e idade avançada, podem todos contribuir para o desenvolvimento da doença venosa, como veias varicosas e insuficiência venosa.
As pessoas frequentemente pensam “O que causa a veia varicosa?”
Enquanto veias normais do nosso corpo trazem o sangue de volta para cima, trazem o sangue das pernas de volta para o coração, as veias varicosas permitem o fluxo sanguíneo nas duas direções, tanto para cima, para o coração, quanto para baixo, para os pés. Isso porque as veias perderam sua habilidade de vencer a gravidade, que está constantemente fazendo força para trazer o sangue para baixo.
Se a gravidade vencesse e todo o nosso sangue parasse em nossos pés, nós iríamos desmaiar. Para evitar que isso aconteça, nós temos válvulas na maior parte de nossas veias, que somente permitem o fluxo em um sentido.
Mas enquanto as veias começam o processo de se tornar varicosas, as paredes vão ficando mais fracas e dilatando. Enquanto elas dilatam, as paredes das veias ficam mais distantes, afastando as válvulas e permitindo que a gravidade vença, empurrando um pouquinho de sangue em direção aos nossos pés, que seria o refluxo.

O que são varizes?
Veias dilatadas e tortuosas, visíveis a olho nú. Essa é a definição mais imples e prática que existe.

O que causa esse enfraquecimento das paredes venosas?
Pesquisas recentes mostram que esse é um processo complicado que envolve a inflamação do corpo, que resulta no dano da parede da veia. Até o momento, não se sabe definitivamente o que desencadeia essa inflamação ou o que pode preveni-la, mas temos alguns indícios.
Os flebologistas têm a esperança de que um dia haverá uma maneira de impedir essa inflamação ou impedir o dano na parede venosa e prevenir a formação das veias varicosas completamente, mas até o momento ainda não há.
Além dos problemas estéticos que as veias dilatadas criam, elas também apresentam uma variedade de outros problemas para as pessoas que as possuem. Sempre que algo em nosso corpo começa a se esticar, ele começa a doer. Essa é a razão pela qual as pessoas que têm veias varicosas frequentemente experimentam sintomas desagradáveis nas pernas, incluindo dor, latejamento, queimação, peso ou fadiga nas pernas, além de uma coceira intensa sobre as veias dilatadas.
Algumas pessoas acordam com dor nas pernas, tipo câimbra, em decorrência das veias varicosas. Esses sintomas normalmente aparecem quando a pessoa tem que ficar muito tempo de pé ou sentada. Por esta razão as pessoas com profissões que não permitem uma movimentação frequente, notam que suas pernas podem ficar desconfortáveis durante, ou no final, do dia de trabalho e é por isso que deitar e elevar as pernas pode fazer se sentir melhor.
Algumas vezes em alguma área da perna que tenha veia varicosa e que sofre um pequeno trauma, como uma batida, ou após um longo período parado no carro ou no avião ou um período prolongado de descanso, um trombo pode se formar dentro de uma veia varicosa. Isto é chamado de trombose, e, se ocorre em uma veia da superfície, tromboflebite superficial
A veia se torna dura, vermelha e dolorosa. Nesses casos o cirurgião vascular ou flebologista pode indicar o uso de meia elástica de compressão, associado ao uso de medicamentos anti-inflamatórios, anti-coagulantes e movimentação frequente. Raramente pode ser necessário cirurgia.
Outras vezes, a formação de um trombo em uma veia do sistema venoso profundo também pode estar presente. Essa é uma situação muito mais séria e que tem um potencial risco de morte, pois a trombose venosa profunda pode desencadear a fatal embolia pulmonar.
Sempre que ocorrer a situação de suas veias ficarem vermelhas, quentes doloridas ou inchaço nas pernas, você deve procurar atendimento médico.
Em algumas pessoas as veias varicosas podem levar ao dano à pele na área do tornozelo. Devido ao refluxo e ao aumento de pressão nas veias da perna, a pressão no tornozelo, venosa, fica maior ainda. Após muito tempo dessa situação isso desencadeia uma reação em cadeia de eventos que podem resultar em uma mancha na pele, chamada dermatite ocre ou mesmo uma úlcera na parte interna ou externa do tornozelo. Essa inflamação duradoura pode também com o tempo endurecer a pele, causando a chamada dermatofibrose.
Tratando as veias varicosas e prevenindo o fluxo do sangue para baixo, esse processo pode ser interrompido e a úlcera pode ser prevenida, razão pela qual o tratamento cirúrgico da insuficiência venosa previne as complicações futuras. Muitas vezes o aparecimento da macha dermatite ocre é o primeiro sintoma, e o dermatologista vai encaminhar para o cirurgião vascular, pois, para ter êxito no tratamento da mancha é necessário primeiro o tratamento da sua causa, a insuficiência venosa.
 
 
Veja mais:

 
Autor: Prof. Dr. Alexandre Amato
* Imagens do banco de imagens: © roblan | Dreamstime.com - Varicose veins

Tags: varizesvenosoveias Select ratingGive Veias Varicosas e Varizes 1/5Give Veias Varicosas e Varizes 2/5Give Veias Varicosas e Varizes 3/5Give Veias Varicosas e Varizes 4/5Give Veias Varicosas e Varizes 5/5 Average: 4.7 (3 votes)
Categorias: Medicina

Microvarizes

Vascular Pro - qui, 01/17/2019 - 10:21

Microvarizes é mais um termo utilizado para classificar as varizes. São varizes pequenas, portanto, veias dilatadas e tortuosas visíveis a olho nú. Os vasinhos são as teleangiectasias, e as varicoses as veias varicosas. Entre elas existe as veias reticulares.

Tipos de Veias

Teleangiectasias e vasinhos: veias quase na superfície da pele e de calibre diminuto, (aproximadamente 2-3 mm ) cujo nome correto é telangectasia; 

Varizes: veias de calibre igual ou superior porém um pouco mais profundas, geralmente abaixo da pele, podendo fazer saliência na pele ou serem sinuosas; 

Veias reticulares e microvarizes: veias abaixo da pele porém de estrutura preservada porém visíveis devido a sua cor e devido a cor da pele; 

Veias perfurantes insuficientes: são vasos de comunicação dos sistema venoso superficial para o profundo, quando insuficientes levam o sangue venoso do sistema profundo (principal) para o superficial com isto dilatando-o e causando varizes e varicoses nos ramos adjacentes, às vezes causando dor localizada.

Tags: venosovarizes Select ratingGive Microvarizes 1/5Give Microvarizes 2/5Give Microvarizes 3/5Give Microvarizes 4/5Give Microvarizes 5/5 Sem avaliações
Categorias: Medicina

Microvarizes

Vascular Pro - qui, 01/17/2019 - 10:21

Microvarizes é mais um termo utilizado para classificar as varizes. São varizes pequenas, portanto, veias dilatadas e tortuosas visíveis a olho nú. Os vasinhos são as teleangiectasias, e as varicoses as veias varicosas. Entre elas existe as veias reticulares.

Tipos de Veias

Teleangiectasias e vasinhos: veias quase na superfície da pele e de calibre diminuto, (aproximadamente 2-3 mm ) cujo nome correto é telangectasia; 

Varizes: veias de calibre igual ou superior porém um pouco mais profundas, geralmente abaixo da pele, podendo fazer saliência na pele ou serem sinuosas; 

Veias reticulares e microvarizes: veias abaixo da pele porém de estrutura preservada porém visíveis devido a sua cor e devido a cor da pele; 

Veias perfurantes insuficientes: são vasos de comunicação dos sistema venoso superficial para o profundo, quando insuficientes levam o sangue venoso do sistema profundo (principal) para o superficial com isto dilatando-o e causando varizes e varicoses nos ramos adjacentes, às vezes causando dor localizada.

Tags: venosovarizes Select ratingGive Microvarizes 1/5Give Microvarizes 2/5Give Microvarizes 3/5Give Microvarizes 4/5Give Microvarizes 5/5 Sem avaliações
Categorias: Medicina

Cirurgia Arterial: Tratamento das artérias que irrigam

Vascular Pro - ter, 01/15/2019 - 18:17
Cirurgia Arterial

Sistema arterial:

O sistema arterial é frequentemente acometido por aterosclerose, que é uma doença evolutiva (surge com a idade) e progressiva. As artérias que apresentam aterosclerose tornam-se estreitas e endurecidas, podendo haver bloqueio da passagem do sangue, levando à isquemia dos tecidos. Isto pode acontecer no coração (infarto do miocárdio), nas pernas (doença arterial obstrutiva periférica) e também nas artérias do pescoço, as carótidas, acarretando isquemia cerebral, que pode ser transitória (AIT - ataque isquemico transitório) ou definitiva (AVC - acidente vascular cerebral). As artérias também podem se dilatar, formando aneurismas, que são potencialmente graves, pois a dilatação do vaso enfraquece a parede com a possibilidade de rompimento do vaso e consequente hemorragia, o chamado aneurisma roto. O aneurisma mais comum é o da aorta abdominal.

- Aterosclerose, Arteriosclerose, Ateriolosclerose
- úlceras arteriais
- AVC (Acidente Vascular Cerebral) decorrente de estenose de carótida (isquemia cerebral de origem extracraniana)
- Pé Diabético
- Claudicação (dor ao caminhar, decorrente da isquemia, diminuição da circulação sangínea periférica)
- Aneurismas Arteriais, tanto da Aorta abdominal quanto de outras localizações
- tromboses arteriais
- isquemia de membros inferiores
- obstrução arterial aguda
- desbridamentos e amputações (cirurgia mutilantes mas potencialmente salvadora de vidas)
- fasciotomias
- arterites e vasculites

 

 

artériaarterialtratamentocirurgia Select ratingGive Cirurgia Arterial: Tratamento das artérias que irrigam 1/5Give Cirurgia Arterial: Tratamento das artérias que irrigam 2/5Give Cirurgia Arterial: Tratamento das artérias que irrigam 3/5Give Cirurgia Arterial: Tratamento das artérias que irrigam 4/5Give Cirurgia Arterial: Tratamento das artérias que irrigam 5/5 Sem avaliações
Categorias: Medicina

Cirurgia Arterial

Vascular Pro - ter, 01/15/2019 - 18:17
Cirurgia Arterial

Sistema arterial:

O sistema arterial é frequentemente acometido por aterosclerose, que é uma doença evolutiva (surge com a idade) e progressiva. As artérias que apresentam aterosclerose tornam-se estreitas e endurecidas, podendo haver bloqueio da passagem do sangue, levando à isquemia dos tecidos. Isto pode acontecer no coração (infarto do miocárdio), nas pernas (doença arterial obstrutiva periférica) e também nas artérias do pescoço, as carótidas, acarretando isquemia cerebral, que pode ser transitória (AIT - ataque isquemico transitório) ou definitiva (AVC - acidente vascular cerebral). As artérias também podem se dilatar, formando aneurismas, que são potencialmente graves, pois a dilatação do vaso enfraquece a parede com a possibilidade de rompimento do vaso e consequente hemorragia, o chamado aneurisma roto. O aneurisma mais comum é o da aorta abdominal.

- Aterosclerose, Arteriosclerose, Ateriolosclerose
- úlceras arteriais
- AVC (Acidente Vascular Cerebral) decorrente de estenose de carótida (isquemia cerebral de origem extracraniana)
- Pé Diabético
- Claudicação (dor ao caminhar, decorrente da isquemia, diminuição da circulação sangínea periférica)
- Aneurismas Arteriais, tanto da Aorta abdominal quanto de outras localizações
- tromboses arteriais
- isquemia de membros inferiores
- obstrução arterial aguda
- desbridamentos e amputações (cirurgia mutilantes mas potencialmente salvadora de vidas)
- fasciotomias
- arterites e vasculites

 

 

artériaarterialtratamentocirurgia Select ratingGive Cirurgia Arterial 1/5Give Cirurgia Arterial 2/5Give Cirurgia Arterial 3/5Give Cirurgia Arterial 4/5Give Cirurgia Arterial 5/5 Sem avaliações
Categorias: Medicina

Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa

Vascular Pro - ter, 01/15/2019 - 18:14
Tratamento de vasinhos e doenças venosas

Sistema venoso:

As doenças venosas são as mais frequentes, sendo as varizes e as tromboses venosas as de maior incidência. As varizes são veias em membros inferiores que se apresentam dilatadas e tortuosas, podendo levar a sintomas como dor, peso e cansaço. A trombose venosa é a formação de coágulos dentro das veias, que podem se desprender e ir para o pulmão, causando embolia pulmonar.

- varizes, vasinhos, microvarizes, teleangiectasias, varicorragia, rotura de varizes
- úlceras venosas
- tromboflebites e tromboses venosas
- trombofilias (doenças do sangue que causam coagulação aumentada)
- acessos venosos profundos e difíceis
- fístulas arteriovenosas para hemodiálise
- acesso vascular para quimioterapia

Anatomia: 

Veias

Causa: 

Alterações estruturais da parede das veias

Select ratingGive Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 1/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 2/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 3/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 4/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 5/5 Average: 5 (1 vote) varizesveiaspernasestéticavasinhos
Categorias: Medicina

Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa

Vascular Pro - ter, 01/15/2019 - 18:14
Tratamento de vasinhos e doenças venosas

Sistema venoso:

As doenças venosas são as mais frequentes, sendo as varizes e as tromboses venosas as de maior incidência. As varizes são veias em membros inferiores que se apresentam dilatadas e tortuosas, podendo levar a sintomas como dor, peso e cansaço. A trombose venosa é a formação de coágulos dentro das veias, que podem se desprender e ir para o pulmão, causando embolia pulmonar.

- varizes, vasinhos, microvarizes, teleangiectasias, varicorragia, rotura de varizes
- úlceras venosas
- tromboflebites e tromboses venosas
- trombofilias (doenças do sangue que causam coagulação aumentada)
- acessos venosos profundos e difíceis
- fístulas arteriovenosas para hemodiálise
- acesso vascular para quimioterapia

Select ratingGive Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 1/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 2/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 3/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 4/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 5/5 Average: 5 (1 vote) varizesveiaspernasestéticavasinhos
Categorias: Medicina

O tratamento a laser para as varizes

Vascular Pro - ter, 01/15/2019 - 18:13
vascular: cirurgia de varizes com laser

O tratamento para as varizes a laser é um procedimento minimamente invasivo que utiliza a energia térmica da luz para desidratar e inutilizar somente as veias que não funcionam. Esse tratamento é realizado preferencialmente nas veias mais superficiais como as safenas -- magna e parva -- ou outras veias acessórias e possivelmente perfurantes. Como todo tratamento, possui indicações e cuidados que devem ser tomados.
As indicações para uso do laser são as mesmas para outras técnicas, como radiofrequência, escleroterapia ou cirurgia aberta. É indicado, portanto, para pessoas que apresentam os “vasinhos” tortuosos salientes, com dor ao ficar muito tempo em pé, cansaço peso nas pernas ou outros sintomas que não melhoram com tratamento clínico. Deve haver indicações de que o fluxo de sangue realmente não flui corretamente, seja por meio de exames de imagem ou pela avaliação médica. Esse procedimento não deve ser realizado em gestantes e em pessoas que tiveram uma trombose recente (quando o sangue coagula dentro do vaso, o que leva a uma obstrução da passagem do sangue).
Há algumas condições em que os benefícios e riscos são avaliados pelo médico-cirurgião vascular, como  tortuosidades em excesso, que impedem a passagem do dispositivo, diâmetro muito grande das veias que se deseja retirar, entre outras. Essa cirurgia pode ser realizada somente com anestesia locorregional (raqui) e sedação ou com anestesia geral no centro cirúrgico. No momento do procedimento, o cirurgião também pode associar outras técnicas para melhorar os resultados.
Na primeira semana, o paciente realiza um ultrassom com doppler (que possibilita ver o fluxo vascular) para avaliar se não há anormalidades precoces. Se não há grandes desconfortos, o paciente só necessita retornar ao médico após um mês para avaliar se há necessidade de mais algum procedimento.
A dor e o desconforto após o procedimento, que são mínimas, vão se resolvendo gradativamente, devendo ser utilizadas as meias compressivas como auxílio. Quando comparada a outras técnicas mais invasivas, o tempo de retorno ao trabalho e atividades diárias é menor, bem como a satisfação dos pacientes.
O uso da técnica a laser para corrigir varizes é bastante complexa e exige conhecimento teórico e domínio prático. Por isso, a indicação e o tratamento devem ser feitos por um médico-cirurgião vascular devidamente habilitado. 

 

vascularvarizeslaser Select ratingGive O tratamento a laser para as varizes 1/5Give O tratamento a laser para as varizes 2/5Give O tratamento a laser para as varizes 3/5Give O tratamento a laser para as varizes 4/5Give O tratamento a laser para as varizes 5/5 Average: 4 (1 vote)
Categorias: Medicina

O tratamento a laser para as varizes

Vascular Pro - ter, 01/15/2019 - 18:13
vascular: cirurgia de varizes com laser

O tratamento para as varizes a laser é um procedimento minimamente invasivo que utiliza a energia térmica da luz para desidratar e inutilizar somente as veias que não funcionam. Esse tratamento é realizado preferencialmente nas veias mais superficiais como as safenas -- magna e parva -- ou outras veias acessórias e possivelmente perfurantes. Como todo tratamento, possui indicações e cuidados que devem ser tomados.
As indicações para uso do laser são as mesmas para outras técnicas, como radiofrequência, escleroterapia ou cirurgia aberta. É indicado, portanto, para pessoas que apresentam os “vasinhos” tortuosos salientes, com dor ao ficar muito tempo em pé, cansaço peso nas pernas ou outros sintomas que não melhoram com tratamento clínico. Deve haver indicações de que o fluxo de sangue realmente não flui corretamente, seja por meio de exames de imagem ou pela avaliação médica. Esse procedimento não deve ser realizado em gestantes e em pessoas que tiveram uma trombose recente (quando o sangue coagula dentro do vaso, o que leva a uma obstrução da passagem do sangue).
Há algumas condições em que os benefícios e riscos são avaliados pelo médico-cirurgião vascular, como  tortuosidades em excesso, que impedem a passagem do dispositivo, diâmetro muito grande das veias que se deseja retirar, entre outras. Essa cirurgia pode ser realizada somente com anestesia locorregional (raqui) e sedação ou com anestesia geral no centro cirúrgico. No momento do procedimento, o cirurgião também pode associar outras técnicas para melhorar os resultados.
Na primeira semana, o paciente realiza um ultrassom com doppler (que possibilita ver o fluxo vascular) para avaliar se não há anormalidades precoces. Se não há grandes desconfortos, o paciente só necessita retornar ao médico após um mês para avaliar se há necessidade de mais algum procedimento.
A dor e o desconforto após o procedimento, que são mínimas, vão se resolvendo gradativamente, devendo ser utilizadas as meias compressivas como auxílio. Quando comparada a outras técnicas mais invasivas, o tempo de retorno ao trabalho e atividades diárias é menor, bem como a satisfação dos pacientes.
O uso da técnica a laser para corrigir varizes é bastante complexa e exige conhecimento teórico e domínio prático. Por isso, a indicação e o tratamento devem ser feitos por um médico-cirurgião vascular devidamente habilitado. 

 

vascularvarizeslaser Select ratingGive O tratamento a laser para as varizes 1/5Give O tratamento a laser para as varizes 2/5Give O tratamento a laser para as varizes 3/5Give O tratamento a laser para as varizes 4/5Give O tratamento a laser para as varizes 5/5 Average: 4 (1 vote)
Categorias: Medicina

Fibromialgia: dor por todo corpo

Vascular Pro - ter, 01/15/2019 - 15:17
dor por todo corpo

Fatos Rápidos

  • Fibromialgia afeta entre 2-4% das pessoas, mais frequentemente as mulheres do que os homens.
  • Fibromialgia não é uma doença autoimune ou uma doença com base em inflamação, mas a pesquisa sugere que o sistema nervoso esteja envolvido.
  • Os médicos diagnosticam fibromialgia com base em todos os sintomas relevantes do paciente (o que você sente), não mais com base apenas no número de lugares sensíveis durante um exame.
  • Não há nenhum teste para detectar esta doença mas você pode precisar fazer exames laboratoriais ou raios-x para descartar outros problemas de saúde.
  • Embora não haja nenhuma cura, medicamentos podem reduzir os sintomas em alguns pacientes.
  • Os pacientes também podem se sentir melhores com cuidados pessoais adequado, tais como exercícios e dormir o suficiente.

Fibromialgia é um problema de saúde neurológica comum que causa dor generalizada e sensibilidade à dor (sensibilidade ao toque). A dor e a sensibilidade tendem a ir e vir e mover-se pelo corpo. Na maioria das vezes, as pessoas com esta doença crônica (a longo prazo) são fatigadas (muito cansadas) e tem problemas de sono. O diagnóstico pode ser feito com um exame cuidadoso.

O que é fibromialgia?
Fibromialgia é uma condição de saúde crônica neurológica que causa dor por todo o corpo e outros sintomas. Outros sintomas da fibromialgia em pacientes com mais frequência são:

  • Sensibilidade ao toque ou pressão afetando os músculos e, algumas vezes, articulações ou até mesmo a pele
  • Fadiga severa
  • Problemas de sono (acordar não revigorado)
  • Problemas de memória ou de pensar claramente

Alguns pacientes também podem ter:

  • Depressão ou ansiedade
  • Dores de cabeça de enxaqueca ou tensão
  • Problemas digestivos: Síndrome do intestino irritável (comumente chamado de SII) ou doença do refluxo gastresofágico (muitas vezes referida como DRGE)
  • Bexiga hiperativa ou irritável
  • Dor pélvica
  • Desordem da articulação temporomandibular - muitas vezes chamado de ATM (um conjunto de sintomas, incluindo dor facial ou mandíbula, clique no maxilar e zumbido nos ouvidos)

 

O papel do reumatologista e do cirurgião vascular
Fibromialgia não é uma forma de artrite (doença de articulação). Não causa inflamação ou danos para as articulações, músculos ou outros tecidos. No entanto, pela fibromialgia poder causar cansaço semelhante à artrite e dor crônica, algumas pessoas podem aconselhá-lo a ver um reumatologista. Outras pessoas buscam o cirurgião vascular pelas queixas dolorosas. Como resultado, muitas vezes um reumatologista detecta essa doença (e exclui as doenças reumáticas) e o vascular exclui as doenças vasculares. Para cuidados a longo prazo, você não precisa continuar com o reumatologista ou cirurgião vascular. Seu especialista de atenção primária, o clínico geral, pode fornecer todos os cuidados e tratamento que você precisa para fibromialgia.

 

Anatomia: 

sistema nervoso central

Causa: 

As causas da fibromialgia não são claras. Elas podem ser diferentes em pessoas diferentes. A pesquisa atual sugere envolvimento do sistema nervoso, particularmente o sistema nervoso central (cérebro e medula espinhal). Fibromialgia não é uma doença autoimune, inflamatória ou transtornos articulares ou musculares. Fibromialgia pode ocorrer nas famílias. Provavelmente existem certos genes que podem tornar as pessoas mais propensas a ter fibromialgia e os outros problemas de saúde que podem ocorrer por causa dela. Apesar disso, os genes, sozinhos, não causam fibromialgia.
Na maioria das vezes, alguns fatores que desencadeiam a fibromialgia. Pode ser problemas de coluna, artrite, lesões ou outro tipo de estresse físico. Estresse emocional também pode desencadear essa doença. O resultado é uma mudança na forma como o corpo "fala" com a medula espinhal e o cérebro. Podem alterar os níveis de proteínas e substâncias químicas do cérebro. Mais recentemente, a fibromialgia tem sido descrita como transtorno de amplificação de dor central, ou seja, que o volume de sensação de dor no cérebro se torna muito alto.
Embora a fibromialgia possa afetar a qualidade de vida, ainda é considerado clinicamente benigna. Não provoca qualquer ataques cardíacos, acidente vascular cerebral (derrame), câncer, deformidades físicas ou perda da vida.

Diagnóstico Diferencial: 

A síndrome da fibromialgia possui manifestações clínicas bem características e critérios diagnósticos estabelecidos. Entretanto, tem sido confundida com diversos outros distúrbios. O motivo é que diversas doenças reumáticas e não reumáticas podem se manifestar por dor difusa e fadiga crônica.
O paciente com hipotireoidismo pode apresentar um quadro clínico que aparenta fibromialgia. Outro distúrbio hormonal que pode causar confusão diagnóstica com a fibromialgia é o hiperparatireoidismo primário. Este distúrbio é causado, na maioria das vezes, por um adenoma de paratireoide (80 a 90% dos casos). Deficiência de vitamina D com hiperpatiroidismo secundário pode causar dores ósseas e musculares, que podem ser interpretadas como fibromialgia. Em certas situações, a osteomalácia pode fazer parte do diagnóstico diferencial, pois alguns pacientes iniciam o quadro com sensação de fraqueza, dor muscular e sensibilidade óssea, antes das manifestações radiográficas e metabólicas da doença.
A polimialgia reumática é uma condição que deve ser sempre lembrada no diagnóstico diferencial da fibromialgia. Às vezes, a polimiosite (assim como outras miosites) pode ser confundida com fibromialgia. Algumas doenças autoimunes do colágeno, particularmente a artrite reumatoide e o lúpus eritematoso sistêmico, podem inicialmente se manifestar com dor difusa e fadiga, conduzindo ao diagnóstico equivocado de fibromialgia. Em outras situações, pacientes com uma artrite reumatoide ou lúpus eritematoso sistêmico estabelecido, com as variadas manifestações clínicas e laboratoriais dessas moléstias, podem apresentar, simultaneamente, um quadro de fibromialgia. Não raramente, a síndrome de Sjögren pode ter como manifestação inicial sintomas de dor muscular difusa e inespecífica, acompanhada de cansaço, podendo causar dificuldade diagnóstica até que parâmetros laboratoriais e outras características clínicas se façam presentes.
Certas reações adversas a determinados medicamentos podem causar mialgias difusas e atrapalhar o médico desinformado. Entre essas medicações, destacam-se os bloqueadores de receptores H2 (utilizados para doença péptica), os fibratos e as estatinas (empregados para o tratamento das dislipidemias) e comumente utilizados pelos pacientes vasculares.
Uso de drogas causa reações que se assemelham a um quadro de fibromialgia, particularmente nos pacientes viciados em cocaína e canabis.
Pacientes etilistas também podem apresentar quadros de dores musculares, seja durante o período do abuso do álcool ou do período de abstinência ao mesmo.
Certas infecções, em particular a hepatite C, o HIV e a doença de Lyme, podem provocar dores musculares difusas e impor dificuldade diagnóstica, principalmente quando não há febre ou outros sintomas típicos. As análises laboratoriais sorológicas podem contribuir para elucidar alguns casos.
Pacientes que realizaram corticoterapia por longos períodos, independentemente do motivo, podem sofrer de uma crise de abstinência ao corticoide, particularmente se a retirada do medicamento for feita de maneira abrupta e inadequada. Esses pacientes podem passar a experimentar dores musculares difusas, que respondem rapidamente à reutilização do medicamento.
Outra condição que deve ser considerada no diagnóstico diferencial da síndrome da fibromialgia é a síndrome paraneoplásica (paraneoplasia). Em raras situações, uma paraneoplasia pode se manifestar com quadro similar ao da fibromialgia e lançar um importante desafio diagnóstico, particularmente no caso do carcinoma broncogênico.
A síndrome da fadiga crônica também deve ser lembrada no diagnóstico diferencial. O antecedente de febre baixa ou de faringite recorrente, além da presença de linfadenopatia, pode contribuir para clarificar o diagnóstico. Nesta síndrome predomina o cansaço, enquanto na fibromialgia predomina a dor difusa.
Talvez a dificuldade diagnóstica maior seja diferenciar a fibromialgia de um reumatismo psicogênico. Em certas situações, o quadro clínico do paciente é expressão de um distúrbio psiquiátrico, particularmente de depressão.
LER (Lesões por Esforços Repetitivos) e DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho) são acrônimos para incorporar um grupo de distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho. 

Epidemiologia: 

Fibromialgia é mais comum em mulheres, mas pode ocorrer em homens. Na maioria das vezes começa no meio da idade adulta, mas pode ocorrer na adolescência e na velhice. Você está em maior risco para a fibromialgia se você tem uma doença reumática (problema de saúde que afeta as articulações, músculos e ossos). Estes incluem osteoartrite, lúpus, artrite reumatoide, ou espondilite anquilosante.

Evolução Natural: 

Viver com fibromialgia
Mesmo com muitas opções de tratamento, o autocuidado do paciente é vital para melhorar os sintomas e o funcionamento diário. Em conjunto com o tratamento médico, comportamentos de um estilo de vida saudável podem reduzir a dor, aumentar a qualidade do sono, diminuir a fadiga e ajudar você a lidar melhor com a fibromialgia. Com o tratamento adequado e o autocuidado você pode ficar melhor e viver uma vida mais normal. Aqui estão algumas dicas de autocuidado para viver com fibromialgia:

  • Arranje tempo para relaxar diariamente. Exercícios de respiração profunda e meditação ajudará a reduzir o estresse que os sintomas podem trazer.
  • Defina um padrão de sono regular. Vá para a cama e acorde todo dia no mesmo horário. Dormir o suficiente permite que seu corpo se repare fisicamente e mentalmente. Além disso, evite dormir durante o dia e limite a ingestão de cafeína, que pode interromper o sono. A nicotina é um estimulante, então os pacientes de fibromialgia com problemas de sono devem parar de fumar.
  • Se exercite frequentemente. Esta é uma parte muito importante do tratamento da fibromialgia. Embora difícil a princípio, exercício regular muitas vezes reduz os sintomas de dor e fadiga. Os pacientes devem seguir o ditado, "começar de leve, ir de boa". Lentamente adicione ginástica diária em sua rotina. Por exemplo, escolha as escadas em vez do elevador ou estacione ainda mais longe da loja. Com os sintomas diminuindo com o tratamentos com remédios, comece a aumentar sua atividade. Adicione algumas caminhadas, natação, hidroginástica e/ou exercícios de alongamento e comece a fazer coisas que você parou de fazer por causa de sua dor e dos outros sintomas. Leva tempo para criar uma rotina confortável. Mas continue se movendo, mantenha-se ativo e não desista!
  • Eduque-se. Organizações reconhecidas como a  ABRAFIBRO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FIBROMIÁLGICOS são grandes fontes para obter informações. Compartilhe essas informações com familiares, amigos e colegas de trabalho.
  • Olhe para a frente, não para trás. Foque no que você precisa fazer para melhorar, não o que causou a doença.

 

Sinais ou Sintomas: 

Um médico vai suspeitar de fibromialgia baseado nos seus sintomas. Os médicos podem exigir que você tenha sensibilidade à pressão ou pontos dolorosos em um número específico de determinados pontos antes de dizer que você tem fibromialgia, mas eles não são obrigados a fazer o diagnóstico (veja a tabela). Um exame físico pode ser útil para detectar a sensibilidade e para excluir outras causas de dor muscular. Existem testes diagnósticos (como radiografias ou exames de sangue) para este problema. Mesmo assim, você pode precisar de exames para descartar um outro problema de saúde que pode ser confundido com fibromialgia.
Como a dor generalizada do corpo é a principal característica da fibromialgia, prestadores de cuidados à saúde irão pedir para descrever a sua dor. Isso pode ajudar a distinguir entre fibromialgia e outras doenças com sintomas semelhantes. Outras condições, tais como hipotireoidismo (hipoatividade da glândula tireoide) e polimialgia reumática algumas vezes imitam a fibromialgia. Exames de sangue podem dizer se você tem qualquer um destes problemas. Às vezes, a fibromialgia é confundida com artrite reumatoide ou lúpus. Mas, novamente, há uma diferença nos sintomas e testes físicos e exames de sangue vão ajudar seu médico a detectar esses problemas de saúde. Ao contrário da fibromialgia, essas doenças reumáticas causam a inflamação nas articulações e tecidos.
 
Critérios necessários para um diagnóstico de fibromialgia

1. Dor e sintomas durante a semana passada com base no número total de áreas dolorosas de 19 partes do corpo mais o nível de gravidade destes sintomas:
a. fadiga
b. acordar não revigorado - sono não repousante
c. problemas cognitivos (de memória ou pensamento).
Somado o número de outros sintomas físicos gerais

2. sintomas durando pelo menos três meses em um nível semelhante

3. nenhum outro problema de saúde que explique a dor e outros sintomas

 

Fonte: Colégio Americano de Reumatologia, 2010

Tratamentos Possíveis: 

Não existe cura para a fibromialgia. Entretanto, sintomas podem ser tratados com base em tratamentos não-farmacológico ou com medicação. Muitas vezes os melhores resultados são alcançados por meio de vários tipos de tratamentos.
Terapias não-farmacológicas: Pessoas com fibromialgia devem usar tratamentos não-farmacológicos, assim como quaisquer medicamentos que os médicos sugerem. Pesquisa mostra que o tratamento mais eficaz para a fibromialgia é exercício físico. Exercício físico deve ser usado além de qualquer tratamento farmacológico. Os pacientes beneficiam-se mais dos exercícios aeróbicos regulares. Outras terapias baseadas no corpo, incluindo o Tai Chi e yoga, podem aliviar os sintomas da fibromialgia. Embora você possa estar sofrendo, exercício físico de baixo impacto não será prejudicial.
Terapia cognitiva comportamental é um tipo de terapia focada na compreensão de como pensamentos e comportamentos afetam a dor e outros sintomas. TCC e tratamentos relacionados, tais como atenção plena (Mindfulness), podem ajudar pacientes a aprender habilidades de redução de sintoma que diminui a dor. Atenção plena é uma prática de meditação não-espiritual que cultiva a consciência do momento presente. Redução do estresse baseado em atenção plena demonstrou melhorar significativamente os sintomas da fibromialgia.
Outras terapias complementares e alternativas (às vezes chamadas de TCA ou medicina integrativa), tais como acupuntura, quiropraxia e massagem terapêutica, podem ser úteis para controlar os sintomas da fibromialgia. Muitos destes tratamentos, no entanto, não foram bem testados em pacientes com fibromialgia.
É importante notar fatores de risco e gatilhos para a fibromialgia, incluindo distúrbios do sono, como apneia do sono e problemas de humor, tais como stress, ansiedade, transtorno do pânico e depressão. Isso pode exigir o envolvimento de outros especialistas tais como um doutor em medicina do sono, psiquiatra e terapeuta.
Medicamentos: O FDA aprovou três medicamentos para o tratamento da fibromialgia. Eles incluem dois medicamentos que mudam algumas das químicas cerebrais (serotonina e noradrenalina) que ajudam a controlar os níveis de dor: duloxetina (Cymbalta) e milnacipran (Savella). Medicamentos mais antigos que afetam esses mesmos produtos químicos cerebrais também podem ser utilizados para tratar a fibromialgia. Estes incluem a amitriptilina (Elavil) e ciclobenzaprina (Flexeril). Outras remédios antidepressivos podem ser úteis em alguns pacientes. Efeitos colaterais variam de acordo com o remédio. Pergunte ao seu médico sobre os riscos e benefícios de sua medicação.
A outras drogas aprovadas para fibromialgia é a pregabalina (Lyrica). Pregabalina e outra droga, gabapentina (Neurontin), trabalham bloqueando a atividade das células nervosas envolvidas na transmissão da dor. Estes medicamentos podem causar tonturas, sonolência, inchaço e ganho de peso.
É altamente recomendável evitar medicamentos opioides entorpecentes no tratamento da fibromialgia. A razão para isto é que a evidência da pesquisa mostra que essas drogas não são úteis para a maioria das pessoas com fibromialgia e irão causar maior sensibilidade a dor ou fazer a dor persistir. Tramadol (Ultram) pode ser usado para tratar a dor da fibromialgia se houver necessidade de uso a curto prazo de um narcótico de opioide. Medicamentos sem receita como o paracetamol (Tylenol) ou antiinflamatórios não esteroidais (comumente chamado de AINEs) como o ibuprofeno (Advil, Motrin) ou o naproxeno (Aleve, Anaprox) não são eficazes para dor da fibromialgia. No entanto, esses remédios podem ser úteis para tratar os gatilhos da dor da fibromialgia. Sendo assim, eles são mais úteis em pessoas que têm outras causas para a dor como a artrite, além de fibromialgia.
Para problemas com sono, alguns dos medicamentos que tratam a dor também melhoram o sono. Estes incluem ciclobenzaprina (Flexeril), amitriptilina (Elavil), gabapentina (Neurontin) ou pregabalina (Lyrica). Não se recomenda que os pacientes com fibromialgia tomem medicamentos para dormir como zolpidem (Ambien) ou medicamentos benzodiazepínicos.
Sempre procure seu médico para indicar o melhor tratamento. Não faça auto medicação.

Código: M79.7 Select ratingGive Fibromialgia: dor por todo corpo 1/5Give Fibromialgia: dor por todo corpo 2/5Give Fibromialgia: dor por todo corpo 3/5Give Fibromialgia: dor por todo corpo 4/5Give Fibromialgia: dor por todo corpo 5/5 Average: 5 (2 votes) reumatologiadorneurologiaFibromialgia
Categorias: Medicina

Escleroterapia: aplicação nos vasinhos

Vascular Pro - ter, 01/15/2019 - 15:03

Escleroterapia: guiada ou não pelo ultrassom.

Um dos tratamentos das veias varicosas é a escleroterapia, que significa literalmente terapia do endurecimento da veia. Aqui no Brasil é conhecida como aplicação de vasinhos, e secagem de vasinhos, mas é uma técnica que pode também ser aplicada em veias maiores. Na veia doente é injetada uma substancia chamada esclerosante, que irrita a parede da veia, fazendo-a endurecer e eventualmente desaparecer, muitas vezes com o objetivo estético. A escleroterapia foi descrita inicialmente lá pelos idos de 1800 e desde lá houve muita evolução e melhoras para transformá-la no tratamento seguro e útil de hoje em dia. Enquanto os primeiros esclerosantes causavam muitos efeitos colaterais graves e os esclerosantes de 20 a 30 anos atrás eram desconfortáveis para a paciente, as medicações atuais são mais seguras e raramente causam efeitos colaterais. São bem confortáveis e geralmente produzem um excelente resultado estético.

Por muitos anos os cirurgiões vasculares puderam apenas usar a escleroterapia para tratar veias que poderiam ser vistas na superfície da pele, entretanto em 1989 tentou-se pela primeira vez utilizar o ultrassom para guiar a escleroterapia. E essa tecnologia avançou e tornou possível a identificação de todas as veias anormais, mesmo aquelas não visíveis na superfície da pele. Atualmente além do ultrassom utiliza-se a fleboscopia com a projeção de realidade aumentada na pele do paciente.

Alguns dos esclerosantes mais comuns incluem:

  • o oxypolyethoxydodecane, originalmente foi desenvolvido como anestésico e é provavelmente o esclerosante mais utilizado no mundo, ele é confortável para o paciente, tem uma incidência baixa de reação alérgica e geralmente produz bons resultados estéticos, ele também pode ser diluído para produzir concentrações adaptáveis a qualquer diâmetro de veia, mas sendo um detergente ele também pode ser usado para criar uma espuma que é muito efetiva para ao tratamento de veias grandes varicosas
  • a glicerina é considerada off label, ela é bem espessa e normalmente é diluída com anestésico para ficar mais fina e fácil de injetar, a glicerina é confortável e efetiva para o tratamento de telangectasias com bons resultados.
  • a glicose hipertônica é muito utilizada no Brasil e funciona pela sua alta osmolaridade, causando o fechamento das veias após lesão do endotélio venoso. É a substância esclerosante mais segura, mas com um poder esclerosante baixo. Por isso sua associação com outras técnicas, como o laser transdérmico (CLaCs) e radiofrequência é bem interessante, aumentando efetividade sem aumentar riscos.
  • a espuma pode ser feita a partir de diversos esclerosantes, como  oxypolyethoxydodecane e o sódio tetradecil sulfato. Muitos médicos começaram a produzir a espuma para aumentar a potência ou diminuir a quantidade de medicação necessária, quando o liquido esclerosante é injetado, ele automaticamente se mistura com o sangue na veia, ficando diluído. Isso resulta em uma concentração menor do que ele tem a oferecer. Então, mais medicação é necessária para conseguir a irritação necessária da parede da veia. Quando o esclerosante é injetado na forma de espuma ele não se dilui tão fácil e tão rápido, e é capaz de irritar a parede da veia mais efetivamente e com uma menor quantidade de esclerosante atinge o mesmo efeito. Sendo assim as veias fecham mais rápido e mais facilmente. 

Em adição aos melhores medicamentos e técnicas e avanços na escleroterapia com o objetivo de melhorar a sua efetividade, o mais importante desses avanços recentes foi o o uso do ultrassom para visualizar a veia durante a injeção da substância esclerosante. Essa técnica altamente especializada está sendo cada vez mais utilizada no mundo, permitindo que o cirurgião vascular trate precisamente qualquer veia, mesmo aquelas que não são visíveis na superfície da pele, ao verificar a imagem ultrassonográfica durante o procedimento, o médico pode se assegurar que  agulha está dentro da veia para injeção e também observar a medicação caminhar dentro da veia, monitorando a reação venosa ao tratamento. Quando as imagens do ultrassom são usadas para escleroterapia direta o procedimento é conhecido como escleroterapia guiada por ultrassom ou ablação química endovenosa.

A escleroterapia é frequentemente realizada ambulatorialmente sem a necessidade de internação ou anestesia. Após o tratamento escleroterápico a maioria dos pacientes veste meia de compressão graduada ou um enfaixamento compressivo por um período de tempo que depende do tamanho, número e localização das veias que foram tratadas. É importante caminhar regularmente e logo após a realização da escleroterapia você pode sentir que as suas pernas ficam melhores ao caminhar. A maioria dos pacientes volta ao trabalho ou imediatamente ou no dia seguinte. Repetir a escleroterapia é geralmente necessário para tratar numerosas veias doentes.

A percepção visual do desaparecimento das veias normalmente começa algumas semanas após o procedimento ou podem levar alguns meses para se completar. A quantidade de sessões de escleroterapia que você pode precisar deve ser avaliada e determinada de modo aproximado pelo o seu cirurgião vascular em consulta médica, com os dados clínicos e exames subsidiários. Embora a escleroterapia seja um tratamento excelente para telangectasias e veias varicosas, ela não vai prevenir a formação e dilatação de novas veias. Apesar disso, como é um procedimento simples, a maioria dos pacientes não se incomoda de repetir o tratamento sempre que as veias aparecem e voltam a incomodar.

A escleroterapia é um excelente exemplo da combinação da ciência e arte da medicina, pois ela é baseada em fundamentos científicos sólidos, mas sua prática não deixa de ser uma arte. Hoje em dia, os cirurgiões vasculares são artistas médicos que escolhem uma ampla gama de medicamentos e técnicas para alcançar o melhor resultado para cada paciente. A escleroterapia deve ser indicada e realizada por médico profissional e competente

 



Autor: Prof. Dr. Alexandre Amato

Tags: venosoveiaescleroterapiadr. alexandre amatolaser Select ratingGive Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 1/5Give Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 2/5Give Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 3/5Give Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 4/5Give Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 5/5 Sem avaliações
Categorias: Medicina

Páginas

Subscrever Frases Fortes agregador - Medicina

Não perca Frases do Einstein selecionadas a dedo.

Conhece alguma frase legal? Envie-nos.

Vote agora nas frases e citações que você mais gosta.

delorean